Acumulação de capital, poupança externa e desempenho macroeconômico dos países emergentes

Autores

  • Marcos Aurélio Andrade Rocha Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas
  • José Luis Oreiro Departamento de Economia/Universidade de Brasília

Palavras-chave:

Poupança externa. Acumulação de capital. Flutuações econômicas. Endividamento externo. Competitividade externa

Resumo

O presente artigo tem por objetivo apresentar um modelo dinâmico não linear para avaliar a relação entre poupança externa e endividamento externo “excessivo” em países emergentes, resultante da existência de grandes déficits em conta corrente. Para tanto, iremos apresentar um modelo dinâmico no qual (i) um aumento do endividamento externo como proporção do PIB gera um aumento menos do que proporcional na taxa de investimento, uma vez que uma parte do financiamento externo é usada para a aquisição de ativos não reprodutíveis (imóveis e ações); e (ii) o prêmio de risco país é endógeno, crescendo de forma proporcional com o endividamento externo como proporção do PIB. Nesse arcabouço teórico demonstra-se a existência de equilíbrios múltiplos. Mais especificamente, no plano teórico, o artigo tem por objetivo isolar os mecanismos econômicos pelos quais a poupança externa, tendo por veículo o endividamento externo, tem como resultado possível um equilíbrio de baixa lucratividade e uma baixa taxa de retorno sobre o capital, configurando assim uma situação de estagnação econômica. Para testar os efeitos da poupança externa e endividamento nos termos do modelo teórico, é construído um modelo de crescimento com painel dinâmico que avalia se a poupança externa efetivamente tem impacto negativo sobre os resultados em termos de produto per capita dos emergentes.

Abstract

Capital accumulation, foreign savings and macroeconomic performance of emerging countries This paper aims to present a non-linear dynamic model to evaluate the relationship between external savings and “excessive” external borrowings in emerging countries, resulted from large current account deficits. For this intent, it is present a post-Keynesian model in which (i) an increase in the external borrowings as gross domestic product share generates an less than proportional increase in the investment rate, since part of external financing is used to acquire non-reproducible assets (buildings and equities), (ii) the country-risk premium of a country is endogenous, increasing proportionally to the external borrowing as GDP share. Specifically, on theoretical dimension, the paper intends to isolate the economic mechanisms by which the external savings, through external borrowings as vehicle, has as low profit rate equilibrium and low rate of return to capital, and hence macroeconomic stagnation. To test the effects of external savings and borrowing in the terms of the formal model, it is estimated a dynamic panel which evaluates if external savings has an effective negative impact over income per capita path of emerging countries.

Keywords: Foreign savings. Capital accumulation. Business-cycles. External debt. External competitiveness.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcos Aurélio Andrade Rocha, Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas

Professor Adjunto-DE na área de Macroeconomia da Universidade Federal da Integração Latino-Americana. Possui graduação em Economia pela Universidade Estadual de Londrina (2005), Mestrado em Desenvolvimento Econômico pela Universidade Federal do Paraná e Doutorado em Economia de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas - EESP. 

José Luis Oreiro, Departamento de Economia/Universidade de Brasília

possui graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1992), mestrado em Economia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (1996) e doutorado em Economia da Industria e da Tecnologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2000). Atualmente é Professor Adjunto do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro e pesquisador associado do Centros de Estudos do Novo-Desenvolvimentismo da Fundação Getúlio Vargas de São Paulo.

Referências

ARELLANO, A.; BOND, B. Some test specification for panel data: Monte Carlo evidence and an application to employment equations. Review of Economic Studies, 1991.

BALTAGI, B. Econometric analysis of panel data. John Wiley & Sons, 2005.

BLUNDEL, R.; BOND, S. Estimation in dynamic panel data models: improving on the performance of the standard GMM estimators. The Institute for Fiscal Studies, 2000.

BRESSER, L. C.; NAKANO, Y. Uma estratégia de desenvolvimento com estabilidade. Revista de Economia Política, v. 22, n. 3, 2002.

BRESSER, L. C. Crescimento econômico com poupança externa? Revista de Economia Política, v. 23, n. 2, 2003.

GALA, P. Real exchange rate levels and economic development: theoretical analysis and econometric evidence. Cambridge Journal of Economics, v. 32, p. 273-288, 2008.

HESTON, A.; SUMMERS, R.; ATINA, B. Penn World Table Version 6.2. Center for International Comparisons of Production, Income and Prices at the University of Pennsylvania, 2006.

HOLLAND, M.; VIEIRA, F. Country risk endogeneity, capital flows and capital controls in Brasil. Revista de Economia Política, v. 23, n. 1, 2003.

KALDOR, N. A model of economic growth. Economic Journal, v. 67, 1957.

KALDOR, N. The role of effective demand in the short and long-run growth. In: BARRÉRE, A. (Ed.). The foundations of Keynesian analysis. London: Macmillan Press, 1988.

KEYNES, J. M. The Collected Writings of John Maynard Keynes. Editado por D. E. Moggridge. London: Macmillan, 1973. [No texto é referenciado por CWJMK].

LIMA, G. T. Progresso tecnológico endógeno, crescimento econômico e distribuição de renda. In: MACROECONOMIA moderna: Keynes e a economia contemporânea. Rio de Janeiro: Campus, 1999.

MARGLIN, S. Growth, distribution and prices. New York: Harvard University Press, 1984.

McCOMBIE, J. S. L.; THIRWALL, A. P. Economic growth and balance of payments constraint. New York: St Martin’s Press, 1994.

MORENO-BRID, J. C. On capital flows and the balance of payments constraint revisited. Journal of Post Keynesian Economics, v. 21, p. 283-289, 1998-1999.

OREIRO, J. L. Prêmio de risco endógeno, metas de inflação e câmbio flexível. Revista de Economia Política, v. 22, n. 3, 2002.

OREIRO, J. Poupança externa e performance macroeconômica. Revista de Economia Política, v. 24, n. 2, 2004.

POSSAS, M. L. Dinâmica da economia capitalista. São Paulo: Brasiliense, 1987.

RODRIK, D. Real exchange rate and economic growth: theory and evidence. John F. Kennedy School of Government, Harvard University, Draft, Jul. 2007.

SIMONSEN, M. H.; CYSNE, R. P. Macroeconomia. São Paulo: Atlas, 1995.

TAKAYAMA, A. Analytical methods in economics. Michigan: The University of Michigan Press, 1993.

TAYLOR, L. Macroeconomía estruturalista. Cidade do México: Trillas, 1989.

THIRWALL, A. The nature of economic growth. Aldershot: Edward Elgar, 2002.

Downloads

Publicado

2016-01-06

Como Citar

ROCHA, M. A. A.; OREIRO, J. L. Acumulação de capital, poupança externa e desempenho macroeconômico dos países emergentes. Economia e Sociedade, Campinas, SP, v. 20, n. 1, p. 33–52, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8642359. Acesso em: 6 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos