As cigarreiras revoltosas e o movimento operário

história da primeira greve feminina do Recife e as representações das mulheres operárias na imprensa

Palavras-chave: Movimento operário, Greve, Operárias, Identidade de gênero.

Resumo

A greve das cigarreiras de 1903 foi encetada pela demissão das primeiras quatro mulheres a ingressarem no movimento operário do Recife. Com o objetivo de compreender as motivações que levaram essas trabalhadoras a se organizarem politicamente, este artigo analisa os eventos em torno da greve e as representações sociais que situavam o trabalho de mulheres em fábricas como uma prática moralmente reprovável. O exame das questões propostas evidencia que as cigarreiras se apropriaram das plataformas de ação fornecidas pelo movimento operário para conquistar visibilidade em um processo de estabelecimento de uma identidade de gênero relacionada ao trabalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Felipe Azevedo e Souza, Universidade Federal da Bahia

Doutor em História Social pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Bolsista de Pós-Doutorado pela CAPES na Universidade Federal da Bahia (UFBA).

Referências

ARAÚJO, Rita de Cássia Barbosa de. Carnaval do Recife: a alegria guerreira. Estudos Avançados, São Paulo, vol. 11, nº 29, 1997.

BAK, Joan. Classe, etnicidade e gênero no Brasil: a negociação de identidade dos trabalhadores na greve de 1906, em Porto Alegre. MÉTIS: História & Cultura, vol.2, no 4, jul. / dez. 2003, pp.181-224.

CANNING, Kathleen. Feminist history after the linguistic turn: historicizing discourse and experience. Journal of Women in Culture and Society, vol. 19, no 2, Winter, 1994, pp. 368-404.

GALLEGO, Francesc A. Martínez. The tocata and fugue of the urban factory. Working - class conflicts and work discipline in Valencia, 1840-1880. In: PIQUERAS, José; ROZALÉN, Vincent (ed.). A social history of Spanish labour. Oxford: Berghanhn, 2007, pp.92-105.

GRAHAM. Sandra Lauderdale. Proteção e obediência: criadas e seus patrões no Rio de Janeiro, 1860-1910. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

KERGOAT, Danièle. Divisão sexual do trabalho e relações sociais de sexo. Traduzido por Miriam Nobre. Disponível em: http://poligen.polignu.org/sites/poligen.polignu.org/files/adivisaosexua ldotrabalho_0.pdf. Acesso em: abril de 2015.

MACIEL, Osvaldo. Filhos do trabalho, apóstolos do socialismo os tipógrafos e a construção de uma identidade de classe em Maceió. Dissertação de mestrado, Departamento de História UFPE, 2004.

NASCIMENTO, Alcileide; LUZ, Noêmia. Liberdade, transgressão e trabalho. O cotidiano das mulheres na cidade do Recife (1870-1914). Caderno Espaço Feminino, vol. 25, nº 1, jan-jun 2012.

NASCIMENTO, Luiz do. História da Imprensa de Pernambuco (1821-1954). Recife, EDUFPE, vol. VI, 1972.

RAGO, Margareth. Do cabaré ao lar: a utopia da cidade disciplinar. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 3º ed., 1997.

RUIZ, Vicki L.; KORROL, Virginia Sánchez. (eds.). Latinas in the United States: a historical encyclopedia. Virginia: Indiana University Press, 2006.

SCHETTINI, Cristiana. Que tenhas teu corpo: uma história social da prostituição no Rio de Janeiro das primeiras décadas republicanas. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2006.

SCOTT, Joan. Gender: a useful category of historical analyses. Gender and the politics of history. New York: Columbia University Press, 1989.

SCOTT, Joan. Gender and politics of History. New York: Columbia University Press, 1988.

SILVA, Elizabete Rodrigues da Silva. Fazer charutos: uma atividade feminina. Salvador, Dissertação (Mestrado em História), UFBA, Salvador, 2011.

SILVA, Marinete dos Santos. Clientes e circuitos da prostituição no Rio de Janeiro do século XIX. Dimensões, vol.29, 2012, pp. 374-391.

SILVA, Esequiel Gomes da. Momentâneas e horizontais: as prostitutas nas crônicas de Artur Azevedo. Recorte, vol. 11, nº 1, jan-jun 2014, pp. 1-12.

SOUZA, Felipe Azevedo e. A participação política das classes populares em três movimentos, Recife (c. 1880 – c. 1900). Tese (Doutorado em História), IFCH/UNICAMP, Campinas, 2018.

WEINSTEIN, Barbara. As mulheres trabalhadoras em São Paulo: de operárias não-qualificadas a esposas profissionais. cadernos pagu (4), Campinas-SP, Núcleo de Estudos de Gênero-Pagu/Unicamp, 1995, pp. 143-171.

Fontes primárias
Jornal do Recife
Agradecimento. Jornal do Recife (PE), 13 de fevereiro de 1895.
Manifestação. Jornal do Recife (PE), 8 de outubro de 1895.
Operários cigarreiros. Jornal do Recife (PE), 3 de janeiro de 1899.
A Cigarreira. Jornal do Recife (PE), 29 de abril de 1900.
Fábrica Lafayette. Jorn al do Recife (PE), 24 de janeiro de 1901.
Levante. Jornal do Recife (PE), 3 de setembro de 1903.
1º de Maio. Jornal do Recife (PE), 3 de maio de 1904.
Centro Operário. Jornal do Recife (PE), 5 de junho de 1904.
A festa do Gabinete. Jornal do Recife (PE), 27 de agosto de 1904.
Jornal do Recife (PE), 17 de maio 1905.
Protesto dos operários da Fábrica Lafayette. Jornal do Recife (PE), 11 de março de 1906.

A Província
A Província (PE), 25 de agosto de 1901.
Secção Variedades. A Província (PE), 11 de maio de 1901.
A Província (PE), 15 de janeiro de 1902.
Agradecimento. A Província (PE), 19 de outubro de 1902 e 21 de outubro de 1902.
A Província (PE), 23 de julho de 1903.
A Província (PE), 27 de agosto de 1903.
Greve das Cigarreiras. A Pro víncia (PE), 3 de setembro de 1903.
O que diz o Centro Operário. A Província (PE) , 3 de setembro de 1903.
Greve das Cigarreiras. A Província (PE), 5 de setembro de 1903.
Greve das Cigarreiras. A Província (PE), 6 de setembro de 1903.
Greve das Cigarreiras. A Província (PE), 10 de setembro de 1903.
Carnaval. A Província , 16 de fevereiro de 1904.
Serviço de Higiene. A Província (PE), 10 de maio de 1904.
Agradecimento. A província (PE), 18 de maio de 1904.
A Província (PE), 10 de janeiro de 1905.
Publicações solicitadas. A Província (PE), 19 de maio de 1905.
Monte Pio Popular. A Província (PE), 15 de novembro de 1905.

Diário de Pernambuco
Cigarreiras em greve. Diário de Pernambuco (PE), 3 de setembro de 1903. Cigarreiras em greve. Diário de Pernambuco (PE), 5 de setembro de 1903.
Echo do Povo
A fome avassala. Echo do Povo (PE), 10 de dezembro de 1910.
Publicado
2019-08-28
Como Citar
Souza, F. A. e. (2019). As cigarreiras revoltosas e o movimento operário. Cadernos Pagu, (55), e195513. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8656375