Banner Portal
Complexidade & desenvolvimento: abordagem metodológica e panorama da discussão propagada pelo Ipea entre 2008 e 2010
PDF

Palavras-chave

Complexidade. Planejamento. Desenvolvimento. Brasil

Como Citar

CARDOSO JÚNIOR, José Celso .; SIQUEIRA, Carlos Henrique Romão. Complexidade & desenvolvimento: abordagem metodológica e panorama da discussão propagada pelo Ipea entre 2008 e 2010. Economia e Sociedade, Campinas, SP, v. 21, n. 4, p. 943-, 2015. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8642268. Acesso em: 20 jun. 2024.

Resumo

O declínio das versões mais ortodoxas do liberalismo na primeira década do século XXI ofereceu oportunidade para a revalorização da atuação estatal. No Brasil, a recuperação da capacidade de investimento do Estado e a atualização – ainda que insuficientes – de sua estrutura administrativa revitalizaram os campos do planejamento e desenvolvimento, outorgando-lhes novos e mais complexos e desafiadores objetivos. Como repensar, portanto, o binômio “planejamento-desenvolvimento” nesse novo contexto? O ensaio explora aspectos da complexificação do tempo presente, o que, por sua vez, suscita a necessidade de requalificar e ressignificar os sentidos e as práticas do planejamento governamental e do próprio desenvolvimento pretendido ao país na atual quadra histórica. Concluise afirmando que o desenvolvimento é processo coletivo, contínuo e cumulativo de aprendizado e conquistas, cujas dimensões ou qualificativos agregam-se – teórica e politicamente – tanto em simultâneo como em patamares equivalentes de importância estratégica, pois hoje, afinal, sabe-se que ou é assim ou não se está falando de desenvolvimento.

Abstract

The decline of more orthodox versions of liberalism in the first decade of this century has provided an opportunity for the reevaluation of state action. In Brazil, the recovery of the state’s investment capacity and the updates (albeit inadequate updates) to the state’s administrative structure have revitalized the fields of planning and development, giving them new, challenging, and more complex goals. But to what extent should the concept of “planning and development” be reconsidered in this new context? The paper explores aspects of the complexity of current events, which themselves raise the need to retrain and reframe meanings and practices of government planning, as well as of the very development that has been planned for the country during this period. We conclude by stating that development is a collective, cumulative, and continuous process of learning and achievements, the dimensions or descriptions of which are grouped together – theoretically and politically – both together and as equivalent levels of strategic importance, because today, finally, it is clear that we are not talking about development.

Keywords: Complexity; Planning; Development; Brazil.

PDF

Referências

ABRAMO, P. A cidade caleidoscópica: coordenação espacial e convenção urbana – uma perspectiva heterodoxa para a economia urbana. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.

AGLIETTA, M.; MOATTI, S. El FMI: del orden monetário a los desordenes financieros. Madrid, Espanha: Ed. Akal, 2002.

ANTUNES, R. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo Ed., 1999.

BAUMAN, Z. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

BALAKRISHNAN, G. (Org.). Um mapa da questão nacional. Rio de Janeiro: Contraponto, 2000.

BENKIRANE, RÉDA (Ed.). A complexidade: vertigens e promessas. Lisboa: Coleção Epistemologia e Sociedade, Instituto Piaget, 2004.

BENZ, A. El Estado moderno: fundamentos de su análisis politológico. Madrid: Centro de Estudios Políticos y Constitucionales, 2010.

BHABHA, H. O local da cultura. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1998, p. 19.

BOLTANSKI, L.; CHIAPELLO, È. O novo do espírito do capitalismo. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

BOYER, R.; DRACHE, D (Org.). Estados contra Mercados: os limites da globalização. Lisboa, Portugal: Instituto Piaget, 1996.

BRETON, P. A incompetência democrática: a crise da palavra na origem do mal-estar na política. São Paulo: Ed. Loyola, 2008.

CARDOSO, A. M. A década neoliberal e a crise dos Sindicatos no Brasil. São Paulo: Boitempo Ed., 2003.

CARDOSO JR., J. C. Planejamento governamental e gestão pública no Brasil: elementos para ressignificar o debate e capacitar o Estado. Brasilia: Ipea, 2010. (Texto para Discussão, n. 1584).

CARDOSO JR .(Org.). Para a reconstrução do desenvolvimento no Brasil: eixos estratégicos e diretrizes de política. São Paulo: Ed. Hucitec, 2011.

CASANOVA, P. G. As novas ciências e as humanidades: da academia à política. São Paulo: Boitempo Ed., 2006.

CASTEL, R. As metamorfoses da questão social: uma crônica do salário. Petrópolis: Ed. Vozes, 1998.

CHESNAY, F.; PLIHON, D. (Coord.). Las trampas de las finanzas mundiales. Madrid, Espanha: Ed. Akal, 2003.

CHOMSKY, N. et al. The cold war & the university. New York: The New Press, 1997.

DAL ROSSO, S. Mais Trabalho! A intensificação do labor na sociedade contemporânea. São Paulo: Boitempo Ed., 2008.

DAVIS, M. Planeta favela. São Paulo: Boitempo Editorial, 2006.

DOMINGUES, I. Conhecimento e transdisciplinaridade. Aspectos metodológicos. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2005.

DRAIBE, S. Rumos e metamorfoses: um estudo sobre a constituição do Estado e as alternativas da industrialização no Brasil, 1930-1960. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

EINSTEIN, A. A teoria da relatividade especial e geral. Rio de Janeiro: Contraponto, 1999.

ELEY, G. Forjando a democracia: a história da esquerda na Europa, 1850-2000. São Paulo: Ed. Fundação Perseu Abramo, 2005.

FIORI, J. L. (Org.). Estados e moedas no desenvolvimento das nações. Petrópolis: Ed. Vozes, 1999.

FIORI, J. L. (Org.). O poder americano. Petrópolis: Ed. Vozes, 2004.

FONSECA, P. C. D. Vargas: o capitalismo em construção (1906-1954). São Paulo: Ed. Brasiliense, 1987.

FUKUYAMA, F. O fim da história e o último homem. Rio de Janeiro: Ed. Rocco, 1992.

GARCIA, R. C. Reorganização do processo de planejamento do Governo Federal: o PPA 2000-2003. Brasília: Ipea, 2000. (Texto para Discussão, n. 726).

HALÉVY, M. A era do conhecimento: princípios e reflexões sobre a revolução noética no século XXI. São Paulo: Ed. Unesp, 2010.

HARDT, M.; NEGRI, A. Império. Rio de Janeiro: Ed. Record, 2001.

HARVEY, D. O neoliberalismo: história e implicações. São Paulo: Edições Loyola, 2005.

HARVEY, D. O enigma do capital e as crises do capitalismo. São Paulo: Boitempo, 2011.

HIRST, P.; THOMPSON, G. Globalização em questão: a economia internacional e as possibilidades de governabilidade. Petrópolis: Ed. Vozes, 1998.

HOBSBSWAN, E. A era dos extremos. O breve século XX. São Paulo: Cia das Letras, 1998.

HOURANI, A. Uma história dos povos árabes. São Paulo: Cia das Letras, 2006.

IANNI, O. Estado e planejamento econômico no Brasil. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 2009. (Coleção Revisitando o Brasil, v. 3).

IPEA – Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Inserção internacional brasileira.

Brasília: Ipea, 2010a. (Projeto Perspectivas do Desenvolvimento Brasileiro, livro 3, volume 1: Temas de Política Externa; v. 2: Temas de Economia Internacional).

IPEA – Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Macroeconomia para o desenvolvimento: crescimento, estabilidade e emprego. Brasília: Ipea, 2010b. (Projeto Perspectivas do Desenvolvimento Brasileiro, livro 4).

IPEA. Estrutura produtiva avançada e regionalmente integrada. Brasília: Ipea, 2010c.(Projeto Perspectivas do Desenvolvimento Brasileiro, livro 5, v. 1: Desafios do Desenvolvimento Produtivo Brasileiro; v. 2: Diagnóstico e Políticas de Redução das Desigualdades Regionais).

IPEA. Infraestrutura econômica, social e urbana. Brasília: Ipea, 2010d. (Projeto Perspectivas do Desenvolvimento Brasileiro, livro 6, v. 1: Infraestrutura econômica no Brasil: diagnósticos e perspectivas para 2025; v. 2: Infraestrutura social e urbana no Brasil: subsídios para uma agenda de pesquisa e formulação de políticas públicas),

IPEA Sustentabilidade ambiental no Brasil: biodiversidade, economia e bem-estar humano. Brasília: Ipea, 2010e. (Projeto Perspectivas do Desenvolvimento Brasileiro, livro 7)

IPEA. Perspectivas da política social no Brasil. Brasília: Ipea, 2010f. (Projeto Perspectivas do Desenvolvimento Brasileiro, livro 8).

IPEA. Estado, instituições e democracia. Brasília: Ipea, 2010g. (Projeto Perspectivas do Desenvolvimento Brasileiro, livro 9, v. 1: República; v. 2: Democracia; v. 3: Desenvolvimento.

KON, A (Org.). Planejamento no Brasil II. São Paulo: Ed. Perspectiva, 1999.

KUN, T. S. O caminho desde a estrutura: ensaios filosóficos, 1970-1993, com uma entrevista autobiográfica. São Paulo: Ed. Unesp, 2006.

LINZ, J. J.; STEPAN, A. A transição e consolidação da democracia: a experiência do sul da Europa e da América do Sul. São Paulo: Ed. Paz e Terra, 1999.

MARICATO, E. As ideias fora do lugar e o lugar fora das idéias. In: ARANTES, O.; VAINER, C.; MARICATO, E. A cidade do pensamento único. Desmanchando consensos. Petrópolis: Vozes, 2000.

MARICATO, E. O impasse da política urbana no Brasil. Petrópolis: Ed. Vozes, 2011.

MAX-NEEF, M. A. Foundations of transdisciplinarity. Ecological Economics, v. 53, mar. 2005.

MEDEIROS, C. A. O desenvolvimento tecnológico americano no pós-guerra como um empreendimento militar. In: FIORI, J. L. (Org.). O poder americano. Petrópolis: Vozes, 2004.

MINDLIN, B. Planejamento do Brasil. São Paulo: Ed. Perspectiva, 2001.

MOISÉS, J. A.; ALBUQUERQUE, J. A. G. (Org.). Dilemas da consolidação da democracia. Rio de Janeiro: Ed. Paz e Terra, 1989.

MOORE JR., B. As origens sociais da ditadura e da democracia: senhores e camponeses na construção do mundo moderno. São Paulo: Ed. Martins Fontes, 1983.

MORIN, E. Ciência com consciência. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

MORIN, E. O Método 3: o conhecimento do conhecimento. Porto Alegre: Sulina, 2008.

NICOLESCU, B. Manifesto da transdisciplinaridade. São Paulo: Ed. Trion, 2008.

O’DONNELL, G.; SCHMITTER, P., WHITEHEAD, L. (Ed.). Transições do regime autoritário: América Latina. São Paulo: Ed. Vértice; Ed. Revista dos Tribunais, 1988.

O’DONNELL, G. Análise do autoritarismo burocrático. São Paulo: Paz e Terra, 1990.

OFFE, C. Capitalismo desorganizado: transformações contemporâneas do trabalho e da política. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1985.

OLIVEIRA, F. Os Direitos do antivalor: a economia política da hegemonia imperfeita. Petrópolis: Ed. Vozes, 1998.

OLIVEIRA, F. Das invenções à indeterminação. Política numa era de indeterminação: opacidade e reencantamento. In: OLIVEIRA, F. de.; RIZEK, C. S. A era da indeterminação. São Paulo: Boitempo Editorial, 2007, p. 15-45.

PENN, M. J. Microtendências: as pequenas forças por trás das grandes mudanças de amanhã. Rio de Janeiro: Best Seller, 2008.

POCHMANN, M. O emprego no desenvolvimento das nações. São Paulo: Boitempo Ed., 2008.

POPPER, K. A lógica das ciências sociais. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2004.

PRZEWORSKY, A. Capitalismo e social-democracia. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

PRZEWORSKY, A. Estado e economia no capitalismo. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1995.

RIBEIRO, L. C. Q. (Org.). Metrópoles: entre a coesão e a fragmentação, a cooperação e o conflito. São Paulo: Ed. Fundação Perseu Abramo; Rio de Janeiro: FASE (Federação de Órgãos para Assistência Social e Educacional), 2004.

ROKKAN, S. Stato, nazione e democrazia in Europa. Bologna, Itália: Ed. Mulino, 2002.

ROSA, L. P. Tecnociências e humanidades: novos paradigmas, velhas questões – o determinismo newtoniano na visão de mundo moderna. São Paulo: Ed. Paz e Terra, 2005. v. I.

ROSA, L. P. Tecnociências e humanidades: novos paradigmas, velhas questões – a ruptura do determinismo, incerteza e pós-modernismo. São Paulo: Ed. Paz e Terra, 2006. v. II.

ROSANVALLON, P. La legitimidad democrática: imparcialidad, reflexividad y proximidad. Madrid, Espanha: Paidós, 2010.

SCHULER, F.; AXT, G.; SILVA, J. M. Fronteiras do pensamento: retratos de um mundo complexo. São Leopoldo: Ed. Unisinos, 2008.

SENNETT, R. A corrosão do caráter. Consequências pessoais do novo capitalismo. São Paulo: Record, 2001.

SHINN, T.; RAGOUET, P. Controvérsias sobre a ciência: por uma sociologia transversalista da atividade científica. São Paulo: Ed. 34, 2008.

STEPAN, A. (Org.). Democratizando o Brasil. Rio de Janeiro: Ed. Paz e Terra, 1988.

TOKMANN, V. Uma voz en el camino: empleo y equidad em América Latina: 40 años de búsqueda. Santiago, Chile: Fondo de Cultura Económica, 2004.

UNESCO. As chaves do século XXI. Lisboa: Instituto Piaget, 2000.

US GOVERNMENT ACCOUNTABILITY OFFICE. The U.S. Government role as shareholder in AIG, Citigroup, Chrysler, and General Motors and preliminary views on its investment management activities. GAO-10-325T, Dec. 16, 2009. Disponível em: . Acesso em: 17 mar. 2010.

VIVANCO, M. Sociedad y complejidad: del discurso al modelo. Santiago, Chile: LOM Ediciones, 2010.

WALLESTEIN, I. O fim do mundo como o concebemos. Ciência social para o século XXI. Rio de Janeiro: Editora Revan, 2002.

A Economia e Sociedade utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.