Imagens de Pagu

trajetória midiática e construção de um mito

Palavras-chave: Pagu, Mídia, Cultura brasileira, Fama.

Resumo

Este artigo investiga a trajetória midiática de Patrícia Galvão (1910-1962). Sua aparição, quando se tornou conhecida no bojo do modernismo brasileiro, e as duas subsequentes fases de sua trajetória – presa política e torturada; jornalista e crítica cultural – são examinadas. Analisamos jornais e revistas, biografias e estudos acadêmicos, apresentando significados das imagens de Pagu. Ela desempenhou inúmeras atividades artísticas, políticas e culturais, permitindo uma inconstância que fez de si permanentes fragmentos capazes de múltiplas combinações. Sugerimos algumas hipóteses para o apagamento e o ressurgimento de Pagu no imaginário brasileiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Everardo Pereira Guimarães Rocha, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Professor-Associado do Programa de Pós-graduação em Comunicação da PUC-Rio, Rio de Janeiro, Brasil.

Lígia Campos de Cerqueira Lana, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Bolsista de Pós-Doutorado (PAPDRJ/Capes-Faperj) do Pós-Graduação em Comunicação Social da PUC-Rio, Rio de Janeiro, Brasil.

Referências

ABU-LUGHOD, Lila. Melodrama egípcio: uma tecnologia do sujeito moderno? cadernos pagu (21), Campinas/SP, Núcleo de Estudos de Gênero-Pagu/Unicamp, 2003, pp.75-102.

BOPP, Raul. Coco de Pagu (poema). Rio de Janeiro, Para todos…, ano X, no 515, 27 out. 1928, pp.24.

BOURDIEU, Pierre. L’illusion biographique. Actes de la recherche en sciences sociales, vol. 62-63, Jun. 1986, pp.69-72.

CAMPOS, Augusto. Pagu vida-obra. São Paulo: Companhia das Letras, 2013 [1982]. [edição kindle]

COSTA, Márcia. De Pagu a Patrícia: o último ato. São Paulo: Editora Dobradura Editorial, 2012.

COSTA, Márcia. Jornalismo cultural: a produção de Patrícia Galvão no jornal A Tribuna (Santos). São Paulo, XXIV Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 2011.

DA MATTA, Roberto. A casa & a rua: espaço, cidadania, mulher e a morte no Brasil. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

FREIRE FILHO, João; LANA, Lígia. Pacto de visibilidade: mídia, celebridades e humilhação. Contracampo, vol. 30, 2014, pp.4-23.

GALVÃO, Patrícia. Paixão Pagu: uma autobiografia precoce de Patrícia Galvão. São Paulo, Agir, 2005.

GALVÃO, Walnice Nogueira. Indômita. São Paulo, Teoria e Debate, no 87, mar./abr. 2010, pp.56-58.

GOLDENBERG, Míriam. Toda mulher é meio Leila Diniz. Rio de Janeiro: Record, 1995.

JACKSON, Kenneth David. A denunciada denuncia [She who was denounced denounces]: Pagu and Politics, 1931–1954. An Introduction to the Journalism of Patrícia Galvão. Review: Literature and Arts of the Americas, vol. 39, issue 2, 2006, p.228-235.

JACKSON, Kenneth David. Uma evolução subterrânea: o jornalismo de Patrícia Galvão. Instituto de Estudos Brasileiros da Universidade de São Paulo, Revista IEB, no 53, mar./set. 2011, pp.31-52.

KEHL, Maria Rita. Deslocamentos do feminino: a mulher freudiana na passagem para a modernidade. São Paulo: Boitempo, 2016.

LANA, Lígia. Jornalismo de celebridade, interesse humano e representações femininas na contemporaneidade. In: FREIRE FILHO, João; COELHO, Maria das Graças Pinto (org.). Jornalismo, cultura e sociedade: visões do Brasil contemporâneo. Porto Alegre: Sulina, 2014, pp.174-193.

LEON, Charles Ponce. Self-exposure. Human-interest journalism and the emergence of celebrity in America (1890-1940). Chapel Hill: The University of North Carolina Press, 2002.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Mito e significado. Lisboa, Edições 70, 1987.

MORIN, Edgar. As estrelas: mito e sedução no cinema. Rio de Janeiro: José Olympio, 1989.

NEVES, Juliana. Geraldo Ferraz e Patrícia Galvão: a experiência literária do Suplemento Literário do Diário de S. Paulo, nos anos 40. São Paulo: Annablume/Fapesp, 2005.

PONTES, Heloísa. Vida e obra de uma menina nada comportada: Pagu e o suplemento literário do Diário de S. Paulo. cadernos pagu (26), Campinas, SP, Núcleo de Estudos de Gênero-Pagu/Unicamp, janeirojunho de 2006, pp.431-441.

RAGO, Margareth. Adeus ao Feminismo? Feminismo e (pós)modernidade no Brasil. Cadernos do arquivo Edgar Leuenroth, vol. 3, no 3, Campinas, SP, 1997, pp.11-43.

RIBEIRO, Darcy. Aos trancos e barrancos: como o Brasil deu no que deu. Rio de Janeiro, Editora Guanabara, 1985.

ROCHA, Everardo; LANA, Lígia. Fama e afetação: as passagens de Sarah Bernhardt pelo Rio de Janeiro (1886-1905). Revista Famecos, vol. 24, 2017, p.26222.

SOIHET, Rachel. Zombaria como arma antifeminista: instrumento conservador entre libertários. Revista Estudos Feministas, vol.13 (3), 2005, pp.591-611.

VELHO, Gilberto. Nobres & anjos: um estudo de tóxicos e hierarquias. Rio de Janeiro, Editora FGV, 1998.

A PRISÃO, em Santos, da Sra. Oswaldo de Andrade. São Paulo, Correio da Manhã, ed. 11234, 31 jul. 1931, p.3.

AGENTES de Moscou! Rio de Janeiro, A Noite, ed. 8657, 1o fev. 1936, p.1.

DESTRUÍDA importante célula do Partido Operário Leninista. Rio de Janeiro, O Jornal, ed. 5783, p.6.

ETERNAMENTE Pagu. Direção: Norma Bengell. Rio de Janeiro: Flai Cinematográfica Ltda; Sky Light Cinema; Maksoud Plaza; Embrafilme, 1987. 35 mm, cor, 100 min.

HOMENAGEM a Tarsila do Amaral. São Paulo, Correio Paulistano, ed. 23625, 07 ago. 1929, p.1.

OS ESTUDANTES de Direito de S. Paulo e o “Homem do Povo”. São Paulo, Correio da Manhã, ed.11142, 15 abr. 1931, p.3.

“PAGU” e sua irmã Sidéria presas em São Paulo. Rio de Janeiro, O Jornal, ed. 5091, 24 jan. 1936, p.3.

PAGU perante a justiça. Rio de Janeiro, A Noite, ed. 8663, 8 fev. 1936, p.1.

PAVÃO, Ary. Voto em Pagu. Rio de Janeiro, Diário Carioca, ed. 1337, 16 dez. 1932, p.3.

“SENHORITA PARANÁ”. São Paulo, Diário Nacional, ed. 592, 7 jun. 1929, p.1.

UM CONFLITO em Santos. Rio de Janeiro, O Jornal, ed. 3926, 25 ago. 1931, p.1.
Publicado
2018-12-14
Como Citar
Rocha, E. P. G., & Lana, L. C. de C. (2018). Imagens de Pagu. Cadernos Pagu, (54), e185416. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8656302