Dançarinas no “circuito integrado” televisivo

problemas de gênero e sexualidade na busca pela audiência

Palavras-chave: Televisão, Comunicação de massa, Audiência, Programas de auditório, Chacrinha.

Resumo

O objetivo deste artigo é contribuir para uma história do audiovisual no Brasil a partir da experiência das chacretes, dançarinas que acompanhavam Chacrinha, nos anos 1970, no programa de televisão que apresentava. Busca-se refletir sobre as questões de gênero e sexualidade recorrentes nas estratégias de mercado adotadas pelos produtores de TV. A fim de matizar tais narrativas técnico-científicas de busca pela audiência, a proposta é realçar também as conexões afetivas tecidas pelas chacretes com seus telespectadores, particularmente com as "mulheres donas de casa", "público-alvo" dos programas de auditório.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raphael Bispo dos Santos, Universidade Federal de Juiz de Fora

Professor adjunto do Departamento de Ciências Sociais (DCSO) e do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCSO), Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF).

Referências

ABU-LUGHOD, Lila. Dramas of Nationhood: the politics of television in Egypt. Chicago and London: The University of Chicago Press, 2005.

ADORNO, Theodor. A indústria cultural. In: COHN, Gabriel (Org.). Comunicação e Indústria Cultural. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1977, pp.287-295.

ADORNO, Theodor; HORKHEIMER, Max. A dialética do esclarecimento. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.

ALMEIDA, Heloisa Buarque de. Melodrama comercial: reflexões sobre a feminilização da telenovela. cadernos pagu (19), Campinas-SP, Núcleo de Estudos de Gênero-Pagu/Unicamp, 2002, pp. 171-194.

ALMEIDA, Heloisa Buarque de. Telenovela, consumo e gênero: muitas mais coisas. São Paulo: Edusc, 2003.

ALMEIDA, Heloisa Buarque de. Nas ondas do mercado: a pesquisa de audiência de TV. Anais do 30º Encontro Anual da Anpocs, Caxambu-MG, 2006, pp. 1-17.

ALMEIDA, Heloisa Buarque de. Consumidoras e heroínas: gênero na telenovela. Revista Estudos Feministas, vol. 15, nº 1, 2007, pp. 177-192.

ALMEIDA, Heloisa Buarque de; HAMBURGER, Esther. Sociologia, pesquisa de mercado e sexualidade na mídia: audiências x imagens. In: PISCITELLI, Adriana; GREGORI, Maria Filomena; CARRARA, Sérgio. (Org.) Sexualidades e saberes: convenções e fronteiras. Rio de Janeiro: Garamond, 2004, pp. 115-139.

BARBOSA, Abelardo. Amiga Tv Tudo!, nº 6, junho de 1970, pp. 73, acervo da Biblioteca Nacional.

BARBOSA, Abelardo. Amiga Tv Tudo!, nº 76, novembro de 1971, pp. 47, acervo da Biblioteca Nacional.

BARBOSA, Abelardo. Amiga Tv Tudo!, nº 119, agosto de 1972, pp. 55, acervo da Biblioteca Nacional.

BARBOSA, Abelardo. Amiga Tv Tudo!, nº 156, maio de 1973, pp. 47, acervo da Biblioteca Nacional.

BARBOSA, Abelardo. Homem, nº 29, vol. 2, dezembro de 1980, pp. 23, acervo da Biblioteca Nacional.

BARBOSA, Abelardo. Chacrinha é o desafio. Rio de Janeiro: Editora do Autor, 1969.

BARBOSA, Florinda; RITO, Lucia. Quem não se comunica se trumbica. São Paulo: Globo, 1996.

BERGALLO, Laura; DUARTE, Josiane. Valeria: uma vida de sonhos. Rio de Janeiro: Tinta Negra, 2015.

BISPO, Raphael. Gênero e carreiras artísticas na emergente indústria cultural brasileira. Comunicação e Sociedade (21), Minho, 2012, pp.79-94.

BISPO, Raphael. Feminilidades a dedo: danças, performances e erotismos no mundo artístico da TV. Aceno: Revista de Antropologia do CentroOeste (1), no 2, Cuiabá, 2014, pp. 23-39.

BISPO, Raphael. Vivendo do Rebolado: feminilidades, corpos e erotismos no show business televisivo. Mana vol. 21, no 2, 2015, pp. 237-266.

BISPO, Raphael. Rainhas do Rebolado: carreiras artísticas e sensibilidades femininas no mundo televisivo. Rio de Janeiro, Mauad X/ Faperj, 2016.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CAPARELLI, Sérgio. Televisão e capitalismo no Brasil. Porto Alegre: L&PM, 1982.

CORRÊA, Mariza. Antropólogas e antropologia. Belo Horizonte: UFMG, 2003.

DELAURETIS, Teresa. A tecnologia do gênero. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de (Org.). Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994, pp. 206-242.

DUARTE, Luiz Fernando. Valor e antivalor: uma leitura antropológica do dinheiro. In: O outro lado da moeda: Livro do Seminário Internacional. Rio de Janeiro: Museu Histórico Nacional, 2002, pp. 67-76.

DUARTE, Luiz Fernando. A Pulsão Romântica e as Ciências Humanas no Ocidente. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. XIX, no 55, 2004, pp.5-18. ECO, Umberto. Apocalípticos e Integrados. São Paulo: Perspectiva, 1979.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

FOUCAULT, Michel. A verdade e as formas jurídicas. Rio de Janeiro: PUC-Rio/Nau, 1993.

HAMBURGER, Esther. O Brasil antenado: a sociedade da novela. Rio de Janeiro: Zahar, 2005.

HARAWAY, Donna. Manifesto Ciborgue: ciência, tecnologia e feminismo socialista no final do século XX. In: HARAWAY, Donna et alli (Org.). Antropologia do ciborgue: as vertigens do pós-humano. Belo Horizonte: Autêntica, 2009 [1983], pp. 33-118.

HUPFER, Maria Luisa Rinaldi. As rainhas do rádio: símbolos da nascente indústria cultural brasileira. São Paulo: Senac, 2009.

KEHL, Maria Rita. Eu vi um Brasil na TV. In: SIMÕES, Inima et alli (Org.). Um país no ar: história da TV brasileira em três canais. São Paulo: Brasiliense/Funarte, 1986, pp.167-323.

MICELI, Sérgio. A noite da madrinha. São Paulo: Companhia das Letras, 2004 [1972].

MIRA, Maria Celeste. Circo eletrônico: SBT. São Paulo: Olho D’Água/Loyola, 1985.

MORIN, Edgar. Cultura de massas no século XX: o espírito do tempo – volume 1: neurose. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1977.

ORTIZ, Renato. A moderna tradição brasileira. São Paulo: Brasiliense, 1988.

ORTIZ, Renato; BORELLI, Silvia; RAMOS, José. Telenovela: história e produção. São Paulo: Brasiliense, 1989.

PERLONGHER, Néstor. O negócio do michê: a prostituição viril em São Paulo. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2008.

PRADO, Rosane. Mulher de novela e mulher de verdade. Dissertação (Mestrado em Antropologia), Museu Nacional/UFRJ, 1987.

ROCHA, Amara. Nas ondas da modernização: o rádio e a TV no Brasil de 1950 a 1970. Rio de Janeiro: Aeroplano/ Faperj, 2007.

SIMÕES, Inimá. TV à Chateaubriand. In: SIMÕES, Inima et alli (Org.). Um país no ar: história da TV brasileira em três canais. São Paulo: Brasiliense/Funarte, 1986, pp. 11-112.

SIMÕES, Inimá. Nunca fui santa (episódios de censura e autocensura). In: BUCCI, Eugênio (org.). A TV aos 50: criticando a TV brasileira em seu cinqüentenário. São Paulo: Perseu Abramo, 2000, pp.76-94.

SIMPSON, Amélia. Xuxa. São Paulo: Sumaré, 1994.

SODRÉ, Muniz. A comunicação do grotesco:um ensaio sobre a cultura de massa no Brasil. Petrópolis: Vozes, 1972.

SODRÉ, Muniz. O monopólio da fala. Petrópolis: Vozes, 1984.

ZAMPIROLI, Oswaldo. Amores Subterrâneos: família e conjugalidades em trajetórias de prostitutas trans-travestis. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social), PPGAS/ UFRJ, 2017.
Publicado
2019-08-28
Como Citar
Santos, R. B. dos. (2019). Dançarinas no “circuito integrado” televisivo. Cadernos Pagu, (55), e195514. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8656391