Banner Portal
Além da desindustrialização
PDF (English)

Palavras-chave

Indústria
Desindustrialização
Desenvolvimento
Doença Brasileira

Como Citar

DIEGUES, A. C. .; ROSSI, C. G. . Além da desindustrialização: transformações no padrão de organização e acumulação da indústria em um cenário de ‘Doença Brasileira’. Economia e Sociedade, Campinas, SP, v. 29, n. 1, p. 1–28, 2019. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8662049. Acesso em: 4 dez. 2023.

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar as transformações no padrão de organização e acumulação da indústria brasileira na primeira década de 2000. Segundo a interpretação defendida neste trabalho, a partir da reação defensiva à crise do desenvolvimentismo e às transformações derivadas do esgotamento do paradigma tecnoeconômico vigente na segunda metade do século XX, observou-se na primeira década de 2000 a emergência de um novo padrão de organização e acumulação da indústria local, denominado de Doença Brasileira. Essa seria caracterizada por um cenário em que se verificam reconfigurações estruturais em direção à especialização regressiva e à desindustrialização em paralelo ao surgimento de estratégias que garantiram a acumulação do capital investido na esfera industrial. Tal acumulação, por sua vez, estaria associada à emergência de estratégias crescentemente desvinculadas do desempenho estritamente produtivo.

PDF (English)

Referências

AGLIETTA, Michel. Régulation et crises du capitalisme: l’expérience des États-Unis. Paris: Calmann-Lévy, 1976.

AGLIETTA, Michel. Macroeconomia financeira: mercado financeiro, crescimento e ciclos. Paris: Edições Loyola, 2004. v. 1.

AGLIETTA, Michel; ORLÉAN, André. A violência da moeda. São Paulo. Editora Brasiliense, 1990. 430p.

ALMEIDA, Julio Sergio Gomes; NOVAIS, Luis Fernando e ROCHA, Marco Antonio. A fragilização financeira das empresas não financeiras no Brasil pós-crise. Campinas: Unicamp. IE, 2016. (Texto para Discussão, n. 281).

BACHA, Edmar; DE BOLLE, Monica Baumgarten. O futuro da indústria no Brasil: desindustrialização em debate. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013.

BENAVENTE, José Miguel; CRESPI, Gustavo; KATZ, Jorge; STUMPO, Giovanni. Nuevos problemas y oportunidades en el desarrollo industrial de América Latina. Cuadernos de Economía, v. 15, n. 25, p. 33-67, 2010.

BELLUZZO, Luiz Gonzaga; ALMEIDA, Júlio Sérgio. Depois da queda: a economia brasileira da crise da dívida aos impasses do Real. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

BIELSCHOWSKY, Ricardo. Pensamento econômico brasileiro: o ciclo ideológico do desenvolvimentismo. Rio de Janeiro: IPEA/INPES, 1988.

BIELCHOWSKY, Ricardo. Estratégia de desenvolvimento e as três frentes de expansão no Brasil: um desenho conceitual. Economia e Sociedade, Campinas, v. 21, p. 729-747, 2012.

BONNELLI, Regis; PESSÔA, Samuel de Abreu. Desindustrialização no Brasil: um resumo da evidência. Faculdade Getúlio Vargas, 2010. (Texto para Discussão, n. 7).

BOYER, Robert. Is finance-led growth regime a viable alternative to Fordism? A preliminary analysis. Economy & Society, v. 29, p. 111-145, Feb. 2000.

BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. Doença holandesa e sua neutralização: uma abordagem ricardiana. Doença holandesa e a indústria. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 2008.

BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. Brasil vive desindustrialização. Folha de S. Paulo, 2010.

BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. The value of the exchange rate and the Dutch disease. Revista de Economia Política, v. 33, n. 3 (132), p. 371-387, jul./set. 2013.

BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos; MARCONI, N. Existe doença holandesa no Brasil? In: BRESSER-PEREIRA, L. C. (Org.). Doença holandesa e indústria (coletânea). Rio de Janeiro: Editora FGV, 2010.

CANO, Wilson. A desindustrialização no Brasil. Campinas Unicamp. IE, 2012. (Texto para Discussão, n. 200).

CARNEIRO, Ricardo. Desenvolvimento em crise: a economia brasileira no último quarto do século XX. São Paulo: Editora Unesp, IE/Unicamp, 2002.

CEMEC-IBMEC. Análise da composição do exigível financeiro das companhias abertas e fechadas não financeiras. São Paulo: IBMEC, 2014.

CEMEC-IBMEC. Nota CEMEC – Fatores da queda do investimento 2010-2014. São Paulo IBMEC, 2015.

CIMOLI, Mario et al. Heterogeneidad estructural, asimetrías tecnológicas y crecimiento en América Latina. 2005.

COUTINHO, Luciano Galvão. A terceira revolução industrial e tecnológica. Economia e Sociedade, Campinas, n. 1, 1992.

COUTINHO, L. C. A especialização regressiva: um balanço do desempenho industrial pósestabilização. In: VELLOSO, J. P. R. (Org.). Brasil: desafios de um país em transformação. Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 1997.

CROTTY, J. The effects of increased product market competition and changes in financial markets on the performance of Nonfinancial Corporations in the neoliberal era. 2002. (PERI Working Paper, n. 44).

FEIJÓ, Carmem; CARVALHO, Paulo. Desindustrialização e os dilemas do crescimento econômico recente. Estudos IEDI, São Paulo, 2007.

FIESP. O processo de desindustrialização. São Paulo: Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos, 2011.

FIESP. Seminário Reindustrialização do Brasil: chave para um projeto nacional de desenvolvimento. São Paulo, SP, 2013.

GALBRAITH, James. The fiscal facts: public and private debts and the future of the American economy. Levy Institute, 2006. (Levy Institute Policy, Note 2).

HIRSCHMAN, Albert. The strategy of economic development. New Haven: Yale University Press, 1958. v. 10.

HIRATUKA, Célio; ROCHA, Marco Antonio. Grandes grupos no Brasil: estratégias e desempenho nos anos 2000. Brasília: Ipea, 2015. (Texto de Discussão).

HIRATUKA, Célio; SARTI, Fernando. Transformações na estrutura produtiva global, desindustrialização e desenvolvimento industrial no Brasil: uma contribuição ao debate. Campinas: Unicamp. IE. 2015. (Texto para Discussão, n. 290).

KALDOR, Nicholas. Causes of the slow rate of economic growth of the United Kingdom. Cambridge: Cambridge University Press. 1966.

KALDOR, Nicholas. Problems of Industrialization in Underdeveloped Countries. Ithaca: Cornell University Press. 1967.

KUPFER, David; LAPLANE, Mariano. Perspectivas do investimento no Brasil: síntese final. Campinas: Unicamp; Rio de Janeiro: UFRJ, 2010.

KUZNETS, Simon; MURPHY, John Thomas. Modern economic growth: rate, structure, and spread. New Haven: Yale University Press, 1966.

NASSIF, André. Há evidências de desindustrialização no Brasil? Revista de Economia Política, v. 28, n. 1, p. 72-96, 2008.

MORCEIRO, Paulo. Desindustrialização na economia brasileira no período 2000-2011: abordagens e indicadores. Dissertação (Mestrado em Economia)–Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Letras, Campus de Araraquara, Araraquara, 2012.

ORGANIZATION FOR ECONOMIC COOPERATION AND DEVELOPMENT. Structural adjustment and economic performance. Paris: Organization for Economic Cooperation and Development, 1987. 371p.

ORGANIZATION FOR ECONOMIC COOPERATION AND DEVELOPMENT. OECD science, technology and industry scoreboard 2005. Paris: Organization for Economic Cooperation and Development, 2005. 210p.

OREIRO, José Luís; FEIJÓ, Carmem. Desindustrialização: conceituação, causas, efeitos e o caso brasileiro. Revista de Economia Política, v. 30, n. 2 (118), p. 219-232, 2010.

PALMA, José Gabriel. Quatro fontes de desindustrialização e um novo conceito de doença holandesa. In: CONFERÊNCIA DE INDUSTRIALIZAÇÃO, DESINDUSTRIALIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, 2005.

PASTORE, Affonso Celso; GAZZANO, Marcelo; PINOTTI, Maria Cristina. Por que a produção industrial não cresce desde 2010? In: O FUTURO da indústria no Brasil: desindustrialização em debate. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013.

PAVITT, K. Sectoral patterns of technical change: towards a taxonomy and a theory. Research Policy, n. 13, p. 343-373, 1984.

PREBISCH, Raúl et. al. O desenvolvimento econômico da América Latina e seus principais problemas. Revista Brasileira de Economia, v. 3, n. 3, p. 47-111, 1949.

ROCHA, Marco Antônio. Transformações produtivas e patrimoniais no Brasil pós-crise. In: DIMENSÕES estratégicas do desenvolvimento brasileiro. Brasília: CGEE, 2015. v. 4.

RODRIK, Dani. One economics, many recipes: globalization, institutions, and economic growth. New Jersey: Princeton University Press, 2007.

ROWTHORN, Robert; RAMASWANY, Ramana. Growth, trade and deindustrialization. IMF Staff Papers, v. 46, n. 1, 1999.

SARTI, Fernando; HIRATUKA, Célio. Desenvolvimento industrial no Brasil: oportunidades e desafios futuros. Campinas: Unicamp. IE, 2011. (Texto para Discussão, n. 187).

SARTI, Fernando; HIRATUKA, Célio. Desempenho recente da indústria brasileira no contexto de mudanças estruturais domésticas e globais. Campinas: Unicamp. IE, 2017. (Texto para Discussão, n. 290).

SERRANO, Franklin; BRAGA, Julia. O mito da contração fiscal expansionista nos EUA durante o governo. Economia e Sociedade, Campinas, v. 15, n. 2 (27), p. 213-239, ago. 2006.

THIRLWALL, Anthony Philip. A plain man’s guide to Kaldor’s growth laws. Journal of Post Keynesian Economics, v. 5, n. 3, p. 345-358, 1983.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2020 Economia e Sociedade

Downloads

Não há dados estatísticos.