Banner Portal
Uma crítica à interpretação inflacionista do desenvolvimentismo
PDF

Palavras-chave

Desenvolvimentismo. Inflacionismo. Economia brasileira. História do pensamento econômico. Brasil.

Como Citar

CURADO, M.; CAVALIERI, M. Uma crítica à interpretação inflacionista do desenvolvimentismo. Economia e Sociedade, Campinas, SP, v. 24, n. 1, p. 57–86, 2015. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8642117. Acesso em: 23 fev. 2024.

Resumo

Tornou-se comum associar o desenvolvimentismo com irresponsabilidade fiscal e complacência com o processo inflacionário. A difusão da tese do inflacionismo apresentada por Franco (1996, 2005) contribuiu para esta associação. O presente artigo investiga qual a contribuição da literatura econômica entre 1930 e 1964 na formação desta associação. O artigo pretende responder a duas questões: 1. Os expoentes intelectuais do desenvolvimentismo defendiam o uso de mecanismos inflacionários para o financiamento dos investimentos industriais e, portanto, eram inflacionistas no sentido atribuído por Franco (1996, 2005)? 2. Pode-se afirmar que a literatura do desenvolvimentismo defendia certa leniência no controle do processo inflacionário? Para responder estas questões, são analisadas as contribuições dos expoentes intelectuais do desenvolvimentismo no período, especialmente os trabalhos de Roberto Simonsen, Celso Furtado e Roberto Campos. O artigo conclui que não há elementos que sustentem o argumento inflacionista e coloca em discussão a tese da leniência no controle da inflação.

 

Abstract

It has become commonplace to associate Latin American developmentalism with fiscal irresponsibility, and complacency with the inflationary process. The diffusion of the “inflationist thesis” presented by Franco (1996, 2005) and others, contributed significantly to this association. This paper investigates how the original developmentalist literature between 1930 and 1964 contributed to the formation of this association. In this regard, the study aims to answer two questions. First, did the exponents of developmentalism defend the use of inflationary mechanisms to finance industrial investment? Second, is it possible to argue that the developmentalist literature defended some leniency with inflation control? To answer these questions, the contributions of intellectual exponents of developmentalism in the period, particularly the works of Simonsen, Furtado, and Campos, are analyzed. The study concludes that there is no support in the original developmentalist literature for Franco’s and others’ “inflationist thesis”.

Keywords: Developmentalism; Inflationism; Brazilian economy; Brazil – History of economic thought

PDF

Referências

ABREU, M. P. O Brasil e a economia mundial, 1930-1945. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999.

BAER, W. The inflation controversy in Latin America: a survey. Latin American Research Review, n. 2, 1967.

BARBOSA, F. H. A inflação brasileira no após-guerra: monetarismo x estruturalismo. Rio de Janeiro: Ipea/Inpes, 1983. (Série PNPE, n. 8).

BASTOS, P. P. Z. Ortodoxia e heterodoxia antes e durante a Era Vargas: contribuições para uma economia política da gestão macroeconômica dos anos 1930. Economia, Anpec (Selecta), v. 9, n. 4, dez. 2008.

BIELSCHOWSKY, R. Pensamento econômico brasileiro: o ciclo ideológico do desenvolvimentismo. Rio de Janeiro: Ipea/Inpes, 1988. (Série PNPE, n. 19).

BOIANOVSKY, M. Celso Furtado and the structuralist-monetarist debate on economic stabilization in Latin America. History of Political Economy, v. 44, n. 2, p. 277-330, 2012.

BRESSER-PEREIRA, L. C. O novo desenvolvimentismo e a ortodoxia convencional. São Paulo em Perspectiva, v 20, n. 3, p. 5-24, 2006.

BRESSER-PEREIRA, L. C. Globalization and competition: why some emergent countries succeed while others fall behind. Cambridge University Press, 2010.

CAMPOS, R. A crise econômica brasileira. Digesto Econômico, São Paulo, nov. 1953.

CAMPOS, R. Economia, planejamento e nacionalismo. Rio de Janeiro: APEC, 1963.

CAMPOS, R. Reflection on Latin American development. Austin: Texas University Press, 1967.

CAMPOS, R. A lanterna na popa: memórias. 2. ed. Rio de Janeiro: Top Books, 1994.

CARDOSO, F. H. Pensadores que inventaram o Brasil. São Paulo: Companhia da Letras, 2013.

CARONE, E. Roberto C Simonsen e sua Obra. Revista de Administração de Empresas, Rio de Janeiro, v. 11, n. 4, p. 23-28, out./dez. 1971.

COELHO, F. S.; GRANZIERA, R. G. Celso Furtado e a formação econômica do Brasil. Edição Comemorativa dos 50 anos de publicação (1959-2009). São Paulo: Ordem dos Economistas do Brasil (OEB) e Atlas, 2009.

CRAVEN, C. A transformation problem: monetarismo to structuralism in the Economic Commission for Latin America. History of Political Economy, v. 26, n. 1, 1994.

CURI, L. F. B.; CUNHA, A. M. Redimensionando a contribuição de Roberto Simonsen à controvérsia do planejamento (1944-45): pioneirismo e sintonia. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA, 39. Foz do Iguaçu, PR: Anpec, 2011.

CURI, L. F. B; SAES, A. M. Roberto Simonsen e Wladimir Woytinsky no período entreguerras: um ambiente de questionamento à ortodoxia. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA, 40. Porto de Galinhas, PE: Anpec, 2012.

DOELLINGER, C. V. Introdução. [1977]. In: SIMONSEN, R. C.; GUDIN, E. A controvérsia do planejamento na economia brasileira. 3. ed. Brasília: Ipea, 2010.

FONSECA, P. C. D. As origens e as vertentes formadoras do pensamento cepalino. Revista Brasileira de Economia, Rio de Janeiro, v. 54, n. 3, jul./set. 2000.

FONSECA, P. C. D. Gênese e precursores do desenvolvimentismo no Brasil. Pesquisa & Debate, v. 15, n. 2 (26), 2004.

FONSECA, P. C. D. O mito do populismo econômico de Vargas. Revista de Economia Política, São Paulo, v. 31, n. 1 (121), jan./mar. 2011.

FRANCO, G. H. B. O desafio brasileiro: ensaios sobre desenvolvimento, globalização e moeda. Editora 34, 1996.

FRANCO, G. H. B. Auge e declínio do inflacionismo no Brasil. In: GIAMBIAGI, G; VILLELA, A.; CASTRO, L. B.; HERMANN, J. (Org.). Economia brasileira contemporânea (1945-2004). Rio de Janeiro: Campus Elsevier, 2005.

FURTADO, C. Características gerais da economia brasileira. Revista Brasileira de Economia, v. 4, p. 7-37, 1950.

FURTADO, C. Formação de capital e desenvolvimento econômico. Revista Brasileira de Economia, v. 6, n. 3, p. 7-45, 1952.

FURTADO, C. The external disequilibrium in the underdeveloped economies. Indian Journal of Economics, v. 38, p. 403-410, 1958a.

FURTADO, C. Perspectivas da economia brasileira. Rio de Janeiro: ISEB, 1958b.

FURTADO, C. Formação econômica do Brasil. Rio de Janeiro: Companhia Editora Nacional, [1959] 1968.

FURTADO, C. Desenvolvimento e subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1961.

FURTADO, C. A fantasia organizada. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

GODOY, B. B. C. A influência de Roberto Campos na economia brasileira (1945- 2001). Dissertação (Mestrado)–Programa de Pós-Graduação em História Econômica da Universidade de São Paulo (USP), 2007 KALDOR, N. Tributação e desenvolvimento econômico. Revista Brasileira de Economia, 1957.

KAY, C. Reflections on the Latin American Contribution to Development Theory. Development and Change, v. 22, p. 31-68, 1991.

MANTEGA, G. Economia política brasileira. São Paulo; Petrópolis: Vozes, 1984.

MARQUETTI, A.; KOSHIYAMA, D.; ALENCASTRO, D. O aumento da lucratividade expande a acumulação de capital? uma análise de causalidade de Granger para países da OCDE. Revista de Economia Contemporânea, Rio de Janeiro, v.13. n. 3, 2009.

MAZA, F. O idealismo prático de Roberto Simonsen: ciência, tecnologia e indústria na formação da Nação. Tese (Doutorado)–Programa de Pós-Graduação em História Social. Universidade de São Paulo, 2002.

MELLO, J. M. C. O capitalismo tardio. São Paulo: Editora Brasiliense, 1982.

MOLLO, M. R. L.; FONSECA, P. C. D. Desenvolvimentismo e novodesenvolvimentismo: raízes teóricas e precisões conceituais. Revista de Economia Política, v. 33, n. 2 (131), p. 222-239, abr./jun. 2013.

NOYOLA, J. El desarrollo economico y la inflacion en Mexico y otros paises latinoamericanos. Investigacion Economica, v. 16, n. 4, p. 602-648, 1956.

PREBISCH, R. The economic development of Latin America and its principal problems. Economic Commission for Latin America, 1949. (Document ECN 12.89).

PREBISCH, R. El falso dilema entre desarrollo económico y estabilidad monetaria. In: GURRIERI, A. La obra de Prebisch en la Cepal. México: Fondo de Cultura Económica, [1961], 1982.

SARETTA, F. A Confederação Nacional da Indústria e o Plano de Estabilização Monetária de 1958. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE ECONOMIA, 36. Salvador (BA): Anpec, 2008.

SIMONSEN, R. As crises no Brasil. São Paulo: São Paulo Editora Limitada, 1930.

SIMONSEN, R. As finanças e a indústria. São Paulo: São Paulo Editora Limitada, 1931.

SIMONSEN, R. Elos da indústria. São Paulo: Fiesp, 1944.

SIMONSEN, R. A planificação da economia brasileira. In: SIMONSEN, R.; GUDIN, E.; VON DOELLINGER, C. A controvérsia do planejamento na economia brasileira. 3. ed. Brasília: Ipea, 2010a.

SIMONSEN, R. O planejamento da economia brasileira – Réplica ao Sr. Eugênio Gudin. In: SIMONSEN, R.; GUDIN, E.; VON DOELLINGER, C. A controvérsia do planejamento na economia brasileira. 3. ed. Brasília: Ipea, 2010b.

SEERS, D. A theory of inflation and growth in underdeveloped economies based on the experience of Latin America. Oxford Economic Papers, v. 14, n. 2, p. 173- 195, 1962.

SUNKEL. O. Inflation in Chile: an unorthodox approach. International Economic Papers, 10, p. 107-117, 1960.

SZMRECSÁNYI, T. Pensamento econômico no Brasil contemporâneo: Celso Furtado. Estudos Avançados, São Paulo, v.15, n. 43, Sept./Dec. 2001.

TEIXEIRA, A.; MARINGONI, G.; GENTIL, L. Roberto Simonsen e Eugênio Gudin: desenvolvimento, o debate pioneiro (1944-45). Brasília: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, 2010.

A Economia e Sociedade utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.