Banner Portal
Os acontecimentos de Ruth Guimarães (1920-2014)
PDF

Palavras-chave

Intelectuais negras
Pensamento social brasileiro
Ruth Guimarães

Como Citar

SILVA, Mário Augusto Medeiros da. Os acontecimentos de Ruth Guimarães (1920-2014): alcances e limites para uma intelectual negra em São Paulo. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 65, p. e226510, 2023. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8672051. Acesso em: 15 abr. 2024.

Resumo

Este artigo trata da trajetória intelectual da escritora paulista Ruth Guimarães Botelho (1920-2014), funcionária pública, romancista, tradutora, professora e pesquisadora de folclore. Entre 1946, quando lançou seu primeiro livro, e 2008, quando foi empossada como acadêmica, passaram-se 62 anos até obter reconhecimento institucional, do qual desfrutou por seis anos na Academia Paulista de Letras. Além do lançamento aclamado de sua obra mais conhecida, Água Funda , pela editora Globo, também atuou em editoras de prestígio como tradutora do francês de escritores russo e franceses e, ainda, publicou seus trabalhos de pesquisa sobre o folclore brasileiro. As condições sociais de existência da escritora negra e para a produção e recepção de sua obra são, portanto, questões importantes interpeladas por cruzamentos de fontes variadas e pelas entrevistas inéditas realizadas com a autora.

PDF

Referências

A Escritora Ruth Guimarães. Diário Carioca, Rio de Janeiro, 11 de agosto de 1946, p. 6.

A mulher nas letras e nas artes. Jornal do Brasil , Rio de Janeiro, 17 de fevereiro de 1957, s/p.

Balzac veio de Cachoeira. Jornal do Commercio , Rio de Janeiro, 1960, s/p.

Boletim. Conselho Federal de Cultura , Rio de Janeiro, 1975, p. 150.

Com o Partido Nacional Feminino. Diário da Noite, São Paulo, 10 de março de 1958, s/p.

Depoimento de Ruth Guimarães. Letras e Artes , Rio de Janeiro, 11 de dezembro de 1949, p.10.

Escritores de São Paulo organizam um sindicato. Novos Rumos , Rio de Janeiro, 6 a 12 de dezembro de 1963, s/p.

Escritores terão sindicato. Luta Democrática , Rio de Janeiro, 26-27 de maio de 1963, p.3.

Histórias Fascinantes. Correio Paulistano , São Paulo, 10 de agosto de 1960, segundo caderno, p.2.

Livros de Mulher. O Jornal , Rio de Janeiro, 04 de setembro de 1949, s/p.

Notícia de uma Romancista. O Jornal , Rio de Janeiro, 26 de maio de 1946, s/p.

Sortilégio, o mais novo caso criado pela censura. Última Hora , 10 de setembro de 1951, p.03.

“Sortilégio” de Abdias Nascimento. Jornal do Brasil , Rio de Janeiro, 10 de agosto de 1957, s/p.

ANDRADE, Carlos Drummond. “80 mulheres na Academia”. Correio da Manhã , Segundo Caderno, Rio de Janeiro, 1969, s/p.

CANDIDO, Antonio. “Água Funda”. O Jornal , Rio de Janeiro, 24 de novembro de 1946, p. 1.

CORREIA, Valmirina. “A Academia e as Mulheres”. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 09 de dezembro de 1962, p.13.

CORREIO da Manhã, Rio de Janeiro, 06/04/1947, s/p.

DAMAS, Leon G. “Apresentação de Martha Botelho”. Jornal do Commercio , Rio de Janeiro, 05 de setembro de 1965, p. 4.

ENEIDA. “Ruth Guimarães”. Diário de Notícias , 15 de dezembro de 1960, s/p.

FUNDAMENTOS , São Paulo, edição 33, 1953, p. 41.

GÓES, Fernando. “Balzac veio de Cachoeira”. Jornal do Commercio , Rio de Janeiro, 21 de agosto de 1960a, s/p.

GÓES, Fernando. “Ruth Guimarães em Cachoeira”. Jornal do Commercio , Rio de Janeiro, 16 de outubro de 1960b, s/p.

GUIMARÃES, Ruth. “Integração”. O Jornal, Rio de Janeiro, 25 de maio de 1947, s/p.

GUIMARÃES, Ruth. “Nós, os negros”. Novo Horizonte , São Paulo, ano II, n. 19, março de 1948, p. 4.

GUIMARÃES, Ruth. “Nove paulistas julgam um mineiro”. Manchete , Rio de Janeiro, 1956, edição 234, s/p.

JORNAL DE NOTÍCIAS , São Paulo, 04 de janeiro de 1949, p. 05.

LETRAS e Artes, Rio de Janeiro, 05 de junho de 1949, p.10.

LINS, Álvaro. “Romances, novelas e contos”. Correio da Manhã , Rio de Janeiro, 03 de janeiro de 1947, p. 2.

LITERATURA Negra na 3ª Bienal Nestlé. Jornal do Conselho da Comunidade Negra , São Paulo, ano II, n.6, junho/julho 1986, p, 12.

NABUCO, Araujo. “Mundo Literário: duas estréias”. Jornal de Notícias , Rio de Janeiro, 09 de dezembro 1946, p.4

O JORNAL , Rio de Janeiro, 21 de fevereiro de 1954, s/p.

PEREGRINO. “Um sorriso para todos”. Careta , Rio de Janeiro, 30 de novembro de 1946, p. 14

PEREIRA, Lúcia Miguel. “Depoimento”. Correio da Manhã , Rio de Janeiro, 01 de setembro de 1946, 2a seção.

QUEIROZ, Rachel de. “Uma romancista”. O Cruzeiro , ed. 18, 1954, última página.

REVISTA RIO , Rio de Janeiro, 1946, p. 98.

SODRÉ, Nelson W. “Água Funda”. Correio Paulistano , São Paulo, 19 de maio de 1946, pp. 6-7.

VAINER, Nelson. “Uma escritora negra triunfa”. Revista da Semana , Rio de Janeiro, 1947, s/p.

Entrevista de Mário Augusto Medeiros da Silva e Janaína Damaceno Gomes com Ruth Guimarães. São Paulo, Academia Paulista de Letras, 23 de novembro de 2008.

Entrevista de Mário Augusto Medeiros da Silva e Janaína Damaceno Gomes com Ruth Guimarães. Cachoeira Paulista, Casa da Escritora, 23 de maio de 2009.

BASTIDE, Roger, Fernandes, Florestan. Brancos e negros em São Paulo: ensaio sociológico sobre aspectos da formação, manifestações atuais e efeitos do preconceito de cor na sociedade paulistana. 3aed., São Paulo, Global Editora, 2008.

CANDIDO, Antonio. Os parceiros do Rio Bonito: estudo sobre o caipira paulista e a transformação dos seus meios de vida. São Paulo, Duas Cidades, 3aed., 1975.

CHAGURI, Mariana M. Livrarias e editoras: notas sobre um mercado de livros entre 1920 e 1950. As escritas do lugar: regiões e regionalismo em José Lins do Rego e Érico Veríssimo. Tese [Doutorado em Sociologia]. Unicamp, Campinas, 2012.

DAMAS, Léon G (org.). Nouvelle Somme de Poésie du Monde Noir, Paris, Présence Africaine , n. 57, 1967.

D’ONOFRIO, Silvio. Ruth Guimarães: uma romancista negra na imprensa brasileira dos anos 1940. Acervo , Rio de Janeiro, v. 33, n.1, 2020, pp.189-203.

DUARTE, Eduardo A. (org). Literatura e Afrodescendência no Brasil: antologia crítica . Vol. 1: Os Precursores. Belo Horizonte, UFMG, 2011.

GOMES, Janaína D. Os segredos de Virgínia: estudos de atitudes raciais em São Paulo (1945-1955) . Tese [Doutorado]. São Paulo, FFLCH/USP, 2013.

GUIMARÃES, Ruth. Água Funda. São Paulo, Editora 34. 3a Ed, 2018.

GUIMARÃES, Ruth. Água Funda. Rio de Janeiro, Nova Fronteira. 2a ed., 2003.

GUIMARÃES, Ruth . Água Funda . Porto Alegre, Editora Globo, 1946.

LIMA, Juliana Domingos de. “O resgate da extensa e pouco explorada obra de Ruth Guimarães”. Nexo Jornal . 12 de junho de 2020 [https://www.nexojornal.com.br/expresso/2020/06/12/O-resgate-da-extensa-e-pouco-explorada-obra-de-Ruth-Guimar%C3%A3es - acessado em 30 jul. 2020].

MIRANDA, Fernanda. Corpo de romances de autoras negras brasileiras (1859-2006):posse da história e colonialidade nacional confrontada . Tese [Doutorado em Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa], USP, São Paulo, 2019.

MUSEU Afro Brasil. Negras Palavras: Encontro de Gerações . São Paulo, Imprensa Oficial, 2007.

OLIVEIRA, Ana Paula M.C. de. Um mergulho em Água Funda e suas distintas vertentes . Dissertação [Mestrado em Processos e Manifestações Culturais], Universidade Feevale, Novo Hamburgo, 2011.

SILVA, Mário A. M. da. Por uma militância ativa da palavra: antologias, mostras, encontros e crítica sobre literatura negra, anos 1980. História: questões e debates , v. 63, n.2, 2015, pp.161-194.

SILVA, Mário A. M. da. A descoberta do insólito: literatura negra e literatura periférica no Brasil (1960-2000) . Tese [Doutorado em Sociologia], Unicamp, Campinas, 2011.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Cadernos Pagu

Downloads

Não há dados estatísticos.