Industrialização e desenvolvimento: uma análise do pensamento econômico brasileiro

Autores

Palavras-chave:

História do pensamento econômico. Economia brasileira. Industrialização. Estrutura produtiva e desenvolvimento. Heterodoxia x Ortodoxia.

Resumo

Este artigo recupera os elementos essenciais do debate sobre o papel do processo de industrialização para o desenvolvimento econômico brasileiro. O artigo analisa diversos momentos deste debate, desde suas origens até as recentes discussões sobre a desindustrialização. Argumenta-se que a evolução do tema influencia e é influenciada pelas condições históricas vigentes. Sua conclusão central é que o debate é profundamente marcado pelos diferentes pontos de partida teóricos e metodológicos adotados pela literatura

 

Abstract

This paper presents the most important elements of the debate on the role of industrialization for economic development in Brazil. The paper examines several stages of the debate, from its origins up to the recent discussions on deindustrialization. It is argued that the development of the theme influences and is influenced by prevailing historical conditions. Its central conclusion is that the debate is deeply marked by the different theoretical and methodological starting points adopted by the literature.

Keywords: History of economic thought, Brazilian economy, Industrialization, Productive structure and development, Heterodoxy vs. Orthodoxy.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo Curado, Universidade Federal do Paraná

Bacharel em Ciências Econômicas pela Universidade Estadual Paulista (1994), mestre em Desenvolvimento Econômico pela Universidade Federal do Paraná (1997) e doutor em Política Econômica pela Universidade Estadual de Campinas (2001).

Referências

ABREU, M. P. Os funding loans brasileiros - 1898-1931. Pesquisa e Planejamento Econômico (PPE), v. 32, n. 3, dez. 2002.

BIELCHOWSKY, R. Pensamento econômico brasileiro: o ciclo ideológico do desenvolvimentismo. Rio de Janeiro: Ipea/Inpes, 1988. (Série PNPE, n. 19).

BIELCHOWSKY, R. Maria da Conceição Tavares. Revista de Economia Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 14, n. 1, 2010.

BIELCHOWSKY, R; SUTMPO, G. A Internacionalização da indústria brasileira: números e reflexões depois de alguns anos de abertura. In: BAUMANN, R. (Org.). O Brasil e a economia global. Rio de Janeiro: Elsevier, 1996.

BRESSER-PEREIRA, L. C. Globalization and competition: why some emergent countries succeed while others fall behind. Cambridge University Press, 2010.

CAMPOS, R. A crise econômica brasileira. Digesto Econômico, São Paulo, nov. 1953.

CANUTO, O. Brasil e Coréia do Sul: Os (des) caminhos da industrialização tardia. São Paulo: Nobel, 1994.

CARDOSO, F. H.; FALETTO, E. Dependência e desenvolvimento da América Latina. Rio de Janeiro: Zahar, 1970.

CARDOSO, F. H. Dos governos militares a Prudente – Campos Sales. In: O BRASIL Republicano. São Paulo: Difel, 1975.

CARONE, E. O pensamento industrial no Brasil (1880-1945). Rio de Janeiro/São Paulo: Difel, 1977.

CASTRO, A. B.; SOUZA, F. E. P. A economia brasileira em marcha forçada. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

CASTRO, A. B. A capacidade de crescer como problema. In: REIS VELLOSO, João Paulo. O Real, o crescimento e as reformas. Rio de Janeiro: José Olimpyo Editora, 1996.

CEPAL. Economic survey of Latin America, 1949. Santiago, Chile, 1949. (E/CN.12/ rev.1).

COUTINHO, L. Prefácio. In: CANUTO, O. Brasil e Coréia do Sul: os (des) caminhos da industrialização tardia. São Paulo: Nobel, 1994.

COUTINHO, L. A fragilidade do Brasil em face da globalização. In: BAUMANN, R. (Org.). O Brasil e a economia global. Rio de Janeiro: Elsevier, 1996.

COUTINHO, L; FERRAZ, J. C. Estudo da Competitividade da Indústria Brasileira. 3. ed. Campinas: Editora da Unicamp/Papirus, 1995.

FEIJÓ, C. A.; CARVALHO, P. G.; ALMEIDA, J. S. G. Ocorreu uma desindustrialização no Brasil?. São Paulo: IEDI, nov. 2005. Mimeo.

FERREIRA, P. C.; HAMDAN, G. Política industrial no Brasil: ineficaz e regressiva. Econômica, v. 5, n. 2, 2003.

FIORI, J. L. O cosmopolitismo de cócoras. Estudos Avançados, v. 14, n. 39, maio/ago. 2000.

FONSECA, P. C. D. As origens e as vertentes formadoras do pensamento cepalino. Revista Brasileira de Economia, Rio de Janeiro, v. 54, n. 3, jul./set. 2000.

FONSECA, P. C. D. Gênese e precursores do desenvolvimentismo no Brasil. Pesquisa & Debate, v. 15, n. 2 (26), 2004.

FRANCO, G. H. B. A primeira década republicana. In: ABREU, M. P. (Org.). A ordem do progresso. Rio de Janeiro: Campus, 1989.

FRANCO, G. H. B. Inserção externa e o desenvolvimento. Revista de Economia Política, v. 18, n. 3, jul./set. 1998.

FRANCO, G. H. B. Auge e declínio do inflacionismo no Brasil. In: GIAMBIAGI, G.; VILLELA, A.; CASTRO, L. B.; HERMANN, J. (Org.). Economia Brasileira Contemporânea (1945- 2004). Rio de Janeiro: Campus Elsevier, 2005.

FURTADO, C. Desenvolvimento e subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1961.

FURTADO, C. Formação econômica do Brasil. 8. ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1968.

FURTADO, C. Análise do “modelo” brasileiro. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, 1972.

GODOI, B. B. C. A influência de Roberto Campos na economia brasileira. Dissertação (Mestrado)–Programa de Pós-Graduação em História Econômica da Universidade de São Paulo (USP), 2007.

GOLDENSTEIN, L. Repensando a dependência. Rio de Janeiro: Paz & Terra, 1994.

GUDIN, E. Rumos de política econômica. Relatório apresentado para a Comissão de Planejamento Econômico (1945). In: SIMONSEN, R.; GUDIN, E. A controvérsia do planejamento na economia brasileira. 3. ed. Ipea, 2010.

KUPFER, D. Política industrial. Econômica, v. 5, n. 2, dez. 2003.

LESSA, C. A estratégia de desenvolvimento 1974-1976: sonho e fracasso. 2. ed. Campinas: Unicamp. Instituto de Economia, 1998. (Série: “30 Anos de Economia – UNICAMP”).

LUZ, N. V. A luta pela industrialização do Brasil. 2. ed. São Paulo: Alfa-ômega, 1975.

MANTEGA, G. A economia política brasileira. São Paulo: Polis; Petrópolis: Vozes, 1984.

MARQUETTI, A. Progresso técnico, distribuição e crescimento na economia brasileira: 1955-1998. Estudos Econômicos, v. 32, n. 1, 2002.

MELLO, J. M. C. O capitalismo tardio. São Paulo, Brasiliense, 1982.

MOREIRA, M. M.; CORREA, P. G. Abertura comercial e indústria: o que se pode esperar e o que se vem obtendo. Revista de Economia Política, v. 17, n. 2 (66), abr./jun. 1997.

NASSIF, A. Há evidências de desindustrialização no Brasil? Revista de Economia Política, São Paulo, v. 28, n. 1, jan./mar. 2008.

OREIRO, J. L.; FEIJÓ, C. A. Desindustrialização: conceituação, causas, efeitos e o caso brasileiro. Revista de Economia Política, v. 30, n. 2, abr. 2010.

PERISSINOTTO, R. M. Classe dominante e política econômica na economia cafeeira (1906-1930). Perspectivas, São Paulo, v. 16, p. 165-189, 1993.

PERISSINOTTO, R. M. Classes dominantes e hegemonia na República Velha. Campinas: Editora da Unicamp, 1994 PINHEIRO, M. C.; FERREIRA, P. C.; PESSÔA, S. A.; SCHYMURA, L. G. Por que o Brasil na precisa de política industrial. Ensaios Econômicos. EPGE/FGV, mar. 2007.

POSSAS, M. L. Multinacionais e industrialização no Brasil. In: BELLUZO, L. G. M.; COUTINHO, R. Desenvolvimento capitalista no Brasil: ensaios sobre a crise. 2. ed. São Paulo, Brasiliense, 1983.

PREBISCH, R. The economic development of Latin America and its principal problems. Economic Commission for Latin America (Document E/CN 12.89), 1949.

RICARDO, D. On the principles of political economy and taxation. 3rd ed.. London: John Murray, Albermale Street, 1821. Disponível em: www.books.google.com. Acesso em: 10 jun. 2011.

SIMONSEN, R. A planificação da economia brasileira. Parecer apresentado ao Conselho Nacional de Política Industrial (1944). In: SIMONSEN, R.; GUDIN, E. A controvérsia do planejamento na economia brasileira. 3. ed. Ipea, 2010.

SUZIGAN, W, FURTADO, J. Política industrial e desenvolvimento. Revista de Economia Política, v. 26, 2006.

SZMRECSÁNKI, T. Celso Furtado e o início da industrialização no Brasil. Revista de Economia Política, v. 22, n. 2 (86), abr./jun. 2002.

TAVARES, M. C. Auge e declínio do processo de substituição de importações no Brasil. In: ________. Da substituição de importações ao capitalismo financeiro. Rio de Janeiro: Zahar, 1972.

TAVARES, M. C; SERRA, J. Além da estagnação. In: ________. Da substituição de importações ao capitalismo financeiro. Rio de Janeiro: Zahar, 1972.

Downloads

Publicado

2015-12-11

Como Citar

CURADO, M. Industrialização e desenvolvimento: uma análise do pensamento econômico brasileiro. Economia e Sociedade, Campinas, SP, v. 22, n. 3, p. 609–640, 2015. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8642178. Acesso em: 27 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigos