Banner Portal
A mulher, a matrifocalidade e a violência
PDF

Palavras-chave

Matrifocalidade
Serviço social
Psicanálise
Escuta
Interdisciplinaridade
Sujeito

Como Citar

PAIVA, Jaqueline Teixeira; NEVES, Anamaria Silva. A mulher, a matrifocalidade e a violência: a escuta “transformativa” de Clarice. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 64, p. e226402, 2022. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8668831. Acesso em: 28 maio. 2024.

Resumo

Este artigo versa sobre a escuta interdisciplinar de Clarice, uma mulher – na sua condição de sujeito de direitos, de desejo e do laço social que vivencia a matrifocalidade atravessada pela violência. O percurso da pesquisa se desenvolveu sob o alicerce teórico da Teoria Social Crítica – na perspectiva do Serviço Social e da produção do sujeito – na interlocução com as premissas psicanalíticas. A organização do referencial teórico se pautou na narrativa interdisciplinar, que versou sobre o lócus institucional, nascedouro das angústias mobilizadoras da pesquisa, seguido da leitura crítica, histórica e social da mulher na sociedade, frente às transformações societárias e suas ressonâncias nos arranjos familiares. O método privilegiou a escuta sob a guisa psicanalítica, por meio de entrevista livre gravada e posteriormente transcrita, cujo acesso se deu por meio de uma instituição especializada, onde Clarice era assistida. A análise apontou para a relevância da escuta da subjetividade, em posição indispensável, articulada às intervenções sociais na rede de cuidado, proteção e garantia de direitos. Por fim, encontrou-se na escuta transformativa a potência de reinvenção do sujeito, articulada à primordial reafirmação de direitos desse segmento societário, fomentada na liberdade e justiça social, fazendo-se um encontro sensível e ousado, como possibilidade de fortalecimento do enfrentamento aos retrocessos degradantes no campo social contemporâneo.

PDF

Referências

BAPTISTA, Myrian Veras. A ação profissional no cotidiano. In: MARTINELLI, Maria. Lúcia; ON, Maria Lucia Rodrigues; MUCHAIL, Salma Tannus (org.). O uno e o múltiplo nas relações entre as áreas do saber. São Paulo, Cortez, 2001, pp.110-121).

BARBOSA, Paula Carvalho. A criança vítima de violência sexual intrafamiliar: consultas terapêuticas em um ambulatório especializado. Trabalho de conclusão de curso, Instituto de Psicologia de Uberlândia, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2020.

BAREMBLITT, Gregorio Franklin. Compêndio de Análise Institucional e outras correntes: teoria e prática. 2. ed. Rio de Janeiro, Rosa dos Tempos, 1994.

BARROS, Manoel. Memórias inventadas: a segunda infância. São Paulo, Planeta, 2006.

BARROS, Manoel. Livro sobre o nada. 3. ed. Rio de Janeiro, Record, 1996.

BELÉM, Marisa. Mulher no Brasil: Nossas marcas e mitos, ensaio de psicanálise. São Paulo, Escuta, 2000.

BEZERRA, Teresa Olinda Caminha; GURGEL, Claudio Roberto Marques. A política pública de cotas em universidades, enquanto instrumento de inclusão social. Revista Pensamento & Realidade, 27(2), São Paulo, 2012, pp.95-117.

BODE EXPIATÓRIO. Dicio: dicionário online de português. 2017 https://www.dicio.com.br. Acesso em: 15 jun. 2017.

BONDÍA, Jorge Larrosa. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, 19, Rio de janeiro, 2002, pp.20-28.

BRASIL. Lei nº 11.340, de 07 de agosto de 2006: Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher. Presidência da República, Brasília-DF, 2006. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm. Acesso em: 20 maio 2017.

BRUM, Eliane. O Golpe e os golpeados. El País, 2016. http://brasil.elpais.com/brasil/2016/06/20/opinion/1466431465_758346.html/. Acesso em: 20 jun. 2016.

BRUM, Eliane. O olho da rua: uma repórter em busca da literatura da vida real. 2. ed. Porto Alegre, Arquipélago Editorial, 2008.

BRUM, Eliane. A vida que ninguém vê. 11. ed. Porto Alegre, Arquipélago Editorial, 2006.

CECCARELLI, Paulo Roberto. Laço social: uma ilusão frente ao desamparo. Reverso, 31(58), São Paulo, 2009, pp.33-41.

COSTA, Ana; POLI, Maria Cristina. Alguns fundamentos da entrevista na pesquisa em psicanálise. Pulsional Revista de Psicanálise, 19(188), São Paulo, 2006, pp.14-21.

ENRIQUEZ, Eugène. Psicanálise e Ciências Sociais. Ágora, 8(2), Rio de Janeiro, 2005, pp. 153-174.

ENRIQUEZ, Eugène. Da Horda ao Estado. Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 1990.

FENELON, Grácia Maria. A interdisciplinaridade como metodologia e a Psicanálise como eixo referencial comum. Revista Psicopedagogia, 23(70), São Paulo, 2006, pp.30-41.

FIGUEIREDO, Luis Claudio. Escutar, recordar, dizer: encontros heideggerianos com a clínica psicanalítica. São Paulo, Escuta/Educ., 1994.

FONSECA, Claudia. Quando cada caso NÃO é um caso. Revista Brasileira de Educação, 10, Rio de Janeiro, 2009, pp.58-78.

FREUD, Sigmund. O mal-estar na civilização. In: Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud, v. 21, Rio de Janeiro, Imago, 1996, pp.65-148 [1930].

FREUD, Sigmund. Sexualidade feminina. In: Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud, v. 21, Rio de Janeiro, Imago, 1996, pp.229-251 [1931].

FREUD, Sigmund. Conferências Introdutórias sobre Psicanálise. In: Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud, v. 16, Rio de Janeiro, Imago, 1990, pp.287-539 [1917].

FREUD, Sigmund. Luto e Melancolia. In: Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud, v. 15, Rio de Janeiro, Imago, 1976, pp.275-291 [1915].

GOLDENBERG, Mirian. A bela velhice. Rio de Janeiro, Record, 2013.

INÁCIO, Mirian de Oliveira. Violência de gênero e Serviço Social: ethos e ação ético-política no âmbito das delegacias da mulher. Dissertação (Mestrado em Serviço Social), Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2003.

IPEA. Retrato das desigualdades de gênero e raça (4a ed.). Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, Brasília, DF, 2015. http://ipea.gov.br/retrato/pdf/revista.pdf. Acesso em: 10 jan. 2021.

IPEA. Expansão dos direitos das trabalhadoras domésticas no Brasil. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, Brasília, DF, 2012. http://www.ipea.gov.br/agencia/images/stories/PDFs/nota_tecnica/120830_notatecnicadisoc010.pdf. Acesso em: 10 jan. 2021.

LISPECTOR, Clarice. Os obedientes. In: Felicidade clandestina: contos. Rio de Janeiro, Rocco, 1998, pp.81-87.

LUKÁCS, Georg. Estetica I: La peculiaridad de lo estético. Barcelona-México, Grijalbo, 1967.

MARIN, Isabel da Silva Kahn. Sofrimento e violência na contemporaneidade: destinos subjetivos. In: KHOURI, Magda Guimarães et alii (org.). Leituras Psicanalíticas da Violência. São Paulo, Casa do Psicólogo, 2004, pp.85-100.

MATHIS, Adriana de Azevedo; SANTANA, Joana Valente. Serviço Social e tradição marxista: notas sobre a teoria social crítica. In: 6º Colóquio Internacional Marx e Engels, Campinas-SP, 2009 https://www.ifch.unicamp.br/formulario_cemarx/selecao/2009/trabalhos/servico-social-e-tradicao-marxista-notas-sobre-teoria-soci.pdf. Acesso em: 25 jun. 2017.

MAURANO, Denise. Para que serve a psicanálise? 3. ed. Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 2010.

MELO NETO, João Cabral. Morte e Vida Severina. Rio de Janeiro, Alfaguara, 1991.

MELLO, Adriana. Seis anos da Lei Maria da Penha: Um marco divisor no enfrentamento à violência de gênero no Brasil. Associação dos Magistrados do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012. http://amaerj.org.br/noticias/em-artigo-juiza-adriana-mello-fala-sobre-os-seis-anos-da-lei-maria-da-penha. Acesso em: 10 jun. 2017.

MELLO, Renata; FÉRES-CARNEIRO, Terezinha; MAGALHÃES, Andrea Seixas. Das Demandas ao Dom: As Crianças Pais de Seus Pais. Revista Subjetividades, 15(2), Fortaleza-CE, 2015, pp.213-220.

MORAES, Maria Lygia Quartim. Vinte anos de feminismo. Tese de livre-docência (Departamento de Sociologia do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas), Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1996.MOSAICO. Dicionário informal: dicionário online. 2017 http://www.dicionarioinformal.com.br. Acesso em: 10 jun. 2017.

NAVES, Emilse Terezinha. A mulher e a violência. Uma devastação subjetiva. Revista Subjetividades, 14(3), Fortaleza-CE, 2014, pp.454-462.

PADILHA, Alexandre. Bolsonaro tem obsessão em retirar direitos das mulheres. Brasil de Fato, 2019. https://www.brasildefato.com.br/2019/10/11/artigo-or-bolsonaro-tem-obsessao-em-retirar-direitos-das-mulheres-denuncia-padilha. Acesso em: 10 jan. 2021.

REIS, João Victor de Souza. Onde está o pai? O lugar do homem em famílias “matrifocais” pobres na cidade de São Paulo, 2014. Dissertação (Mestrado em Psicologia), Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

ROSA, Guimarães. Manuelzão e Miguilim. 11. ed. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 2001.

ROSA, Miriam Debieux. A psicanálise e as instituições: um enlace ético-político. 5º Colóquio do LEPSI IP/FE-USP, São Paulo, 2004 http://www.proceedings.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=MSC0000000032004000100045&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 20 jun. 2017.

ROSA, Miriam Debieux; DOMINGUES, Eliane. O método na pesquisa psicanalítica de fenômenos sociais e políticos: a utilização da entrevista e da observação. Psicologia & Sociedade, 22(1), Belo Horizonte-MG, 2010, pp.180-188.

ROSA, Miriam Debieux. A clínica psicanalítica em face da dimensão sociopolítica do sofrimento. São Paulo, Escuta/Fapesp, 2016.

SARTI, Cynthia Andersen. Famílias enredadas. In: ACOSTA, Ana Rojas; VITALE, Maria Amalia Faller (org.). Família: redes, laços e políticas públicas. São Paulo, Instituto de Estudos Especiais da Pontifícia Universidade Católica (IEE/PUC-SP), 2004, pp.21-38.

SOUZA, Hebert Geraldo; PIMENTA, Paula. Por que elas não (re)tornam? Considerações sobre a não adesão ao tratamento por parte da mulher em situação de violência. Opção Lacaniana online, 5(15), 2014, pp.1-11.

VASCONCELOS, Eduardo Mourão. Complexidade e pesquisa interdisciplinar. Petrópolis-RJ, Vozes, 2002.

WAISELFISZ, Julio Jacobo. Mapa da violência 2015: homicídio de mulheres no Brasil. Brasília-DF, Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos, 2015.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Jaqueline Teixeira Paiva, Anamaria Silva Neves

Downloads

Não há dados estatísticos.