Notas acerca da racionalidade econômica

Autores

  • Silvia Possas Universidade Estadual de Campinas

Resumo

Um dos pontos usualmente considerados mais centrais e mesmo definidores do paradigma neoclássico é a pressuposição de que a racionalidade dos agentes econômicos é fundamentalmente otimizadora.1 E esta é uma questão que há muito vem sendo objeto de críticas contundentes. Por outro lado, a idéia de que este tipo de racionalidade é o que define o comportamento humano vem ganhando novos espaços, sendo aplicada a outras ciências sociais e até à medicina, principalmente por intermédio da vertente que integra a chamada teoria da escolha racional (rational choice). Este artigo não tem por objetivo acrescentar nenhum novo argumento à questão, mas apenas retomar de modo ordenado os mais relevantes, que, partindo de visões um tanto diferenciadas acerca das condições em que são tomadas as decisões econômicas no capitalismo, chegam a proposições bastante similares sobre a racionalidade nelas presente e suas conseqüências teóricas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Silvia Possas, Universidade Estadual de Campinas

Possui graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Estadual de Campinas(1978), mestrado em Ciência Econômica pela Universidade Estadual de Campinas(1985) e doutorado em Ciência Econômica pela Universidade Estadual de Campinas(1993). Tem experiência na área de Economia, com ênfase em Economia Industrial. Atuando principalmente nos seguintes temas:economia industrial, competitividade, economia evolucionista.

Referências

ALCHIAN, A. Uncertainty, evolution and economic theory. Journal of Political Economy, Chicago, Ill., v.58, p.211-21, jun. 1950.

ARTHUR, W. B. Competing technologies, increasing returns and lock-in by historical events. Economic Journal, Cambridge, Eng., v.99, n.394, p.116-31, mar.1989.

BOLAND, L. Methodology for a new microeconomics: the critical foundations. Boston: Allen & Unwin, 1986.

CARVALHO, F. C. Keynes on probability, uncertainty and decision making. Journal of Post Keynesian Economics, Armonk, NY, v.11, n.1, 1988.

CORICELLI, F.; DOSI, G. Coordination and order in economic change and the interpretative power of economic theory. In: DOSI, G. et al., orgs. Technical change and economic theory. London:Pinters Publishers, 1988. p.124-47.

DAVID, P. Clio and the economics of QWERTY. American Economic Review, Nashville, Tenn., v.75, n.2, p. 332-7, may 1985.

DAVIDSON, P. Rational expectations: a fallacious foundation for studying crucial decision making processes. Journal of Post Keynesian Economics, Armonk, NY, v.5, n.2, p. 182-98, 1983.

________ A technical definition of uncertainty and the long-run neutrality of money. Cambridge Journal of Economics, London, v.12, n.3, p.329-37. sept. 1988.

DOSI, G. Technical change and industrial transformation. London: Macmillan,1984.

________; EGIDI, M. Substantive and procedural uyncertainty: an exploration of economic behaviours in changing environments. Journal of Evolutionary Economics, Berlin, v.1, n.2, p.145-68, 1991.

HEINER, R. The origin of predictable behavior. American Economic Review, Nashville, Tenn., v.73, n.4, p. 560-95, sept. 1983.

________ Imperfect decisions and routinized production: implications for evolutionary modeling and inertial technical change. In: DOSI, G. et al., orgs. Technical change and economic theory. London:Pinters Publishers, 1988. p.148-69.

HICKS, J. Perspectivas econômicas. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

KEYNES, J. M. A teoria geral do emprego, do juro e do dinheiro. Rio de Janeiro:Fundo de Cultura, 1964.

________ A teoria geral do emprego: John Maynard Keynes. São Paulo: Ática, 1978. p. 167-79.

KNIGHT, F. Risco, incerteza e lucro. Rio de Janeiro: Expressão e Cultura, 1972.

LEIJONHUFVUD, A. Towards a not-too-rational macroeconomics. 1992. (Presented at Annual Meeting of the Sowthern Economic Association, Distinguished Lecture) NELSON, R.; WINTER, S. In search of useful theory of innovation. Research Policy, Amsterdam, v.6, 1977.

ORLEAN, A. Anticipations et conventions en situation d’incertitude. Conceptions de la monnaie: un enjeu théorique. Cahiers d’Economie Politique, Paris, p.153-72, 1987.

________ Comportements mimétiques et diversité des opinions sur les marchés financiers. In: BOURGUINAT, H.; ARTUS, P., eds. Théorie economique et crises des marchés financiers. Paris: Economica, 1989. p.45- 65.

POSSAS, M. Racionalidade e regularidades: rumo a uma integração micro-macrodinâmica. In: ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA, 17, 1989, Fortaleza. Anais... Fortaleza:ANPEC, 1989.

________ A cheia do “Mainstream”: comentário sobre os rumos da Ciência Econômica. Rio de Janeiro: UFRJ.IEI, 1995. (Texto para discussão, n. 327) POSSAS, S. Concorrência e competitividade: notas sobre estratégia e dinâmica seletiva na economia capitalista. Campinas: UNICAMP.IE, 1993. (Tese de Doutorado) PRIGOGINE, I.; STENGERS, I. Entre le temps et l’eternité. Paris: Fayard, 1988.

SILVEIRA, J.M.F.J. Análise econômica das convenções: em direção a um modelo geral de coordenação econômica. Economia e Sociedade, Campinas, n. 3, p.115-22, dez. 1994.

SIMON, H. From substantive to procedural rationality. Models of bounded rationality. Cambridge, Mass.: MIT Press, 1982, p. 424-43.

SHACKLE, G. Epistemics and economics. A critique of economic doctrines. Cambridge, Eng.: Cambridge Univ. Press, 1972.

VERCELLI, A. Methodological foundations of macroeconomics: Keynes and Lucas. Cambridge, Eng.: Cambridge Univ. Press, 1991.

Downloads

Publicado

2016-02-02

Como Citar

POSSAS, S. Notas acerca da racionalidade econômica. Economia e Sociedade, Campinas, SP, v. 4, n. 2, p. 181–187, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8643201. Acesso em: 1 fev. 2023.

Edição

Seção

Nota

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)