formação do Grupo Votorantim: as origens de um grupo econômico brasileiro no setor têxtil de São Paulo (1891-1929)

  • Gustavo Pereira da Silva Universidade Federal de São Carlos
  • Armando João Dalla Costa Universidade Federal do Paraná
Palavras-chave: Votorantim. Banco União. Pereira Ignácio, 1875-1951. Têxtil. Grupo econômico.

Resumo

As origens dos maiores grupos econômicos brasileiros permanecem como lacunas na historiografia econômica. A Votorantim, oitavo maior grupo brasileiro em 2007, teve origem em 1891, quando o banco União de São Paulo criou na cidade de Sorocaba (SP) a Fábrica Têxtil Votorantim. Analisando fontes primárias (escritura, balanços patrimoniais, demonstrações de lucros e perdas, relatórios de diretoria), vemos que a Fábrica Votorantim estava entre as maiores têxteis algodoeiras paulistas em 1918, quando o Banco União faliu e seu espólio foi adquirido por Antonio Pereira Ignácio. Em 1919, Pereira Ignácio formaria o Grupo Votorantim (Sociedade Anônima Fábrica Votorantim), com atuação no setor têxtil, exploração de cal, cimento, imobiliário, além da ferrovia particular. As empresas do Grupo, após uma modernização no início dos anos 1920, aumentariam sua produtividade, destacando-se a Fábrica Votorantim, que se tornou a maior firma têxtil algodoeira de São Paulo em 1925.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gustavo Pereira da Silva, Universidade Federal de São Carlos

Professor no Departamento de Economia e no Programa de Pós-Graduação em Economia da Universidade Federal de São Carlos (Ufscar). São Carlos, SP, Brasil

Armando João Dalla Costa, Universidade Federal do Paraná

Professor no Departamento de Economia e no Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Econômico da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba, PR, Brasil. 

Referências

ABREU, M. P. (Org.). A ordem do progresso: cem anos de política econômica republicana, 1889-1989. Rio de Janeiro: Campus, 1989.

ALBUQUERQUE, R. H. P. L. Capital comercial, indústria têxtil e produção agrícola: as relações de produção na cotonicultura paulista, 1920-1950. São Paulo: Hucitec, 1982.

ALDRIGHI, D. M.; POSTALI, F. A. S. Business groups in Brazil. In: COLPAN, A. M.; HIKINO, T.; LINCOLN, J. R. The Oxford Handbook of business groups. Oxford: Oxford University Press, 2010.

AURELIANO, L. No limiar da industrialização. Campinas, SP: Unicamp/IE, 1999.

BERTOLA, L.; OCAMPO, J. The economic development of Latin America since the Independence. Oxford: Oxford University Press, 2012.

BAER, W. A. Industrialização e o desenvolvimento econômico no Brasil. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1975.

BIONDI, L. A greve geral de 1917 em São Paulo e a imigração italiana: novas perspectivas. Cad. AEL, v. 15, n. 27, 2009.

BONELLI, R. As estratégias dos grandes grupos industriais brasileiros nos anos 90. Brasília: Ipea, jul. 1998. (Texto para Discussão, n. 569).

BRASIL. Ministerio do Trabalho, Indústria e Comércio. Indústria têxtil algodoeira. São Paulo: Cruzeiro, 1946.

CANO, W. Raízes da concentração industrial em São Paulo. T. A. Queiroz, 1981.

CARONE, E. A evolução industrial de São Paulo (1889-1930). São Paulo: Editora Senac, 2001.

CHANDLER, A. D. Alfred Chandler: ensaios para uma teoria histórica da grande empresa. Thomas K. Mc Craw (Org.). Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1998.

CALDEIRA, J. Votorantim 90 anos: uma história de trabalho e superação. São Paulo, SP: Mameluco, 2007.

COLPAN, A. M.; HIKINO, T. Foundations of business groups: towards an integrated framework. In: COLPAN, A. M.; HIKINO, T.; LINCOLN, J. R. The Oxford Handbook of business groups. Oxford: Oxford University Press, 2010.

DEAN, W. A Industrialização de São Paulo. São Paulo: Difel, 1971.

DELFIM NETTO, A. O problema do café no Brasil. Rio de Janeiro: Campinas, SP: Facamp/ Editora da UNESP, 2009.

DESSOTTI, I. C. C. Trajetória da luta operária em Sorocaba: a greve de 1917. Histórica (Revista Eletrônica do Apesp), 2006.

FAUSTO, B. Expansão do café política cafeeira. In: FAUSTO, B. História Geral da Civilização Brasileira. Tomo III (4v.). O Brasil Republicano, 1º volume: Estrutura de Poder e Economia (1889-1930). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.

FERREIRA, M. M.; GOMES, A. C. Industrialização e classe trabalhadora no Rio de Janeiro: novas perspectivas de análise. Rio de Janeiro: CPDOC, 1988.

FRANCO, G. H. B.; LAGO, L. A. C. O processo econômico. In: SCHWARCZ, L. M. A abertura para o mundo: 1889-1930. Rio de Janeiro: Objetiva, 2012.

GONÇALVES, R. Grupos econômicos: uma análise conceitual e teórica. Revista Brasileira de Economia, Rio de Janeiro, v. 45, n. 4, p. 491-518, out./dez. 1991.

GONÇALVES, R. Capital financeiro, bancário e industrial no Brasil. Economia e Sociedade, Campinas, SP, n. 13, p. 179-189, dez. 1999.

GRANOVETTER, M. Business groups and social organization. In: SMELSER, N. J.; SWEDBERG, R. The handbook of economic sociology. Oxfordshire: Princeton University Press, Princeton, 2005.

HABER, S. Industrial concentration and the capital markets: a comparative study of Brazil, Mexico, and the United States, 1830-1930. The Journal of Economic History, v. 51, n. 3, p. 559-580, 1991.

HABER, S. Business enterprise and the great depression in Brazil: a study of profits and losses in textile manufacturing. Business History Review, n. 66, p. 335-363, Summer 1992.

HANLEY, A. G. Native capital: financial institutions and economic development in Sao Paulo, Brazil, 1850-1920. Stanford, Calif.: Stanford University, 2005.

HOBSON, J. A. A evolução do capitalismo moderno. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

IPEADATA. Taxa de câmbio média mensal da libra esterlina (réis por pence) na praça do Rio de Janeiro (RJ). Recuperado de: http://www.ipeadata.gov.br.

KHANNA, T.; YAFEH, Y. Business groups in emerging markets: paragons or parasites? Journal of Economic Literature, v. XLV, p. 331-372, jun. 2007.

KING, R. B. La industria textil fabril em México, 1900-1910. In: BOLIO, M. T. e

VALDEZ, J. M. C. Formación empresarial, fomento industrial y compañías agrícolas en el México del siglo XIX. México: Ciesas, 2003.

LAMARÃO, S. T. N. A energia elétrica e o parque industrial carioca (1808-1920). Simpósio internacional Globalización, innovación y onstrucción de redes técnicas urbanas em América y Europa, 1890-1930. Universidade de Barcelona, Faculdade de Geografia e História, 23-26 de janeiro de 2012.

LEFF, N. H. El espíritu de empresa y la organización industrial en los países menos desarrolalados: los grupos. El Trimestre Económico, v. XLI, n. 3, jul./sept. 1974.

LEVY, Maria Bárbara. A indústria do Rio de Janeiro através de suas sociedades anônimas. Rio de Janeiro: Editora UFRJ; Secretaria Municipal de Cultura do Rio de Janeiro, 1994.

LLOYD, R. et. al. Impressões do Brazil no século vinte. London: Lloyd's Greater Britain Publishing Company, 1913.

LOUREIRO, F. P. Nos fios de uma trama esquecida: a indústria têxtil paulista nas décadas pós-Depressão (1929-1950). São Paulo, 2007. Dissertação (Mestrado)– Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.

MARCONDES, R. L.; HANLEY, A. G. Bancos na transição republicana em São Paulo: o financiamento hipotecário (1888-1901). Estud. Econ., São Paulo, v. 40, n. 1, mar. 2010.

MARCONDES, R. L. Crédito privado antes da grande depressão do século XX: o mercado hipotecário. Estud. Econ. [online], v. 44, n. 4, p. 749-786, 2014.

MARCOVITCH, J. Pioneiros & Empreendedores: a saga do desenvolvimento no Brasil. São Paulo: Edusp, 2009. v. 2.

MELLO, J. M. C. O capitalismo tardio. Contribuição à revisão crítica da formação e do desenvolvimento da economia brasileira. Campinas: Unicamp/IE, 2009.

MELO, H. P. de. O café e a economia fluminense: 1889/1920. SILVA, Sérgio; SZMERECSÁNY, Támas (Org). História econômica da Primeira República. São Paulo: Hucitec, 2002.

MITCHELL, B. R. International historical statistics: Europe, 1750-2005. 6th ed. Houndmills, Basingstoke, Hampshire; New York, NY: Palgrave Macmillan, 2007.

NEGRI, B. Concentração e desconcentração industrial em São Paulo (1880-1990). Campinas: Unicamp, 1996.

PASTORE, J. Antonio Ermírio de Moraes: memórias de um diário confidencial. São Paulo: Planeta, 2013.

PENROSE, E. A teoria do crescimento da firma. Campinas, SP, Edunicamp, 2006.

RIBEIRO, M. A. R. Condições de trabalho na indústria têxtil paulista (1870- 1930). São Paulo, SP: Hucitec: Editora da Unicamp, 1988.

ROCK, D. A Argentina de 1914 a 1930. In: BETHELL, L. História da América Latina: de 1870 a 1930. São Paulo: Edusp, 2008. v. V.

SAES, F. A. M. Crédito e bancos no desenvolvimento da economia paulista, 1850- 1930. São Paulo: IPE/USP, 1986.

SANTOS, L. B. Reestruturação, internacionalização e novos territórios de acumulação do Grupo Votorantim. Dissertação (Mestrado)– FCT/Unesp, Presidente Prudente, SP, 2008.

SCANTIMBURGO, J. José Ermírio de Moraes: o homem, a obra. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1975.

SILVA, S. Expansão cafeeira e origens da indústria no Brasil. São Paulo: Alfa-Ômega, 1995.

SILVA, G. P. Uma dinastia do capital nacional: a formação da riqueza dos Lacerda Franco e a diversificação na economia cafeeira paulista (1803-1897). Tese (Doutorado), Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Economia, Campinas, SP, 2011.

STEIN, S. J. Origens e evolução da indústria têxtil no Brasil, 1850-1950. Rio de Janeiro: Campus, 1979.

SUZIGAN, W. Indústria brasileira: origem e desenvolvimento. São Paulo: Ed. Hucitec/ Ed. Unicamp, 2000.

TANNURI, L. A. O encilhamento. São Paulo: Hucitec, 1981.

VALDALISO, J. M. Grupos empresariales, marco institucional y desarrollo económico en España en el siglo XX: los negócios de la Família Aznar (c. 1937-c. 1983). Revista de Historia Económica, v. 20, n. 3, p. 577-624, 2002.

VERSIANI, F. R.; VERSIANI, M. T. A industrialização brasileira antes de 1930: uma contribuição. In: VERSIANI, F. R.; BARROS, J. R. M. (Org.). Formação econômica do Brasil. São Paulo, 1977.

VERSIANI, F. R. Industrialização: a década de 20 e a depressão. Pesquisa e Planejamento Econômico, v. 14, abr. 1984.

VILLELA, A. V.; SUZIGAN, W. Política do governo e crescimento da economia brasileira, 1889-1945. Rio de Janeiro: Ipra/Inpes, 1973.

Publicado
2018-05-25
Como Citar
Silva, G. P. da, & Costa, A. J. D. (2018). formação do Grupo Votorantim: as origens de um grupo econômico brasileiro no setor têxtil de São Paulo (1891-1929). Economia E Sociedade, 27(1), 321-354. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8652550
Seção
Artigos