Banner Portal
Interação Universidade-Empresa: o caso do setor sucroalcooleiro de Pernambuco
PDF

Palavras-chave

Inovação. Nordeste/Pernambuco.Açúcar e álcool

Como Citar

SPÍNDOLA, F. D.; LIMA, J. P. R.; FERNANDES, A. C. Interação Universidade-Empresa: o caso do setor sucroalcooleiro de Pernambuco. Economia e Sociedade, Campinas, SP, v. 24, n. 1, p. 121–149, 2015. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8642119. Acesso em: 4 mar. 2024.

Resumo

O trabalho apresenta um panorama atual da inovação no setor sucroalcooleiro pernambucano, cujo objetivo foi melhor entender as interações das empresas com as universidades e institutos públicos de pesquisa que têm promovido alguma inovação no setor. Adicionalmente, testou-se a hipótese, através do estudo de caso, de que o segmento supracitado preservou traços de sua história que legaram uma postura de setor pouco inovativo e dependente de proteção governamental. Parte de pesquisa mais ampla, o presente trabalho resulta de estudo de caso em que foram entrevistados agentes envolvidos com a interação U-E em usinas de açúcar, na instituição patronal e em instituições de pesquisa em Pernambuco. O estudo permitiu verificar que a inovação nesse setor ocorre de forma distinta em cada um dos três diferentes segmentos em que está subdividido: agricultura, indústria e transporte e mecanização. Na área agrícola, as empresas introduzem inovações que, no entanto, são desenvolvidas por instituições públicas de pesquisa existentes no estado, como a Ridesa e o Cetene, para quem as usinas e os pequenos produtores transferem esforços em P&D. Na área industrial e na de transporte e mecanização, as inovações são introduzidas por intermédio do sindicato patronal e de empresas de consultoria técnica que as importam de outras regiões ou países, enquanto o desenvolvimento de novos produtos não foi observado na indústria sucroalcooleira pernambucana. O foco das usinas locais é o mercado externo de açúcar por possuírem uma vantagem comparativa logística e contarem internamente com grande concorrência de produtores do Centro-Sul. Essa exportação do açúcar tem sido feita a granel, levando a crer que os produtores têm passado adiante parte importante da agregação de valor ao produto, deixando os procedimentos mais específicos, como criação de produtos finais diferenciados, para o importador e, por isso, perdendo oportunidades de inovar em produtos. A oferta de mão de obra, historicamente abundante, parece tender a uma escassez futura, levando as usinas a se movimentarem mais recentemente em direção à mecanização da colheita da cana. O capital externo parece desinteressado no setor, tendo em vista a menor automação da colheita da cana no estado; por conseguinte, a dinâmica tecnológica não sofre mudanças mais significativas que poderiam advir da chegada de empresas multinacionais, em princípio mais afeitas a investimentos em P&D e à interação mais intensa com instituições de pesquisa.

 

Abstract

This work presents an overview of the sugarcane sector, whose objective was to better understand the interactions of firms with universities and/or technical consulting organizations that have promoted some innovation in the sector. Additionally, it was tested the hypothesis, through the case study, that the segment above preserved traces of its history that left the impression of a sector less innovative and dependent on government protection. The paper, based on a case study, has shown that companies have a R&D continuum in the agricultural area, although sugar mills and small producers relegate efforts in R&D, transferring this role to institutions such as RIDESA and CETENE. The focus of local mills is on the foreign market of sugar since they have a comparative advantage in logistics and also a big competition from other Brazilian producers. The exports of sugar have been made in bulk, implying that producers have passed on an important part of adding value to the product, leaving the procedures related to the importers and, by consequence, losing opportunities to innovate with differentiated products. The supply of labor seems likely to lead to future scarcity, causing the mills to move toward mechanization of part of the production. The foreign capital seems uninterested in the sector, considering a smaller automation of cane harvesting in the state, hence the technological dynamics does not suffer major changes that could result from the arrival of these companies, in principle, more keen on investments in R&D and stronger interaction with research institutions.

Key-words: Innovation; Northeast/Pernambuco; Sugar and alcohol.

PDF

Referências

BRASIL. Portaria n. 520, de 20 de julho de 2010. Aloca a cota preferencial de açúcar destinado aos Estados Unidos em favor de produtores localizados em usinas do Norte e Nordeste. Diário Oficial da União, Brasília, n. 138, p. 66, Seção 1, 21 jul. 2010.

BAER, W. A economia brasileira. 3. ed. São Paulo: Nobel, 2009. p. 33.

ECOFINANÇAS. Mecanização tem avanço lento em canaviais “independentes”. 2013. Disponível em: http://www.ecofinancas.com/noticias/mecanizacao-temavanco-lento-canaviais-independentes. Acesso em: 12 abr. 2014.

EISENBERG, P. Sugar industry in Pernambuco: modernization without change, 1840-1910. Berkeley: University of California Press, 1974.

FERNANDES, A. C., SILVA, A. S.; SOUZA, B. C. Demanda e oferta de tecnologia e conhecimento em região periférica: A interação universidade-empresa no Nordeste Brasileiro. In: SUZIGAN, Wilson; ALBUQUERQUE, Eduardo; CÁRIO, Sílvio (Org.). Interações de universidades e institutos de pesquisas com empresas no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, 2011. v. 1, p. 338-395.

FERNANDES, A. C.; SILVA, A. S.; SOUZA, B. C. Apresentação sucroalcooleiro. In: SEMINÁRIO NACIONAL DA PESQUISA INTERAÇÃO UNIVERSIDADEEMPRESA NO BRASIL, 11, Campinas, Unicamp, SP, 4 nov. 2009.

FREEMAN, C. The ‘National System of Innovation’ in historical perspective. Cambridge. Journal of Economics, n. 19, p. 5-24, 1995.

FURTADO, C. Formação econômica do Brasil. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1959.

GUERRA, M. C. Projeto de consolidação do sucroenergético em Pernambuco. Apresentado no 1° Fórum UFPETRO. Recife, PE, 26 ago. 2011.

LIMA, J. P. R. The National Alcohol Programme, State and Capitalism in Northeast Brazil. Thesis (Ph.D.)–University College London, London, 1988.

LIMA, J. P. R; PINTO, M.; FERREIRA, S. Economia da zona da mata de Pernambuco: Algo de novo? Mais do mesmo? In: CONGRESSO INTERNACIONAL DA APDR, 17; CONGRESSO DE GESTÃO E CONSERVAÇÃO DA NATUREZA, 5, Bragança, Zamora, Inovação e Território. Açores, Portugal: Universidade dos Açores, 29 jun./2 jul. 2011.

LUNDVALL, Bengt-Ake. National Systems of Innovation: towards a theory of innovation and interactive learning. London: Pinter, 1992.

MELLO, R. C., HARRIS, H. Desempenho de cortadores de base para colhedoras de cana-de-açúcar com lâminas serrilhadas e inclinadas. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 7, n. 2, p. 355-358, 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-43662003000200029. Acesso em: 24 mar. de 2014.

MOLIN, J. P. Agricultura de precisão: situação atual e perspectivas. Disponível em: http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/Repositorio/agricultura-precisao-situacao_ 000fkl0ctoe02wyiv80sq98yqpxloebw.pdf. Acesso em: 22 jun. 2011.

NELSON, R. (Ed.). National Innovation Systems: a comparative analysis. Oxford and New York: Oxford University Press, 1993.

NIR, D. Regional geography considered from the systems’ approach. Geoforum, v. 18, n. 2, p. 187-202, 1987.

OCDE. Manual de Oslo: proposta de diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação tecnológica. Tradução: FINEP. 2004.

OLIVEIRA, A. M. S. As inovações tecnológicas e as novas formas de gestão e controle do capital sobre o trabalho. Revista Pegada Eletrônica, Presidente Prudente, v. 3, n. 1, out. 2002. Disponível em:http://www.prudente.unesp.br/ceget/pegada.htm. Acesso em: 24 mar. 2014.

OLIVEIRA, F. C. M.; ROCHA, J. V.; LAMPARELLI, R. A. C.; ZULLO JUNIOR, J. Variabilidade espacial da produtividade e nutrientes absorvidos pela cultura de cana-de-açúcar visando agricultura de precisão. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE AGRICULTURA DE PRECISÃO, 2, Viçosa, MG, 12-14 jun. 2002.

OLIVEIRA, Fabíola Cristina Ribeiro de. Ocupação, emprego e remuneração na cana-de-açúcar e em outras atividades agropecuárias no Brasil, de 1992 a 2007.

Dissertação (Mestrado em Economia Aplicada)–Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2009. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11132/tde-14042009-084343/. Acesso em: 24 mar. 2014.

PRADO JÚNIOR, C. Formação do Brasil Contemporâneo. 23. ed. São Paulo: Brasiliense, 2004. p. 118.

ROSSETTO, Raffaella. Avanço tecnológico. Agência Embrapa de Informação Tecnológica, Embrapa. 2011. Disponível em: http://www.agencia.cnptia. embrapa.br/gestor/cana-de-acucar/arvore/CONTAG01_ 15_711200516716.html. e http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/gestor/cana-de-acucar/arvore/CONTAG01_ 70_711200516719.html. Acesso em: 25 ago. 2011.

RAMÃO, F. P.; SCHNEIDER, I. E.; SHIKIDA, P. F. A Padrão tecnológico no corte de cana-de-açúcar: um estudo de caso no estado do Paraná. Revista de Economia Agrícola, São Paulo, v. 54, n. 1, p. 109-122, jan./jun. 2007.

REIS, G. N. Perdas na colheita mecanizada da cana-de-açúcar crua em função do desgaste das facas do corte de base. 2009. Tese (Doutorado)–Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias – Unesp, Campus de Jaboticabal, São Paulo. Disponível em: http://www.fcav.unesp.br/download/pgtrabs/cs/d/2314.pdf. Acesso em: 26 mar. 2014.

RIDESA Histórico. 2012. Disponível em: http://www.ridesa.com.br/?pagina =historico. Acesso em: 5 jul. 2012; 26 mar. 2014.

ROGERS, T. D. Geneticistas da gramínea doce em campos decadentes: variedades de cana-de-açúcar, agrônomos e plantadores na abordagem da modernização agrícola (1930-1964). Revista Clio, Recife, v. 26, p. 161-188, 2008.

ROSA, E. J.; JOSÉ, J. V.; CASTRO, A. S.; GAVA, R. Perdas visíveis de cana-deaçúcar em colheita mecanizada. In: ENCONTRO INTERNACIONAL DE PRODUÇÃO CIENTÍFICA CESUMAR (EPCC), 5, Maringá, PR, 27-30 out. 2009. Disponível em: http://www.cesumar.br/epcc2009/anais/jefferson _vieira_jose3.pdf>. Acesso em: 26 mar. 2014.

ROSEMBERG, N. Karl Marx on the economic role of science. The Journal of Political Economy. v. 82, n. 4, p. 713-728, 1974.

SEBRAE. Desafio Sebrae Caderno de conceitos. 2011, Disponível em: http://www.desafio.sebrae.com.br/Site/DownloadManual. Acesso em: 31 mar. 2011.

SICSÚ, A. B.; SILVEIRA, S. K. Indústrias sucroalcooleiras de Pernambuco: mudanças recentes e seus impactos econômicos. In: MATOS, Aécio G. de (Coord.). Modernização conservadora e desenvolvimento na Zona da Mata de Pernambuco. Recife: Editora Universitária da UFPE, 2012.

SINDAÇÚCAR. AL Produtos – Açúcar. 2014. Disponível em: http://www.sindacucar-al.com.br/produtos/acucar/. Acesso em: 26 mar. 2014.

SINDAÇÚCAR. PE Notícias – Estatísticas. 2014. Disponível em: http://www.sindacucar.com.br/noticias_estatisticas.html. Acesso em: 26 mar. 2014.

SUZIGAN, W.; ALBUQUERQUE, E. A interação entre universidades e empresas em perspectiva histórica. 2008. In: SUZIGAN, W.; ALBUQUERQUE, E.; CÁRIO, Sílvio (Org.). Interações de universidades e institutos de pesquisas com empresas no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, 2011. v. 1, p. 17-44.

A Economia e Sociedade utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.