A desindustrialização no Brasil

Autores

  • Wilson Cano Centro de Estudos de Desenvolvimento Econômico do Instituto de Economia da Unicamp

Palavras-chave:

Industrialização. Desindustrialização. Políticas de desenvolvimento

Resumo

O texto analisa a desindustrialização em marcha no Brasil e alguns dos impasses da política macroeconômica. A industrialização atingida nas décadas anteriores deteriorou-se face à ausência de políticas industriais e de desenvolvimento e da conjugação de juros elevados, falta de investimento, câmbio sobrevalorizado e exagerada abertura comercial. Nesse contexto, ocorre uma desindustrialização nociva que fragiliza o país e compromete sua economia. Na ausência de uma política macroeconômica consentânea com a política industrial, o desenvolvimento fica comprometido. Por sua vez, cabe lembrar que o subdesenvolvimento não representa uma etapa ou acidente de percurso, mas um processo que se inicia com a inserção no mercado internacional capitalista no século XIX e, desse processo, o Brasil ainda não se libertou.

Abstract

The text analyzes the contemporary deindustrialization of Brazil and some of its impasses in terms of macroeconomic policies. The level of industrialization that was reached in previous decades has deteriorated because of the lack of policies on industry and development and the combination of high interest rates, lack of investment, overvalued exchange rates and exaggerated trade openness. In this context, harmful deindustrialization occurs. It weakens and undermines the country's economy. In the absence of a macroeconomic policy in line with industrial policy, development is compromised. In these terms, underdevelopment is not a phase or a bump in the road, but a process that began with Brazil's involvement in the international capitalist market in the nineteenth century – a process which Brazil has yet to complete.

Keywords: Industrialization. Deindustrialization. Development Policies.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Wilson Cano, Centro de Estudos de Desenvolvimento Econômico do Instituto de Economia da Unicamp

possui graduação em Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1962) e doutorado em Ciências Econômicas pela Universidade Estadual de Campinas (1975). Atualmente é prof. titular da Universidade Estadual de Campinas, membro vitalício do conselho curador da Fundação Economia de Campinas e consultor da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. Tem experiência na área de Economia, com ênfase em Desenvolvimento Econômico, Economia Brasileira, Economia Latino-americana e Economia Regional. 

Referências

BANCO CENTRAL DO BRASIL. Capitais Brasileiros no Exterior. Disponível em: www.bcb.gov.br/rex/cbe/port. Acesso em: 24 jul. 2012.

CEPAL. El proceso de industrialización en América Latina. Nueva York: ONU-Cepal, 1965.

CEPAL. Anuário Estadístico. Santiago: Cepal, vários anos.

CANO, W. Desconcentração produtiva regional do Brasil: 1970-2005. São Paulo: Unesp, 2008.

CANO, W. Uma agenda nacional para o desenvolvimento. Revista Tempo no Mundo, IPEA, Brasília, v. 2, n. 2, dez. 2010.

CANO, W; GONÇALVES, A. L. Política industrial do Governo Lula. In: OS ANOS Lula: contribuições para um balanço crítico 2003-2010. Garamond Editora.

FAJNZYLBER, F. La industrialización trunca de America Latina. México: Nueva Imagen, 1983.

FUNCEX – Fundação de Comércio Exterior. Banco de dados. Disponível em: www.funcex.com.br/. Acesso em: 22 jan. 2012.FURTADO, C. Teoria e política do desenvolvimento econômico. 10. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Sistema de Contas Nacionais. Disponível em: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/cnt/default. Acesso em: 24. jul. 2012.

LEVY ECONOMICS INSTITUTE OF BARD COLLEGE. Publications; /strategic analysis. (várias). Disponível em: http://www.levyinstitute.org/publications/. Acesso em: 15 ago. 2012.

OECD. Economic Outlook: Statistics and Projections. Disponível em: http://stats.oecd.org. Acesso em: 15 ago. 2012.

ONU. Sistema de Contas Nacionais. Disponível em: http://unstats.un.org/ unsd/snaama/dnllist.asp. Acesso em: 27 dez. 2011.

IEDI. Carta de 23 dez. 2011. Disponível em: www.iedi.org.br. Acesso em: 27 dez. 2011.

IPEADATA. Taxa de câmbio real efetiva de exportações de manufaturados. Disponível em: http://www.ipeadata.gov.br/. Acesso em: 22 mar. 2012.

PINTO, A. Heterogeneidade estrutural e modelo de desenvolvimento recente. In: SERRA, J. (Coord.). América Latina: ensaios de interpretação econômica. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

TEIXEIRA, A. O movimento da industrialização nas economias capitalistas centrais no pósguerra. Rio de Janeiro: IEI/UFRJ, 1983. (Texto para Discussão, n. 25).

UNCTAD. La acumulación de capital, el desarrollo económico y el cambio estructural. New York: UNCTAD-ONU, 2003. Disponível em: www.unicc./unctad. Acesso em: 27 dez. 2011.

VALDERRAMA, H. S. Planificación del desarrollo industrial. México: Siglo XXI, 1966.

Downloads

Publicado

2015-12-14

Como Citar

CANO, W. A desindustrialização no Brasil. Economia e Sociedade, Campinas, SP, v. 21, n. 4, p. 831–851, 2015. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8642273. Acesso em: 23 jan. 2022.

Edição

Seção

Artigos