Banner Portal
Prebisch-Cepal: revisitando o “Manifesto de Havana”
PDF

Palavras-chave

Desenvolvimento econômico. América Latina. Raul Prebisch. Cepal. Manifesto de Havana.

Como Citar

AMARAL FILHO, Jair do. Prebisch-Cepal: revisitando o “Manifesto de Havana”. Economia e Sociedade, Campinas, SP, v. 27, n. 1, p. 29–59, 2018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8652539. Acesso em: 18 jun. 2024.

Resumo

O retorno às teses seminais da Cepal tornou-se um exercício quase obrigatório para aqueles que se propõem estudar e compreender os problemas atuais da América Latina. O propósito deste texto é fazer um retorno reflexivo aos primórdios da teoria do desenvolvimento econômico da Cepal, tomando como referência o trabalho escrito por Raúl Prebisch Introdução ao Estudo Econômico da América Latina em 1949, ou, como ficou conhecido, o “Manifesto latino-americano”, ou simplesmente, “Manifesto de Havana”. O objetivo específico do trabalho é o de procurar identificar e recuperar a estrutura, as linhas de ideias e teses centrais contidas no Manifesto, considerado a pedra angular da criação da Comissão Econômica para a América Latina-Cepal. O presente texto está dividido em duas partes, além da introdução e conclusão. A primeira aborda o aspecto da força motriz do Manifesto e a segunda parte procura salientar quatro teses, ou linhas de ideias, privilegiadas por Prebisch no citado documento.
PDF

Referências

AGARWALA, A. N.; SINGH, S. P., A economia do subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Contratponto/Centro Internacional Celso Furtado, 2010.

AGHION, P.; PATRICK, B. A theory of trickle-down growth and development. Review of Economics Studies (The Review of Economic Studies Ltda.), v. 64, n. 2, p. 151-172, Apr. 1997.

BIELSCHOWSKY, R. (Org.). Cinquenta anos de pensamento na Cepal. Rio de Janeiro-São Paulo: Editora Record, 2000. v. I e II.

BRESSER-PEREIRA, L. C. Do ISEB e da Cepal à teoria da denpendência. In: TOLEDO, Caio Navarro de (Org.). Intelectuais e política no Brasil. A experiência do Iseb. São Paulo: Editora Revan, 2005. p. 201-232.

CARDOSO, F. H.; FALETTO, E. Dependencia y desarrollo en América Latina: ensaio de interpretación sociologica. Mexico: Siglo XXI, 1969.

CALDENTEY, E. P.; VERNENG, M. ?Una pareja dispareja ? Prebisch, Keynes ya la dinâmica capitalista. Estudios Críticos del Desarrollo, v. 2, n. 3, p. 158-193, 2012.

CEPAL. Tribute to Raúl Prebisch. Cepal Review, Santiago, Chile, n. 75, 2001.

COLISTETE, R. P. O desenvolvimento cepalino: problemas teóricos e influências no Brasil”. In: SZMRECSÁNYI, Tamás; COELHO, Francisco da Silva (Org.). Ensaios de história do pensamento econômico no Brasil contemporâneo. São Paulo: Atlas, 2007.

DOSMAN, E. J. Raúl Prebisch (1901-1986): a construção da América Latina e do Terceiro Mundo. Rio de Janeiro: Ed. Contraponto-Centro Internacional Celso Furtado, 2011.

EVANS, P. Autonomia e parceria: Estados e transformação industrial. Rio de Janeiro: UFRJ, 2004.

EVANS, P.; RUESCHEMEYER, D.; SKOCPOL, T. Bringing the state back. Cambridge: Cambridge University Press, 1985.

FURTADO, C. Obra autobiográfica: fantasia organizada, a fantasia desfeita, os ares do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

GURRIERI, A. La obra de Prebisch en la Cepal. Mexico: Fondo de Cultura Económica, 1982. v. 1-2.

HECKSCHER, E. The effect of foreign trade on the distribution of income”. In: BERTIL, Ohlin; HECKSCHER, Eli. Heckscher-Ohlin trade theory. Cambridge: The MIT Press, 1991.

HIRSCHMAN, A. O. (1958). The strategy of economic development. Yale University Press, 1965.

GUDIN, Eugênio; SIMONSEN, Roberto C. A controvérsia do planejamento na economia brasileira. 2. ed. Rio de Janeiro: Ipea-Inpes, 1978.

IANONI, M. Autonomia do Estado e desenvolvimento no capitalismo democrático”. Revista de Economia Política, São Paulo, v. 33, n. 4, out./dez. 2013.

JACQUEMOT, P.; RAFFIMOT, M. Accumulation et développement (dix études sur les economies du Tiers-Monde). Paris: Ed. L’Harmatan, 1985.

KEYNES, J. M. Teoria geral do emprego, do juro e do dinheiro: inflação e deflação. São Paulo: Abril Cultural, 1983. (Coleção Os Economistas).

KEYNES, J. M. As consequências econômicas da paz. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2002.

KEYNES, M. Ensaios sobre John Maynard Keynes. São Paulo: Ed. Paz e Terra, 1977.

LABINI, S. P. Oligopólio e progresso técnico. São Paulo: Ed. Abril Cultural, 1984. (Coleção Os Economistas).

LIST, G.F. Sistema nacional de economia política. São Paulo: Abril Cultural, 1983. (Coleção Os Economistas).

LOVE, J. L. Ideias e ideologias econômicas na América Latina, c.1930-c.1990”. In: BETHELL, Leslie (Org.). A América Latina após 1930: idéias, cultura e sociedade. História da América Latina. São Paulo: Edusp, 2011. v. 3.

MEADE, J. A revolução keynesiana. In: KEYNES, Milo (Org.). Ensaios sobre John Maynard Keynes. São Paulo: Ed. Paz e Terra, 1977. p. 53-60.

MIGLIOLI, J. Acumulação de capital e demanda efetiva. São Paulo, T. A. Queiroz (Ed.), 1981.

MEEK, R. L. Economia & ideologia: o desenvolvimento do pensamento econômico. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1971.

NURKSE, R. Alguns aspetos internacionais do desenvolvimento econômico”. In: AGARWALA, A. N.; SINGH, S. P. (Org.). A economia do subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Ed. Contraponto-Centro Internacional Celso Furtado, 2010.

OHLIN, B. Interregional and international trade. Cambridge: Harvard University Press, 1933.

POLLOCK, D.; KERMER, D.; LOVE, J. L. Raúl Prebisch on Ecla’s, achievements and deficiencies: an unpublisched interview. Cepal Review, Santiago, Chile, n. 75, 2001. (Tribute to Raúl Prebisch).

PREBISCH, R. O desenvolvimento econômico da América Latina e alguns de seus problemas princiapais. In: BIELSCHOWSKY, Ricardo (Org.). Cinquenta anos de pensamento na Cepal. Rio de Janeiro, São Paulo: Record-Cofecon-Cepal, 2000. v. 1.

PREBISCH, R. Cinco etapas de mi pensamiento sobre el desarrollo. Comercio Exterior, México, v. 37, n. 5, p. 345-352, mayo 1987.

PREBISCH, R. Introducción a Keynes. Mexico: Fondo de Cultura Economica, 1956.

RODRIGUEZ, O. O estruturalismo latino-americano. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira-Cepal, 2009.

ROSENSTEIN-RODAN, P. N. Problemas de industrialização da Europa do Leste e do Sudeste. In: AGARWALA, A. N.; SINGH, S. P. (Ed). A economia do subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Contraponto/Centro Internacional Celso Furtado, 2010.

SALAMA, P.; MATHIAS, G. L’État surdéveloppé: des metropoles au tiers-monde. Ed. Paris: Découverte/Maspero, 1983.

SAMUELSON, P. International trade and equalization once again. The Economic Journal, v. 59, n. 234, p. 181-187, Jun. 1949.

SAMUELSON, P. International trade and the equalisation of factor prices. The Economic Journal, v. 58, n. 230, p. 163-184, Jun. 1948.

SAY, J. B. Cours d’économie politique et autres essais. Paris: Ed. GF-Flammarion, 1996.

SAY, J. B. Tratado de economia política. São Paulo: Abril Cultural, 1983. (Coleção Os Economistas).

SINGER, H. The distribution of gains between borrowing and investing countries. American Economic Review Papers and Proceeding, v. 40, p. 473-485, 1950.

SCHUMPETER, J. A. A teoria do desenvolvimento econômico. São Paulo, Abril Cultural, 1982. (Coleção Os Economistas).

SOITOVSKY, T. Croissance balancé ou non balance. Economie Appliquée, Paris, v. 12, p. 7-22, 1954.

VINER, J. International trade and economic development. Oxford: Oxford University, 1952.

A Economia e Sociedade utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.