Banner Portal
Como atender travestis e pessoas trans?
PDF

Palavras-chave

Clínica
Travestis
Pessoas trans

Como Citar

FAVERO, Sofia. Como atender travestis e pessoas trans? (des)cisgenerizando o cuidado em saúde mental. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 66, p. e226613, 2023. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8672114. Acesso em: 19 jun. 2024.

Resumo

É com a proposta de discutir o receio sentido por diferentes profissionais de psicologia, ao se verem diante de pacientes trans e travestis, que o presente artigo busca elaborar algumas reflexões. Para tanto, propõe outra forma de encarar esse desamparo, sem que, com isso, seja pressuposto um descompromisso com a clínica. Ainda, questiona a pretensa estabilidade dos discursos nosológicos que aparentavam, historicamente, saber “bem” o que estavam fazendo com tal população, visto que apostavam em uma compreensão de gênero fundamentada em estereótipos sexistas.

PDF

Referências

AMBRA, Pedro. A psicanálise é cisnormativa? Palavra política, ética da fala e a questão do patológico. Periódicus, v. 1, n. 5, 2016, pp.101-120 [https://doi.org/10.9771/peri.v1i5.17179 - acesso em: 28 nov. 2021].

ANDRE, Jacques. Entre angústia e desamparo. Ágora, v. 4, n. 2, Rio de Janeiro, Dec. 2001, pp.95-109 [https://doi.org/10.1590/S1516-14982001000200008 – acesso em 28 de nov de 2021].

ANZALDÚA, Gloria. La conciencia de la mestiza: rumo a uma nova consciência. Rev. Estud. Fem., v. 13, n. 3, Florianópolis, Dez. 2005, pp.704-719 [https://doi.org/10.1590/S0104-026X2005000300015 - acesso em: 28 nov. 2021].

ARÁN, Márcia. O avesso do avesso: feminilidade e novas formas de subjetivação. Rio de Janeiro, Garamond, 2006.

BAGAGLI, Beatriz. Máquinas discursivas, ciborgues e transfeminismo. Revista Gênero, v. 14, n. 1, Niterói, 2. Sem. 2013 [https://doi.org/10.22409/rg.v14i1.606 - acesso em: 28 nov. 2021].

BENJAMIN, Harry. The Transsexual Phenomenon. New York, Julian Press, 1966.

BENTO, Berenice. A reinvenção do corpo: sexualidade e gênero na experiência transexual. Rio de Janeiro, Garamond, 2006.

BUTLER, Judith. Cuerpos que Importan: sobre los limites materiales y discursivos del “sexo”. 2ª ed., 2ª reimp. – Buenos Aires, Paidós, 2012.

CAVALCANTI, Céu. Sobre Nós (des)organizados: Pesquisa intervenção em psicologia e o processo de implementação de políticas para pessoas trans* na UFPE. Dissertação (Mestrado em Psicologia), Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Recife, PE, Brasil, 2016.

CAVALHEIRO, Rafael. Caos, norma e possibilidades de subversão: psicanálise nas encruzilhadas do gênero. Dissertação (Mestrado em Psicanálise), Programa de Pós-graduação em Psicanálise, Clínica e Cultura, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS, 2019.

CIDADE, Maria; BICALHO, Pedro Paulo. A racionalidade médico-jurídica dos processos de alteração do registro civil de pessoas trans no estado do Rio de Janeiro. Revista de Direito, v. 9, n. 02, 2017, pp.161-203 [https://periodicos.ufv.br/revistadir/article/view/1920 - acesso em: 28 nov. 2021].

COLLINS, Patricia. Aprendendo com a outsider within: a significação sociológica do pensamento feminista negro. Sociedade e Estado, v.31, n.1, 2016, pp.99-127 [https://doi.org/10.1590/S0102-69922016000100006 - acesso em: 28 nov. 2021].

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Resolução nº 01, de 29 de janeiro de 2018. Estabelece normas de atuação para as psicólogas e os psicólogos em relação às pessoas transexuais e travestis. Brasília, DF, Conselho Federal de Psicologia, 2018 [https://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2018/01/Resolu%C3%A7%C3%A3o-CFP-01-2018.pdf - acesso em: 21 dez. 2019].

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA. Nota Técnica do CRPRS, de 16 de setembro de 2016. Acerca da produção de documentos psicológicos em situações de alteração/adequação de nome no registro civil e de procedimentos de modificação corporal de pessoas transexuais e travestis. Porto Alegre, Conselho Regional de Psicologia, 2016 [http://www.crprs.org.br/upload/others/file/6c19186c57ef302582397d32f69db5f4.pdf - acesso em: 21 dez. 2019].

FERNANDES, Emilly. (Trans)passando os muros do preconceito e adentrando a universidade: uma análise das políticas para pessoas trans* dentro das instituições públicas de ensino superior do Rio Grande do Norte. Dissertação (Mestrado em Psicologia), Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Natal, RN, 2019.

HARAWAY, Donna. Staying with the Trouble: Making Kin in the Chthulucene. Durham, NC, Duke University Press, 2016.

HARAWAY, Donna. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. cadernos pagu (5), Campinas-SP, Núcleo de Estudos de Gênero-Pagu/Unicamp, 1995, pp.7-41 [https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/1773 - acesso em: 28 nov. 2021].

HENRIQUES, Rogério; LEITE, André. As artes adivinhatórias e a psiquiatria do futuro. Fractal, Rev. Psicol., v. 29, n. 1, Rio de Janeiro, Apr. 2017, pp.81-86 [https://doi.org/10.22409/1984-0292/v29i1/1552 - acesso em: 28 nov. 2021].

JESUS, Jaqueline. Homofobia: identificar e prevenir. Rio de Janeiro, Metanoia, 2015.

JESUS, Jaqueline. Identidades de gênero e políticas de afirmação identitária. In: VI Congresso Internacional de Estudos sobre a Diversidade Sexual e de Gênero, Salvador, 2012 [https://www.researchgate.net/publication/233854734_Identidade_de_genero_e_politicas_de_afirmacao_identitaria - acesso em: 28 nov. 2021].

KRÜGER, Alícia et al. Características do uso de hormônios por travestis e mulheres transexuais do Distrito Federal brasileiro. Rev. bras. epidemiol., v. 22, supl. 1, e190004, São Paulo, 2019 [https://doi.org/10.1590/1980-549720190004.supl.1 - acesso em: 28 nov. 2021].

LIONÇO, Tatiana. Um olhar sobre a transexualidade a partir da perspectiva da tensionalidade somato-psíquica. Tese (Doutorado em Psicologia), Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília, Brasília, 2006.

LOURO, Guacira. Teoria queer: uma política pós-identitária para a educação. Rev. Estud. Fem., v. 9, n. 2, Florianópolis, 2001, pp.541-553 [https://doi.org/10.1590/S0104-026X2001000200012 - acesso em: 28 nov. 2021].

MACEDO, Cleber; SÍVORI, Horacio. Repatologizando a homossexualidade: a perspectiva de “psicólogos cristãos” brasileiros no século XXI. Estud. pesqui. psicol., v. 18, n. spe, Rio de Janeiro, dez. 2018, pp.1415-1436 [http://dx.doi.org/10.12957/epp.2018.42242 - acesso em: 28 nov. 2021].

MARACCI, João. Reflexões sobre verdade e política: mapeando controvérsias do Kit Gay. Porto Alegre, Dissertação (Mestrado em Psicologia), Programa de Psicologia Social e Institucional, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, 2019.

MURTA, Daniela. Os desafios da despatologização da transexualidade: Reflexões sobre a assistência a transexuais no Brasil. Tese (Doutorado em Saúde Coletiva), Instituto de Medicina Social, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), 2011.

OLIVEIRA, Megg. Trejeitos e trajetos de gayzinhos afeminados, viadinhos e bichinhas pretas na educação!. Periódicus, v. 1, n. 9, Salvador, 2018, pp.161-191 [https://doi.org/10.9771/peri.v1i9.25762 - acesso em 28 de nov. de 2021].

PASSOS, Maria. O currículo frente à insurgência decolonial: constituindo outros lugares de fala. Cadernos de Gênero e Tecnologia (CEFET/PR), v. 12, 2019, pp.196 [http://dx.doi.org/10.3895/cgt.v12n39.9465 - acesso em: 28 nov. 2021].

PORCHAT, Patricia. O corpo: entre o sofrimento e a criatividade. Rev. Epos, v. 5, n. 1, Rio de Janeiro, jun. 2014, pp.112-130 [http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2178-700X2014000100007&lng=pt&nrm=isso - acesso em: 28 nov. 2021].

PRADO, Marco. Ambulare. Belo Horizonte (MG), PPGCOM UFMG, 2018 [https://seloppgcom.fafich.ufmg.br/novo/publicacao/ambulare/ - acesso em: 28 nov. 2021].

RODOVALHO, Amara. O cis pelo trans. Rev. Estud. Fem., v. 25, n. 1, Florianópolis, Apr. 2017, pp.365-373 [https://doi.org/10.1590/1806-9584.2017v25n1p365 - acesso em: 28 nov. 2021].

TENÓRIO, Leonardo; PRADO, Marco. As contradições da patologização das identidades trans. Periódicus, n. 5, v. 1, Salvador, maio-out. 2016 [https://doi.org/10.9771/peri.v1i5.17175 - acesso em: 28 nov. 2021].

VERGUEIRO, Viviane. Por inflexões decoloniais de corpos e identidades de gênero inconformes: uma análise autoetnográfica da cisgeneridade como normatividade. Dissertação (Mestrado em Cultura e Sociedade), Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade, Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, 2016.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Cadernos Pagu

Downloads

Não há dados estatísticos.