Banner Portal
Corpos urbanos
PDF

Palavras-chave

Direito à cidade
Reforma urbana
Feminismos
Corpos

Como Citar

FREITAS, L. dos S. F. de .; GONÇALVES, E. . Corpos urbanos: direito à cidade como plataforma feminista. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 62, p. e216210, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8667009. Acesso em: 3 mar. 2024.

Resumo

Partindo da observação de que as teorizações sobre o urbano têm ocultado as questões de gênero e a luta histórica das mulheres na e pela cidade, abordamos os ativismos feministas e sua construção de uma agenda pelo direito à cidade – desde propostas de reforma urbana, até contribuições dos novos feminismos. Concluímos que os feminismos lutam sim por direito à cidade, demandando poder sobre o corpo, liberdade de circulação, acesso a serviços e espaços públicos, e cidades que não sejam planejadas apenas para um cidadão homem, branco e proprietário.

PDF

Referências

ADRIÃO, Karla Galvão; MÉLLO, Ricardo Pimentel. As Jovens feministas: sujeitos políticos que entrelaçam questões de gênero e geração? Anais... Encontro da Associação Brasileira de Psicologia Social, 2009.

BAUMAN, Zygmunt. Confiança e medo na cidade. Rio de Janeiro, Zahar, 2009.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil. 3. ed. Rio de Janeiro: Saraiva, 2015. 350 p.

BRASIL, Lei 5788/90. Estatuto da Cidade. Presidente da República, 10 de julho de 2001.

CARMO, Iris Nery do. O rolê feminista: autonomia, horizontalidade e produção de sujeito no campo feminista contemporâneo. Tese (Doutorado em Ciências Sociais), Unicamp, Campinas, 2018.

COLLINGS, Patricia H. Learning from the outsider within: the sociological significance of black feminist thought. In: FONOW, Mary Margaret; COOK, Judith A. Beyond methodology, feminist scholarship as live research. Indiana University Press, 1991, pp.35-59.

DAVIS, Angela. A liberdade é uma luta constante. São Paulo, Boitempo, 2018.

DE CERTEAU, Michel. A invenção do cotidiano. Editora Vozes, Petrópolis, 1998.

FENSTER, Tovi. The right to the gendered city: different formations of belonging in everyday life. Journal of gender studies, v. 14, n. 3, 3 November 2005, pp.217-231.

FENSTER, Tovi. Space for Gender: cultural roles of the forbidden and the permitted. Environment and planning. Societyand Space, 17, 2004, pp.227-46.

FERREIRA, Carolina Branco de Castro. Feminismos web: linhas de ação e maneiras de atuação no debate feminista contemporâneo. cadernos pagu (44), Campinas, SP, Núcleo de Estudos de Gênero-Pagu, Unicamp, janeiro-junho de 2015, pp.199-228.

FUENTES, Marcela A. Performance, Politics, and Activism. Ed. John Rouseand Peter Lichtenfels. Hampshire, Palgrave McMillan, 2013.

GONÇALVES, Eliane. Renovar, inovar, rejuvenescer: processos de transmissão, formação e permanência no feminismo brasileiro entre 1980-2010. Revista Brasileira de Sociologia, vol. 4, n. 7, 2016, pp.341-370. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=5896091. Acesso em: 07 jul 2021.

GONÇALVES, Eliane; FREITAS, Fátima Regina Almeida de; OLIVEIRA, Elismênnia Aparecida. Das idades transitórias - as "jovens" no feminismo brasileiro contemporâneo, suas ações e seus dilemas. Salvador, UFBA: Feminismos, v. 1, n. 13, 2013. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/29994. Acesso em: 07 jul 2021.

GOHN, Maria da Glória. Mulheres- atrizes dos movimentos sociais: relações político-culturais e debate teórico no processo democrático. Política e Sociedade, n. 11, out. 2007, pp.41-70.

GOMES, Carla; SORJ, Bila. Corpo, geração e identidade: a Marcha das Vadias no Brasil. Revista Sociedade e Estado, v. 29, n. 2, maio/agosto 2014.

GONZALES, Lélia. Racismo e sexismo na cultura brasileira. Revista Ciências Sociais Hoje, Anpocs, 1984 pp.223-244. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/5509709/mod_resource/content/0/06%20-%20GONZALES%2C%20L%C3%A9lia%20-%20Racismo_e_Sexismo_na_Cultura_Brasileira%20%281%29.pdf. Acesso em: 07 jul 2021.

HARVEY, David. The right to the city. New Left Review, 53, 2008, pp.23-40.

HARVEY, David. Cidades Rebeldes. São Paulo, Martins Fontes, 2014.

HIRATA, Helena. Gênero, classe e raça. Interseccionalidade e consubstancialidade das relações sociais. Tempo Social, jun. 2014, pp.61-73. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ts/a/LhNLNH6YJB5HVJ6vnGpLgHz/?format=pdf⟨=pt . Acesso em: 07 jul. 2021.

JÁCOME, Márcia Laranjeira. Cartilha Mulheres em ação nas cidades periurbanas: movimentos que rompem fronteiras. Recife, FASE, 2011.

KERGOAT, Daniele. Dinâmica e consubstancialidade das relações sociais. Novos Estudos, 86, março 2010, pp.93-103.

LEFEBVRE, Henri. O direito à cidade. Centauro, São Paulo, 2010.

MARTINEZ, Pilar Rodríguez. Feminismos y solidaridad. Revista Mexicana de Sociología 72, n. 3, julio-septiembre, 2010, pp.445-466.

MASSEY, Dorren. Space, place and gender. Minneapolis, University of Minnesota Press, 1994.

MBEMBE, Achille. Crítica da razão negra. São Paulo, n-1 edições, 2018.

MIRANDA, Joana. Numa urbe genderizada: vivências dos espaços. Revista Latino-americana de Geografia e Gênero, Ponta Grossa, v. 5, n. 2, ago/dez 2014, pp.163-174.

MOUFFE, Chantal. Feminismo, cidadania e política democrática radical. In: MIGUEL, Luis Felipe; BIROLI, Flávia (org.). Teoria política feminista: textos centrais. Vinhedo, Editora Horizonte, 2013, pp.265-281.

NUNES, Jordão Horta. Interacionismo simbólico e movimentos sociais: enquadrando a intervenção. Revista Sociedade e Estado, v. 28, n. 2, maio/agosto 2013.

PARK, R.E. The city: suggestions for the investigation of human behavior in the urban environment. In: PARK R.E.; BURGESS, E.W.; MACKENZIE, R.D. The city. The Universityof Chicago Press, 1925.

PERLONGHER, Néstor. O negócio do michê. São Paulo, Brasiliense, 1987.

RIOS, Flávia M.; MACIEL, Regimeire. Feminismo negro brasileiro em três tempos: Mulheres Negras, Negras Jovens Feministas e Feministas Interseccionais. Labrys, études féministes/estudos feministas, jul. 2017. Disponível em: https://www.labrys.net.br/labrys31/black/flavia.htm. Acesso em: 07 jul 2021.

SAFATLE, Vladimir. O circuito dos afetos. Corpos políticos, desamparo e o fim do indivíduo. São Paulo, Cosac Naify, 2015.

SILVA, Joseli Maria. Gênero e sexualidade na análise do espaço urbano. Geosul, Florianópolis, v. 22, n. 44, jul/dez 2007, pp.117-134.

SILVA, Joseli Maria. Um ensaio sobre as potencialidades do uso do conceito de gênero na análise geográfica. Revista de História Regional 8(1), Verão 2003, pp.31-45.

SIMMEL, Georg. The metropolis and the mental life. In: The sociology of Georg Simmel. The free press of glencoe, Londres, 1928.

SMITH, Dorothy. Women’s perspective as a radical critique of sociology. In: HARDING, Sandra. Feminism and Methodology. Indiana University Press, 1987, pp.84-96.

SUCUPIRA, Fernanda; FREITAS, Taís Viudes de. As desigualdades de gênero nos usos do tempo. In: MORENO, Renata (Org.). Feminismo, economia e política. SOF, São Paulo, 2014, pp.105-122.

TAVARES, Rossana Brandão. Uma cidade indiferente: espaço generificado de resistência à cidade-mercadoria. Sessões temáticas ST 10. XVI Enanpur. Espaço, planejamento e insurgências. Anais. Belo Horizonte, v. 16, n. 1, 2015. Disponível em: http://anais.anpur.org.br/index.php/anaisenanpur/article/view/1638. Acesso em: 07 jul. 2021.

TIBURI, Márcia. Direito visual à cidade: a estética da pixação e a cidade de São Paulo. Redobra, n. 12, 2013. Disponível em: http://www.redobra.ufba.br/wp-content/uploads/2013/12/redobra12_EN6_marcia.pdf. Acesso em: 07 jul. 2021.

VELHO, Gilberto. Subjetividade e sociedade. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor, 2002.

VELHO, Gilberto. Individualismo e Cultura. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor, 1999 [1981].

VELHO, Gilberto. Estilo de vida urbano e modernidade. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 8, n. 16, 1995, pp.227-234.

VELHO, Gilberto. A Utopia Urbana. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor, 1989 [1973].

VELHO, Otávio G. O fenômeno Urbano. Rio de Janeiro, Zahar, 1976.

WIRTH, Louis. Urbanism as a way of life. American Journal of Sociology, XLIV julho de 1938, pp.124.

ZANETTI, Julia Paiva. Jovens feministas do Rio de Janeiro: trajetórias, pautas e relações intergeracionais. cadernos pagu (36), Campinas, SP, Núcleo de Estudos de Gênero-Pagu/Unicamp, 2011, pp.47-75.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Lídia dos Santos Ferreira de Freitas, Eliane Gonçalves

Downloads

Não há dados estatísticos.