Desalinhamento cambial, regimes de acumulação e metas de inflação em um modelo pós-keynesiano de crescimento

Autores

  • José Luis Oreiro Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Laura Díaz Abramo Universidade de Brasília
  • Pedro Garrido da Costa Lima Universidade de Brasília

Palavras-chave:

Crescimento econômico. Distribuição de renda. Regimes de acumulação. Desalinhamento cambial. Metas de inflação.

Resumo

O presente artigo tem por objetivo fazer uma extensão do modelo Oreiro-Araújo, incorporando ao menos três elementos novos, a saber: a determinação da taxa de inflação com base em conflito distributivo entre salários e lucros, a introdução de uma regra de ajuste da taxa real de câmbio e a condução da política monetária em um contexto de metas inflacionárias. No equilíbrio de curto prazo verifica-se que a relação entre crescimento e distribuição, o assim chamado regime de acumulação, depende da relação entre a taxa real de câmbio e o valor ótimo dessa taxa. Quando a taxa real de câmbio está sobrevalorizada, ou seja, abaixo do valor ótimo, o regime de acumulação é profit-led. Quando a taxa real de câmbio se encontra subvalorizada, ou seja, acima do seu valor ótimo, então o regime de acumulação é do tipo wage-led. No equilíbrio de longo prazo verifica-se que um aumento da meta de inflação está associado a uma redução da taxa real de juros e a um aumento da taxa real de câmbio, o que resulta em uma elevação da taxa de acumulação de capital, apesar do aumento da taxa de inflação. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Luis Oreiro, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Possui graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, mestrado em Economia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro e doutorado em Economia da Industria e da Tecnologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Atualmente é Professor Adjunto do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro e pesquisador associado do Centros de Estudos do Novo-Desenvolvimentismo da Fundação Getúlio Vargas de São Paulo. Foi Presidente da Associação Keynesiana Brasileira. Foi professor do departamento de economia da Universidade de Brasilia e da Universidade Federal do Paraná, onde exerceu o cargo de Diretor do Centro de Pesquisas Econômicas (CEPEC), de vice-coordenador do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Econômico e de coordenador do Boletim Economia & Tecnologia, do qual foi o fundador. Tem experiência na área de Economia, com ênfase em Dinâmica Macroeconômica, atuando principalmente nos seguintes temas: acumulação de capital, crescimento econômico, autonomia de política monetária, taxa de juros e dinâmica não linear. Publicou cerca de 100 artigos em revistas científicas no Brasil e no exterior como, por exemplo, o Journal of Post Keynesian Economics, International Review of Applied Economics, Investigacion Economica, Revista Brasileira de Economia, Revista de Economia Política, Economia e Sociedade e Estudos Econômicos. De acordo com a critério REPEC está entre os 10% mais produtivos pesquisadores em economia do Brasil. 

Laura Díaz Abramo, Universidade de Brasília

Possui graduação pela Universidade de Brasília.Mestre em Economia pela Universidade de Brasília e assessora no Ministério da Fazenda.

Pedro Garrido da Costa Lima, Universidade de Brasília

Possui graduação em Economia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, mestrado em Economia pela Universidade Federal Fluminense e doutorado em Economia pela Universidade de Brasília. Atualmente é consultor legislativo - Câmara dos Deputados. Tem experiência na área de Economia, com ênfase em Crescimento e Desenvolvimento Econômico

Referências

ARAUJO, E., GALA, P. Regimes de crescimento econômico no Brasil: evidências empíricas e implicações de política. Estudos Avançados, v. 25, n. 75, 2012.

BASILIO, F.; OREIRO, J. L. Crescimento endógeno, conflito distributivo e política monetária: um modelo pós-keynesiano com fluxos de capitais para uma pequena economia aberta. In: ENCONTRO DE ECONOMIA DA REGIÃO SUL, 11, Cuririba, 2008. Anais…

BHADURI, A.; MARGLIN, S. Unemployment and the real wage: the economic basis for contesting political ideologies. Cambridge Journal of Economics, v. 14, p. 375-393, 1990.

BLANCHARD, O. Macroeconomia. 4. ed. São Paulo: Pearson. 2007.

BLECKER, R. A. International competition, income distribution and economic growth. Cambridge Journal of Economics, v. 32, p. 273-288, 1989.

BLECKER, R. A. Open economy models of distribution and growth. in: HEIN, E., STOCKHAMMER, E. (Ed.). A modern guide to Keynesian macroeconomics and economic policies. Aldesrhot: Edward Elgar, 2010.

BRESSER-PEREIRA, L. C. A taxa de câmbio no centro da teoria do desenvolvimento. EstudosAvançados, v. 26, n. 75, 2012.

EICHENGREEN, B. The real exchange rate and economic growth. Washington, DC: World Bank. Commission on Growth and Development, 2008.

FRENKEL, R. Real exchange rate and employment in Argentina, Brazil, Chile and Mexico. Caba, Argentina: Centro de Estudios de Estado y Sociedad, 2004.

HEIN, E.; VOGEL, L. Distribution and growth reconsidered: empirical results for six OECD countries. Cambridge Journal of Economics, v. 8, n. 1, p. 25-40, 2008.

KALDOR, N. Alternative theories of distribution. Review of Economic Studies, v. 33, p. 83-100, 1956.

McCOMBIE, J. S. L.; ROBERTS, M. The role of the balance of payments in economic growth. In: SETTERFIELD, M. (Org.). The economics of demand led-growth. Aldershot: Edward Elgar, 2002.

MONTIEL, P. Macroeconomics in emerging markets. Cambridge: Cambridge University Press, 2011.

NEVES, A. L.; OREIRO, J. L. Crescimento, distribuição de renda e metas de inflação num modelo macrodinâmico pós-keynesiano. Revista Economia, v. 10, n. 3, 2009.

OREIRO, J. L.; PUNZO; L.; ARAUJO, E. Macroeconomic constraints to growth of Brazilian economy: diagnosis and some policy proposals. Cambridge Journal of Economics, v. 36, p. 919-939, 2012.

OREIRO, J. L.; ARAUJO, E. Exchange rate misalignment, capital accumulation and income distribution: theory and evidence from the case of Brazil. Panoeconomicus, v. 3, Special Issue, p. 381-396, 2013.

RAZIN, O.; COLLINS, S. Real exchange rate misalignments and growth. Cambridge: NBER, 1997. (Working Paper, n. 6147).

RODRIK, D. Real exchange rate and economic growth: theory and evidence. Cambridge, MA: John F. Kennedy School of Government, Harvard University, Draft, Jul. 2008.

THIRLWALL, A. P. The balance of payments constraint as an explanation of international growth rate differences. Banca Nazional e del Lavoro Quarterly Review, n. 128, Mar. 1979.

Downloads

Publicado

2017-02-21

Como Citar

OREIRO, J. L.; ABRAMO, L. D.; LIMA, P. G. da C. Desalinhamento cambial, regimes de acumulação e metas de inflação em um modelo pós-keynesiano de crescimento. Economia e Sociedade, Campinas, SP, v. 25, n. 3, p. 757–775, 2017. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8648339. Acesso em: 28 jan. 2023.

Edição

Seção

Artigos