Banner Portal
Política monetária, inflação e crescimento econômico: a influência da reputação da autoridade monetária sobre a economia
PDF

Palavras-chave

Reputação. Inflação – Metas. Crescimento econômico

Como Citar

MONTES, Gabriel Caldas. Política monetária, inflação e crescimento econômico: a influência da reputação da autoridade monetária sobre a economia. Economia e Sociedade, Campinas, SP, v. 18, n. 2, p. 237–259, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8642755. Acesso em: 12 jul. 2024.

Resumo

O presente trabalho tem como principal objetivo mostrar que a política monetária, quando conduzida por meio de uma regra de manipulação da taxa de juros voltada exclusivamente para controlar a inflação (em um regime de metas para a inflação), embora consiga atingir tal objetivo, apresenta um resultado pior se comparada a uma política monetária que seja implementada, também, para atingir uma meta para o nível do produto. O modelo proposto enfatiza: o papel das expectativas, o papel da autoridade monetária por meio de sua função de reação à luz da hipótese de não neutralidade da moeda e a influência da reputação da autoridade monetária sobre os resultados observados na economia.

Abstract

Monetary p Monetary policy, inflation and nflation and nflation and economic conomic conomic growth: the influence of the monetary authority’s he influence of the monetary authority’s reputation upon the economy reputation upon the economy The following paper aims to show that, although a monetary policy, which merely seeks to control inflation through an interest rate rule (under inflation targeting), may reach such a goal, it will present a worst outcome whether compared to a monetary policy which also seeks an output target. The proposed model highlights: the role of expectations, the role of monetary policy through its reaction function in the light of non-neutrality of money hypothesis and, the influence of monetary authority reputation on the economy.

Key words: Reputation. Inflation targeting. Economic growth

PDF

Referências

ANGERIZ, A.; ARESTIS, P. Has inflation targeting had any impact on inflation? Journal of Post Keynesian Economics, v. 28, n. 4, p. 559, Summer 2006.

ALLSOPP, C.; VINES, D. The assessment: macroeconomic policy. Oxford Review of Economic Policy, v. 14, n. 4, 2000.

CARVALHO, F. C. et al. Economia Monetária e Financeira: teoria e política. Rio de Janeiro: Editora Campus, 2000.

CARVALHO, F. C. Uma contribuição ao debate em torno da eficácia da política monetária e algumas implicações para o caso do Brasil. Revista de Economia Política, v. 25, n. 4, out./dez. 2005.

CERISOLA, M.; GELOS, R. G. What drives inflation expectations in Brazil? An empirical analysis”. International Monetary Fund, 2005. (IMF Working Paper, WP/05/109).

CHICK, V. Macroeconomia após Keynes. Forense Universitária, 1983.

DAVIDSON, P. Post Keynesian macroeconomic theory. Cheltenhan: Edward Elgar, 1994.

DEQUECH, D. Expectations and confidence under uncertainty. Journal of Post Keynesian Economics, v. 21, n. 3, Spring 1999.

GOODFRIEND, M. Monetary policy in the new neoclassical synthesis: a primer. Federal Reserve Bank of Richmond Economic Quarterly, v. 90, n. 3, Summer 2004.

GOODFRIEND, M; KING, R. G. The new neoclassical synthesis and the role of monetary policy. In: BERNANKE, Ben; ROTEMBERG, Julio (Ed.). NBER Macroeconomics Annual. Cambridge, Ma: MIT Press, 1997.

KING, R. G. The new IS-LM model: language, logic, and limits. Federal Reserve Bank of Richmond Economic Quarterly, v. 86, n. 3, Summer 2000.

LAVOIE, M. A post keynesian amendment to the new consensus on monetary policy. Metroeconomica, v. 57, n. 2, 2006.

LEEPER, E. M.; SIMS, C. Toward a modern macroeconomic model usable for policy analysis. Jun. 1994. (NBER Working Paper, n. 4761).

LIBÂNIO, G. Aggregate demand and the endogeneity of the natural rate of growth: evidence from Latin American economies. In: ENCONTRO INTERNACIONAL DA ASSOCIAÇÃO KEYNESIANA BRASILEIRA, 1, UNICAMP-Campinas, abr. 2008.

LUCAS JR., R. E. Expectations and the neutrality of money. Journal of Economics Theory, v. 4, Apr. 1972a.

LUCAS JR. Econometric testing of the natural rate hypothesis. In: ECKSTEIN, Otto (Ed.). The econometrics of price determination. Washington: Board of Governors of the Federal Reserve System, 1972b.

LUCAS JR. Econometric policy evaluation: a critique. In: BRUNNER, Karl; MELTZER, Allan H. (Ed.). The Phillips curve and labor markets. Carnegie-Rochester Conference Series on Public Policy, 1976. v. 1.

LUCAS JR. Methods and problems in business cycle theory. Journal of Money, Credit, and Banking, v. 12, Nov. 1980.

MISHKIN, F. S. Can inflation targeting work in emerging market countries? 2004. (NBER Working Papers Series, WP 10646). Disponível em: <http://www.nber.org/papers/w10646>.

MONTES, G. C. Metas de inflação em perspectiva: a influência do trinômio reputaçãocredibilidade-transparência sobre a economia. Revista de Economia Política, 2008a. (a ser publicado).

MONTES, G. C. Reputation, credibility and monetary policy effectiveness. In: ENCONTRO INTERNACIONAL DA ASSOCIAÇÃO KEYNESIANA BRASILEIRA, 1, UNICAMP-Campinas, Abr. 2008b.

MONTES, G. C; FEIJÓ, C. A. Reputação, credibilidade e transparência da autoridade monetária e o Estado de expectativa. Economia e Sociedade, Campinas, v. 16, n. 2 (30), ago. 2007.

ROMER, D. Keynesian macroeconomics without the LM curve. Journal of Economic Perspectives, v. 14, n. 2, Spring 2000.

SETTERFIELD, M. Is inflation targeting compatible with post keynesian economics? Journal of Post Keynesian Economics, v. 28, n. 4, Summer 2006.

SICSÚ, J. Políticas não-monetárias de controle da inflação: uma proposta pós-keynesiana. Revista Análise Econômica, ano 21, n. 39, jan./mar. 2003.

SIMS, C. Macroeconomics and reality. Econometrica, v. 48, jan. 1980.

TAYLOR, J. B. Teaching modern macroeconomics at the principles level. American Economic Review, v. 90, n. 2, 2000.

WOODFORD, M. Interest and prices: foundations of a theory of monetary policy.,Princeton: Princeton University Press, 2003.

A Economia e Sociedade utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.