Banner Portal
Estratégia de desenvolvimento e as três frentes de expansão no Brasil: um desenho conceitual
PDF

Palavras-chave

Estratégia de desenvolvimento. Frentes de expansão. Consumo de mass. Recursos naturais. Infraestrutura

Como Citar

BIELSCHOWSKY, Ricardo. Estratégia de desenvolvimento e as três frentes de expansão no Brasil: um desenho conceitual. Economia e Sociedade, Campinas, SP, v. 21, n. 4, p. 729–747, 2015. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8642254. Acesso em: 23 jun. 2024.

Resumo

O artigo pretende ajudar a organizar, conceitualmente, o debate brasileiro sobre desenvolvimento, em sua dimensão econômica. Desenha uma estratégia de desenvolvimento para o Brasil com base na ideia de existência de três frentes de expansão, movidas pela demanda - três “motores do investimento”: consumo de massa, recursos naturais e infraestrutura. Enfatiza a relevância de se acionarem dois “turbinadores” desses motores do desenvolvimento (inovação tecnológica e reativação de encadeamentos produtivos tradicionais). Argumenta, também, que a fórmula corresponde a um padrão viável de expansão econômica a longo prazo – tal como, no passado, deu-se com o processo de industrialização.

Abstract

The article aims at helping to provide a conceptual framework for the Brazilian debate on economic development strategies. It designs a strategy on the basis of the idea of the existence of three demandled “growth fronts,” or three “engines of investment”: mass consumption, natural resources and infrastructure. The article stresses the relevance of putting into action two “turbo-chargers” of these three engines of investment; namely technological innovation and the recuperation of traditional productive chains. Finally, the author argues that this formula can be a viable long term pattern of economic growth, analogous to that which occurred in the past as a result of industrialization.

Keywords: Development strategies. Expansion fronts. Mass consumption. Natural resources. infrastructure.

PDF

Referências

BIELSCHOWSKY, R. Pensamento econômico brasileiro – o ciclo ideológico do desenvolvimentismo. Rio de janeiro: Contraponto, 2005.

BIELSCHOWSKY, R. (Coord.). Investimento e reforma no Brasil nos anos 1990, cap. 2. Brasília: CepalIpea, 2002.

BIELSCHOWSKY, R, MUSSI, Carlos, C. El pensamiento desarrollista en Brasil: 1930-1964 y anotaciones sobre 1964-2005. In: BRASIL y Chile, una mirada hacia América Latina. Santiago de Chile: RIL Editores, 2006.

BRASIL. MPOG. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Plano Plurianual 2004- 2007. Brasília: MPOG, 2003.

BRASIL. MPOG. Plano Plurianual 2008-2011. Brasília: MPOG, 2007.

BRASIL. MPOG. Plano Plurianual 2012-2015. Brasília: MPOG, 2011.

BRASIL. Presidência da República. Programa de Aceleração do Crescimento, PAC. Brasília: 2007.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio. Programa de Desenvolvimento Produtivo, PDP. Brasília: 2008.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio. Brasil Maior. Brasília: MDIC, 2011.

BRASIL. Política industrial, tecnológica e de comércio exterior, PITCE. Brasília: 2003.

BRASIL. Ministério da Fazenda. Política econômica e reformas estruturais. Brasília: Secretaria de Política Econômica (SPE) do Ministério da Fazenda (MF), 2003.

BRESSER-PEREIRA, L. C. Novo desenvolvimentismo: uma proposta para a economia do Brasil. São Paulo: Nueva Sociedad, edição especial em português, 2010.

CARCANHOLO, M. D. Inserção externa e vulnerabilidade da economia brasileira no governo Lula. In: MAGALHÃES, J. P. A. et al. Os anos Lula: contribuições para um balanço crítico. Ed. Garamond, 2010.

CASTRO, A. B. Consumo de massas e retomada do crescimento – sugestões para uma estratégia. Banco do Brasil, 1989. Mimeo.

CASTRO, A. B. Renegade development: rise and demise of state-led development in Brazil. In: SMITH, W. et al. (Org.). Democracy, markets and structural reform in Latin America. Transaction Publishers, 1993.

FURTADO, C. Subdesenvolvimento e estagnação da América Latina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1966.

GIMENEZ, D. M.; CARDOSO, J. C. Planejamento e desenvolvimento: considerações à luz de documentos do governo brasileiro entre 2003 e 2010. Brasília: Ipea, jan. 2012. (Texto para Discussão, n. 1690).

GUILHOTO, J. J. M.; SESSO FILHO, U. A. Estimação da matriz insumo-produto à partir de dados preliminares das contas nacionais. Economia Aplicada, v. 9, n. 2, p. 277-299, 2005.

KALDOR, N. The role of increasing returns, technical progress and cumulative causation in the theory of international trade and economic growth in the United Kingdom. In: TARGETTI, F.; THIRLWALL, A. (Org.). The essential Kaldor. Inglaterra: Duckworth, 1989.

KEYNES (1973). Teoria do emprego, do juro e da moeda. São Paulo: Editora Atlas, 1982.

MARTINS, L. Pouvoir et development economique. Paris: Anthropos, 1976.

OREIRO, J. L.; FEIJÓ, C. Desindustrialização: causas, efeitos e o caso brasileiro. Revista de Economia Política, v. 30, n. 2 (118), abr./jun. 2010.

PARTIDO dos Trabalhadores. Programa de Governo, Coligação Lula Presidente. São Paulo: PT, 2002.

PARTIDO dos Trabalhadores. Programa de Governo, Coligação Lula Presidente. São Paulo: PT, 2006.

PEREZ , Carlota. Dinamismo tecnológico e inclusión social en América Latina: una estrategia de desarrollo productivo basada em los recursos naturales. Revista de la Cepal, n. 100, abr. 2010.

PINTO, Aníbal. Notas sobre los estilos de desarrollo en América Latina. Revista de la Cepal, Santiago de Chile, n. 1, 1976.

TAVARES, M. C.; SERRA, J. Além da estagnação. In: DA SUBSTITUIÇÃO de importações ao capitalismo financeiro. Rio de Janeiro: Zahar, 1973.

SICSU, J.; DE PAULA, L. F.; MICHEL, R et al. Novo desenvolvimenismo: um projeto nacional de desenvolvimento com equidade social. Rio de Janeiro: Manolo, 2005.

SQUEFF, G. Desindustrialização, luzes e sombras no debate brasileiro. Brasília: Ipea, 2012. (Texto para Discussão, n. 1747).

WELLS, J. Distribuição de rendimentos, crescimento e a estrutura de demanda no Brasil na década de 60. In: TOLIPAN, Ricardo; TINELLI, Arthur. A controvérsia sobre distribuição de renda e desenvolvimento. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1975.

A Economia e Sociedade utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.