Banner Portal
Por uma antropologia do desejo e do prazer
PDF

Palavras-chave

Desejo
Prazer
Perlongher
Violência
Tensores libidinais

Como Citar

BARRETO, Victor Hugo de Souza; DÍAZ-BENÍTEZ, Maria Elvira. Por uma antropologia do desejo e do prazer: notas para uma cartografia libidinal do social. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 66, p. e226607, 2023. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8672240. Acesso em: 20 jun. 2024.

Resumo

O objetivo deste artigo é dialogar com a provocação feita pelo antropólogo argentino Néstor Perlongher sobre o fazer antropológico, na qual o autor se questiona: "por que será que a antropologia, tão obcecada por discursar sobre o outro, não se anima a reconhecer o desejo do outro?”. Seguindo essa inspiração, desejamos apresentar pontos de consideração teórico-metodológicos que enfatizem uma análise do social a partir dos movimentos libidinais em sua macro e micropolítica, uma proposta de cartografia que comporia uma antropologia do desejo. Entendendo que o desejo está na base da criação de toda comunidade, laço de pertencimento ou relação social, ao longo do artigo exploramos vias para a interpretação de um desejo pela hierarquia, pela aniquilação do outro ou pelo mal - enfatizando a problemática racial - via processos de subjetivação e engajamentos libidinais presentes em práticas diversas de indivíduos, grupos e formas de governos. Finalizamos o artigo ponderando ao redor de importantes influências de Perlongher naquilo que na antropologia brasileira podemos chamar de Antropologia do prazer, a partir de pesquisas que têm se dedicado justamente a duas das principais temáticas do autor: sexualidade e drogas.

PDF

Referências

ABRANCHES, Sérgio. O tempo dos governantes incidentais. São Paulo, Companhia das Letras, 2020.

BARRETO, Victor Hugo. Festas de orgias para homens. Territórios de intensidade e socialidade masculina. Salvador, Editora Devires, 2017.

BAZÁN, Osvaldo. Historia de la homosexualidad en la Argentina. De la Conquista de América al siglo XXI. Buenos Aires, Marea, 2017.

BECKMAN, Frida. Between Desire and Pleasure: A Deleuzian Theory of Sexuality. Edinburgh, Edinburgh University Press, 2013.

BECKMAN, Frida. Deleuze and Sex. Edinburgh, Edinburgh University Press, 2011.

BEISTEGUI, Miguel de. The Government of Desire: A Genealogy of the Liberal Subject. Chicago, The University of Chicago Press, 2018.

BLAIR, Elsa. Muertes Violentas. La teatralización del exceso. Medellín, Iner; Universidad Nacional de Antioquia, 2005.

BRAGA, Gibram Teixeira. O fervo e a luta: políticas do corpo e do prazer em festas de São Paulo e Berlim. Tese (Antropologia social), Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo (USP), 2018.

BUTLER, Judith. Marcos de guerra. Las vidas lloradas. Buenos Aires: Ediciones Paidós, 2010.

CARRARA, Sergio; SIMÕES, Julio Assis. Sexualidade, cultura e política: a trajetória da identidade homossexual masculina na antropologia brasileira. cadernos pagu (28), Campinas-SP, Núcleo de Estudos de Gênero-Pagu/Unicamp, 2007, pp.65-99.

DELEUZE, Gilles. Désir et plaisir. Magazine Littéraire. Paris, n. 325, oct, 1994, pp.57-65.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia 2. V. 1-5. São Paulo, Editora 34, 2011.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O anti-Édipo: capitalismo e esquizofrenia. São Paulo, Editora 34, 2010.

DELEUZE, Gilles. Que es un dispositivo?. In: BALBIER, E. (org.). Michel Foucault filósofo. Madrid, Gedisa, 1990, pp.155-161.

DÍAZ-BENÍTEZ, María Elvira. O Gênero da humilhação. Afetos, relações e complexos emocionais. Horizontes Antropológicos, ano 25, n. 54, 2019, pp.51-78.

DÍAZ-BENÍTEZ, María Elvira. O espetáculo da humilhação, fissuras e limites da sexualidade. Mana, v. 21, n. 1, Rio de Janeiro, 2015, pp.65-90.

DÍAZ-BENÍTEZ, Maria Elvira; GADELHA, Kaciano; RANGEL, Everton. Nojo, humilhação e desprezo: uma antropologia das emoções hostis e da hierarquia social. Anuário Antropológico, v. 46, n. 3, 2021, pp.10-29.

DÍAZ-BENÍTEZ, Maria Elvira; RANGEL, Everton. Evocações da escravidão. Sobre sujeição e fuga em experiências negras. Horizontes Antropológicos, ano 28, n. 63, Porto Alegre, 2022, pp.39-69.

DOUGLASS, Frederick. Autobiografia de um escravo. São Paulo, Editora Vestígio, 2021.

DOUGLAS, Mary. Pureza e perigo. São Paulo, Perspectiva, 2012.

DUARTE, Luiz Fernando. O império dos sentidos: sensibilidade, sensualidade e sexualidade na cultura ocidental moderna. In: HEILBORN, Maria Luiza (org.). Sexualidade: o olhar das ciências sociais. Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 1999, pp. 21-30.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Salvador, EDUFBA, 2008.

FANON, Frantz. Os condenados da terra. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1968.

FLAUZINA, Ana Luiza Pinheiro; VARGAS, João Costa Helion (org.). Motim: horizontes do genocídio negro. Brasília, Brado Negro, 2017.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade - A vontade de saber. V.1, Rio de Janeiro, Edições Graal, 2009.

FOUCAULT, Michel. Ditos e Escritos - Ética, Sexualidade, Política. Vol. V. Rio de Janeiro, Edições Graal, 2006a.

FOUCAULT, Michel. Ditos e Escritos - Genealogia da Ética, Subjetividade e Sexualidade. Vol. IX. Rio de Janeiro, Edições Graal, 2006b.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade - O Uso dos Prazeres. V. II. Rio de Janeiro, Edições Graal, 1994.

FRY, Peter. Prefácio à 1ª edição. In: PERLONGHER, Néstor. O negócio do michê — A prostituição viril em São Paulo. São Paulo, Fundação Perseu Abramo, 2008.

GREGORI, Maria Filomena. Prazeres Perigosos. Erotismo, gênero e limites da sexualidade. São Paulo, Companhia das Letras, 2016.

GUATTARI, Felix; ROLNIK, Suely. Micropolítica: cartografias do desejo. Rio de Janeiro, Vozes, 2005.

HARNEY, Stefano; MOTEN, Fred. The undercommons: fugitive planning & black study. Wivenhoe/New Rork/Port Watson, Minor Compositions, 2013.

HUGHES, Everett. As boas pessoas e o trabalho sujo. In: COELHO, Maria Claudia (organização e tradução). Estudos sobre interação. Textos escolhidos. Rio de Janeiro, Eduerj, pp.91-108.

LAGO, Miguel. Como explicar a resiliência de Bolsonaro?. In: STARLING, Heloisa; LAGO, Miguel; BIGNOTTO, Newton (org.). Linguagem da destruição: a democracia brasileira em crise. São Paulo, Companhia das Letras, 2022, pp.19-69.

LINO e SILVA, Moisés. Minoritarian Liberalism: A Travesti Life in a Brazilian Favela. Chicago, The University of Chicago Press, 2022.

LYOTARD, Jean-François. Economía libidinal. Madrid, Fundamentos, 1990.

MBEMBE, Achille. Crítica da Razão Negra. São Paulo, n-1 edições, 2018.

McCLINTOCK, Anne. Couro Imperial. Raça, gênero e sexualidade no embate colonial. Campinas, Editora Unicamp, 2010.

MISKOLCI, Richard; PELÚCIO, Larissa. Aquele não mais obscuro negócio do desejo. In: PERLONGHER, Néstor. O negócio do michê — A prostituição viril em São Paulo. São Paulo, Fundação Perseu Abramo, 2008.

MOTEN, Fred. Ser prete e ser nada (misticismo na carne). In: MOTEN, Fred. Pensamento negro radical: antologia de ensaios. São Paulo, Editora Crocodilo e n-1, 2021, pp.131-192.

MOTEN, Fred. A resistência do objeto: o grito da tia Hester. Revista Eco-Pós, v. 23, n. 1, 2020, pp.14-43 [2003].

NOBRE, Marcos. Limites da democracia: de junho de 2013 ao governo Bolsonaro. São Paulo, Todavia, 2022.

PERLONGHER, Nestor. Territórios marginais. In: GREEN, James; TRINDADE, Ronaldo (org.). Homossexualismo em São Paulo e outros escritos. São Paulo, Editora Unesp, 2005, pp.263-290.

PERLONGHER, Nestor. Droga e Êxtase. Religião e Sociedade, n. 16/3, Rio de Janeiro, Iser, 1994, pp.8-23.

PERLONGHER, Nestor. Antropologia das sociedades complexas, identidade e territorialidade ou como estava vestida Margaret Mead. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 22, 1993, pp.137-144.

PERLONGHER, Nestor. O desaparecimento da homossexualidade. Saúde Loucura, n.3. São Paulo, 1991, pp.39-45.

PERLONGHER, Nestor. O negócio do michê: a prostituição viril. Editora Brasiliense, São Paulo, 1987a.

PERLONGHER, Nestor. O que é Aids? São Paulo, Brasiliense, 1987b.

PERLONGHER, Nestor. Aids. Disciplinar os poros e as paixões. Lua Nova, v. 2 n. 3, São Paulo, Dec. 1985, pp.35-37.

PERLONGHER, Nestor; FERRER, Christian; BAIGORRIA, Osvaldo. Antropologia do êxtase. Revista digital Ecopolítica, n.4, 2012.

PINHO, Osmundo. Cativeiro. Antinegritude e Ancestralidade. Salvador, Editora Segundo Selo, 2021.

ROCHA, Luciane de Oliveira. Outraged Mothering: Black Women, Racial Violence and the Power of Emotion in Rio de Janeiro. Tese (Doutorado em Antropologia), African Diaspora Program in Anthropology, The University of Texas at Austin, 2014.

ROLNIK, Suely. Cartografia Sentimental: Transformações contemporâneas do desejo. São Paulo, Editora Clube do Livro, 1989.

SÁNCHEZ, Carlos. El cuerpo drogado de pharmakones. Un análisis de nueve etnografías brasileras (1987-2018). Dissertação (Antropologia Social), Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), 2021.

SANTOS, Débora Duarte. Cartografias corporais em trânsito: violência, desejo e êxtase na escrita de Néstor Perlongher. Tese (Doutorado em Letras), FFLCH, Universidade de São Paulo (USP), 2019.

SIMÕES, Júlio Assis. O negócio do desejo. cadernos pagu (31), Campinas, SP, Núcleo de Estudos de Gênero-Pagu/Unicamp, 2008, pp.534-546.

SPILLER, Hortense J. Bebê da mamãe, talvez do papai: uma gramática estadunidense. In: SPILLER, Hortense J. Pensamento negro radical: antologia de ensaios. São Paulo, Editora Crocodilo e n-1, 2021, pp.29-70. [1987].

TAUSSIG, Michael. Xamanismo, colonialismo e o homem selvagem. Um estudo sobre o terror e a cura. São Paulo, Editora Paz e Terra, 1993.

VARGAS, Eduardo. Entre a extensão e a intensidade. Corporalidade, subjetivação e uso de “drogas”. Tese (Doutorado em Ciência humanas, sociologia e política), Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, 2001.

VARGAS, João Costa Helion. Racismo não da conta: antinegritude, a dinâmica ontológica e social definidora da modernidade. Em Pauta, n. 45, v. 18, Rio de Janeiro, 2020, pp.16-26.

WILDERSON III, Frank B. Red, White & Black: Cinema and the Structure of U.S. Antagonisms. Durham, Duke University Press, 2010.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Cadernos Pagu

Downloads

Não há dados estatísticos.