Fatores associados à segurança alimentar nos domicílios brasileiros em 2009

Autores

  • Lorena Vieira Costa Departamento de Economia Rural/Universidade Federal de Viçosa http://orcid.org/0000-0002-2935-2726
  • Maria Micheliana da Costa Silva Universidade de São Paulo
  • Marcelo José Braga Departamento de Economia Rural da Universidade Federal de Viçosa
  • Viviani Silva Lírio Departamento de Economia Rural da Universidade Federal de Viçosa

Palavras-chave:

Segurança alimentar. Ingestão calórica. Pesquisa de Orçamento Familiar. Logit. Brasil.

Resumo

Este estudo pretende identificar os fatores associados à segurança alimentar nos domicílios brasileiros, por meio de um modelo de escolha binária (logit). Considera-se como medida desse fenômeno a ingestão calórica domiciliar, com base nos dados da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF/IBGE) de 2008-2009. Embora apenas 12,4% dos domicílios ainda não apresentem um nível de segurança alimentar adequado, os resultados deste trabalho mostram que fatores como situação de pobreza e carência de itens básicos de infraestrutura e tamanho do domicílio contribuem para a incidência de segurança alimentar nesses domicílios. Além disso, residir em áreas rurais apresenta-se mais favorável à segurança alimentar. Ressalta-se a não existência de diferenças entre o consumo calórico domiciliar das regiões Nordeste e Sudeste, embora residir na região Sul ainda seja favorável para os domicílios estarem seguros quanto ao aspecto alimentar. Ademais, reforça-se a importância da educação, que contribui para o consumo alimentar.

 

Abstract

This study aims to identify the factors associated with food security in households, using a binary choice model (logit). It is considered as a measure of this phenomenon household caloric intake, based on data from the Household Budget Survey (POF/IBGE) from 2008-2009. Although only 12.4% of households still do not have an adequate level of food security, the results of this study show that factors such as poverty and lack of basic infrastructure and household size contribute to its incidence in these households. Moreover, living in rural areas has become more favorable to food security. It is noteworthy that there is no difference between the caloric intake in the Northeast and Southeast, while residing in the South is still favorable for food security. Furthermore, it reinforces the importance of education, which contributes to food intake.

Keywords: Food security; Caloric intake; Household Budget Survey, Logit; Brazil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lorena Vieira Costa, Departamento de Economia Rural/Universidade Federal de Viçosa

Possui graduação em Gestão do Agronegócio (2010) e mestrado em Economia Aplicada (2012) pela Universidade Federal de Viçosa. Aluna de Doutorado do Programa de Pós-Graduação em Economia Aplicada do Departamento de Economia Rural da Universidade Federal de Viçosa. 

Maria Micheliana da Costa Silva, Universidade de São Paulo

Possui graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Federal do Ceará (2010) e mestrado em Economia Aplicada pela Universidade Federal de Viçosa (2013). Atualmente é doutoranda em Teoria Econômica pela Universidade de São Paulo.

Marcelo José Braga, Departamento de Economia Rural da Universidade Federal de Viçosa

Concluiu o doutorado em Economia Rural pela Universidade Federal de Viçosa (UFV), em 1999, e o Pós-Doutorado na University Of California At Davis, UCD, Estados Unidos, em 2004

Viviani Silva Lírio, Departamento de Economia Rural da Universidade Federal de Viçosa

Professora e Pró-Reitora de Assuntos Comunitários da Universidade Federal de Viçosa da UFV. Pesquisadora do CNPq desde 2009. Graduada em Ciências Econômicas pela Universidade Federal do Espírito Santo (1994) e Doutora em Economia Rural pela UFV (2001). 

Referências

ANAND, S.; HARRIS, C. J. Food and standard of living: an analysis based on Sri Lankan data. In: DREZE, J. P.; SEN, A. K. (Ed.). The political economy of hunger. Oxford: Clarendon Press, 1990. p. 297-350.

ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária, Resolução – RDC n. 40, de 21 mar. 2001.

BABU, S. C.; SANYAL, P. Food security, poverty and nutrition policy analysis: statistical methods and applications. Oxford: Elsevier, 2009. 340p.

BELIK, W. Perspectivas para segurança alimentar e nutricional no Brasil. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 12, n. 1, p. 12-20, jan./jun. 2003.

BRASIL, Lei n. 11.346, de 15 de setembro de 2006. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – SISAN – com vistas em assegurar o direito humano à alimentação adequada e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Lei/L11346.htm. Acesso em: 20 set. 2011.

CAMELO, R. S.; TAVARES, P. A.; SAIANI, C. C. S. Alimentação, nutrição e saúde em programas de transferência de renda: evidências para o Programa Bolsa Família. Revista Economia, v. 10, n. 4, p. 685-713, 2009.

CLARO, R. M. Influência da renda familiar e dos preços dos alimentos sobre a composição da dieta consumida nos domicílios brasileiros. 123p. Tese (Doutorado em Nutrição em Saúde Pública)– Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

DUTTA, I.; GUNDERSEN, C. Measures of food insecurity at the household level. In: GUHA-KHASNOBIS, B.; ACHARYA, S. S.; DAVIS, B. (Ed.). Food security: indicators, measurement and the impact of trade openness. Oxford: Oxford University Press, 2007. 396p.

FERREIRA, F. H. G. Os determinantes da desigualdade de renda no Brasil: luta de classes ou heterogeneidade educacional? In: HENRIQUES, R. (Org.). Desigualdade e pobreza no Brasil. Rio de Janeiro: Ipea, 2000. p. 131-158.

FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS – FAO. World Food Summit 1996. Disponível em: http://www.fao.org/docrep/003/w3613p/ w3613p00.htm. Acesso em: 10 dez. 2011.

FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS – FAO.

The state of food insecurity in the world – Addressing food insecurity in protracted crises 2010. Disponível em: http://www.fao.org/docrep/013/i1683e/i1683e.pdf. Acesso em: 17 fev. 2012.

FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS – FAO.

The State of Food and Agriculture: women in agriculture – Closing the gender gap for development. Roma, 2011. 160p.

GUBERT, M. B.; BENÍCIO, M. H. D.; SANTOS, L. M. P. dos. Estimativas de insegurança alimentar grave nos municípios brasileiros. Caderno Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 26, n. 8, 2010.

HAUGHTON, J. H.; KHANDKER, S. R. Handbook on poverty and inequality. Washington: The World Bank, 2009. 446p.

HOFFMANN, R. Determinantes da insegurança alimentar no Brasil: análise dos dados da PNAD de 2004. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, v. 15, n. 1, p. 49-61, 2008.

INSTITUTO BRASILEIRO DE ANÁLISES SOCIAIS E ECONÔMICAS – Ibase. Repercussões do Programa Bolsa Família na segurança alimentar e nutricional: relatório síntese. Rio de Janeiro, 2008. 361p.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. PNAD Segurança Alimentar 2004/2009. Rio de Janeiro, 2010. 183p.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Microdados da POF 2008-2009 (Pesquisa de Orçamentos Familiares). Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/condicaodevida/pof/ 2008_2009/microdados.shtm. Acesso em: 20 abr. 2011.

MALUF, R. S. Segurança alimentar e fome no Brasil: 10 anos da cúpula mundial de alimentação. Ceresan, Relatórios Técnicos, n. 2, 2006.

PAES DE BARROS, R.; HENRIQUES, R.; MENDONÇA, R. Desigualdade e pobreza no Brasil: retrato de uma estabilidade inaceitável. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 15, n. 42, p. 123-142, 2000.

PÉREZ-ESCAMILLA, R.; SEGALL-CORRÊA, A. M. Food insecurity measurement and indicators. Revista de Nutrição, v. 21, p. 15-26, jul./ago. 2008.

SCHLINDWEIN, M. M.; KASSOUF, A. L. Mudanças no padrão de consumo de alimentos tempo-intensivos e de alimentos poupadores de tempo, por região do Brasil. In: SILVEIRA, F. G. et al. (Org.). Gasto e consumo das famílias brasileiras contemporâneas. Brasília: Ipea, 2007, v. 2, cap. 12, p. 423-462.

SMITH, L. C. The use of household expenditure surveys for the assessment of food insecurity. In: ORGANIZAÇÃO das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação – FAO. Measurement and assessment of food deprivation and undernutrition. Roma, 2002. 55p.

SOARES, S. S. D. O ritmo de queda na desigualdade no Brasil é adequado? Evidências do contexto histórico e internacional. IPEA, 2008. (Texto para discussão, n. 1.339).

THOMSON, A.; METZ, M. Implications of economic policy for food security: a training manual, 1998. Disponível em: http://www.fao.org/DOCREP/004/X3936E/ X3936E00.HTM. Acesso em: 20 nov. 2011.

TIMMER, C. P.; FALCON, W. P.; PEARSON, S. R. Food policy analysis. Baltimore: The Johns Hopkins University Press, 1983. 301p.

TWEETEN, L. The economics of global food security. Review of Agricultural Economics, v. 21, n. 2, p. 473-488, 1999.

WOOLDRIDGE, J. M. Introdução à econometria: uma abordagem moderna. São Paulo: Cengage Learning, 2008.

Downloads

Publicado

2015-12-09

Como Citar

COSTA, L. V.; SILVA, M. M. da C.; BRAGA, M. J.; LÍRIO, V. S. Fatores associados à segurança alimentar nos domicílios brasileiros em 2009. Economia e Sociedade, Campinas, SP, v. 23, n. 2, p. 373-394, 2015. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8642147. Acesso em: 29 out. 2020.

Edição

Seção

Artigos