Museus, mulheres e gênero

olhares sobre o passado para possibilidades do presente

Palavras-chave: Museus, Museologia, Mulheres, Gênero, Teoria Queer.

Resumo

Na Museologia, campo predominantemente constituído por mulheres no Brasil, o papel dessas profissionais se mostrou, ao longo da história da disciplina, submetido à tutela masculina, reproduzida e naturalizada nos museus. Por meio da análise histórica, este artigo busca evidenciar a subversão da dominação masculina no campo acadêmico da Museologia, por meio da mudança do papel desempenhado por museólogas brasileiras no século XX. As reflexões sobre o passado nos levam a considerar as relações de gênero na Museologia, evidenciando relações de poder construídas historicamente nesse campo, ou, ainda, nos levam a pensar uma museologia pelo viés queer, subvertendo por completo as categorias identitárias reproduzidas nos museus.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno César Brulon Soares, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Professor Adjunto do Departamento de Estudos e Processos Museológicos e do Programa de Pós-Graduação em Museologia e Patrimônio da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO).

Referências

AUDEBERT, Ana. Museologia, gênero e feminismos: sobre mulheres, coleções e museus. Anais do XXIV Encontro Anual do ICOFOM LAM. Musealidade e patrimônio na teoria museológica latino-americana e do Caribe. ICOFOM LAM – Subcomitê Regional do ICOFOM para a América Latina e o Caribe, Ouro Preto – MG, 2016. pp.231-265.

BOUNIA, Alexandra. Gender and material culture: review article. Museum & Society, vol. 10, nº 1, 2012, pp.60-65.

BRASIL. Coleção das leis da República dos Estados Unidos do Brasil de 1922. v. 3. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1923, pp. 72-74; pp. 82-85.

BUTLER, Judith. Gender trouble. Feminism and the subversion of identity. New York; London: Routledge, 2007 [1990].

CHARTIER, Roger. Diferenças entre os sexos e a dominação simbólica (nota crítica). cadernos pagu (4), Campinas-SP, Núcleo de Estudos de Gênero-Pagu, 1995, pp.37-47.

CHOAY, Françoise. A alegoria do patrimônio. São Paulo, Estação Liberdade: Editora UNESP, 2001.

CONCURSO para cargos iniciais da carreira de conservador. Revista do Serviço Público, Rio de Janeiro, ano 2, vol. 3, nº 1-2, jul./ago. 1939, pp. 106-108.

CRENSHAW, Kimberle. Mapping the margins: intersectionality, identity politics, and violence against women of color. Stanford Law Review, vol. 43, nº 6, 1991, pp. 1241-1299.

CUSHMAN, Karen. Museum studies: the beginnings, 1900-1926. Museum Studies Journal, Spring, 1984, pp. 8-18.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador. Vol. 1: uma breve história dos costumes. Rio de Janeiro: Zahar, 1994.

LAEMMERT, Regina Liberalli. Conservação e restauração de pinturas. Anuário do Museu Nacional de Belas Artes, nº 3, Rio de Janeiro, 1941, pp. 159-192.

LEVIN, Amy K. (ed.). Gender, sexuality and museums: a routledge reader. London: Routledge, 2010.

LEVY, Fortunée. As mulheres e as armas. Anais do Museu Histórico Nacional, vol. IV, 1943, pp. 499-520.

LOPES, Maria Margaret. Proeminência na mídia, reputação em ciências: a construção de uma feminista paradigmática e cientista normal no Museu Nacional do Rio de Janeiro. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, v.15, supl., Rio de Janeiro, jun. 2008, pp.73-95.

MAIRESSE, François. La notation de public. In: Annual Conference of The International Committee For Museology/ICOFOM (27), Calgary, Canada, 2005. Symposium Museology and Audience – Museología y El Público de Museos, Munich, ICOM, International Committee for Museology/ICOFOM; ISS: ICOFOM STUDY SERIES, Munich, Germany, nº 35, 2005, pp.7-25.

PERROT, Michèle et alii. Culture et pouvoir des femmes: essai d'historiographie. Annales Économies, Sociétés, Civilisations, 41ᵉ année, nº 2, 1986, pp. 271-293.

POLLAK, M. Memória, esquecimento e silêncio. Estudos Históricos, vol. 2, nº 3, CPDOC, 1989, pp.3-15.

POMIAN, Krzysztof. Coleção. Enciclopédia Einaudi, vol. 1. Memória História. Porto: Imprensa Nacional / Casa da Moeda, 1984. pp.51-86.

REAL, Regina Monteiro. Que é técnica de museu? Estudos Brasileiros, Rio de Janeiro, ano 03, vol. 06, nos 16 e 17, jan.-fev./mar.-abr. 1941, pp.109-132.

RECHENA, Aida. Museologia (d)e Género. In: ASENSIO et alii (eds.) SIAM. Séries Iberoamericanas de Museología, vol. 4, 2012, pp.259-269. Disponível em: http://www.uam.es/mikel.asensio. Acesso em: 09 out. 2017.

SÁ, Ivan Coelho de. História e memória do curso de Museologia: do MHN à Unirio. Anais do Museu Histórico Nacional, vol. 39, Rio de Janeiro, 2007, pp.10-42.

SCHWARZER, Marjorie. Women in the temple: gender and leadership in museums. In: LEVIN, Amy K. (ed.). Gender, sexuality and museums: a routledge reader. London: Routledge, 2010, pp.16-27.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil para análise histórica. Revista Educação e Realidade, vol. 20, nº 2, Porto Alegre, jul./dez. 1995, pp.71-99.

______. História das mulheres. In: BURKE, Peter (org.). A escrita da história. Novas perspectivas. São Paulo, Unesp, 1992, pp.65-98.

SOIHET, Rachel; PEDRO, Joana M. A emergência da pesquisa na história das mulheres e das relações de gênero. Revista Brasileira de História nº 54, vol. 27, São Paulo, ANPUH, jul.-dez, 2007, pp.281-300.

SOIHET, Rachel. Violência simbólica: saberes masculinos e representações femininas. Revista Estudos Feministas, vol.5, no 1, Rio de Janeiro, UFRJ/IPHICS, 1997, pp.7-29.

STAROBINSKI, Jean. As máscaras da civilização. Ensaios. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.
Publicado
2019-08-28
Como Citar
Soares, B. C. B. (2019). Museus, mulheres e gênero. Cadernos Pagu, (55), e195515. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8656393