Banner Portal
Um modelo pós-keynesiano de crescimento e distribuição de renda aplicado à dinâmica das economias capitalistas desenvolvidas e em desenvolvimento
PDF

Palavras-chave

Economia pós-keynesiana. Crescimento econômico. Renda – Distribuição

Como Citar

LEMOS, B. P.; OREIRO, J. L. da C. Um modelo pós-keynesiano de crescimento e distribuição de renda aplicado à dinâmica das economias capitalistas desenvolvidas e em desenvolvimento. Economia e Sociedade, Campinas, SP, v. 15, n. 3, p. 475–514, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8642901. Acesso em: 5 mar. 2024.

Resumo

Neste artigo é feita uma reestruturação do modelo Oreiro e Ono (2005) com vistas à utilização do mesmo para a análise da dinâmica das economias capitalistas desenvolvidas e em desenvolvimento. Essa análise é feita por intermédio de uma simulação computacional do modelo teórico aqui apresentado. Para analisar a robustez das conclusões do modelo apresentado foram realizadas duas simulações para averiguar a aderência do modelo proposto a alguns fatos estilizados das economias desenvolvidas e em desenvolvimento. Os fatos estilizados que pretendemos reproduzir com os modelos são os seguintes: (i) a volatilidade da taxa de inflação é maior nos países em desenvolvimento; (ii) o nível de produto cresce mais rapidamente nas economias desenvolvidas, ampliando o gap entre países ricos e pobres; (iii) a volatilidade da taxa de crescimento do nível de produto é maior nas economias capitalistas em desenvolvimento; e (iv) a volatilidade da taxa real de juros é menor nas economias desenvolvidas. Os resultados das simulações mostram que o modelo consegue reproduzir a dinâmica capitalista tanto de uma economia desenvolvida como de uma economia em desenvolvimento.

Abstract

The objective of this article is to present a reformulation of Oreiro e Ono’s (2005) post-Keynesian model in order to use it to analyze the dynamic paths of developed and under-developed capitalist economies. This analysis is made by means of a computer simulation of the theoretical model presented here. As a robustness test, it will be made two computational simulations – for a developed and a developing economy – to check the model’s “grip” to the following stylized facts: (i) inflations’ volatility is bigger in developing economies; (ii) both product level and growth paths are higher in the developed economies, rising the gap between rich and poor countries; (iii) real income growth rates’ volatility is larger in developing economies; and (iv) real interest rates’ volatility is smaller in the developed countries. The results of simulations shows that the restructured model gets to reproduce the dynamics of developed and underdeveloped capitalist economies.

Key words: Post-Keynesian economy. Economic growth. Income distribution. Fluctuations

PDF

Referências

ARONOVICH, S. Uma nota sobre os efeitos da inflação e do nível de atividade sobre o spread bancário. Revista Brasileira de Economia, v. 48, n. 1, jan./mar. 1994.

BARBOSA, F. H. A inércia da taxa de juros na política monetária. Ensaios Econômicos, Fundação Getúlio Vargas: Rio de Janeiro, n. 534, 2004.

BARRO, R.; SALA-I-MARTIN, X. Convergence. Journal of Political Economy, v. 100, 1992.

BHADURI, A.; MARGLIN, S. Unemployment and the real wage: the economic basis for contesting political ideologies. Cambridge Journal of Economics, v. 14, n. 4, 1990.

BLANCHARD, O. Macroeconomia: teoria e política econômica. Rio de Janeiro: Campus, 1999.

BRESSER-PEREIRA, L. C.; NAKANO, Y. Inflação e recessão: a teoria da inércia inflacionária. São Paulo: Brasiliense, 1984.

CYSNE, R. P. An overview of some historical Brazilian macroeconomic series and some open questions. EPGE-FGV, jun. 2005. (Ensaios Econômicos da EPGE, n. 592).

DOMAR, E. Capital expansion, rate of growth and employment. Econometrica, v. 14, 1946.

DUTT, A. On the long run stability of capitalist economies: implications of a model of growth and distribution. In: DUTT, A. K (Ed.). New directions in analytical political economy. Aldershot: Edward Elgar, 1994.

EICHNER, A. The megacorp and the oligopoly. Armmonk: M.E. Sharpe, 1980.

GARTNER, M. Macroeconomics: European approach. London: FT Prentice Hall, 2002.

HANSEN, L.; HECKMAN, J. The empirical foundations of calibration. Journal of Economic Perspectives, v.10, n. 1, 1996.

HARROD, R. An essay in dynamic theory. The Economic Journal, v. 49, 1939.

KALDOR, N. Alternative theories of distribution. Review of Economic Studies, v. 23, n. 2, 1956.

________. A model of economic growth. Economic Journal, v. 67, 1957.

________. The scourge of monetarism. Oxford:Oxford University Press, 1982.

KALECKI, M. Theory of economic dynamic. 2. ed. London: Allen & Unwin, 1954.

LIMA, G. T. Market concentration and technological innovation in a dynamic model of growth and distribution. Banca Nazionale del Lavoro Quarterly Review, n. 215, Dec. 2000.

MADISON, A. The world economy: a millennial perspective. London: OECD Development Centre, 2001.

MANKIN, G.; ROMER, D.; WEIL, D. A contribution to the empirics of economic growth. Quarterly Journal of Economics, v. 107, n. 2, 1992.

MARX, K. O capital: crítica da economia política. São Paulo: Nova Cultural, 1988.

MATTOS, R. S.; VEIGA, A. Otimização de entropia: implementação computacional dos princípios de Maxent e Mixent. Pesquisa Operacional, v. 22, n. 1, 2002.

MOORE, B. Horizontalists and verticalists: the macroeconomics of credit money. Cambridge: Cambridge University Press, 1988.

ONO, F. H.; SILVA, G. J.; OREIRO, J. L.; PAULA, L. F. Determinantes macroeconômicos do spread bancário no Brasil: teoria e evidência recente. Disponível em: . Mimeografado.

OREIRO, J. L. Uma revisão das controvérsias sobre a equação de Cambridge. Nova Economia, v. 15, n. 2, 2005.

________; LEMOS, B. P. Um modelo macrodinâmico de simulação com progresso técnico endógeno. In: ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA, 23, Natal, RN, 2005. Anais... (A ser publicado na revista Economia da ANPEC em 2006).

OREIRO, J. L.; ONO, F. H. Um modelo macrodinâmico de simulação. In: ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA POLÍTICA, 10, Campinas, SP, 2005. Anais… (A ser publicado na Revista de Economia Política em 2006).

PASINETTI, L. Rate of profit and income distribution in relation to the rate of economic growth. Review of Economic Studies, v. 29, n. 4, 1962.

POSSAS, M. L. Racionalidade e regularidades: rumo a uma integração micromacrodinâmica. Economia e Sociedade, n. 2, 1993.

ROBINSON, J. Ensaios sobre a teoria do crescimento econômico. São Paulo: Abril, 1983. (Coleção Os Economistas).

ROUSSEAS, S. Post Keynesian monetary economics. Ann Arbor: MacMillan, 1986.

SHANNON, C. E. A mathematical theory of communication. Bell System Technical Journal, v. 27, p. 379-423, 1948.

SIMON, H. A racionalidade do processo decisório em empresas. Edições Multiplic, v. 1, n. 1, 1980.

SECURATO, J. R. Mercado financeiro: análise de investimento. São Paulo: Saint Paul, 2002.

SKOTT, P. Conflict and effective demand in economic growth. Cambridge: Cambridge University Press, 1989.

SOLOW, R. A contribution to the theory of economic growth. The Quarterly Journal of Economics, v. 70, 1956.

STEINDL, J. Maturity and stagnation in American capitalism. Oxford: Basil Blackwell, 1952.

A Economia e Sociedade utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.