Movimento trans em Belo Horizonte

resgatando o histórico e mapeando o presente

Palavras-chave: Movimentos sociais, Pessoas trans, Belo Horizonte.

Resumo

Este estudo objetiva contribuir para a reflexão sobre o movimento de pessoas trans no Brasil, com um foco específico na cidade de Belo Horizonte. Apesar da grande produção sobre pessoas trans na academia, pouco se produziu sobre o movimento de pessoas trans, e menos ainda sobre o contexto local de Belo Horizonte, onde, caso não seja registrada, corre-se o risco de perder a história do movimento que, costumeiramente, é repassada de forma oral pelas travestis e transexuais mais velhas. Busca-se, então, resgatar a história do movimento em Belo Horizonte e mapear o presente, identificando quais são as principais: a) organizações e grupos do movimento trans em atividade atualmente; b) demandas do movimento; c) estratégias e táticas de ação utilizadas por tais organizações e grupos; e por último, d) parcerias e alianças realizadas. Este trabalho foi realizado por meio de entrevistas com cinco ativistas do movimento de Belo Horizonte.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thiago Coacci Rangel Pereira, Universidade Federal de Minas Gerais

Professor substituto no Departamento de Ciência Política da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Referências

ALMEIDA, G. Homens trans: novos matizes na aquarela das masculinidades? Revista Estudos Feministas, Florianópolis, vol. 20, nº 2, ago. 2012, pp.513–523.

ALONSO, A. As teorias dos movimentos sociais: um balanço do debate. Lua Nova, nº 76, São Paulo, 2009, pp.49–86. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-64452009000100003. Acesso em: 1 jul. 2015.

ALVAREZ, S. E. Para além da sociedade civil: reflexões sobre o campo feminista. cadernos pagu (43), Campinas-SP, Núcleo de Estudos de Gênero-Pagu, dez. 2014, pp.13-56. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0104-8333201400430013. Acesso em: 6 set. 2015.

ÁVILA, S. Transmasculinidades: a emergência de novas identidades políticas e sociais. Rio de Janeiro: Multifoco, 2015.

BENTO, B. A reinvenção do corpo: sexualidade e gênero na experiência transexual. Rio de Janeiro: Garamond Universitária, 2006.

BENZAQUEN, Carl. Entrevista concedida a Thiago Coacci. Contagem, 02 de dezembro de 2015.

BROWN, E. H. Trans/Feminist Oral History: Current Projects. TSQ: Transgender Studies Quarterly, vol. 2, no 4, nov. 2015, pp.666–672. Disponível em: https://doi.org/10.1215/23289252-3151583. Acesso em: 8 jan. 2016.

CARVALHO, M. Que mulher é essa? Identidade, política e saúde no movimento de travestis e transexuais. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva), Instituto de Medicina Social, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011.

CARVALHO, M. Muito prazer, eu existo!: visibilidade e reconhecimento no ativismo de pessoas trans no Brasil. Tese (Doutorado em Saúde Coletiva), Instituto de Medicina Social, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2015.

CARVALHO, M.; CARRARA, S. Em direção a um futuro trans? Contribuição para a história do movimento de travestis e transexuais no Brasil. Sexualidad, Salud y Sociedad - Revista Latinoamericana, vol. 0, no 14, Rio de Janeiro, 5 ago. 2013, pp.319-351. Disponível em: https://www.epublicacoes.uerj.br/index.php/SexualidadSaludySociedad/article/view/6862/4940. Acesso em: 1 dez. 2015.

COLLING, L.; SANT’ANA, T. Um breve olhar sobre a transexualidade na mídia. In: COELHO, M. T. A. D.; SAMPAIO, L. L. P. (org.). Transexualidades: um olhar multidisciplinar. Salvador: EDUFBA, 2014, pp.255-266.

DELLA PORTA, D. In-depth interviews. In: DELLA PORTA, D. (Org.). Methodological practices in social movement research. Oxford: Oxford University Press, 2014a, pp.397-417.

DELLA PORTA, D. Social movements studies and methodological pluralism: an introduction. In: DELLA PORTA, D. (Org.). Methodological practices in social movement research. Oxford: Oxford University Press, 2014b, pp. 1-20.

FACCHINI, R. Movimento homossexual no Brasil: recompondo um histórico. Cadernos AEL, vol. 10, no 18/19, Campinas-SP, Arquivo Edgard Leuenroth/Unicamp, 2003, pp.81-125. Disponível em: https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/ael/article/view/2510/1920. Acesso em: 1 nov. 2013.

FOUCAULT, M. História da sexualidade I a vontade de saber. 19.ed. Rio de Janeiro: Graal, 2009.

FRY, P. Da hierarquia à igualdade: a construção histórica da homossexualidade no Brasil. In: FRY, P. Para inglês ver: identidade e política na cultura brasileira. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editores, 1982, pp.87–115.

GOHN, M. da G. Teorias dos movimentos sociais: paradigmas clássicos e contemporâneos. 11.ed. São Paulo, Edições Loyola, 2014.

GREEN, J. N. Além do carnaval: a homossexualidade masculina no Brasil do século XX. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

LA ROCHE, Walkíria. Entrevista concedida a Thiago Coacci. Belo Horizonte, 04 de fevereiro de 2016.

LEITE Jr., J. Nossos corpos também mudam: a invenção das categorias “travesti” e “transexual” no discurso científico. São Paulo, SP: Annablume, 2011.

LIMA, Anyky. Entrevista concedida a Thiago Coacci. Belo Horizonte, 02 de dezembro de 2015.

LIMA, Gisella; Souza, Bruno. Entrevista concedida a Thiago Coacci. Belo Horizonte, 09 de dezembro de 2015.

MACHADO, F. V. Muito além do arco-íris. A constituição de identidades coletivas entre a sociedade civil e o Estado. Dissertação (Mestrado em Psicologia), Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2007.

MELUCCI, A. Challenging codes: collective action in the information age. Cambridge; New York: Cambridge University Press, 1996.

NOGUEIRA, Sayonara; AQUINO, Tathiane Araújo; CABRAL, Euclides Afonso. Dossiê: a geografia dos corpos das pessoas trans (2016). Uberlândia: Rede Trans Brasil, 2017.

PERES, W. S. Travestis brasileiras: dos estigmas à cidadania. Curitiba: Juruá Editora, 2015.

RAGO, M. A aventura de contar-se: feminismos, escrita de si e invenções da subjetividade. Campinas, SP, Editora Unicamp, 2013.

SCOTT, J. W. A invisibilidade da experiência. Projeto História, São Paulo, vol. 16, 1998. Disponível em: http://revistas.pucsp.br/index.php/revph/article/download/11183/8194. Acesso em: 16 mar. 2016.

SIMÕES, J. A.; FACCHINI, R. Na trilha do arco-íris: do movimento homossexual ao LGBT. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2009.

TEIXEIRA, F. do B. Dispositivos de dor: saberes – poderes que (con)formam as transexualidades. São Paulo: Annablume; Fapesp, 2013.

TILLY, C.; WOOD, L. J. Social movements, 1768-2012. 3.ed. Boulder: CO, Paradigm Publishers, 2013.

WEISS, R. S. Learning from strangers: the art and method of qualitative interview studies. New York: Free Press, 1995.
Publicado
2019-08-28
Como Citar
Pereira, T. C. R. (2019). Movimento trans em Belo Horizonte. Cadernos Pagu, (55), e195518. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8656404