Multiculturalidade, interculturalidade, direitos humanos e violência de gênero

breves notas para pensar o caso da mutilação genital feminina em Portugal e a sua abordagem

Palavras-chave: Mutilação genital feminina, Interculturalidade, Violência de gênero, Direitos humanos, Portugal.

Resumo

A situação de multiculturalidade é hoje uma realidade crescentemente vivida nas sociedades de acolhimento de imigrantes, onde emergem cidades que se constituem como lugares de passagem, de encontro ou mestiçagem cultural, mas também de contraste ou antagonismo social. A interculturalidade aparece como utensílio de favorecimento de vinculação à ideia de outro, promovendo, por um lado, a integração e a defesa do direito à diferença, e, por outro, evitando – ou mesmo denunciando – as estruturas de hegemonização sobre minorias. Mas esta diversidade cultural só pode ser protegida, promovida e aceite desde que não coloque em causa os direitos humanos nem provoque exclusões ou desigualdades. É neste campo, difícil e persistentemente aberto ao debate (e não raro promotor de polarizações), que nos propomos a apresentar um conjunto breve de apontamentos que contribua para pensar a mutilação genital feminina na sua indissolúvel condição de violência sobre a mulher, partindo do exemplo da realidade portuguesa actual.A situação de multiculturalidade é hoje uma realidade crescentemente vivida nas sociedades de acolhimento de imigrantes, onde emergem cidades que se constituem como lugares de passagem, de encontro ou mestiçagem cultural, mas também de contraste ou antagonismo social. A interculturalidade aparece como utensílio de favorecimento de vinculação à ideia de outro, promovendo, por um lado, a integração e a defesa do direito à diferença, e, por outro, evitando – ou mesmo denunciando – as estruturas de hegemonização sobre minorias. Mas esta diversidade cultural só pode ser protegida, promovida e aceite desde que não coloque em causa os direitos humanos nem provoque exclusões ou desigualdades. É neste campo, difícil e persistentemente aberto ao debate (e não raro promotor de polarizações), que nos propomos a apresentar um conjunto breve de apontamentos que contribua para pensar a mutilação genital feminina na sua indissolúvel condição de violência sobre a mulher, partindo do exemplo da realidade portuguesa actual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nuno Medeiros, Instituto Politécnico de Lisboa

Professor do Departamento das Ciências Sociais e Humanas da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa do Instituto Politécnico de Lisboa.

Teresa Denis, Instituto Politécnico de Lisboa

Professora do Departamento das Ciências Sociais e Humanas da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa do Instituto Politécnico de Lisboa.

Referências

ALTAMIRANO, Aha Tollefsen. Feminist theories and migration researchmaking sense in the data feast? Refuge: Canada’s Journal on Refugees/Revue Canadienne sur les Réfugiés, vol. 16, nº 4, Toronto, Centre for Refugee Studies of York University, 1997, pp.4-8.

ARPINI, Adriana. Diversidad y conflictividad. Contribuciones a la formulación de categorías heurísticas para la integración y el diálogo intercultural. In: HERCEG, José Santos (org.). Integración y Interculturalidad: desafíos pendientes para América Latina. Santiago do Chile, Instituto de Estudios Avanzados da Universidad Santiago de Chile, 2007, pp.15-30.

BAGNOL, Brigitte; MARIANO, Esmeralda. Elongation of the labia minora and use of vaginal products to enhance eroticism: can these practices be considered FGM? The Finnish Journal of Ethnicity and Migration, vol. 3, nº 2, Helsínquia, Society for the Study of Ethnic Relations and International Migration (ETMU), 2008a, pp.42-53.

BAGNOL, Brigitte; MARIANO, Esmeralda. Vaginal practices: eroticism and implications for women’s health and condom use in Mozambique. Culture, Health & Sexuality, vol. 10, nº 6, Lima, International Association for the Study of Sexuality, Culture & Society, 2008b, pp. 573-585.

BARRETT, Martyn (Org.). Interculturalism and multiculturalism: similarities and differences. Estrasburgo: Council of Europe Publishing, 2013.

BARRY, Brian. Culture and equality: an egalitarian critique of multiculturalism. Cambridge, MA: Harvard University Press, 2001.

BHABHA, Faisal. Between exclusion and assimilation: experimentalizing multiculturalism. McGill Law Journal, vol. 54, nº 1, Montreal, Student body of] Faculty of Law of McGill University, 2009, pp.45- 90.

CALDWELL, John C.; ORUBULOYE, I. O. e CALDWELL, Pat. Female genital mutilation: conditions of decline. Population Research and Policy Review, e Nova Iorque, Southern Demographic Association e Springer, vol. 19, nº 3, 2000, pp. 233-254.

CUNHA, Manuela Ivone. Género, cultura e justiça: a propósito dos cortes genitais femininos. Análise Social, vol. 48, nº 209, Lisboa, Instituto de Ciências Sociais, 2013, pp. 834-856.

DIETZ, Gunther. Multiculturalismo, interculturalidad y diversidad en educación. Una aproximación antropológica. Cidade do México: Fondo de Cultura Económica, 2012.

ERLICH, Michel. La femme blessée. Essai sur les mutilations sexuelles féminines. Paris: L’Harmattan, 1986.

GRUENBAUM, Ellen. Is female “circumcision” a maladaptive cultural pattern? In: SHELL-DUNCAN, Bettina; HERNLUND, Ylva (Org.). Female “circumcision” in Africa. Culture, controversy and change. Londres: Lynne Rienner Publishers, 2000, pp.41-54.

HABERMAS, Jürgen. The theory of communicative action. Vol. 1, Reason and the rationalization of society. Boston: Beacon Press, 1984.

HABERMAS, Jürgen. The theory of communicative action. Vol. 2, Lifeworld and system: a critique of functionalist reason. Boston: Beacon Press, 1987.

HABERMAS, Jürgen. Moral consciousness and communicative action. Cambridge, MA: Massachusetts Institute of Technology Press, 1990.

HERNÁNDEZ, Natalio. De la exclusión al diálogo intercultural con los pueblos indígenas. Cidade do México: Plaza y Valdés Editores e Universidad Intercultural de Chiapas, 2009.

HERNLUND, Ylva; SHELL-DUNCAN, Bettina (org.). Transcultural bodies. Female genital cutting in global context. New Brunswick, NJ: Rutgers University Press, 2007.

HONDAGNEU-SOTELO, Pierrette. Feminism and migration. The Annals of the American Academy of Political and Social Science, vol. 571, Filadélfia, American Academy of Political and Social Science, 2000, pp.107-120.

JOHNSON, Michelle C. Making Mandinga or making Muslims? Debating female circumcision, ethnicity, and Islam in Guinea-Bissau and Portugal. In: SHELL-DUNCAN, Bettina; HERNLUND, Ylva (Org.). Transcultural bodies. Female genital cutting in global context. New Brunswick, NJ: Rutgers University Press, 2007, pp.202-223.

LISBOA, Manuel et alii. Mutilação genital feminina em Portugal. Prevalências, dinâmicas socioculturais e recomendações para a sua eliminação. Vila Nova de Famalicão, Húmus, 2016.

LOPES, Ana d’Ávila. Da coexistência à convivência com o outro: entre o multiculturalismo e a interculturalidade. REMHU: Revista Interdisciplinar da Mobilidade Humana, vol. 20, nº 38, Brasília, Centro Scalabriniano de Estudos Migratórios, 2012, pp. 67-81.

MARTINGO, Carla. O corte dos genitais femininos em Portugal: o caso das guineenses – estudo exploratório. Lisboa: Alto-Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural, 2009.

MEER, Nasar; MODOOD, Tariq. How does interculturalism contrast with multiculturalism? Journal of Intercultural Studies, vol. 33, nº 2, Burwood, Vic, Alfred Deakin Institute for Citizenship and Globalisation da Deakin University, 2012, pp.175-196.

MULLALLY, Siobhán. Gender, culture and human rights: reclaiming universalism. Oxford e Portland: Hart Publishing, 2006.

NAWYN, Stephanie J. Gender and migration: integrating feminist theory into migration studies. Sociology Compass, vol. 4, nº 9, Hoboken, NJ, John Wiley & Sons Ltd., 2010, pp.749-765.

OBERREITER, Julia Anna. A cut for a lifetime. The case of female genital mutilation among the community of Guinea Bissau in Lisbon. Dissertação (Mestrado em Direitos Humanos e Democratização), Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, 2008.

ODUKOGBE, Akin-Tunde A. et alii. Female genital mutilation/cutting in Africa. Translational Andrology and Urology, vol. 6, nº 2, Hong Kong, AME Publishing Company, 2017, pp.138-148.

ORGANIZAÇÃO das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO). Convenção sobre a protecção e a promoção da diversidade das expressões culturais. Adoptada na 33.ª Sessão da Conferência Geral da UNESCO, em Paris, a 20 de Outubro de 2005. Disponível em: https://www.unescoportugal.mne.pt/images/Comunica%C3%A7%C3%A3o/convencao_sobre_a_proteccao_e_a_promocao_da_diversidade_das_expressoes_culturais.pdf. Acesso em: 30 mar. 2019.

ORGANIZAÇÃO Mundial de Saúde (OMS). Eliminação da mutilação genital feminina: declaração conjunta OHCHR, ONUSIDA, PNUD, UNECA, UNESCO, UNFPA, ACNUR, UNICEF, UNIFEM, OMS. S.L., Associação para o Planeamento da Família, 2009.

OSIFO, David Osarumwese; EVBUOMWAN, Iyekoretin. Female genital mutilation among Edo people: the complications and pattern of presentation at a pediatric surgery unit, Benin City. African Journal of Reproductive Health/La Revue Africaine de la Santé Reproductive, vol. 13, nº 1, Cidade de Benin, Women’s Health and Action Research Centre, 2009, pp.17-25.

PAIS, Marta Santos. Direitos humanos: violência contra as mulheres. In: Secretaria de Estado da Justiça. Os direitos humanos e a violência contra as mulheres. Lisboa, Secretaria de Estado da Justiça, Universidade Católica Portuguesa, Comissão para a Igualdade e para os Direitos das Mulheres e Clube Soroptimista Internacional de Lisboa, 1995, pp.33-41.

PALHARES, Dário; SQUINCA, Flávia. Os desafios éticos da mutilação genital feminina e da circuncisão masculina. Revista Bioética, vol. 21, nº 3, Brasília, Conselho Federal de Medicina, 2013, pp. 432-437.

PARMAR, Pratibha; WALKER, Alice. Warrior masks. Female genital mutilation and the sexual blinding of women. Nova Iorque: Harcourt Brace & Company, 1996.

PICKUP, Francine; WILLIAMS, Suzanne; SWEETMAN, Caroline. Ending violence against women. A challenge for development and humanitarian work. Oxford: Oxfam, 2001.

PIEDADE, Sandra. Mutilação genital feminina em Portugal. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social e das Organizações), Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa de Lisboa, Lisboa, 2008.

RAHLENBECK, Sibylle I.; MEKONNEN, Wubegzier. Growing rejection of female genital cutting among women of reproductive age in Amhara, Ethiopia. Culture, Health & Sexuality, vol. 11, nº 4, Lima, International Association for the Study of Sexuality, Culture & Society, 2009, pp.443-452.

RODRIGUEZ, Sarah B. Female circumcision and clitoridectomy in the United States: a history of a medical treatment. Suffolk e Rochester, NY: Boydell & Brewer e University of Rochester Press, 2014.

SANTOS, Boaventura Sousa. Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências. Revista Crítica de Ciências Sociais, nº 63, Coimbra, Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, 2002, pp.237-280.

SHWEDER, Richard A. What about “Female genital mutilation”? And why understanding culture matters in the first place. Daedalus, Journal of the American Academy of Arts and Sciences, vol. 129, nº 4, Cambridge, MA, American Academy of Arts and Sciences, 2000, pp.209-232.

SILVA, Edna. Discursos e representações sobre a prática da mutilação genital feminina na comunidade guineense em Portugal. Dissertação (Mestrado em Antropologia), Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, 2012.

SILVEY, Rachel. Power, difference and mobility: feminist advances in migration studies. Progress in Human Geography, vol. 28, nº 4, Newbury Park, CA, Sage Publications, 2004, pp.1-17.

STOPLER, Gila. The liberal bind: the conflict between women’s rights and patriarchal religion in the liberal state. Social Theory and Practice, vol. 31, nº 2, Tallahassee, Florida State University Department of Philosophy, 2005, pp. 191-231.

TAYLOR, Charles. Interculturalism or multiculturalism? Philosophy & Social Criticism, vol. 38, nº 4-5, Newbury Park, CA, Sage Publications, 2012, pp. 413-423.

TEIXEIRA, Ana Lúcia; LISBOA, Manuel. Estimating the prevalence of female genital mutilation in Portugal. Public Health, vol. 139, Londres, The Royal Society for Public Health, 2016, pp.53-60.

TOURAINE, Alain. Critique de la modernité. Paris: Fayard, 1992.

UNITED Nations (UN). Declaration on the elimination of violence against women. Resolution 48/104 of 20 December 1993. Disponível em: http://www.un.org/documents/ga/res/48/a48r104.htm. Acesso em: 30 mar 2019.

WORLD Health Organization (WHO). Female Genital Mutilation. 31 January 2018. Disponível em: https://www.who.int/en/news-room/factsheets/detail/female-genital-mutilation. Acesso em: 30 mar. 2019.

WORLD Health Organization (WHO). Female genital mutilation (FGM). Prevalence of FCG. 2018. Disponível em: http://www.who.int/reproductivehealth/topics/fgm/prevalence/en/. Acesso em: 30 mar. 2019.

YODER, P. Stanley; WANG, Shanxiao; JOHANSEN, Elise. Estimates of female genital mutilation/cutting in 27 African countries and Yemen. Studies in Family Planning, vol. 44, nº 2, Nova Iorque, Population Council, 2013, pp.189-204.
Publicado
2019-08-28
Como Citar
Medeiros, N., & Denis, T. (2019). Multiculturalidade, interculturalidade, direitos humanos e violência de gênero. Cadernos Pagu, (55), e195517. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8656400