Banner Portal
As relações de gênero na produção capitalista do espaço de trabalho
PDF

Palavras-chave

Precedência da reprodução
Espaço de trabalho
Divisão de trabalho em gênero.

Como Citar

SILVA, Viviane Zerlotini da. As relações de gênero na produção capitalista do espaço de trabalho. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 55, p. e195521, 2019. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8656413. Acesso em: 30 maio. 2024.

Resumo

Este artigo discute o contexto social que originou o espaço de trabalho, ou o espaço exclusivo para o desempenho de atividades produtivistas. O objetivo é demonstrar a dependência que a esfera da produção tem do universo da reprodução e, notadamente, como essa dependência é obliterada e reforçada pelas relações patriarcais. Investigo como o processo de trabalho e a sociedade são organizados segundo as teorias de organização racional do trabalho, e quais os efeitos sobre a produção do espaço. A discussão sobre as origens dos espaços de trabalho demonstrou que elas estão vinculadas à divisão do trabalho em gênero, durante o desenvolvimento do capitalismo comercial, no período entre os séculos XII e XVIII, quando as antigas unidades domésticas – indústrias domésticas rurais – e as oficinas dos artesãos urbanos foram transformadas em empresas familiares pelo modo de produção putting-out system. Com o advento desse sistema, a divisão do trabalho em gênero permitiu liberar os indivíduos do sexo masculino para o desempenho de atividades produtivas, enquanto as tarefas domésticas ou mal pagas eram destinadas às mulheres. Essa foi a primeira condição social para posteriormente, na manufatura, possibilitar-se a existência de espaços exclusivos de produção.

PDF

Referências

ANDERSON, Perry. Passagens da antiguidade ao feudalismo. 3ed. São Paulo: Brasiliense, 1991. Tradução Beatriz Sidou. [1974]

ANTUNES, Ricardo. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. 2ed. 10. reimpr. rev. e ampl. São Paulo: Boitempo, 2009. [1999]

BRAVERMAN, Harry. Trabalho e capital monopolista. A degradação do trabalho no século XX. Rio de Janeiro: Zahar, 1981. Tradução Nathanael C. Caixeto. [1974]

CROWSTON, Clare Haru. Women, gender and guilds in early modern Europe. In The return of the guilds. Conference of the Global Economic History Network. Utrecht: Utrecht University, 2006.

DE MARE, Heide. Domesticity in dispute. A reconsideration of Sources. In: CIERAAD, Irene (ed.). At home: an anthropology of domestic space. Syracuse University Press, New York, 1999, pp.13-29. Foreword by John Rennie Short.

DECCA, Edgar Salvadori de. O nascimento das fábricas. São Paulo: Brasiliense, 1982.

DELEUZE, Gilles. Post-Scriptum sobre as sociedades de controle. In: DELEUZE, Gilles. Conversações. 1972-1990. ed.34, Rio de Janeiro: 1992, pp.219-226.

GORZ, André. Divisão do Trabalho, Hierarquia e Luta de Classes. In: MARGLIN, S. et alii. Divisão Social do Trabalho, Ciência, Técnica e Modo de Produção Capitalista. Porto: Publicações Escorpião, 1996. [1974]

GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere. Americanismo e fordismo. (Cad. 22) Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001. [1934]

GRAY, Jane. Rural industry and uneven development: the significance of gender in the irish linen industry. Maynooth, The Journal of Peasant Studies 20 (4), 1993, pp.590-611.

GROPIUS, Walter. Bahaus: novarquitetura. São Paulo: Perspectiva, 2004. [1937-52]

HARVEY, David. Condição pós-moderna. 7.ed. São Paulo: Edições Loyola, 1998. [1989]

ILLICH, Ivan. Gender. New York: Pantheon Books, 1982.

KAPP, Silke; LINO, Sulamita Fonseca. Na cozinha dos modernos. Cadernos de Arquitetura e Urbanismo, vol.15, nº 16, Belo Horizonte, 1º sem. 2008.

KRIEDTE, Peter; MEDICK, Hans; SCHLUMBOHM, Jürgen. Industrialization before industrialization (Studies in modern capitalism). Cambridge, Cambridge University Press, 1981. Tradução Beate Schempp. [1977]

MARGLIN, Stephen. Origem e funções do parcelamento das tarefas. Para que servem os patrões? In: GORZ, André (Org.). Crítica da divisão do trabalho. 3.ed. São Paulo: Martins Fontes, 1996, pp.37-77. [1973]

MARIUTTI, Eduardo Barros. Capital comercial autônomo: dinâmica e padrões de reprodução. Texto para Discussão n o 214, Campinas, IE/UNICAMP, dez. 2012.

MARX, Karl. Teorias da mais valia: história crítica do pensamento econômico. São Paulo: Bertrand Brasil, 1987. Volume 1. p. 384-406. [1863]

MARX, Karl Teorias da mais-valia. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1987. Volume I. [1857-8]

MARX, Karl. O capital. Crítica da Economia Política. Livro Primeiro. O processo de produção do capital. Volume 1. 27.ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010. Tradução de Reginaldo Sant’Anna. Título original: Das Kapital – Kritik der Politischen Ökonomie Buch I: Des Produktions-process des Kapitals. [1859]

MEDICK, Hans. The proto-industrial family economy. In: KRIEDTE, Peter; MEDICK, Hans; SCHLUMBOHM, Jürgen. Industrialization before industrialization (Studies in modern capitalism). Cambridge: Cambridge University Press, 1981, pp.38-73. Translated by Beate Schempp. [1977]

MENDELS, Franklin F. Proto-industrialization: The First Phase of the Industrialization Process”. The Journal of Economic History, 32/1, The Tasks of Economic History, 1972, pp.241-261.

MORAES NETO, Benedito Rodrigues de. Maquinaria, taylorismo e fordismo: a reinvenção da manufatura. Revista de Administração de Empresas, 26(4), Rio de Janeiro, out/dez 1986, pp.31-34.

MOTA, Nelson. A arquitectura do quotidiano. Público e privado no espaço doméstico da burguesia portuense no final do século XIX. Coimbra: Edarq, 2010.

MUMFORD, Lewis. A cidade na história: suas origens, transformações e perspectivas. 4.ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998, pp.307-342. Tradução de Neil R. da Silva. [1961]

OLGIVIE, Sheilagh C.; CERMAN, Markus (ed.) Proto-industrialization: the first phase of the industrialization process. The Journal of Economic History, 32/1, The Tasks of Economic History. Cambridge: University of Cambridge, 1996, pp.241-261. [1994]

OLGIVIE, Sheilagh. Guilds, efficiency, and social capital: evidence from german proto-industry. CESIFO working. Paper nº 820. Category 10: empirical and theoretical methods. Cambridge: University of Cambridge, dezembro 2002, pp.1-33.

OLGIVIE, Sheilagh. Can we rehabilitate the guilds? A sceptical reappraisal. Cambridge: University of Cambridge, 2007.

PIGNON, D.; QUERZOLA, J. Ditadura e democracia na produção. In: GORZ, A. Crítica da divisão do trabalho. São Paulo: Martins Fontes, 1989, p. 91-129.

SALERNO, Mário Sérgio. Projeto de organizações integradas e flexíveis. São Paulo: Atlas. Cap. 5, 1999.

TILLY, Louise A.; SCOTT, Joan W. Womem, work, and family. New York: Holt, Rinehart and Winston, Parte 1, 1987. [1978]

WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo. São Paulo: Martin Claret, 2001. Tradução de Pietro Nassetti. [1904-5] Versão inglesa de Talcott Parsons. Original alemão.

Downloads

Não há dados estatísticos.