Elasticidades dos rendimentos do trabalho em relação ao salário mínimo: a experiência de um período recente de crescimento do salário mínimo

Autores

  • João Saboia Universidade Federal do Rio de Janeiro

Palavras-chave:

Salário mínimo. Salários. Rendimentos do trabalho. Distribuição de renda. Elasticidades-renda

Resumo

Na última década, o salário mínimo (SM) passou por um período de forte crescimento, ao mesmo tempo em que a remuneração média do trabalho sofreu queda. Esse resultado, aparentemente incoerente, motivou este artigo sobre a evolução dos rendimentos do trabalho no período 1995/2006 e o cálculo das elasticidades de tais rendimentos em relação ao SM. Foi verificado que o SM manteve sua representatividade como referência mínima legal no período, sem que houvesse queda da parcela de pessoas ocupadas recebendo 1 SM. Apesar disso, houve aumento do percentual de trabalhadores abaixo do SM, usualmente pertencentes ao setor informal da economia. Ao desagregar os trabalhadores segundo sua posição na ocupação, notou-se que as elasticidades são sistematicamente mais elevadas para os valores de rendimentos no entorno do valor do SM, tanto acima quanto abaixo. Portanto, o aumento do SM foi transferido, mesmo que parcialmente, para faixa importante da população ocupada de baixos rendimentos. Entretanto, na medida em que nos afastamos do valor do SM, as elasticidades se reduzem, muitas vezes tornando-se negativas nas duas extremidades dos rendimentos. Os resultados do artigo corroboram, para o período recente de forte crescimento do SM, resultados encontrados por outros autores em períodos anteriores, reforçando a importância do papel do SM para a melhoria da distribuição dos rendimentos do trabalho.

Abstract

In the last decade minimum wage showed a high growth while average labor income suffered a fall. This apparently incoherent result motivated this article on the evolution of labor income in 1995/2006 and the estimation of the elasticities of labor income in relation to minimum wage. It was verified that minimum wage kept its representation as legal minimum reference in the period. There was no fall in the percentage of workers receiving exactly one minimum wage. However it was verified an increase in the percentage of workers from the informal sector below its level. When disaggregating workers according to its occupation position, it was noticed that the elasticities are systematically higher for income levels around the value of the minimum wage. Therefore, the increase of minimum wage had a strong influence for many workers of low income. However, when moving away (up and down) from the value of minimum wage, the elasticities decrease, being usual to become negative when considered the two extremities of the labor income distribution. The findings of this article for the recent period of high growth of minimum wage corroborate results found by other authors in previous periods, strengthening the importance of the role of minimum wage for the improvement of the labor income distribution.

Key words: Minimum wage. Wages.Labor revenue. Income distribution. Income elasticities

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Saboia, Universidade Federal do Rio de Janeiro



Este trecho é parte de conteúdo que pode ser compartilhado utilizando o link http://www.valor.com.br/colunistas/joao-saboia ou as ferramentas oferecidas na página. 
Textos, fotos, artes e vídeos do Valor estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do jornal em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização do Valor (falecom@valor.com.br). Essas regras têm como objetivo proteger o investimento que o Valor faz na qualidade de seu jornalismo.

Referências

BALTAR, P.; DEDECCA, C.; KREIN, J. (Org.). Salário mínimo e desenvolvimento. Campinas: Unicamp, 2005.

BARROS, R.; CORSEUIL, C.; CURY, S. Salário mínimo e pobreza no Brasil: estimativas que consideram efeitos de equilíbrio geral. Pesquisa e Planejamento Econômico, v. 30, n. 2, 2000.

CORSEUIL, C.; SERVO, L. Salário mínimo e bem-estar social no Brasil. Uma resenha da literatura. Rio de Janeiro: Ipea, 2002. (Texto para Discussão, n. 880).

FAJNZYLBER, P. Minimum wage effects through the wage distribution: evidence from Brazil’s formal and informal sectors. Belo Horizonte: Cedeplar/UFMG, 2001. (Texto para Discussão, n. 151).

FOGUEL, M.; RAMOS, L.; CARNEIRO, F. The impact of minimum wage on the labor market, poverty and fiscal budget in Brazil. Rio de Janeiro: Ipea, 2001. (Texto para Discussão, n. 839).

GIAMBIAGI, F.; FRANCO, S. Esgotamento do papel do salário mínimo como mecanismo de combate à pobreza extrema. Rio de Janeiro: Ipea, 2007. (Texto para Discussão, n. 1290).

LEMOS, S. The effects of minimum wage on wages and employment in Brazil – A menu of minimum wage variables. University College of London, 2001. Mimeografado.

LEMOS, S. Minimum wage effects on wages, employment and prices: implications for poverty alleviation in Brazil. University of Leicester, 2005. (Working Paper, 05/15).

NERI, M.; GONZAGA, G.; CAMARGO, J. Salário mínimo, efeito farol e pobreza. Revista de Economia Política, v. 21, n. 2, 2001.

SABOIA, J. Efeitos do salário mínimo sobre a distribuição de renda no Brasil no período 1995/2005 – Resultados de simulações. Econômica, v. 9, n. 2, 2007.

SOARES, S. O impacto distributivo do salário mínimo: a distribuição individual dos rendimentos do trabalho. Rio de Janeiro: Ipea, 2002. (Texto para Discussão, n. 873).

SOARES, S. Análise do bem-estar e decomposição por fatores da queda na desigualdade entre 1995 e 2004. Econômica, v. 8, n. 1, 2006.

ULYSSEA, G.; FOGUEL, M. Efeitos do salário mínimo sobre o mercado de trabalho brasileiro. Rio de Janeiro: Ipea, 2006. (Texto para Discussão, n. 1168).

Downloads

Publicado

2016-01-06

Como Citar

SABOIA, J. Elasticidades dos rendimentos do trabalho em relação ao salário mínimo: a experiência de um período recente de crescimento do salário mínimo. Economia e Sociedade, Campinas, SP, v. 19, n. 2, p. 359–380, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8642722. Acesso em: 26 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigos