Prebisch-Cepal: revisitando o “Manifesto de Havana”

  • Jair do Amaral Filho Universidade Federal do Ceará
Palavras-chave: Desenvolvimento econômico. América Latina. Raul Prebisch. Cepal. Manifesto de Havana.

Resumo

O retorno às teses seminais da Cepal tornou-se um exercício quase obrigatório para aqueles que se propõem estudar e compreender os problemas atuais da América Latina. O propósito deste texto é fazer um retorno reflexivo aos primórdios da teoria do desenvolvimento econômico da Cepal, tomando como referência o trabalho escrito por Raúl Prebisch Introdução ao Estudo Econômico da América Latina em 1949, ou, como ficou conhecido, o “Manifesto latino-americano”, ou simplesmente, “Manifesto de Havana”. O objetivo específico do trabalho é o de procurar identificar e recuperar a estrutura, as linhas de ideias e teses centrais contidas no Manifesto, considerado a pedra angular da criação da Comissão Econômica para a América Latina-Cepal. O presente texto está dividido em duas partes, além da introdução e conclusão. A primeira aborda o aspecto da força motriz do Manifesto e a segunda parte procura salientar quatro teses, ou linhas de ideias, privilegiadas por Prebisch no citado documento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jair do Amaral Filho, Universidade Federal do Ceará
Professor Titular do Departamento de Teoria Econômica-DTE / Professor e Pesquisador do Curso de Pós-Graduação em Economia-CAEN, ambos da Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE, Brasil.

Referências

AGARWALA, A. N.; SINGH, S. P., A economia do subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Contratponto/Centro Internacional Celso Furtado, 2010.

AGHION, P.; PATRICK, B. A theory of trickle-down growth and development. Review of Economics Studies (The Review of Economic Studies Ltda.), v. 64, n. 2, p. 151-172, Apr. 1997.

BIELSCHOWSKY, R. (Org.). Cinquenta anos de pensamento na Cepal. Rio de Janeiro-São Paulo: Editora Record, 2000. v. I e II.

BRESSER-PEREIRA, L. C. Do ISEB e da Cepal à teoria da denpendência. In: TOLEDO, Caio Navarro de (Org.). Intelectuais e política no Brasil. A experiência do Iseb. São Paulo: Editora Revan, 2005. p. 201-232.

CARDOSO, F. H.; FALETTO, E. Dependencia y desarrollo en América Latina: ensaio de interpretación sociologica. Mexico: Siglo XXI, 1969.

CALDENTEY, E. P.; VERNENG, M. ?Una pareja dispareja ? Prebisch, Keynes ya la dinâmica capitalista. Estudios Críticos del Desarrollo, v. 2, n. 3, p. 158-193, 2012.

CEPAL. Tribute to Raúl Prebisch. Cepal Review, Santiago, Chile, n. 75, 2001.

COLISTETE, R. P. O desenvolvimento cepalino: problemas teóricos e influências no Brasil”. In: SZMRECSÁNYI, Tamás; COELHO, Francisco da Silva (Org.). Ensaios de história do pensamento econômico no Brasil contemporâneo. São Paulo: Atlas, 2007.

DOSMAN, E. J. Raúl Prebisch (1901-1986): a construção da América Latina e do Terceiro Mundo. Rio de Janeiro: Ed. Contraponto-Centro Internacional Celso Furtado, 2011.

EVANS, P. Autonomia e parceria: Estados e transformação industrial. Rio de Janeiro: UFRJ, 2004.

EVANS, P.; RUESCHEMEYER, D.; SKOCPOL, T. Bringing the state back. Cambridge: Cambridge University Press, 1985.

FURTADO, C. Obra autobiográfica: fantasia organizada, a fantasia desfeita, os ares do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

GURRIERI, A. La obra de Prebisch en la Cepal. Mexico: Fondo de Cultura Económica, 1982. v. 1-2.

HECKSCHER, E. The effect of foreign trade on the distribution of income”. In: BERTIL, Ohlin; HECKSCHER, Eli. Heckscher-Ohlin trade theory. Cambridge: The MIT Press, 1991.

HIRSCHMAN, A. O. (1958). The strategy of economic development. Yale University Press, 1965.

GUDIN, Eugênio; SIMONSEN, Roberto C. A controvérsia do planejamento na economia brasileira. 2. ed. Rio de Janeiro: Ipea-Inpes, 1978.

IANONI, M. Autonomia do Estado e desenvolvimento no capitalismo democrático”. Revista de Economia Política, São Paulo, v. 33, n. 4, out./dez. 2013.

JACQUEMOT, P.; RAFFIMOT, M. Accumulation et développement (dix études sur les economies du Tiers-Monde). Paris: Ed. L’Harmatan, 1985.

KEYNES, J. M. Teoria geral do emprego, do juro e do dinheiro: inflação e deflação. São Paulo: Abril Cultural, 1983. (Coleção Os Economistas).

KEYNES, J. M. As consequências econômicas da paz. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2002.

KEYNES, M. Ensaios sobre John Maynard Keynes. São Paulo: Ed. Paz e Terra, 1977.

LABINI, S. P. Oligopólio e progresso técnico. São Paulo: Ed. Abril Cultural, 1984. (Coleção Os Economistas).

LIST, G.F. Sistema nacional de economia política. São Paulo: Abril Cultural, 1983. (Coleção Os Economistas).

LOVE, J. L. Ideias e ideologias econômicas na América Latina, c.1930-c.1990”. In: BETHELL, Leslie (Org.). A América Latina após 1930: idéias, cultura e sociedade. História da América Latina. São Paulo: Edusp, 2011. v. 3.

MEADE, J. A revolução keynesiana. In: KEYNES, Milo (Org.). Ensaios sobre John Maynard Keynes. São Paulo: Ed. Paz e Terra, 1977. p. 53-60.

MIGLIOLI, J. Acumulação de capital e demanda efetiva. São Paulo, T. A. Queiroz (Ed.), 1981.

MEEK, R. L. Economia & ideologia: o desenvolvimento do pensamento econômico. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1971.

NURKSE, R. Alguns aspetos internacionais do desenvolvimento econômico”. In: AGARWALA, A. N.; SINGH, S. P. (Org.). A economia do subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Ed. Contraponto-Centro Internacional Celso Furtado, 2010.

OHLIN, B. Interregional and international trade. Cambridge: Harvard University Press, 1933.

POLLOCK, D.; KERMER, D.; LOVE, J. L. Raúl Prebisch on Ecla’s, achievements and deficiencies: an unpublisched interview. Cepal Review, Santiago, Chile, n. 75, 2001. (Tribute to Raúl Prebisch).

PREBISCH, R. O desenvolvimento econômico da América Latina e alguns de seus problemas princiapais. In: BIELSCHOWSKY, Ricardo (Org.). Cinquenta anos de pensamento na Cepal. Rio de Janeiro, São Paulo: Record-Cofecon-Cepal, 2000. v. 1.

PREBISCH, R. Cinco etapas de mi pensamiento sobre el desarrollo. Comercio Exterior, México, v. 37, n. 5, p. 345-352, mayo 1987.

PREBISCH, R. Introducción a Keynes. Mexico: Fondo de Cultura Economica, 1956.

RODRIGUEZ, O. O estruturalismo latino-americano. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira-Cepal, 2009.

ROSENSTEIN-RODAN, P. N. Problemas de industrialização da Europa do Leste e do Sudeste. In: AGARWALA, A. N.; SINGH, S. P. (Ed). A economia do subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Contraponto/Centro Internacional Celso Furtado, 2010.

SALAMA, P.; MATHIAS, G. L’État surdéveloppé: des metropoles au tiers-monde. Ed. Paris: Découverte/Maspero, 1983.

SAMUELSON, P. International trade and equalization once again. The Economic Journal, v. 59, n. 234, p. 181-187, Jun. 1949.

SAMUELSON, P. International trade and the equalisation of factor prices. The Economic Journal, v. 58, n. 230, p. 163-184, Jun. 1948.

SAY, J. B. Cours d’économie politique et autres essais. Paris: Ed. GF-Flammarion, 1996.

SAY, J. B. Tratado de economia política. São Paulo: Abril Cultural, 1983. (Coleção Os Economistas).

SINGER, H. The distribution of gains between borrowing and investing countries. American Economic Review Papers and Proceeding, v. 40, p. 473-485, 1950.

SCHUMPETER, J. A. A teoria do desenvolvimento econômico. São Paulo, Abril Cultural, 1982. (Coleção Os Economistas).

SOITOVSKY, T. Croissance balancé ou non balance. Economie Appliquée, Paris, v. 12, p. 7-22, 1954.

VINER, J. International trade and economic development. Oxford: Oxford University, 1952.

Publicado
2018-05-25
Como Citar
Amaral Filho, J. do. (2018). Prebisch-Cepal: revisitando o “Manifesto de Havana”. Economia E Sociedade, 27(1), 29-59. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8652539
Seção
Artigos