Um modelo setorial baseado na abordagem kaleckiana da distribuição setorial funcional da renda e na teoria schumpeteriana da concorrência

Autores

  • Tatiana Massaroli Melo Universidade Estadual de Campinas
  • Mario Luiz Possas Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Esther Dweck Universidade Estadual de Campinas

Palavras-chave:

Modelo setorial. Distribuição funcional da renda. Processo de concorrência. Kalecki. Schumpeter.

Resumo

Este artigo utiliza um referencial teórico schumpeteriano e kaleckiano para apresentar um modelo setorial capaz de captar os efeitos dinâmicos das inovações sobre a competitividade e a distribuição setorial funcional da renda. Adota-se a teoria distributiva de Kalecki, segundo a qual a distribuição funcional da renda é vinculada ao processo de formação de preços por mark-up. É desenvolvido um modelo de simulação para as interações entre firmas dentro de setores específicos a partir do método Agent-based modelling. A principal conclusão é que os resultados obtidos pelas simulações mostram que as inovações tecnológicas, ao influenciarem preço e mark-up, afetam diretamente a distribuição.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tatiana Massaroli Melo, Universidade Estadual de Campinas

Possui graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2002), mestrado em Economia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2006) e doutorado em Economia da Indústria e da Tecnologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2011). Atualmente é professora da Faculdade de Ciências e Letras da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho.

Mario Luiz Possas, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Atualmente é professor titular do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro e professorcolaborador livre-docente do Departamento de Economia da FCL-Ar/UNESP . Tem experiência na área de Economia, com ênfase em Teoria Econômica, Economia Industrial e Economia da Concorrência e Antiitruste, atuando principalmente nos seguintes temas: teoria econômica, dinâmica macroeconômica, economia industrial, economia evolucionária, economia antitruste, regulação. É consultor do INCT/PPED/IE/UFRJ desde 2009

Esther Dweck, Universidade Estadual de Campinas

Possui graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1998) e doutorado em Economia da Industria e da Tecnologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2006), com "Doutorado Sanduíche" no LEM da Scuola Sant'Anna, em Pisa, Itália. É Professora Adjunta do Instituto de Economia da UFRJ. Tem experiência na área de Economia, com ênfase em economia do setor público, crescimento e desenvolvimento econômico, atuando principalmente nos seguintes temas: regime fiscal e participação do Estado, crescimento liderado pela demanda, integração micro-macro, restrição de balanço de pagamentos, análises de insumo-produto e modelos de simulação. Entre junho de 2011 e março de 2016, atuou no Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, no cargo de Chefe da Assessoria Econômica e como Secretária de Orçamento Federal. E entre março de 2016 e maio de 2016, ocupou o cargo de Subchefe de Análise e Acompanhamento de Políticas Governamentais da Casa Civil da Presidência da República. 

Referências

AFUAH, A. N.; UTTERBACK J. M. Responding to structural industry changes: a technological evolution perspective. Industrial and Corporate Change, v. 6, p. 183-202, 1997.

ARTHUR, W. B. Out-of-equilibrium economics and agent-based modeling. In: JUDD, K.; TESFATSION, L. (Ed.). Handbook of computational economics. v. 2: Agent-based computational economics. Amsterdam: Elsevier/North-Holland, 2005.

AXELROD, R. Advancing the art of simulation in the social sciences. In: RENNARD, J. P. (Ed.). Handbook of research on nature inspired computing for economy and management. Hershey: Idea Group, 2005.

CYERT, R. M.; MARCH, J. G. A behavioral theory of the firm. New Jersey: Englewood Cliffs, 1963.

CORSINO, M.; GABRIELE, R. Product innovation and firm growth: evidence from the integrated circuit industry. Industrial and Corporate Change, v. 20, p. 29-56, 2010.

DAWID, H. Agent-based models of innovation and technological change. In: JUDD, K.; TESFATSION, L. (Ed.). Handbook of computational economics. v. 2: Agent-based computational economics. Amsterdam: Elsevier/North-Holland, 2005.

DANEELS, E. The dynamics of product innovation and firm competences. Strategic Management Journal, 23, p. 1095-1121, 2002.

DAMANPOUR, F.; GOPALAKRISHNAN, S. The dynamics of the adoption of product and process innovation in organizations. Journal of Management Studies, 38, p. 45-65, 2001.

DOSI, G. Sources, procedures, and microeconomic effects of innovation. Journal of Economic Literature, 26, p. 1120-1171, 1988.

DOSI, G.; PAVITT K.; SOETE, L. The economics of technical change and international trade. New York: New York University Press, 1990.

DOSI, G.; MALERBA, F.; MARSILI, O.; ORSENIGO, L. Industrial structures and dynamics: evidence, interpretations and puzzles. Industrial and Corporate Change, 6, p. 5-24, 1996.

DOUGHERTY, D. Interpretive barriers to successful product innovation in large firms. Organization Science, 3, p. 179-202, 1992.

DWECK, E. Uma análise da interação micro-macro com base em um modelo dinâmico multissetorial de simulação. 2006. Tese (Doutorado)–Instituto de Economia (IE), UFRJ, Rio de Janeiro, 2006.

EISENHARDT, K. M.; TABRIZI, B. N. Accelerating adaptative process: product innovation in the global computer industry. Administrative Science Quartely, 40, p. 84-110, 1995.

GARSON, G. D. Computerized simulation in the social sciences: a survey and evaluation. Simulation and Gaming, 4, p. 267-279, 2009.

KALECKI, M. Theory of economic dynamics. 2 nd ed. London: Allen & Unwin, 1954.

MALERBA, F. Learning by firms and incremental technical change. The Economic Journal, 102, p. 845-859, 1992.

NELSON, R.; WINTER S. An evolutionary theory of economic change. Cambridge: Harvard University, 1982.

NONAKA, I. A dynamic theory of organization knowledge creation. Organization Science, 5, p. 14-37, 1994.

PLEATSIKAS, C.; TEECE D. The analysis of market definition and market power in the context of rapid innovation. International Journal of Industrial Organization, 19, p. 665-693, 2001.

POSSAS, M. L. Dinâmica e ciclo econômico em oligopólio. 1983. Tese (Doutorado)–Instituto de Economia (IE), Unicamp, Campinas, 1983.

POSSAS, M. L.; KOBLITZ, A.; LICHA, A.; OREIRO, J. L.; DWECK, E. Um modelo evolucionário setorial. Revista Brasileira de Economia, 55, p. 333-377, 2001.

SAVIOTTI, P. P. Variety, growth and demand. Journal of Evolutionary Economics, 11, p. 119-142, 2001.

SAVIOTTI, P. P.; PYKA, A. Micro and macro dynamics: industry life cycles, inter-sector coordination and aggregate growth. Journal of Evolutionary Economics, 18, p. 167-182, 2008.

SILVERBERG, G. Technical progress, capital accumulation and effective demand: a self-organization model. In: BATTEN, D.; CASTI, J.; JOHANSSON, B. (Ed.). Economic evolution and structural adjustment. Berlin: Springer-Verlag, 1987.

SILVERBERG, G.; DOSI, G.; ORSENIGO, L. Innovation, diversity and diffusion: a self-organization model. The Economic Journal, 38, p. 1032-1054, 1988.

STORPER, M. Innovation as collective action: conventions, products and technologies. Industrial and Corporate Change, 5, p. 761-790, 1996.

SCHUMPETER, J. Capitalism, socialism and democracy. London: George Allen & Unwin, 1943.

UTTERBACK, J. M. Mastering the dynamics of innovation. Boston: Harvard Business School Press, 1994.

VALENTE, M. Evolutionary economics and computer simulation: a model for the evolution of markets. 1999. PhD in Economics – University of Aalborg, Aalborg, 1999.

VERONA, G.; RAVASI, D. Unbundling dynamic capabilities: an exploratory study of continuous product innovation. Industrial and Corporate Change, 12, p. 557-606, 2003.

Downloads

Publicado

2016-10-27

Como Citar

MELO, T. M.; POSSAS, M. L.; DWECK, E. Um modelo setorial baseado na abordagem kaleckiana da distribuição setorial funcional da renda e na teoria schumpeteriana da concorrência. Economia e Sociedade, Campinas, SP, v. 25, n. 1, p. 109–145, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8647319. Acesso em: 28 jan. 2023.

Edição

Seção

Artigos