Setor e emprego informal no Brasil: análise dos resultados da nova série do sistema de contas nacionais – 2000/07

Autores

  • João Hallak Neto Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Katia Namir Analista da Coordenação de Contas Nacionais do IBGE
  • Luciene Kozovits Analista da Coordenação de Contas Nacionais do IBGE

Palavras-chave:

Setor informal. Trabalho informal. Sistema de Contas Nacionais. Valor adicionado

Resumo

O objetivo central deste texto é retratar o setor informal brasileiro à luz das novas possibilidades de análise que se constituíram a partir da revisão da série do Sistema de Contas Nacionais (SCN), realizada em 2007. São apresentados os resultados referentes à geração de valor adicionado e ao número de ocupações por setor produtivo e tipo de emprego para o Brasil no período recente, considerando a metodologia revista do novo manual internacional de contas nacionais. A base de dados utilizada foi a nova série do SCN, cujo ano de referência é 2000 e os dados disponíveis compreendem os anos 2000 a 2007. Em 2007, o setor informal, que empregava 27,7% dos postos de trabalho do país, teve uma contribuição de 9,9% na geração do valor adicionado. O emprego informal como um todo, por sua vez, alcançou 56,4% das ocupações totais.

Abstract

The central objective of this paper is to present the informal sector in Brazil in face of new possibilities resulting from the revision of the Brazilian SNA series in 2007. The results concerning the generation of value added and the number of occupations by sector of production and type of employment for Brazil in a recent period, are presented in the study. The SNA new series database was used, where the reference year is 2000 and the available data cover the years 2000 to 2007. In the last year of the series, the informal sector, which accounts for 27.2% of jobs in the country, displayed a contribution of 9.9% in the generation of value added. In turn, informal employment as a whole reached 56.4% of total employment.

Keywords: System of National Accounts. Informal economy. Informal sector. Informal labor. Gross value added.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Hallak Neto, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutor em Economia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Atualmente é analista socioeconômico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), com atuação em temas relacionados ao Sistema de Contas Nacionais, distribuição de renda, tabela de recursos e usos e investimentos. É também professor colaborador da Escola Nacional de Ciências Estatísticas.

Referências

BOERI, T.; GARIBALDI, P. Shadow sorting. Special IARIW-SAIM Conference on “Measuring the Informal Economy in Developing Countries” Kathmandu, Nepal, Sept. 2009.

CACCIAMALI, M. C. Setor informal urbano e formais de participação na produção. Tese (Doutorado)– USP/IPE/FEA, São Paulo, 1983.

CACCIAMALI, M. C. Globalização e processo de informalidade. Economia e Sociedade, Campinas, n. 14, p. 153-174, jun. 2000.

CAMARGO, J. M. Flexibilidade do mercado de trabalho no Brasil. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 1996.

CARDOSO JR., J. C. De volta para o futuro? As fontes de recuperação do emprego formal no Brasil e as condições para sua sustentabilidade temporal. Brasília: Ipea, nov. 2007. (Texto para Discussão, n. 1310).

DIEESE. Mercado de trabalho no Brasil. In: A SITUAÇÃO do trabalho no Brasil. São Paulo, 2001.

FEIJÓ, C. A.; NASCIMENTO E SILVA, D. B.; SOUZA, A. C. Quão heterogêneo é o setor informal brasileiro? Uma proposta de classificação de atividades baseada na Ecinf. Revista de Economia Contemporânea/UFRJ. Rio de Janeiro, v. 13, n. 2, p. 329-354, maio/ago. 2009.

FONTES, A.; PERO, V. Determinantes do desempenho dos microempreendedores no Brasil. Seminário de Pesquisa, IE/UFRJ, jun. 2009.

HUSSMANNS, R. Informal sector and informal employment: elements of a conceptual framework. Paper presented at the Fifth Meeting of the Expert Group on Informal Sector Statistics (Delhi Group), New Delhi, 19-21 Sept. 2001.

HUSSMANNS, R. Measuring the informal economy: from employment in the informal sector to informal employment. Geneva, 2001. (Working Paper, n. 53).

IARIW. Special Conference on Measuring the Informal Economy in Developing Countries, Kathmandhu, Nepal, Sept. 23-26, 2009.

IBGE (2003). Economia Informal Urbana 2003. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2005.

IBGE. Sistema de Contas Nacionais – Brasil – referência 2000. Rio de Janeiro: IBGE. Nota metodológica, n. 8: Setores institucionais. 2006. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/contasnacionais/referencia2000/2005/d efault_SCN.shtm. Acesso em: 14 mar. 2011.

IBGE. Sistema de Contas Nacionais – Brasil – referência 2000. Rio de Janeiro: IBGE. Nota metodológica, n. 23: Expansão da Produção. 2006. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/contasnacionais/referencia2000/2005/d efault_SCN.shtm. Acesso em: 14 mar. 2011.

IBGE. Sistema de Contas Nacionais Brasil – Séries Relatórios Metodológicos, n. 24. Rio de Janeiro, 2008.

IBGE. Sistema de Contas Nacionais – Brasil 2005-2007. Rio de Janeiro: IBGE. Coordenação de Contas Nacionais, 2009.

ILO. Employment, incomes and equality in Kenya. Geneva: International Labour Office, 1972.

ILO. Resolution concerning statistics of employment in the informal sector, adopted by the Fifteenth International Conference of Labour Statisticians (Jan. 1993). In: CURRENT International Recommendations on Labour Statistics. Geneva: International Labour Office, 2000.

ILO. Decent work and the informal economy; Report of the Director-General; International Labour Conference, 90th Session; Report VI. Geneva: International Labour Office, 2002.

ILO. Guidelines concerning a statistical definition of informal employment, endorsed by the Seventeenth International Conference of Labour Statisticians (Nov./Dec. 2003). In: SEVENTEENTH International Conference of Labour Statisticians (Geneva, 24 Nov./3 Dec. 2003). Report of the Conference. 2003.

MATA-GREENWOOD, A.; HOFFMANN, E. Developing a conceptual framework for a typology of atypical forms of employment: outline of a strategy. Invited paper prepared for the Joint UNECE-Eurostat-ILO Seminar on Measurement of the Quality of Employment, Geneva, 27-29 May 2002.

MATTOS, F. Flexibilização do trabalho: sintomas da crise. São Paulo: Annablume; Fapesp, 2009.

MENEZES FILHO, N. A.; MENDES, M.; ALMEIDA, E. S. O diferencial de salários formal-informal no Brasil: segmentação ou viés de seleção? Revista Brasileira de Economia, Rio de Janeiro, v. 58, n. 2, abr./jun. 2004.

ONU. System of National Accounts 1993 [SNA-93]. Rev. 4. 2007. New York: United Nations. Disponível em: http://unstats.un.org/unsd/sna1993/introduction.asp. Acesso em: 14 mar. 2011.

ONU. System of National Accounts 2008 [SNA-2008]. Pre-edit white-cover version of the 2008 SNA. 2008. New York: United Nations. Disponível em: http://unstats.un.org/unsd/sna1993/draftingphase/volume1and2.asp. Acesso em: 14 mar. 2011.

PASTORE, J. Emprego, competitividade e lei trabalhista. Rio de Janeiro: CNI, set./out. 1997. (Relações do Trabalho, n. 69).

RAMOS, L.; FERREIRA, V. Padrões espacial e setorial da evolução da informalidade no Brasil – 1991-2003. Brasília: Ipea, jun. 2005. (Texto para Discussão, n. 1099).

ROCHA, S. Economia informal: algumas considerações sobre conceituação e mensuração. Rio de Janeiro: Ipea/Inpes, dez. 1989. (Texto para Discussão Interna, n. 181).

SABOIA, J.; SABOIA, A. L. Caracterização do setor informal a partir dos dados do Censo Demográfico do Brasil de 2000. In: POLÍTICA geral de emprego: necessidades, opções, prioridades. Brasília. Trabalho Decente. Brasília: OIT, 2004. v. 1.

SALM, C. Flexibilidade: solução ou precarização do trabalho? Texto do Seminário: “Desemprego – Desafios e perspectivas na virada do século. Rio de Janeiro: Corecon/RJ, IERJ, Sidecon, Cofecon, Abet, Clube de Engenharia, IE-UFRJ e Dieese, 8 e 9 set. 1998.

SALM, C. Estagnação econômica, desemprego e exclusão social. In: SICSU, J. de PAULA, L. F.; MICHEL, R. (Coord.). Novo-desenvolvimentismo. Manole e Fundação Konrad Adenauer, 2005.

Downloads

Publicado

2015-12-14

Como Citar

HALLAK NETO, J.; NAMIR, K.; KOZOVITS, L. Setor e emprego informal no Brasil: análise dos resultados da nova série do sistema de contas nacionais – 2000/07. Economia e Sociedade, Campinas, SP, v. 21, n. 1, p. 93–113, 2015. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8642295. Acesso em: 7 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos