Furtado e seus críticos

da estagnação à retomada do crescimento econômico

Autores

Palavras-chave:

Celso Furtado, 1920-2004, Modelo de estagnação, Relação capital/produto.

Resumo

O artigo discute o ‘modelo de estagnação’, desenvolvido por Furtado em 1965 e 1966, e comenta a crítica de Tavares e Serra à formulação de Furtado, de ‘Além da Estagnação’ (1971). Procura discutir em que medida os textos de Furtado da primeira metade dos anos 1970 teriam representado uma meia-volta, no sentido de abandono dos pressupostos analíticos do modelo estagnacionista. Conclui que os impasses do modelo de estagnação de Furtado são inúmeros e bem diversos daqueles arguidos por Tavares e Serra.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mauricio C. Coutinho, Universidade Estadual de Campinas

Professor do Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas (IE/Unicamp), Campinas, SP, Brasil.

Referências

ADELMAN, J. Wordly philosopher - The odyssey of Albert O. Hirschman. Princeton: Princeton UniversityPress, 2013.

BIANCHI, A. et al. América Latina: ensayos de interpretacióneconómica. Santiago, Editorial Universitaria, 1969.

BIANCONI, R. Estagnação latino-americana e estratégia brasileira de desenvolvimento: análises do início do exílio de Celso Furtado. In: ENCONTRO DA ABPHE, Vitória, 2015. Anais...

BOIANOVSKY, M. A formação política do Brasil segundo Furtado. Revista de Economia Política, v. 34, n. 2, 2014.

BUGELLI, A. H.; PIRES, J. M. Uma revisão da teoria da estagnação de Celso Furtado e a crise econômica dos anos 1960. Cadernos do Desenvolvimento, ano 6, n. 9, 2011.

CEPAL. Introdução à técnica de planejamento. In: BIELSCHOWSKY, R. Cinqüenta anos de pensamento na Cepal. Rio de Janeiro: Record, 2000.

CEPÊDA, V. A. O pensamento político de Celso Furtado: desenvolvimento e democracia. In: BRESSER-PEREIRA, L. C.; REGO, J. M. (Org.). A grande esperança em Celso Furtado. São Paulo: Editora 34, 2001.

COUTINHO, M. Celso Furtado e a crítica da teoria econômica. In: SABÓIA, João; CARDIM DE CARVALHO, Fernando J. (Org.). Celso Furtado e o século XXI. Barueri: Manole, 2007.

COUTINHO, M. Subdesenvolvimento e estagnação na América Latina, de Celso Furtado. Campinas, 2015. Mimeo.

FURTADO, C. A economia brasileira. Rio de Janeiro: Ed. A Noite, 1954.

FURTADO, C. Perspectivas da economia brasileira. Rio de Janeiro: Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento, [1958] 2012.

FURTADO, C. Formação econômica do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, [1959] 2009.

FURTADO, C. Desenvolvimento e subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1961.

FURTADO, C. Political obstacles to economic growth in Brazil. International Affairs, London, v. 41, 1965a.

FURTADO, C. Development and stagnation in Latin America: a structuralist approach. Yale University Economic Growth Center, Yale, v. 1, n. 11, 1965b.

FURTADO, C. Subdesenvolvimento e estagnação na América Latina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1966a.

FURTADO, C. Subdesarrollo y estagnación em América Latina. Desarrollo Económico, Buenos Aires, v. 6, n. 22-23, jul./dic. 1966b.

FURTADO, C. Teoria e política do desenvolvimento econômico. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1967.

FURTADO, C. Análise do modelo brasileiro. São Paulo: Civilização Brasileira, 1972.

FURTADO, C. A hegemonia dos Estados Unidos e o subdesenvolvimento da América Latina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1973.

FURTADO, C. O mito do desenvolvimento econômico. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1974.

FURTADO, C. Prefácio a nova economia política. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976.

FURTADO, C. Criatividade e dependência na civilização industrial. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

FURTADO, C. A fantasia organizada. São Paulo: Paz e Terra, 1985.

FURTADO, C. A fantasia desfeita. São Paulo: Paz e Terra,1989.

FURTADO, C. Os ares do mundo. São Paulo: Paz e Terra, 1991.

FURTADO, C.; MANESCHI, A. Um modelo simulado de desenvolvimento e estagnaçao na América Latina. Revista Brasileira de Economia, Rio de Janeiro, FGV, v. 22, n. 2, 1968.

LEWIS, W.A. O desenvolvimento econômico com oferta ilimitada de mão de obra. In: AGARWALA, A. N.; SINGH, S. P. A economia do subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Contraponto, 2010.

NURKSE, R. Problems of capital formation in underdeveloped countries. Oxford: Basil Blackwell, 1953.

OLIVEIRA, F. Un clássico de El Trimestre Económico: Celso Furtado y el paradigma del subdesarrollo. El Trimestre Económico, Mexico, v. 50, n. 198 (2), 1983.

OLIVEIRA, F. Crítica à razão dualista. Estudos Cebrap, São Paulo , n. 2, 1972.

RODRIGUEZ, O. O estruturalismo latino-americano. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

SALM, C. O debate sobre a tendência à estagnação. In: MALTA, M. (Org). Ecos do desenvolvimento - uma história do pensamento econômico brasileiro. Rio de Janeiro: Ipea/Centro Celso Furtado, 2011.

TAVARES, M. C.; SERRA, J. Más allá del estancamento: una discusión sobre el estilo de desarrollo reciente. El Trimestre Económico, México, v. 38, n. 152 (4), p. 905-950, 1971.

TAVARES, M. C.; SERRA, J. Além da estagnação: uma discussão sobre o estilo de desenvolvimento recente. In: BIELSCHOWSKY, R. Cinqüenta anos de pensamento na Cepal. Rio de Janeiro: Record, 2000.

Downloads

Publicado

2019-12-15

Como Citar

COUTINHO, M. C. . Furtado e seus críticos : da estagnação à retomada do crescimento econômico. Economia e Sociedade, Campinas, SP, v. 28, n. 3, p. 741-761, 2019. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8658155. Acesso em: 26 nov. 2020.

Edição

Seção

Artigos