Keynes: o liberalismo econômico como mito

Autores

  • Pedro Cezar Dutra Fonseca Departamento de Ciências Econômicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Palavras-chave:

Keynes. Liberalismo. História do pensamento econômico. Ideologia keynesiana. Antiliberalismo

Resumo

O artigo tem por objetivo recuperar os principais argumentos de Keynes em suas críticas ao liberalismo econômico, este entendido como as teorias e práticas de política econômica adotadas pelo mainstream no campo da Ciência Econômica e simbolicamente respaldado na máxima do laissez-faire. Embora as obras de maior fôlego de Keynes situem-se no campo da economia teórica, há trabalhos seus que permitem detectar sua ideologia e, mais explicitamente, o teor de sua crítica ao liberalismo clássico. O ensaio mostra que, em um mundo polarizado entre o nazi-fascismo e a experiência stalinista soviética, Keynes articula uma visão muito particular em rejeição a ambos e em defesa da democracia representativa e da livre iniciativa. Todavia, com possível respaldo no pragmatismo filosófico, o liberalismo econômico é entendido como uma construção mítica e incompatível com o capitalismo do século XX.

Abstract

This paper aims at highlighting Keynes’ main arguments in his criticism of economic liberalism, conceived of as the theories and the praxis of economic policy adopted by the mainstream thinkers in the field of economics and symbolically based on the laissez-faire approach. Although Keynes’ ultimate works are in the field of economic theory, a number of them show his political line of thought, more evidently his criticism of classical liberalism. The paper demonstrates that, in a world polarized between nazi-fascism and the Soviet Stalinist experience, Keynes articulates a very peculiar view against both, in favor of a representative democracy and a free market economy. However, possibly based on philosophical pragmatism, economic liberalism is seen as a myth that is not compatible with 20th century capitalism.

Key words: Keynes. Liberalism. History of economic thought. Keynesian ideology. Anti-liberalism.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pedro Cezar Dutra Fonseca, Departamento de Ciências Econômicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Pedro Cezar Dutra Fonseca (São Borja, 7 de novembro de 1954) é um economista, professor e pesquisador brasileiro, e ex-vice-reitor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Mestre em Economia, também pela UFRGS e doutor, com distinção e louvor em Economia pela Universidade de São Paulo, com o título Vargas: O Discurso em Perspectiva e o Capitalismo em Construção, no ano de 1987. Docente desde 1978, desde 1990 é professor titular da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, lecionando na Faculdade de Ciências Econômicas as disciplinas de Análise Macroeconômica I, AnáliseMicroeconômica, Economia Brasileira, História do Pensamento Econômico e Economia Brasileira Contemporânea I. Desde 1988 é pesquisador do CNPq.

Referências

ANDRADE, R. P. de. A agenda do keynesianismo filosófico: origens e perspectivas. Revista de Economia Política, v. 20, n. 2, abr./jun. 2000.

BATEMAN, B. W.; DAVIS, J. B. (Ed.). Keynes and philosophy – Essays on the origin of Keynes’s thought. Aldershot: Edward Elgar, 1991.

BACKHOUSE, Roger E.; BATEMAN, Bradley W. Keynes and capitalism. History of Political Economy, n. 41, p. 645 – 671, Winter 2009.

BELLUZZO, L. G. O retorno do mestre. Folha de São Paulo, Caderno Dinheiro 18 out. 2009.

BOBBIO, N. Direita e esquerda; razões e significados de uma distinção política. São Paulo: Unesp, 1995.

BELLUZZO, L. G. et al. Dicionário de política. Brasília: UNB/São Paulo: Imprensa Oficial, 2004.

CARABELLI, A. M. On Keynes’s method. London: Macmillan, 1988.

CATEPHORES, G. Keynes as a burgeois marxist. International Papers in Political Economy, University of East London, v. 7, n. 1, 2000.

CORAZZA, G. (Org.). Métodos da ciência econômica. Porto Alegre: UFRGS, 2003.

FERRARI FILHO, F. (Org.). Teoria Geral, setenta anos depois. Porto Alegre: UFRGS, 2006.

FONSECA, P. C. D. As origens e as vertentes formadoras do pensamento cepalino. Revista Brasileira de Economia, Rio de Janeiro, v. 54, n. 3, jul./set. 2000.

FONSECA, P. C. D. Gênese e precursores do desenvolvimentismo no Brasil. Pesquisa & Debate, São Paulo, PUCSP, v. 15, n. 2(26), p. 225-256, jul./dez. 2004.

GERRARD, B.; HILLARD, J. The philosophy and economics of J. M. Keynes. Aldershot: Edward Elgar, 1992.

JAMES, W. Pragmatismo e outros textos. São Paulo: Abril Cultural, 1979.

KALECKI, M. Crescimento e ciclo das economias capitalistas. São Paulo: Hucitec, 1977.

KEYNES, J. M. A tract on monetary reform. London: Macmillan, 1971. (The Collected Writings of John Maynard Keynes, v. IV).

KEYNES, J. M. Essays in persuasion. London: Macmillan, 1972.

KEYNES, J. M. A treatise on money. New York: AMS Press, 1976.

KEYNES, J. M. Keynes: economia. São Paulo: Ática, 1978.

KEYNES, J. M. Activities 1929-1931 – Rethinking employment and unemployment policies. 1981. (The Collected Writings of John Maynard Keynes, v. XX).

KEYNES, J. M. A teoria geral do emprego, do juro e do dinheiro. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

KEYNES, J. M. (Org.). Ensaios sobre John Maynard Keynes. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

LAWSON, T.; PESARAN, H. (Ed.). Keynes’ economics: methodological issues. London: Croom Helm, 1985.

NAPOLEONI, C. Smith, Ricardo, Marx; considerações sobre a história do pensamento econômico. Rio de Janeiro: Graal, 1978.

O’DONELL, R. (Ed.). Keynes as philosopher-economist. London: Macmillan, 1991.

POLANYI, Karl. A grande transformação: as origens de nossa época. Rio de Janeiro: Elsevier, 2000.

ROBINSON, J. Contributions to modern economics. Oxford: Basil Blackwell Publisher, 1978.

ROBINSON, J. Further contributions to modern economics. Oxford: Basil Blackwell Publisher, 1980.

SIMONSEN, M. H. O pensamento estruturalista. Brasil 2001. Rio de Janeiro: Apec, 1969.

SKIDELSKY, R. Keynes: the return of the master. New York: Public Affairs, 2009

Downloads

Publicado

2016-01-06

Como Citar

FONSECA, P. C. D. Keynes: o liberalismo econômico como mito. Economia e Sociedade, Campinas, SP, v. 19, n. 3, p. 425–447, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8642675. Acesso em: 18 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos