Políticas de apoio à indústria de petróleo e gás no Brasil: um estudo das ações públicas para o desenvolvimento da cadeia de valor

Autores

  • Ricardo José dos Santos Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
  • Ana Paula Macedo de Avellar Universidade Federal de Uberlândia

Palavras-chave:

Políticas públicas. Política industrial. Estrutura industrial, Cadeia de Fornecedores da IP&G. “Postulado de Coerência”.

Resumo

Em razão do seu caráter estratégico para a economia e para a política, a Indústria de Petróleo e Gás Natural foi protagonista, sobretudo a partir do ano de 1970, de uma intensa atuação do Estado brasileiro. Nesse contexto, o objetivo deste artigo é analisar as políticas de Desenvolvimento da Cadeia de Valor da Indústria de Petróleo e Gás Natural entre os anos de 1999 e 2014, com destaque para os programas Repetro, Política de Conteúdo Local e Programa BNDES P&G. Utiliza-se o método qualitativo do “Postulado de Coerência”, baseado na relação dos componentes, OrganizaçõesMétodos-Propósitos com os elementos específicos de cada política. Assim, o método tem o intuito de auxiliar na avaliação da coerência entre os componentes supracitados e os resultados desejados. Conclui-se que as políticas estudadas apresentam incoerências que impedem o correto desenvolvimento das ações públicas e o alcance dos resultados necessários para o aumento da competitividade das empresas nacionais atuantes nesse setor.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ricardo José dos Santos, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Professor da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, MS, Brasil.

Ana Paula Macedo de Avellar, Universidade Federal de Uberlândia

Professora da Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG, Brasil.

Referências

ANP – Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis. Portaria

ANP, n. 69. In: Coleção de Bolso Agências Reguladoras. São Paulo: Lex Magister, 2012.

ANP – Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis. Anuário estatístico brasileiro do petróleo, gás natural e biocombustíveis: 2013. Rio de Janeiro: ANP, 2014.

ARAÚJO, B. P.; MENDES, A. P. A.; COSTA, R. C. Perspectivas para o desenvolvimento industrial e tecnológico na cadeia de fornecedores de bens e serviços relacionados ao setor de P&G. In: SOUSA, F. L. (Org.). BNDES 60 anos: perspectivas setoriais. Rio de Janeiro: BNDES, 2012. v.1.

BAIN, J. Barries to new competition. Cambridge: Harvard University Press, 1956.

BAIN & COMPANY; TOZZINI FREIRE ADVOGADOS. Estudos de alternativas regulatórias institucionais e financeiras para a exploração e produção de petróleo e gás natural e para o desenvolvimento industrial da cadeia produtiva de petróleo e gás no Brasil. 1. ed. São Paulo: Bain & Company e Tozzini Freire Advogados, 2009.

BAPTISTA, M. A. C. Política industrial: uma interpretação heterodoxa. Tese (Doutorado)–Programa de Pós-Graduação, Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas – Unicamp, Campinas, 2000.

BNDES – Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. Operações contratadas pelo sistema BNDES no âmbito do programa BNDES P&G. Planilha de banco de dados. Rio de Janeiro: BNDES, 2014a.

BNDES – Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. Operações contratadas pelo sistema BNDES na Cadeia da IP&G: 1997-2011. Planilha de banco de dados. Rio de Janeiro: BNDES, 2014b.

BNDES – Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. Missão, visão e valores. Rio de Janeiro: BNDES, 2015. Disponível em: https://wwwh.bndes.gov.br/SiteBNDES/bndes/bndes_pt/Institucional/O_BNDES/A_Empresa/ missao_visao_valores.html. Acesso em: 12 mar. 2015.

CIMOLI, M. et al. Institutions and policies shaping industrial development: an introductory note. In: Industrial policy and development: the political economy of capabilities accumulation. Oxford, United Kingdom: Oxford University Press, 2009.

DE NEGRI, J. A. (Coord.). Poder de compra da Petrobras: impactos econômicos nos seus fornecedores. Brasília: Ipea, 2011.

DE OLIVEIRA, A. (Coord.). Indústria para-petrolífera brasileira: competitividade, desafios e oportunidades. Rio de Janeiro: Prominp, 2008.

DE OLIVEIRA, A.; ROCHA, F. Estudo da competitividade da indústria brasileira de bens e serviços do setor de P&G – conclusões e recomendações de política. Rio de Janeiro: Prominp, 2006.

DUNNING, J. H. The globalization of business: the challenge of the 1990s. London: Routledge, 1993.

FERNÁNDEZ Y FERNÁNDEZ, E. Indústria nacional de bens e serviços nos arranjos produtivos do setor de óleo e gás natural no Brasil. In: GIAMBIAGI, F.; LUCAS, L. P. V. (Org.). Petróleo – reforma e contrarreforma do setor petrolífero brasileiro. Rio de Janeiro: Elsevier, 2013.

FERRAZ, J. C.; DE PAULA, G. M.; KUPFER, D. Política Industrial. In: KUPFER, D.; HASENCLEVER, L. (Org.). Economia industrial: fundamentos teóricos e práticas no Brasil. Rio de Janeiro: Elsevier, 2002.

GILBERT, R. Mobility barriers and the value of incumbency. In: SCHMALENSEE, R.; WILLIG, R. (Ed.). Handbook of industrial organization. Rio de Janeiro: Elsevier, 1989. v. 1.

GIOVANELLA, L. Ideologia e poder no planejamento estratégico em saúde: uma discussão da abordagem de Mário Testa. Dissertação (Mestrado)–Programa de PósGraduação em Saúde Pública, Escola Nacional de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 1989.

GIOVANELLA, L. Planejamento estratégico em saúde: uma discussão da abordagem de Mário Testa. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 6, n. 2, jun. 1990.

GIOVANELLA, L. As origens e as correntes atuais do enfoque estratégico em planejamento de saúde na América Latina. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 7, n. 1, p. 26-44, mar. 1991. Disponível em . Acesso em: 7 nov. 2017.

HITT M., A.; DUANE, I. R.; ROBERT, E. H. Strategic management: competitiveness and globalization. SouthWestern: Thomson, 2005.

MALERBA, F. Sectoral system and innovation and technology policy. Revista Brasileira de Inovação, v. 2, n. 2, 2003.

MOREIRA, M. M.; CORRÊA, P. G. Abertura comercial e indústria: o que se pode esperar e o que se vem obtendo. Revista de Economia Política, São Paulo, v. 17, n. 2 (66), abr./jun. 1997.

NELSON, R. R.; WINTER, S. G. Uma teoria evolucionária da mudança econômica. Campinas: Editora Unicamp, 2005.

OGFJ – Oil and Gas Finacinal Journal. Mergers & Acquisitions Deal Monitor 2015. Disponível em: http://www.ogfj.com/mergers-acquisitions/deal-monitor.html. Acesso em: 15 jan. 2015.

PENROSE, E. T. A teoria do crescimento da firma. Campinas: Editora Unicamp, 2006.

PITTA, A. M. R. Comunicação, promoção da saúde e democracia: políticas e estratégias de comunicação no Sistema Único de Saúde no Brasil. Tese (Doutorado)–Escola de Comunicação. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2001.

RAPPEL, E. Oportunidades e desafios do parque nacional de fornecedores de bens e serviços para o setor de petróleo e gás. In: PIQUET, Rosélia (Org.). Petróleo, royalties e região. Rio de Janeiro: Garamond Universitária, 2003.

RAPPEL, E. Tendências do setor de petróleo e gás no Brasil: oportunidades e desafios para os fornecedores de bens e serviços. In: PIQUET, Rosélia; SERRA, Rodrigo (Org.). Petróleo e região no Brasil: o desafio da abundância. Rio de Janeiro: Garamond Universitária, 2007.

RECEITA FEDERAL. Regimes aduaneiros especiais/Repetro. Brasília: Secretaria da Receita Federal do Brasil, Ministério da Fazenda, 2014. Disponível em: http://idg.receita.fazenda.gov.br/orientacao/aduaneira/manuais/repetro/topicos. Acesso em: 2 jan. 2015.

RECEITA FEDERAL. Competências da Receita Federal. Brasília: Secretaria da Receita Federal do Brasil, Ministério da Fazenda, 2015. Disponível em: http://idg.receita.fazenda.gov.br/sobre/institucional/competencias-1. Acesso em: 10 mar. 2015.

ROSENBERG, N. Por dentro da caixa-preta: tecnologia e economia. Campinas: Editora da Unicamp, 2006.

STEINDL, J. Maturidade e estagnação no capitalismo americano: com uma nova introdução do autor. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

TEECE, D.; PISANO, G. The dynamic capabilities of firms: an introduction. Industrial and corporate change, v. 3, n. 3, p. 537-556, 1994.

TESTA, M. Estrategia, coherencia y poder en las propuestas de salud. Cuadernos Médico-Sociales. Rosario, n. 38 (1ª parte); n. 39 (2ª parte), 1987.

TESTA, M. Pensamiento estrategico, lógica de programación, estrategia y programación. Buenos Aires [s.n.] 1986. Mimeografado.

TESTA, M. Pensar em saúde. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992.

TIGRE, P. Inovação e teorias da firma em três paradigmas. Revista de Economia Contemporânea, n. 3, 1998.

URIBE-RIVERA, F. J. Agir comunicativo e planejamento social: uma crítica ao enfoque estratégico. Rio de Janeiro: Fiocruz, 1995.

ZYLBERSZTAJN, D.; AGEL, S. A reforma do setor de petróleo de 1997: racionalidade, concepção e implantação. In: GIAMBIAGI, F.; LUCAS, L. P. V. (Org.). Petróleo – reforma e contrarreforma do setor petrolífero brasileiro. Rio de Janeiro: Elsevier, 2013.

Downloads

Publicado

2018-04-02

Como Citar

SANTOS, R. J. dos; AVELLAR, A. P. M. de. Políticas de apoio à indústria de petróleo e gás no Brasil: um estudo das ações públicas para o desenvolvimento da cadeia de valor. Economia e Sociedade, Campinas, SP, v. 26, n. 3, p. 721–750, 2018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8652129. Acesso em: 3 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)