A economia política dos governos FHC, Lula e Dilma: dominância financeira, bloco no poder e desenvolvimento econômico

  • Rodrigo Alves Teixeira Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
  • Eduardo Costa Pinto Universidade Federal do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Dominância financeira, Dependência. Bloco no poder. Economia brasileira

Resumo

O presente texto analisa a relação da política macroeconômica e o desenvolvimento econômico com seus condicionantes políticos, desde 1995 até os dias atuais (governos FHC, Lula e Dilma), por meio da abordagem da economia política, aplicando os conceitos de dominância financeira, dependência e bloco no poder. Ao adotar tal método, partiu-se do pressuposto de que a adoção de determinada política econômica é decorrência: i) dos condicionantes externos, atrelados, no caso brasileiro, à sua condição periférica; ii) dos condicionantes internos associados à interação e conflitos de interesses econômicos e políticos das frações de classe no bloco no poder e em seus desenlaces no Estado. O texto conclui que as mudanças recentes no bloco no poder, entre o final do governo Lula e início do governo Dilma, conferiram maior autonomia ao Estado, especialmente diante da fração bancário-financeira, até então hegemônica, o que abre espaço para a retomada das políticas de desenvolvimento.

Abstract

This paper analyzes the relationship between macroeconomic policy and economic development and the political constraints of that relationship from 1995 until present day ( Cardoso, Lula and Dilma Rousseff). This analysis relies on the political economy approach, applying the concepts of financial domination, dependence and power blocs. By virute of this method, we assume that the adoption of certain economic policy is the result of: i) the external constraints (which, in Brazil, are coupled with the country’s status as a peripheral and dependent economy) and ii) the constraints associated with the internal interaction and conflicts of economic and political interests of class fractions in the power bloc and its influence on the State. The paper concludes that recent changes to the power bloc between the end of the Lula administration and the beginning of the Rousseff administration gave the government greater autonomy, particularly in relation to the banking and financial sector, which was the hegemonic fraction in the power bloc. This context favors the resumption of development policies.

Keywords: Financial domination. Dependence. Power bloc. Brazilian economy

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Alves Teixeira, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Graduou-se no bacharelado em Economia da Universidade de São Paulo (USP) em 1999. Obteve os títulos de Mestre (2003) e Doutor (2007) em Economia pelo Instituto de Pesquisas Econômicas da Universidade de São Paulo (IPE-USP). Foi professor contratadodo departamento de Economia da Universidade de São Paulo (USP) de 2004 a 2009. É professor licenciado do Departamento de Economia e do Programa de Estudos Pós-graduados em Economia Política da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), onde atua desde 2009. É servidor público da carreira de analista do Banco Central do Brasil desde 2002, tendo atuado no Departamento Econômico (Depec) daquela instituição. De 2011 a 2013, foi cedido pelo Banco Central e ocupou sucessivamente os cargos de Diretor-Adjunto e Diretor da Diretoria de Relações Internacionais do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), órgão vinculado à Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República (SAE/PR), e de Assessor na Assessoria Econômica do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (ASSEC/MPOG). Em 2013, exerceu o cargo de Chefe de Gabinete da Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão da Prefeitura de São Paulo, e em 2014 foi Secretário-adjunto na mesma instituição. Atualmente é Chefe da Assessoria do Gabinete da Secretaria de Orçamento Federal, do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão.
Eduardo Costa Pinto, Universidade Federal do Rio de Janeiro
Doutor em Economia pela UFRJ (2010); Mestre em Economia pela UFBA (2005); Graduado em Administração pela UFBA (2002)

Referências

ARESTIS, P.; SAWYER, M. Inflation targeting: a critical appraisal. The Levy Economics Institute of Bord Colleg, Sept. 2003. (Working Paper).

BARBOSA, N.; SOUZA, J. A. P. A inflexão do governo Lula: política econômica, crescimento e distribuição. In: SADER, A.; GARCIA, M. Brasil, entre passado e o futuro. São Paulo: Fundação Perseu Abramo/Boitempo, 2010.

BARBOSA, N. Oportunidades e desafios criados pelo desenvolvimento chinês ao Brasil. In: BRASIL e China no reordenamento das relações internacionais. Brasília: Fundação Alexandre de Gusmão, 2011.

BARRO, R.; GORDON, D. Rules, discretion and reputation in a model of monetary policy.

NBER, Feb. 1983. (Working Paper Series, n. 1079).

BRUNO, M.; DIAWARA, H; ARAÚJO, E.; REIS, A. C.; RUBENS, M. Finance-led growth no Brasil: estatuto teórico, evidências empíricas e consequencias macroeconômicas. Revista de Economia Política, v. 31, n. 5, p. 730-750, edição especial, 2011.

BUSATO, M.; MOREIRA, R.; CAVALCANTI, A. A dinâmica inflacionária no new consensus: uma análise crítica. Análise Econômica (UFRGS), v. 27, 2009.

CARDOSO, F. H. As ideias e seu lugar: ensaios sobre as teorias do desenvolvimento. São Paulo: Vozes, 1980.

CARDOSO, F. H. Reforma e imaginação. Folha de São Paulo: Caderno Mais!, 10 jul. 1994.

________. Desenvolvimento: o mais político dos temas econômicos. Folha de São Paulo: Cad CARDOSO, F. H erno Mais! 28 maio 1995.

CARDOSO, F. H; FALETTO, E. Dependência e desenvolvimento na América Latina: ensaio de interpretação sociológica. Rio de Janeiro: Zahar, 1975.

CHESNAIS, F. O capital portador de juros: acumulação, internacionalização, efeitos econômicos e políticos. In: ________ (Org.). A finança mundializada. São Paulo: Xamã, 2005.

CINTRA, M.; ACIOLY, L. O financiamento das contas externas brasileiras: 2003-2010. In: MONTEIRO, A. et al. Brasil em desenvolvimento 2011. Brasília: Ipea, 2012.

CODATO, A. N.; PERISSINOTTO, R. M. O estado como instituição. Uma leitura das “obras históricas” de Marx. Crítica Marxista, Editora Revan, n. 13, 2001.

CODATO, A. N. Sistema Estatal e Política Econômica no Brasil pós-64. São Paulo: Hucitec, 1997.

FILGUEIRAS, L.; GONÇALVES, R. A economia política do Governo Lula. Rio de Janeiro: Contraponto, 2007.

FIORI, J. L. Os moedeiros falsos. Folha de São Paulo: Caderno Mais!, 3 jul. 1994.

GONÇALVES, R. Economia política internacional: fundamentos teóricos e as relações internacionais do Brasil. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.

GRAMSCI, A. Maquiavel, a política e o Estado moderno. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

LOPREATO, F. O papel da política fiscal: um exame da visão convencional. Campinas: Unicamp. IE, fev. 2006. (Texto para Discussão, n. 119).

LOWY, M. As aventuras de Karl Marx contra o Barão de Munchhausen. São Paulo: Cortez, 1989.

MACEDO, A.; SANTOS, C. Além do curto prazo? Explorando os nexos entre a teoria pós keynesiana e a macrodinâmica de fluxos e estoques. Campinas: Unicamp. IE, 2008. (Texto para Discussão, n. 141).

MARQUES-PEREIRA, J.; BRUNO, M. Institucionalidade e política econômica no Brasil: uma análise das contradições do atual regime de crescimento pós-liberalização. In: VIANNA, S.; BRUNO, M.; MODENESE, A. (Org.). Macro para o desenvolvimento. Brasília: Ipea, 2010.

MARX, K. O 18 Brumário e Cartas a Kugelmann. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.

OLIVEIRA, F. Crítica à razão dualista / O ornitorrinco. São Paulo: Boitempo, 2003.

OLIVEIRA, F. Hegemonia às avessas. In: OLIVEIRA, F.; BRAGA, R.; RIZEK, C. (Org.). Hegemonia às avessas: economia, política e cultura na era da servidão financeira. São Paulo: Boitempo, 2010.

OLIVEIRA, N. Neocorporativismo e políticas públicas. São Paulo: Edições Loyola/CEAS, 2004.

MARX, Karl. As lutas de classes na França (1848-1850). São Paulo: Global, 1986.

PAULANI, L. M. A crise do regime de acumulação com dominância da valorização financeira e a situação do Brasil. Estudos Avançados, São Paulo, USP, v. 23, p. 25-39, 2009.

PAULANI, L. M. Brasil Delivery: Servidão financeira e estado de emergência econômico. São Paulo: Boitempo Editorial, 2008

PAULANI, L. M. O Projeto neoliberal para a sociedade brasileira: sua dinâmica e seus impasses. In: LIMA, J. C. F.; NEVES, L. M. W. (Org.). Fundamentos da Educação Escolar do Brasil Contemporâneo. Editora da Fiocruz, 2006.

PAULANI, L. M; PATO, C. G. G. Investimentos e servidão financeira: o Brasil no último quarto de século. In: PAULA, J. A. (Org). Adeus ao desenvolvimento: a opção do governo Lula. São Paulo: Autêntica Editora, 2005.

PINTO, E. Bloco no poder e governo Lula. 2010. Tese (Doutorado)–Instituto de Economia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2010.

POULANTZAS, N. O Estado, o poder, o socialismo. Rio de Janeiro/RJ: Graal, 1985.

POULANTZAS, N. Poder político e classes sociais. São Paulo: Ed. Martins Fontes, 1977.

PRZEWORSKI, A. Marxismo e escolha racional. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 3, fev. 1988.

SANTOS, T. A teoria da dependência: balanço e perspectivas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

SERRANO, F. Política macroeconômica e estratégia de desenvolvimento. In: SICSÚ, J.; CASTELAR, A. Sociedade e economia: estratégias de crescimento e desenvolvimento. Brasília: Ipea, 2009.

SETTERFIELD, M. Is inflation targeting inimical to employment? In: THE MEETINGS of the Eastern Economic Association. New York, Feb., 2007.

SINGER, A. Raízes sociais e ideológicas do lulismo. Novos Estudos Cebrap, n. 85, nov. 2009.

SINGER, A. A segunda alma do Partido dos Trabalhadores. Novos Estudos Cebrap, n. 88, nov. 2010.

TAYLOR, J. B. Teaching modern macroeconomics at the principles level. The American Economic Review, v. 90, n. 2, p. 90-94, May 2000.

TEIXEIRA, R. A. Desenvolvimento, dependência e dominância financeira: a economia brasileira e o capitalismo mundial. Tese (Doutorado)–Instituto de Pesquisas Econômicas, Universidade de São Paulo, 2007.

TEIXEIRA, R. A. Positivismo, historicismo e dialética na metodologia da economia. 2003. Dissertação (Mestrado)– IPE/USP, São Paulo, 2003.

Publicado
2015-12-14
Como Citar
Teixeira, R. A., & Pinto, E. C. (2015). A economia política dos governos FHC, Lula e Dilma: dominância financeira, bloco no poder e desenvolvimento econômico. Economia E Sociedade, 21(4), 909-941. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8642267
Seção
Artigos