Banner Portal
Desempenho da indústria automobilística brasileira no período 2000-2012: uma análise sobre a hipótese de desindustrialização setorial
PDF

Palavras-chave

Desindustrialização
Indústria automobilística
Cointegração
VEC
Brasil.

Como Citar

VERÍSSIMO, M. P.; ARAÚJO, V. M. Desempenho da indústria automobilística brasileira no período 2000-2012: uma análise sobre a hipótese de desindustrialização setorial. Economia e Sociedade, Campinas, SP, v. 24, n. 1, p. 151–176, 2015. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8642120. Acesso em: 5 mar. 2024.

Resumo

Este artigo investiga a possibilidade de desindustrialização na indústria automobilística brasileira. Parte-se da hipótese de que o contexto de taxa de câmbio apreciada e de altos preços das commodities pode inibir o desempenho da indústria automobilística no longo prazo. Ademais, busca-se captar os efeitos de taxa de investimento, juros, produtividade, impostos e abertura comercial sobre a produção de automóveis. Para isso, foram utilizadas a análise de Cointegração (Johansen Teste) e a estimação de Modelos de Vetores de Correção de Erros (VEC), com base no período 2000-2012. Os resultados sugerem efeitos positivos da apreciação cambial e dos preços das commodities sobre a produção de automóveis no longo prazo, o que não permite afirmar a ocorrência de desindustrialização no setor pela Doença Holandesa. Todavia, verifica-se a relevância de alta taxa de investimento, taxa de juros baixa, maior grau de abertura comercial, maior produtividade do trabalho e impostos menores para estimular a produção de automóveis no Brasil.

 

Abstract

This paper investigates the possibility of deindustrialization in the Brazilian automotive industry. It supposes that exchange rate appreciation and high commodity prices may inhibit the long run automotive industry performance. It also seeks to capture the effects of investment rate, interest rate, productivity, taxes and trade liberalization on car production. To do this, we used Cointegration analysis (Johansen Test) and Vector Error Correction Models (VEC), based on the period 2000-2012. The results suggest positive effects of currency appreciation and commodity prices on car production in the long run, which does not make it possible to confirm the existence of deindustrialization in the sector as a result of Dutch Disease. However, a high investment rate, low interest rate, higher trade openness, higher labor productivity and lower taxes are relevant in terms of stimulating car production in Brazil.

Keywords: Deindustrialization; Automotive industry; Cointegration; VEC; Brazil.

PDF

Referências

BCB. Banco Central do Brasil. Economia e Finanças. Séries Temporais. Disponível em: http://www4.bcb.gov.br/?SERIESTEMP. Acesso em: mar. 2013.

BRESSER-PEREIRA, L. C. A doença holandesa. In: ________. Globalização e competição: por que alguns países emergentes têm sucesso e outros não. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009, cap. 5, p. 141-171.

BRESSER-PEREIRA, L. C.; MARCONI, N. Existe doença holandesa no Brasil? In: FÓRUM DE ECONOMIA DA FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS, 4, mar. 2008. Disponível em: http://www.bresserpereira.org.br/. Acesso em: out. 2008.

BUENO, R. D. L. S. Econometria de séries temporais. São Paulo: Cengage Learning, 2008.

CORDEN, W. M. Booming sector and Dutch disease economics: survey and consolidation. Oxford Economic Papers, v. 36, n. 3, p. 359-380, Nov. 1984.

CORDEN, W. M; NEARY, J. P. Booming sector and de-industrialisation in a small open economy. Economic Journal, v. 92, n. 368, Dec. 1982.

CARVALHO, L.; KUPFER, D. A transição estrutural da indústria brasileira: da diversificação para a especialização. In: ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA, 35. Anais... Recife: Anpec, 2007.

DALUM, B.; LAURSEN, K; VERSPAGEN, B. Does specialization matters for growth? Oct. 1996. Disponível em: http://www.druid.dk/laursen/papers/teis005.pdf. Acesso em: May 2008.

ENGLE, R.; GRANGER, C. W. J. Cointegration and error correction: representation, estimation, and testing. Econometrica, v. 55, n. 2, p. 251-276, 1987.

GUJARATI, D. N. Econometria básica. 4. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006.

HAUSMANN, R.; HWANG, J.; RODRIK, D. What you export matters. Cambridge, MA: National Bureau of Economic Research, Dec. 2005. (NBER Working Paper).

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Indicadores. Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física. Disponível em: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/acervo/acervo2.asp?e=c&p=PZ&v=28&z=t& o=22. Acesso em: mar. 2013.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Indicadores. Pesquisa Industrial Anual. Disponível em: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/ pia/default.asp?o=23&i=P. Acesso em: mar. 2013.

IBGE. Indicadores. Cadastro Central de Empresas. Disponível em: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/cempre/default.asp. Acesso em: mar. 2013.

IFS. International Financial Statistics Database. CD-ROM. Washington, DC: International Monetary Fund (IMF), Dec. 2013.

IPEADATA. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Indicadores. Disponível em: http://www.ipeadata.gov.br/. Acesso em: mar. 2013.

KALDOR, N. Causes of the slow rate of economic growth of The United Kingdon. Cambridge University Press, 1966.

LAMONICA, M. T.; FEIJÓ, C. A. Crescimento e industrialização no Brasil: uma interpretação à luz das propostas de Kaldor. Revista de Economia Política, v. 31, n. 1 (121), p. 118-138, jan./mar. 2011.

LIBÂNIO, G. Quem tem medo da China? Análise e implicações para os principais estados brasileiros. Revista de Economia Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 16, n. 2, p. 259-286, maio/ago. 2012.

NEGRI, J. A. de. O custo de bem-estar do regime automotivo brasileiro. Disponível em: http://ppe.ipea.gov.br/index.php/ppe/article/viewFile/187/121. Acesso em: jul. 2013.

OREIRO, J. L.; FEIJÓ, C. A. Desindustrialização: conceituação, causas, efeitos e o caso brasileiro. Revista de Economia Política, v. 30, n. 2, abr./jun. 2010.

OICA. Organisation Internacionale des Constructeures d’automobiles. Disponível em: http://www.oica.net/. Acesso em: mar. 2013.

PALMA, J. G. Quatro fontes de “desindustrialização” e um novo conceito de “Doença Holandesa”. Conferência Industrialização, Desindustrialização e Desenvolvimento. FIESP e IEDI. Ago. 2005. Disponível em: http://www.fiesp.com.br/. Acesso em: out. 2008.

RODRIK, D. What is so special about China’s exports? Cambridge, MA: National Bureau of Economic Research, Jan. 2006. (NBER Working Paper Series, n. 11947).

ROWTHORN, R.; RAMASWANY, R. Growth, trade and deindustrialization.

IMF Staff Papers, v. 46, n. 1, Mar. 1999.

SILVA, M. V. A indústria automobilística em Catalão/Goiás: da rede ao circuito espacial da produção da MMC Automotores do Brasil S.A. 2010. Tese (Doutorado em Geografia)–Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2010.

STOCK, J.; WATSON, M. Vector autoregression. Journal of Economic Perspectives, v. 15, n. 4, Mar. 2001.

THIRLWALL, A. P. A natureza do crescimento econômico: um referencial alternativo para compreender o desempenho das nações. Brasília: Ipea, 2005.

A Economia e Sociedade utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.