Análise comparativa da concentração industrial e de turnover da indústria farmacêutica no Brasil para os segmentos de medicamentos de marca e genéricos

Autores

Palavras-chave:

Indústria farmacêutica – Brasil. Medicamentos genéricos. Fusões e aquisições

Resumo

Este artigo analisa a evolução da estrutura do segmento de medicamentos de marca e genéricos no Brasil a partir de 1997. Após a entrada dos medicamentos genéricos, constatou-se que não houve diminuição significativa da concentração na indústria farmacêutica brasileira, porém, o mesmo não ocorreu em nível mundial, verificando-se um aumento da concentração a partir de 2001, impulsionado pelo expressivo processo de fusões e aquisições nos últimos anos da década de 1990. Em relação ao turnover, notou-se que este foi muito baixo para o grupo das maiores empresas em ambos os segmentos de medicamentos. Entretanto, observa-se um elevado turnover com a entrada dos genéricos, mostrando o fortalecimento da indústria nacional. Verifica-se que o processo de fusões e aquisições entre empresas nacionais é pouco significativo, o que pode ser uma alternativa para as pequenas empresas farmacêuticas aumentarem a sua participação no mercado brasileiro.

Abstract

This paper analyzes the evolution of brand-name and generic drugs structure in Brazil since 1997. After the introduction of generic drugs it was not verified a significant decrease in the concentration of Brazilian pharmaceutical industry. The process of mergers and acquisitions in the 90’s enhanced the process of concentration in the international market. However, a non-expressive turnover can be demonstrated in both pharmaceutical and generic markets. At the same time, the entrance of the generic industry in Brazil explains the invigoration of the national industry. The mergers and acquisitions process in the pharmaceutical industry is quite intense in Europe and in the USA, although in Brazil it is still not significant.

Key words: Pharmaceutical industry. Generic drugs. Mergers and acquisitions

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gerson Rosenberg, Fundação Oswaldo

Gerson Rosenberg é engenheiro químico formado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, com especialização em Gestão pela Qualidade Total pela Universidade Federal Fluminense, e responsável pelo Programa da Qualidade da Fundação Oswaldo Cruz do Ministério da Saúde.

Trabalhou em indústrias ligadas a área farmacêutica, tendo se destacado como engenheiro sênior de processos da Cyanamid Química do Brasil Ltda onde por onze anos atuou na área de produção de antibióticos e de defensivos animal. Conhecimento profundo das normas de Boas Práticas de Fabricação conforme requisitos da Organização Mundial de Saúde e do Food and Drug Administration com a participação em diversas auditorias internas.

Maria da Graça Derengowski Fonseca, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Graduação pela FEA-UFRJ (Economia) Mestrado em Ciências pela UFRRJ (Economia Agroindustrial) Doutorado pelo IE-UNICAMP (Economia) Pós-Doutorado na Universidade de Manchester (Centro de Inovação e Competitividade CRIC)

Luiz Antonio d’ Avila, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Graduação em Quimica ( 1970) e Doutorado em Química Orgânica (1985) no Instituto de Química da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Especialização no Laboratoire Chimie Analytique Physique da Ecole Polytechnique, França ( 1980- 1982), Expochim en Genie Chimique na Ecole Nationale Superieure des Industries Chimiques, França ( 1987), Cromatografia Preparativa Industrial na Prochrom ( atual NovaSep), França ( 1987 e 1993).

Referências

AMIN, M. C.; AGUIAR D. R. D. Concentração industrial, fusões e turnover no setor supermercadista brasileiro. Gestão & Produção, São Paulo, v. 13, n. 1, p. 45-56, jan./abr. 2006.

ASCIONE, F. J.; KIRKING, D. M.; GAITHER C. A.; WELAGE, L. S. Historical overview of generic medication policy. Journal of The American Pharmaceutical Association, Washington, v. 41, n. 4, p. 567-577, Jul./Aug. 2001.

BAIN, J. S. Industrial organization. 2. ed. New York: John Wiley & Sons, 1968.

BAIN, J. S; QUALLS P. D. Industrial organization: a treatise. London: Jai Press Inc., 1987.

CALLEGARI, L. A. Medicamentos genéricos: estrutura, mercado e perfis de empresas.

Panorama Setorial da Gazeta Mercantil, São Paulo, v. 1, p. 1-137, jul. 2003.

COHEN J.; GANGI W.; LINEEN J.; MANARD A. Strategic alternatives In: The Pharmaceutical Industry. Kellogg School of Management, Northwestern University: U.S., 2004. Disponível em: <http://www.kellogg.northwestern.edu/academic/biotech/articles/ strategicalternatives.pdf>. Acesso em: 14 dez. 2006.

CURRY, B.; GEORGE, K. D. Industrial concentration: a survey. The Journal of Industrial Economics, v. 31, n. 3, p. 203 - 255, Mar. 1983.

DERENGOWSKI, M. G. F.; ROSENBERG, G.; OHAYON, P., D’AVILA, L. A. Inovação na indústria farmacêutica: uma análise sobre o papel das patentes na competitividade das empresas do segmento de medicamentos genéricos. In: SEMINÁRIO LATINO IBEROAMERICANO DE GESTIÓN TECNOLÓGICA, 11. Anais eletrônicos...

Salvador: ALTEC, 2005. 1 CD–ROOM.

DiMASI J. A.; HANSEN R. W.; GRABOWSKI H. G. The price of innovation: new estimates of drug development costs. Journal of Health Economics, Netherlands, v. 22. n. 2, p. 151 - 185, Mar. 2003.

FERGUSON G. J., FERGUNSON P. R. Industrial economics: issues and perspectives. 2nd ed. New York: New York University Press, 1994.

FRENKEL, J. Estudo da competitividade de cadeias integradas no Brasil: impactos das zonas de livre comércio. Cadeia: Farmacêutica. Campinas: Unicamp/NEIT, 2002.

FRENKEL, J. O mercado farmacêutico brasileiro: a sua evolução recente, mercados e preços. In: NEGRI B.; Di GIOVANNI G. Brasil: radiografia da saúde. Campinas/SP: UnicampIE/UFRJ, 2001, cap. 5, p. 157 - 174.

GUIMARÃES, E. A. Acumulação e crescimento da firma: um estudo de organização industrial. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

HALL, M.; TIDEMAN, N. Measures of concentration. Journal of the American Statistical Association, Alexandria, USA, v. 62, p. 162 - 168, Mar. 1967.

HASENCLEVER, L. (Coord.). Diagnóstico da indústria farmacêutica brasileira. Rio de Janeiro: Unesco/FUJB/IE-UFRJ, 2002. (Projeto 914BRZ58).

HAY, D. A.; MORRIS D. J. Industrial economics and organization: theory and evidence. New York: Oxford University Press, 1991.

HENDERSON R. Drug industry mergers won’t necessarily benefit R&D. Research Technology Management, Washington, v. 43, n. 4, p. 10-11, Jul./Aug. 2000.

HENDERSON R; COCKBURN I. Scale, scope, and spillovers: the determinants of research productivity in drug discovery. The Rand Journal of Economics, Santa Monica, CA, v. 27, n. 1, 1996.

JOSKOW J. Structural indicia: rank-shift analysis as a supplement to concentration ratios. The Review of Economics and Statistics, Cambridge, v. 42, n. 1, p. 113-116, Feb. 1960.

KPMG CONSULTORIA LTDA. Fusões & aquisições no Brasil: Análise dos anos 90. 2001. Disponível em: <http://www.kpmg.com.br/publicacoes_ias.asp?ft=6&fx=14>. Acesso em: 12 dez. 2007.

MAGALHÃES L. C. G.; LEAL J.C; SAFATLE L. P.; AUREA A. P.; TOMICH F. A.; SILVEIRA F. G.; BARBOSA L. C.; CASTRO B. R. Estratégias empresariais de crescimento na indústria farmacêutica brasileira: investimentos, fusões e aquisições, 1998-2002. Rio de Janeiro: Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão/IPEA, 2003. (Texto para Discussão, n. 995).

McKILLOP, T. AstraZeneca’s potential megabrands. [s.l.]: IMS HEALTH, 1999.

PENROSE, E. The growth of the firm. 3. ed. Great Britain: Oxford, 1995.

QUEIROZ S. R. R. Estudo da competitividade da indústria brasileira: competitividade da indústria de fármacos. Campinas: Unicamp, 1993.

RÊGO, E. C. L. Políticas de regulação do mercado de medicamentos: a experiência internacional. Revista do BNDES, Rio de Janeiro, v. 7, n. 14, p. 367-400, dez. 2000.

SCHERER F. M. The pharmaceutical industry – prices and progress. The New England Journal of Medicine, London, v. 351, n. 9, p. 927-932, Aug. 2004.

SCHERER F. M. The pharmaceutical industry. In: CULYER, A. J.; NEWHOUSE, J. P. Handbook of health economics. Amsterdam: Elsevier, 2000, chap. 25, p. 1297-1336.

SCHERER F. M; ROSS, D. Industrial market structure and economic performance. 3. ed. Boston: Houghton Mifflin, 1990.

SCRIP’S 2005 YEARBOOK. 21st ed. London: Vinita Chambore, v. 1, Feb. 2005.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Núcleo de Estudos de Políticas Públicas. O setor saúde e o complexo saúde no Brasil. Campinas: Unicamp/NEPP, 2000. (Caderno, n. 46).

VALENTIM J. Política de medicamentos genéricos: um estudo do caso brasileiro. 2003. 131f. Dissertação (Mestrado em Economia)–Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2003.

Downloads

Publicado

2016-01-06

Como Citar

ROSENBERG, G.; FONSECA, M. da G. D.; D’ AVILA, L. A. Análise comparativa da concentração industrial e de turnover da indústria farmacêutica no Brasil para os segmentos de medicamentos de marca e genéricos. Economia e Sociedade, Campinas, SP, v. 19, n. 1, p. 107–134, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8642729. Acesso em: 9 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos