Banner Portal
Movimento trans em Belo Horizonte
PDF

Palavras-chave

Movimentos sociais
Pessoas trans
Belo Horizonte.

Como Citar

PEREIRA, Thiago Coacci Rangel. Movimento trans em Belo Horizonte: resgatando o histórico e mapeando o presente. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 55, p. e195518, 2019. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8656404. Acesso em: 16 jun. 2024.

Resumo

Este estudo objetiva contribuir para a reflexão sobre o movimento de pessoas trans no Brasil, com um foco específico na cidade de Belo Horizonte. Apesar da grande produção sobre pessoas trans na academia, pouco se produziu sobre o movimento de pessoas trans, e menos ainda sobre o contexto local de Belo Horizonte, onde, caso não seja registrada, corre-se o risco de perder a história do movimento que, costumeiramente, é repassada de forma oral pelas travestis e transexuais mais velhas. Busca-se, então, resgatar a história do movimento em Belo Horizonte e mapear o presente, identificando quais são as principais: a) organizações e grupos do movimento trans em atividade atualmente; b) demandas do movimento; c) estratégias e táticas de ação utilizadas por tais organizações e grupos; e por último, d) parcerias e alianças realizadas. Este trabalho foi realizado por meio de entrevistas com cinco ativistas do movimento de Belo Horizonte.

PDF

Referências

ALMEIDA, G. Homens trans: novos matizes na aquarela das masculinidades? Revista Estudos Feministas, Florianópolis, vol. 20, nº 2, ago. 2012, pp.513–523.

ALONSO, A. As teorias dos movimentos sociais: um balanço do debate. Lua Nova, nº 76, São Paulo, 2009, pp.49–86. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-64452009000100003. Acesso em: 1 jul. 2015.

ALVAREZ, S. E. Para além da sociedade civil: reflexões sobre o campo feminista. cadernos pagu (43), Campinas-SP, Núcleo de Estudos de Gênero-Pagu, dez. 2014, pp.13-56. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0104-8333201400430013. Acesso em: 6 set. 2015.

ÁVILA, S. Transmasculinidades: a emergência de novas identidades políticas e sociais. Rio de Janeiro: Multifoco, 2015.

BENTO, B. A reinvenção do corpo: sexualidade e gênero na experiência transexual. Rio de Janeiro: Garamond Universitária, 2006.

BENZAQUEN, Carl. Entrevista concedida a Thiago Coacci. Contagem, 02 de dezembro de 2015.

BROWN, E. H. Trans/Feminist Oral History: Current Projects. TSQ: Transgender Studies Quarterly, vol. 2, no 4, nov. 2015, pp.666–672. Disponível em: https://doi.org/10.1215/23289252-3151583. Acesso em: 8 jan. 2016.

CARVALHO, M. Que mulher é essa? Identidade, política e saúde no movimento de travestis e transexuais. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva), Instituto de Medicina Social, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011.

CARVALHO, M. Muito prazer, eu existo!: visibilidade e reconhecimento no ativismo de pessoas trans no Brasil. Tese (Doutorado em Saúde Coletiva), Instituto de Medicina Social, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2015.

CARVALHO, M.; CARRARA, S. Em direção a um futuro trans? Contribuição para a história do movimento de travestis e transexuais no Brasil. Sexualidad, Salud y Sociedad - Revista Latinoamericana, vol. 0, no 14, Rio de Janeiro, 5 ago. 2013, pp.319-351. Disponível em: https://www.epublicacoes.uerj.br/index.php/SexualidadSaludySociedad/article/view/6862/4940. Acesso em: 1 dez. 2015.

COLLING, L.; SANT’ANA, T. Um breve olhar sobre a transexualidade na mídia. In: COELHO, M. T. A. D.; SAMPAIO, L. L. P. (org.). Transexualidades: um olhar multidisciplinar. Salvador: EDUFBA, 2014, pp.255-266.

DELLA PORTA, D. In-depth interviews. In: DELLA PORTA, D. (Org.). Methodological practices in social movement research. Oxford: Oxford University Press, 2014a, pp.397-417.

DELLA PORTA, D. Social movements studies and methodological pluralism: an introduction. In: DELLA PORTA, D. (Org.). Methodological practices in social movement research. Oxford: Oxford University Press, 2014b, pp. 1-20.

FACCHINI, R. Movimento homossexual no Brasil: recompondo um histórico. Cadernos AEL, vol. 10, no 18/19, Campinas-SP, Arquivo Edgard Leuenroth/Unicamp, 2003, pp.81-125. Disponível em: https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/ael/article/view/2510/1920. Acesso em: 1 nov. 2013.

FOUCAULT, M. História da sexualidade I a vontade de saber. 19.ed. Rio de Janeiro: Graal, 2009.

FRY, P. Da hierarquia à igualdade: a construção histórica da homossexualidade no Brasil. In: FRY, P. Para inglês ver: identidade e política na cultura brasileira. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editores, 1982, pp.87–115.

GOHN, M. da G. Teorias dos movimentos sociais: paradigmas clássicos e contemporâneos. 11.ed. São Paulo, Edições Loyola, 2014.

GREEN, J. N. Além do carnaval: a homossexualidade masculina no Brasil do século XX. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

LA ROCHE, Walkíria. Entrevista concedida a Thiago Coacci. Belo Horizonte, 04 de fevereiro de 2016.

LEITE Jr., J. Nossos corpos também mudam: a invenção das categorias “travesti” e “transexual” no discurso científico. São Paulo, SP: Annablume, 2011.

LIMA, Anyky. Entrevista concedida a Thiago Coacci. Belo Horizonte, 02 de dezembro de 2015.

LIMA, Gisella; Souza, Bruno. Entrevista concedida a Thiago Coacci. Belo Horizonte, 09 de dezembro de 2015.

MACHADO, F. V. Muito além do arco-íris. A constituição de identidades coletivas entre a sociedade civil e o Estado. Dissertação (Mestrado em Psicologia), Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2007.

MELUCCI, A. Challenging codes: collective action in the information age. Cambridge; New York: Cambridge University Press, 1996.

NOGUEIRA, Sayonara; AQUINO, Tathiane Araújo; CABRAL, Euclides Afonso. Dossiê: a geografia dos corpos das pessoas trans (2016). Uberlândia: Rede Trans Brasil, 2017.

PERES, W. S. Travestis brasileiras: dos estigmas à cidadania. Curitiba: Juruá Editora, 2015.

RAGO, M. A aventura de contar-se: feminismos, escrita de si e invenções da subjetividade. Campinas, SP, Editora Unicamp, 2013.

SCOTT, J. W. A invisibilidade da experiência. Projeto História, São Paulo, vol. 16, 1998. Disponível em: http://revistas.pucsp.br/index.php/revph/article/download/11183/8194. Acesso em: 16 mar. 2016.

SIMÕES, J. A.; FACCHINI, R. Na trilha do arco-íris: do movimento homossexual ao LGBT. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2009.

TEIXEIRA, F. do B. Dispositivos de dor: saberes – poderes que (con)formam as transexualidades. São Paulo: Annablume; Fapesp, 2013.

TILLY, C.; WOOD, L. J. Social movements, 1768-2012. 3.ed. Boulder: CO, Paradigm Publishers, 2013.

WEISS, R. S. Learning from strangers: the art and method of qualitative interview studies. New York: Free Press, 1995.

Downloads

Não há dados estatísticos.