Banner Portal
Mortalidade infantil como variável para diagnóstico e desenho de política antipobreza

Palavras-chave

Mortalidade. Pobreza. Espacialização. Política pública

Como Citar

ROCHA, Sonia. Mortalidade infantil como variável para diagnóstico e desenho de política antipobreza. Economia e Sociedade, Campinas, SP, v. 15, n. 1, p. 113–144, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8642923. Acesso em: 25 maio. 2024.

Resumo

Tendo como premissa o fato de que as questões de sobrevivência física têm prioridade absoluta quando se consideram as múltiplas carências que caracterizam a pobreza, são dois os objetivos deste artigo. O primeiro é enfatizar a importância do uso de um indicador físico, no caso, a mortalidade infantil, como variável estratégica para identificar áreas críticas para intervenção dos governos e da sociedade no âmbito mais geral das políticas antipobreza. O segundo objetivo consiste em fornecer um panorama nacional da incidência e gravidade relativa do fenômeno da pobreza crítica a partir do uso de um indicador deste tipo, a razão de mortalidade, em conjunção com uma malha espacial de abrangência nacional, na qual as unidades de área apresentam variância de tamanho populacional relativamente pequeno. Em conseqüência, o ordenamento das unidades de área gerado a partir do valor estimado para a razão de mortalidade pode ser visto como revelador da prioridade de atendimento a ser atribuída a cada unidade, tanto do ponto de vista da gravidade relativa das condições de vida, como do número absoluto de pessoas a serem atendidas.

Abstract 

Based on the premise that questions related to physical survival have absolute priority when dealing with the multiple needs that characterize poverty, this article has two aims. First, to emphasize the importance of using a physical indicator – in this case, child mortality –, as a strategic variable for identifying critical locations for government and civil society intervention within the scope of antipoverty policies. The second aim is to provide a nationwide overview of the incidence and severity of critical poverty in Brazil, which is derived from the use of this indicator. Since we adopt a geographic network where the population size variance among areas is small, the rank of areas obtained according to the mortality rate indicates the priority for assistance. As a matter of fact, the position of a given area in the rank is associated both to its relative position according to local living conditions and to the absolute size of the potential clientele.

Keywords: Mortality. Poverty. Spatialization. Public policy

Referências

BRASS, William. Methods for estimating fertility and mortality from limited and defective data. North Carolina: Carolina Population Center, 1975.

IBGE. Evolução e perspectivas da mortalidade infantil no Brasil. Rio de Janeiro, 1999.

IBGE. Censo Demográfico 2000. Microdados.

IBGE. Censo Demográfico 1991.

IBGE. Síntese de Indicadores Sociais – 2004. Rio de Janeiro, 2005.

ROCHA, Sonia; ALBUQUERQUE, Roberto C.; SILVA, Ari N.; CORTEZ, Bruno. As Unidades de População Homogênea (UPH) como instrumento para diagnóstico e desenho de políticas públicas. Economia (Revista da Anpec), v. 7, n. 1, jan./jun. 2006.

________. Pobreza no Brasil. Afinal, de que se trata? Rio de Janeiro: Editora FGV, 2003.

SILVA, Pedro L. N.; PESSOA, Djalma G. C. Estimando a precisão das estimativas das taxas de mortalidade obtidas a partir da PNAD. Ouro Preto, MG: ABEP, 2002.

SIMÕES, Celso. A mortalidade infantil na transição da mortalidade no Brasil. Tese (Doutorado)–Cedeplar, 1997, Belo Horizonte.

UNITED NATIONS. Indirect techniques for demographic estimation. New York, 1983.

A Economia e Sociedade utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.