Banner Portal
Militância política e relações de gênero
PDF

Palavras-chave

Gênero
Militância
Identidade
Curdistão.

Como Citar

AMOROSI, Lucia. Militância política e relações de gênero: o caso das mulheres militantes no Curdistão. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 56, p. 1–34, 2019. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8657097. Acesso em: 16 abr. 2024.

Resumo

Este artigo pretende analisar a participação feminina atual na luta curda pela independência e contra o fundamentalismo do Estado Islâmico, a fim de demonstrar como ela gerou uma mudança radical nas relações sociais entre os sexos. Essa questão principal foi abordada através da promoção de uma nova imagem da mulher e do seu papel social que não era mais só aquilo de mãe e esposa. Depois de uma breve visão geral sobre a complexa história de povo curdo e, consequentemente, do papel que as mulheres têm desempenhado dentro dela, tentei retomar a evolução teórica da desconstrução do gênero, com o objetivo de destacar a permeabilidade do conceito em relação ao contexto histórico e social. Além disso, tenho analisado a relação entre gênero e a constituição da ideia de nação, a partir do conceito de
genderification do nacionalismo. Por fim, considerando a especificidade das mulheres curdas como mulheres subjugadas, subalternas e sem nacionalidade reconhecida, é abordada uma
definição das interconexões teóricas entre gênero, raça, etnia e classe, a fim de contextualizar essa realidade peculiar.

PDF

Referências

BRAH, Avtar. Diferença, diversidade, diferenciação. cadernos pagu (26), Campinas, SP, Núcleo de Estudos de Gênero-Pagu/Unicamp, 2006, pp.329-276.

BUTLER, Judith. Bodies that matter. New York, Routledge, 1993.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2003.

DA SILVA NOLETO, Rafael. Comunidades sexualizadas: articulando raça, gênero e sexualidade na construção de nações. In: CANCELA, Cristina Donza; MOUTINHO, Laura; SIMÕES, Júlio Assis (org.).Raça, etnicidade, sexualidade e gênero em perspectiva comparada. São Paulo, Editora Terceiro Nome,2015, pp.121-141.

DAS, Veena. Critical Events: An Anthropological Perspective on Contemporary India. New Delhi, Oxford University Press, 1995.

DAS, Veena. Life and Words: Violence and the descent into the ordinary”. Berkeley, University of California Press, 2007.

HARAWAY, Donna. Saberes Localizados. cadernos pagu (5), Campinas, SP, Núcleo de Estudos de Gênero-Pagu/Unicamp, 1995, pp.07-41.

MCCLINTOCK, Anne.Couro Imperial; raça, gênero e sexualidade no embate colonial. Campinas,Editora da Unicamp, 2010.

ÖCALAN, Abdullah.Democratic Confederalism, Cologne, International Initiative Edition, 2005.

ÖCALAN, Abdullah.Liberating life: Woman’s Revolution. Cologne, International Initiative Edition, 2013.

SAID, Edward. Orientalismo. Milano, Feltrinelli, 1999.

SCOTT, Joan. Gênero, uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, 16 (2), Porto Alegre, jul-dez 1990, pp.5-22.

STOLCKE, Verena. Sexo está para gênero assim como raça para etnicidade?. Estudos Afro-Asiáticos (20), 1991, pp.101-119.

Downloads

Não há dados estatísticos.