O padrão de demanda por mão de obra na lavoura paulista e a questão do trabalhador nacional: nem vadio, nem escasso, nem instável (1890-1915)

  • Cláudia Alessandra Tessari Escola Paulista de Política, Economia e Negócios da Universidade Federal de São Paulo
Palavras-chave: Formação do mercado de trabalho. Trabalhador brasileiro. Sazonalidade agrícola. Vadiagem. São Paulo.

Resumo

Este artigo analisa a relação entre o padrão de demanda por mão de obra na agricultura paulista entre 1890 e 1915 e as formas de engajamento do trabalhador na atividade produtiva defendendo a ideia de que estas últimas propiciavam a formação de estereótipos sobre o chamado trabalhador nacional, tais como os da sua escassez e sua instabilidade e ociosidade. Nas interpretações mais gerais sobre a formação econômica e social brasileira, um dado prepondera: a quase “exclusão” do brasileiro pobre do processo de produção, sendo elemento marginal e acessório na estrutura produtiva central brasileira e paulista. Mostramos que a demanda por trabalho era marcadamente sazonal e incerta gerando, com isso, necessidade de oferta elástica de trabalhadores temporários e explicando, em parte, a contradição de uma sociedade que tinha, segundo o discurso da época, ora falta de trabalhadores, ora abundância; ora trabalho, ora ociosidade.

 

Abstract

The article examines the relationship between the demand for manpower in agriculture in the São Paulo state between 1890 and 1915, and the forms of worker involvement in productive activity. It defends the idea that it was these forms of worker involvement that formed the stereotypes about a national worker, such as the shortage of these workers, and their instability and idleness. In the most general interpretations about the economic and social formation in Brazil, a predominant factor prevails: the “almost exclusion” of the poor Brazilian in the production process, as a marginal and accessory element in the productive structure of the export economy. This article analyzes the demand for labor in the tillage industry in São Paulo, showing that it was seasonal and uncertain. It shows that this pattern of intermittent work explains in part the contradiction of a society that had, according to the discourse of the time: either a lack of workers, or an abundance; and at times hard workers, and at other times idle workers.

Keywords: Formation of the labor market; Brazilian worker; Agricultural seasonality; Idleness; São Paulo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cláudia Alessandra Tessari, Escola Paulista de Política, Economia e Negócios da Universidade Federal de São Paulo
Professora Adjunto III da Escola Paulista de Política, Economia e Negócios da Universidade Federal de São Paulo (EPPEN-UNIFESP, Campus Osasco). Doutora em Desenvolvimento Econômico (área de concentração História Econômica) pelo Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas (IE-Unicamp) e mestre em História Econômica pelo Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas (IE-Unicamp).

Referências

ALBUQUERQUE, Rui Henrique Pereira Leite de. Capital comercial, indústria têxtil e produção agrícola: as relações de produção na cotonicultura paulista, 1920-1950. São Paulo: Hucitec; Brasília: Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, 1983.

ALENCASTRO, Luiz Felipe de; CATELLI, Roberto. Trabalho escravo e trabalho compulsório no Brasil: 1870-1930. Relatório de pesquisa Cebrap (1987-1989), 1989.

AMARAL, Samuel. The rise of capitalism on the Pampes. The estancias of Buenos Aires, 1785-1870. Cambridge University Press, 1998.

ANDRADE, Manuel Correia de. A terra e o homem do Nordeste: contribuição ao estudo da questão agrária no Nordeste. São Paulo: Atlas, 1986.

AZEVEDO, Célia Maria Marinho de. Onda Negra, Medo Branco – o negro no imaginário das elites – século XIX. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

BASSANEZI, Maria Silvia C. Beozzo. Fazenda de Santa Gertrudes. Uma abordagem quantitativa das relações de trabalho em uma propriedade rural paulista. 1895-1930. Tese (Doutoramento)–FFCL/Unesp, Rio Claro, SP, 1973.

BEIGUELMAN, Paula. A formação do povo no complexo cafeeiro. Aspectos políticos. São Paulo: Edusp, 1971.

BRANT, Vinícius Caldeira. Do colono ao boia-fria: transformações na agricultura e constituição do mercado de trabalho na Alta Sorocabana de Assis. Estudos Cebrap, São Paulo, n. 19, p. 37-92, 1977.

CANABRAVA, Alice. A grande lavoura. In: HISTÓRIA Geral da Civilização Brasileira. Brasil Monárquico. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1968. Tomo 2, v. 4.

CARDOSO, Fernando Henrique. Capitalismo e escravidão no Brasil Meridional. O negro na sociedade escravocrata do Rio Grande do Sul. São Paulo: Paz e Terra, 1997.

CASTRO, Hebe Maria, MATTOS G. de. Das cores do silêncio: os significados da liberdade no Sudeste escravista. Brasil, século XIX. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1995.

DEAN, Warren. Rio Claro: um sistema brasileiro de grande lavoura, 1820-1920. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

EISENBERG, Peter L. Modernização sem mudança: a indústria açucareira em Pernambuco, 1840-1910. Rio de Janeiro: Paz e Terra; Campinas, SP: Unicamp, 1977.

EISENBERG, Peter L. Homens esquecidos: escravos e trabalhadores livres no Brasil – séculos XVIII e XIX. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 1989.

FRANCO, Maria Sylvia de Carvalho. Homens livres na ordem escravocrata. São Paulo: Kairós Livraria Editora, 1983.

FREYRE, Gilberto. Nordeste: aspectos da influência da cana sobre a vida e a paisagem do Nordeste do Brasil. Rio de Janeiro: José Olympio, 1985.

GONÇALVES, Paulo César. Migração e mão de obra. Retirantes cearenses na economia cafeeira do Centro-Sul (1877-1901). Dissertação (Mestrado)– FLCH/USP, São Paulo, 2002.

GORENDER, Jacob. O escravismo colonial. São Paulo: Ática, 1985.

HOLLOWAY, Thomas H. Imigrantes para o café: café e sociedade em São Paulo, 1886- 1934. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.

LAMOUNIER, Maria Lúcia. Da escravidão ao trabalho livre (a lei de locação de serviços de 1879). Campinas, SP: Papirus, 1988.

LAMOUNIER, Maria Lúcia. Ferrovias, agricultura de exportação e mão de obra no Brasil no século XIX. História Econômica & História de Empresas, v. 3, n. 1, p. 43-76, 2000.

LAMOUNIER, Maria Lúcia. Agricultura e mercado de trabalho. Trabalhadores brasileiros livres nas fazendas de café e na construção das ferrovias em São Paulo, 1850-1890. Estudos Econômicos, São Paulo, v. 37, n. 2, p. 353-372, abr./jun. 2007.

KOWARICK, Lúcio. Trabalho e vadiagem. A origem do trabalho livre no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1987.

MARTINS, José de Souza. O cativeiro da terra. São Paulo: Livraria Editora Ciências Humanas, 1979.

MESSIAS, Rosane Carvalho. O cultivo do café nas bocas de sertão paulista. Mercado interno e mão de obra no período de transição: 1830-1888. São Paulo: Ed. da Unesp, 2003.

MONBEIG, Pierre. Pioneiros e fazendeiros de São Paulo. São Paulo: Hucitec/Polis, 1984.

MOURA, Denise A Soares de. Saindo das sombras: homens livres no declínio do escravismo. Campinas, SP: Área de Publicações CMU/Unicamp, 1998.

MOURA, Denise A Soares de. Cafeicultores e lavradores de roças de alimentos na transição do trabalho escravo ao livre (Campinas, 1850-1888). América Latina en la Historia Económica, México, v. 27, p. 79-110, jan./jun. 2007.

NAXARA, Márcia Regina Capelari. Estrangeiro em sua própria terra: representações do brasileiro, 1870/1920. São Paulo: Annablume, 1998.

PETRONE, Maria Tereza Schorer. Imigração. In: HOLANDA, Sergio Buarque de. História geral da civilização brasileira. Brasil Republicano tomo 3, v. 2. São Paulo: Difel, 1985.

PRADO JR., Caio. Formação do Brasil contemporâneo: Colônia. São Paulo: Brasiliense Publifolha, 2000.

RANGEL, Ignácio. A questão agrária brasileira. In: BENJAMIM, César. (Org.). Ignácio Rangel. Obras reunidas, v. 2. Rio de Janeiro: Contraponto, 2005.

REZENDE, Gervásio Castro de. Políticas trabalhista, fundiária e de crédito agrícola no Brasil: uma avaliação crítica. Revista de Economia e Sociologia Rural. Rio de Janeiro, v. 44, n. 1, p. 47-78, jan./mar. 2006.

SALLES, Iraci Galvão. República: a civilização dos excluídos (representações do trabalhador nacional. 1870-1920). Tese (Doutoramento)– FFLCH/USP, São Paulo, 1995.

SALLUM Jr., Brasilio. Capitalismo e cafeicultura: oeste paulista, 1888-1930. São Paulo: Duas Cidades, 1982.

SANTOS, Carlos José Ferreira dos. Nem tudo era italiano. São Paulo e pobreza: 1890- 1915. São Paulo: Annablume/Fapesp, 2003.

SCOTT, Rebecca J. Emancipação escrava em Cuba: a transição para o trabalho livre, 1860- 1899. Rio de Janeiro: Paz e Terra; Campinas, SP: Unicamp, 1991.

SILVA, José Graziano da. Progresso técnico e relações de trabalho na agricultura. São Paulo, Hucitec, 1981.

SILVA, Ligia Maria Osório. Comentário ao texto de Boris Fausto Controle Social e criminalidade em São Paulo (1890-1924). In: PINHEIRO, Paulo Sérgio (Org.). Crime, violência e poder. São Paulo: Brasiliense, 1983.

STOLCKE, Verena; HALL, Michael. A introdução do trabalho livre nas fazendas de café de São Paulo. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 3, n. 6, p. 80-120, set. 1983.

TERCI, Eliana Tadeu. A agroindústria canavieira de Piracicaba: relações de trabalho e controle social (1880-1930). Dissertação (Mestrado)–São Paulo, PUCSP, 1991.

TESSARI, Cláudia Alessandra. Braços para colheita: sazonalidade e permanência do trabalho temporário na agricultura paulista (1890-1915). 2010. Tese (Doutoramento)– Instituto de Economia. Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2010.

VANGELISTA, Chiara. Os braços da lavoura. Imigrantes e “caipiras” na formação do mercado de trabalho paulista (1850-1930). São Paulo: Hucitec/Instituto Italiano di Cultura/Instituto Cultural Ítalo-Brasileiro, 1991.

VIOTTI DA COSTA, Emília. Da Monarquia à República: momentos decisivos. São Paulo: Grijalbo, 1977.

Publicado
2015-12-09
Como Citar
Tessari, C. A. (2015). O padrão de demanda por mão de obra na lavoura paulista e a questão do trabalhador nacional: nem vadio, nem escasso, nem instável (1890-1915). Economia E Sociedade, 23(2), 465-487. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8642151
Seção
Artigos