A inflação brasileira na década de 2000 e a importância das políticas não monetárias de controle

Autores

  • Julia de Medeiros Braga Universidade Federal Fluminense

Palavras-chave:

Inflação. Economia brasileira. Políticas não monetárias de controle da inflação. Conflito distributivo. Séries temporais.

Resumo

Neste trabalho são apresentadas estimativas para a inflação brasileira na década de 2000. Os resultados de um modelo “estrutural” com duas variáveis endógenas – a inflação do produto e a inflação salarial – apontam que: i) o indicador de demanda não apresentou significância estatística na equação da inflação de bens e serviços, mas sim na equação da variação salarial; ii) houve predominância da influência de pressões cambiais e da evolução dos preços das commodities na explicação da inflação cheia. Porém, estimativas desagregadas em bens de consumo e serviços indicaram a predominância dos salários como variável explicativa dos preços dos serviços não monitorados. As pressões salariais da segunda metade da década, contudo, puderam ser acomodadas parcialmente devido ao crescimento da produtividade no período. Por fim, as evidências reportadas para os preços monitorados sugerem ainda que políticas não monetárias adotadas nesta década, de natureza regulatória e tributária, foram eficazes no controle da inflação.

 

 

 

 

 

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Julia de Medeiros Braga, Universidade Federal Fluminense

Julia de Medeiros Braga é Professora Adjunta da Faculdade de Economia da UFF desde 2006. É doutora pelo Instituto de Economia da UFRJ. Trabalhou com modelos de projeção de demanda por Energia Elétrica em projetos do CEPEL/Eletrobrás e foi Assessora Econômica no Ministério do Planejamento. De 2010 a 2013 atuou como colaboradora do IPEA em pesquisas sobre Inflação e Estrutura Produtiva.

Referências

AMITRANO, C. R. C. O regime de crescimento econômico brasileiro: uma apreciação sobre o período 1995-2009”. In: IPEA (Org.). Brasil em desenvolvimento. Brasília, 2010. No prelo.

BARBOSA FILHO, F. H.; PESSOA, S. A.; VELOSO, F. A. Evolução da produtividade total dos fatores na economia brasileira com ênfase no capital humano – 1992-2007. Revista Brasileira de Economia, Rio de Janeiro, v. 64, n. 2, abr./jun. 2010.

BASTOS, C.; BRAGA, J. M. Conflito distributivo e inflação no Brasil: uma aplicação ao período recente. In: ENCONTRO NACIONAL DA SOCIEDADE DE ECONOMIA POLÍTICA, 15. São Luis do Maranhão, jun. 2010.

BRUNO, M. Regime cambial e mudança estrutural na indústria de transformação brasileira: novas evidências para o período (1994-2008). In: ENCONTRO NACIONAL DA ANPEC, 37. Foz do Iguaçu, 2009.

DRUMMOND, E.; PORCILE, G. Um modelo dinâmico de macroeconomia aberta com metas de inflação, ‘conflict claims’ e equilíbrio na conta corrente. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO KEYNESIANA BRASILEIRA, 3. 2010.

ELLER, J. E.; GORDON, R. Nesting the new Keynesian Phillips Curve within the mainstream model of U.S. inflation dynamics draft of a paper to be presented at CEPR conference: the Phillips Curve Revisited. Berlin Hilton, Berlin, Germany, June 5-6, 2003.

FAIR, R. Testing price equations. European Economic Review, v. 52, issue 8, p. 1.424- 1.437, Nov. 2008.

FEIJÓ, C.; CERQUEIRA, L. F. Comportamento do mark up na indústria brasileira nos anos 1990: evidências empíricas. Universidade Federal Fluminense, jun. 2008 (Texto para Discussão, n. 237).

FLASCHEL, P.; KAUERMANN, G. E.; SEMMLER, W. Testing wage and price Phillips Curves for The United States. Metroeconomica, v. 55, issue 4, 2007.

FUHRER, J. The (un)importance of forward-looking behavior in price specifications. Journal of Money Credit, and Banking, v, 29, n. 3, 1997.

HERMANN, J. O trade-off do crescimento do Brasil nos anos 1990-2000: a análise crítica e alternativas de política monetária. Econômica, Rio de Janeiro, v. 6 , n. 2, p. 261-289, dez. 2004.

LAVOIE , M. Foundations of post-Keynesian economic analysis. Cheltenhan: Edward Elgar, 1992.

MARTINEZ, T.; CERQUEIRA, V. Estrutura da inflação brasileira. Seminários, Rio de Janeiro, Ipea, n. 363, 2010.

MATTOS, C. Um panorama das tarifas de telecomunicações no Brasil pós-privatização Políticas de preços públicos no Brasil, Câmara dos Deputados, 2007.

POLLIN, R. Wage bargaining and the US Phillips Curve: was greenspan right about traumatized workers in the 90s? Political Economy Research Institute, University of Massachusetts Amherst, 2002. Mimeografado.

ROWTHORN, B. Conflict, inflation and money. Cambridge Journal of Economics, v. 1, n.3, p. 215-239, 1977.

SAAD FILHO, A. Inflation: radical interpretations, In: ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA POLÍTICA, 4. Porto Alegre, 1999.

SETTERFIELD, M. Worker insecurity and U.S. macroeconomic performance during the 1990s. Trinity College, Department of Economics, 2004.

SICSÚ, J. Políticas não-monetárias de controle da inflação: uma proposta pós-keynesiana. Análise Econômica, Ciências Econômicas – Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), 2003.

SOUZA, F. Regras de preço no setor de energia em políticas de preços públicos no Brasil. Câmara dos Deputados, 2007.

STAIGER, D.; STOCK, J. E.; WATSON, M. How precise are estimates of the natural rate of unemployment. Mar. 1996 (NBER Working Papers, n. 5.477).

STAIGER, D. Prices, wages and the U. S. NAIRU in the 1990s. In: KRUEGER, A. B.; SOLOW, R. M. (Ed). The roaring nineties: can full employment be sustained? Russell Sage Foundation, 2001.

STIRATI, A. Inflation, unemployment and hysteresis: an alternative view. Review of Political Economy, 2001.

VÁSQUEZ, J. Inflação e desenvolvimento econômico no Chile. In: CEPAL; BIELSCHOWSKY, R. (Org.). Cinquenta anos de pensamento. Editora Record, v. 2, 1957.

Downloads

Publicado

2015-12-11

Como Citar

BRAGA, J. de M. A inflação brasileira na década de 2000 e a importância das políticas não monetárias de controle. Economia e Sociedade, Campinas, SP, v. 22, n. 3, p. 697–727, 2015. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8642181. Acesso em: 29 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigos