Ignacio Rangel na China e a “Nova Economia do Projetamento”

Autores

Palavras-chave:

China, Nova economia do projetamento, Socialismo de mercado, Formação econômica-social, Teria econômica, Modo de produção

Resumo

O objetivo deste artigo é demonstrar que o processo de desenvolvimento chinês verificado nas últimas quatro décadas não é um fato que se explica em si mesmo. Trata-se de um processo cuja capacidade de interpretação teórica, partindo das abordagens ortodoxas e heterodoxas presentes, já pode ter chegado a um limite. Esse limite deve-se a dois fatos objetivos: 1) a transformação, acelerada desde a crise financeira de 2008, do “socialismo de mercado” em uma nova formação econômico-social (NFES). O surgimento desta NFES é fruto de sucessivas inovações institucionais que acomodaram a coabitação – nesta mesma formação – de uma miríade de modos de produção, tendo como dominante o encabeçado pelo setor público (socialista) e 2) o contínuo progresso técnico verificado nos Grandes Conglomerados Empresariais Estatais (GCEE) percebido desde a execução de políticas industriais mais proativas redundou no surgimento de novas e superiores formas de planificação econômica no país, que, por sua vez, faz reemergir a outrora existente, e elaborada por Ignacio Rangel, “Economia do Projetamento” agora sob a insígnia da “Nova Economia do Projetamento”. A nosso ver, perceber este movimento de mudança de modo de produção na China e os novos aportes teóricos derivados dele, é o maior desafio das ciências sociais na atualidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elias Jabbour, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Professor Adjunto da Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (FCE-UERJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Alexis Dantas, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Professor Titular da Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (FCE-UERJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil. 

Referências

AGLIETTA, M. America’s slow down. New Left Review, 100, p. 119-128, 2016.

ARRIGHI, G. Adam Smith in Beijing. New York/London: Verso, 2007.

BANDEIRA, L. A Segunda Guerra Fria – Geopolítica e dimensão estratégica dos Estados Unidos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013.

BELLUZZO, L. Dinheiro e transformações da riqueza. In TAVARES, M, C.; FIORI, J. L. Poder e dinheiro. Petrópolis: Vozes, 1997.

BRAGA, J. C. Financeirização global – O padrão sistêmico de riqueza do capitalismo contemporâneo. In: TAVARES, M, C.; FIORI, J. L. Poder e dinheiro. Petrópolis: Editora Vozes, 1997.

BRESSER-PEREIRA, L. Assalto ao Estado e ao mercado, neoliberalismo e teoria econômica. Estudos Avançados, n. 23 (66), p. 1-17, 2009.

BRESSER-PEREIRA, L.; REGO, J. Um mestre da economia brasileira: Ignacio Rangel. Brazilian Review of Political Economy, v. 13, n. 2, p. 98-119, 1993.

BURLAMAQUI, L. Finance, development and the Chinese entrepreneurial state: a Schumpeter Keynes-Minsky approach. Brazilian Review of Political Economy, v. 4, n. 141, p. 728-744, 2015.

CASTRO, M. H. Elementos de economia do projetamento. In: HOLANDA, F, M.; ALMADA, J.; PAULA, Z. A. Ignácio Rangel, decifrador do Brasil. São Luís: Edufma, 2014.

CHINA Injects $126 Billion Into Its Slowing Economy. New York Times, 9 jun. 2019. Disponível em: https://www.nytimes.com/2019/09/06/business/china-economy-reserve.html. Acesso em: 1 nov. 2019.

CHINA is leading a surge in electric vehicle sales. World Economic Forum, 22 maio 2018. Disponível em: https://www.weforum.org/agenda/2018/05/china-surge-electric-vehicle-sales/. Acesso em: 25 jul. 2019.

CHINA’S Shenzhen is using big data to become a smart ‘socialist model city’. South China Morning Post, 1 nov. 2019. Disponível em: https://www.scmp.com/news/china/politics/article/3035765/chinese-city-shenzhen-using-big-data-become-smart-socialist. Acessado em: 2 nov. 2019.

CHEN, Z. Governing through the market: SASAC and the resurgence of central state-owned enterprises in China. Thesis (PhD)–University of Birmingham, 2017. Disponível em: https://pdfs.semanticscholar.org/48e5/2accaaf28ab7d70823d9f74b9d9f2fe44fa6.pdf. Acesso em: 20 out. 2019.

COUTINHO, L. A 4º Revolução industrial: criativa ou disruptiva para o Brasil? Princípios, n. 150, p. 30-38, 2018.

ENFU, C.; XIAOQIN, D. A theory of China’s ‘miracle’. Monthly Review, v. 68, n 8, p. 12-23, Jan. 2017.

FIORI, J. L. Globalização, hegemonia e império. In: TAVARES, M. C.; FIORI, J. L. Poder e dinheiro. Petrópolis: Editora Vozes, 1997.

FIORI, J. L. A nova geopolítica das nações e o lugar da Rússia, China, Índia, Brasil e África do Sul. Oikos, n. 8, p. 77-106, 2007.

GABRIELE, A. The role of state in China’s industrial development: A reassessment”. Comparative Economic Studies, v. 52, p. 325-350, 2010.

GABRIELE, A.; SCHETTINO, F. Socialist market economy as a distinct socio-economic formation internal to the modern mode of production. New Proposals: Journal of Marxism and Interdisciplinary Inquiry, v. 5, n. 2, p. 20-50, 2012.

GORDON, R. Is “US economic growth over? Faltering innovation confronts the six headwinds”. NBER Working Paper, n. 18315, Apr. 2012.

GUTTMANN, R. Uma introdução ao capitalismo dirigido pelas finanças. Novos Estudos – CEBRAP. n. 82, 2008.

HOLTZ, C. The unfinished business of state-owned enterprise reform in the people’s Republic of China. Munich Personal RePEc Archive, 2018.

HUANG, J.; YANG, J.; ROZELLE, S. China’s agriculture: drivers of change and implications for China and the rest of world. Agricultural Economics, v. 41, n. 1, p. 47-55, 2010.

HUANG, J.; YANG, J.; ROZELLE, S. China’s 40 years of agricultural development and reform. Research Gate, p. 487-506, 2018.

IT’S World China. Fortune, 22 jul. 2019. Disponível em: https://fortune.com/longform/fortune-global-500-china-companies/. Acesso em: 2 nov. 2019.

JABBOUR, E. Pode a China crescer mais? Le Monde Diplomatique, 23 jan. 2020. Disponível em: https://diplomatique.org.br/a-china-pode-crescer-mais/.

JABBOUR, E.; BELLUZZO, L. Quando o socialismo fabrica o mercado. Carta Capital, n. 1324, p. 40-43, 2019.

JABBOUR, E.; DANTAS, A. The political economy of reforms and the present Chinese Transition. Brazilian Journal of Political Economy, v. 37, n. 4, p. 789-807, 2017.

JABBOUR E.; DANTAS, A. Na China emerge uma nova formação econômico-social. Princípios, n. 154, p.70-86, 2018.

JABBOUR, E.; PAULA, L. F. A China e a “socialização do investimento”: uma abordagem Keynes Gerschenkron-Rangel-Hirschman. Revista de Economia Contemporânea, n. 22, n. 1, p. 1-23, 2018.

KANG, H. China’s township and village enterprises. Beijing: Foreign Language Press, 2006.

KEYNES, J. M. The General Theory of Employment, Interest and Money. Basingstoke: Palgrave MacMillan, 1936.

KI, S.; YUK-SHING, C. China’s tax reforms of 1994: breakthrough compromise? Asian Survey, v. 34, n. 9, p. 769-788, 1994.

LIN, J. Y. Demystifying the Chinese Economy. Cambridge UK: Cambridge University Press, 2012.

LO, D.; WU, M. The State and industrial policy in Chinese economic development. In: SALAZAR-XIRINACHS, J. M.; NUBLER, I.; ZOZUL-WRIGHT, R. (Ed.). Transforming economies. Geneva: International Labour Office, 2014.

MAJEROWICZ, E.; MEDEIROS, C. Chinese industrial policy in the geopolitics of the information age: the case of semiconductors. Revista de Economia Contemporânea, n. 22 (1), p. 35-61, 2018.

MAJEROWICZ, E. China and the international political economy of information and communication technologies. Natal: UFRN, 2019. (Textos para Discussão).

MAMIGONIAN, A. A China e o marxismo: Li Dazhao, Mao e Deng. In: DEL ROIO, M. (Org.). Marxismo e Oriente: quando as periferias tornam-se os centros. Marília: Ícone, 2008.

MASIERO, G. Origens e desenvolvimento das Township and Village Enterprises (TVEs) chinesas. Revista de Economia Política, v. 26, n. 103, p. 425-444, 2006.

MEDEIROS, C. The post-war American technological development as a military enterprise. Contributions to Political Economy, v. 22, p. 41-62, 2003.

MEDEIROS, C. Padrões de investimento, mudança institucional e transformação estrutural na economia chinesa”. In: BIELSCHOWSKY, R. (Org.). Padrões de desenvolvimento econômico: América Latina, Ásia e Rússia (1950-2008). Brasília: CGEE, 2013.

MEDEIROS, C. Apresentação à Conferência Internacional Economia Política da China. 2017. Disponível em: http://www.ie.ufrj.br/labchina/?u_event=international-conference-3. Acesso em: 5 nov. 2019.

MINSKY, H. Stabilizing an unstable economy. New Haven and London: Yale University Press, 1986.

NAUGHTON, B. The Chinese economy: transitions and growth. London: IMT Press, 2007.

NAUGHTON, B. Is China socialist? Journal of Economic Perspectives, v. 31, n. 1, p. 3-24, 2017.

NOGUEIRA, I. Estado e capital em uma China com classes. Revista de Economia Contemporânea, n. 22 (1), p. 1-23, 2018.

NOGUEIRA, I.; GUIMARÃES, J.: BRAGA, J. Inequalities and capital accumulation in China. Brazilian Journal of Political Economy, v. 39, n. 3, p. 449-469, 2017.

NOLAN, P. China and the global economy: national champions, industrial policy and the big business revolution. Houndsmill:Palgrave, 2001.

PIKETTY, T.; YANG, L.; ZUCMAN, G. Capital accumulation, private property and rising inequality in China. NBER Working Paper, n. 23368, Apr. 2017.

RANGEL, I. Desenvolvimento e projeto. In: RANGEL, I. Obras reunidas. Rio de Janeiro: Contraponto, [1956] 2005.

RANGEL, I. Dualidade básica da economia brasileira. In: RANGEL, I. Obras reunidas. Rio de Janeiro: Contraponto, [1957] 2005.

RANGEL, I. Elementos de Economia do Projetamento. In, RANGEL, I. Obras reunidas. Rio de Janeiro: Contraponto, [1959] 2005.

RANGEL, I. A recuperação americana. Folha de S. Paulo, 21 abr. 1983.

SUMMERS, L. US economic prospect: secular stagnation, hysteresis, and the zero lower bound. Business Economics, v. 49, n. 2, p. 65-73, 2014.

TAVARES, M. C. A reafirmação da hegemonia norte-americana. In: TAVARES, M. C.; FIORI, J. L. Poder e dinheiro. Petrópolis: Editora Vozes, 1997.

TRADE war update: more China stimulus, fewer China. Forbes, 18 set. 2019. Disponível em: Shoppers https://www.forbes.com/sites/kenrapoza/2019/09/18/trade-war-update-more-china-stimulus-less-china-shoppers/?sh=4431afd733f5. Acesso em: 2 nov. 2019.

WADE, R. Choking the South. New Left Review, v. 38, p. 115-127, 2006. WADE, R. Financial regime change? New Left Review, v. 53, p. 5-21, 2008.

WORLD BANK: China – Reform of state-owned enterprises. Disponível em: http://documents.worldbank.org/curated/en/114421468770439767/China-Reform-of-state-owned-enterprises. Acesso em: 25 nov. 2019

Downloads

Publicado

2021-07-22

Como Citar

JABBOUR, E. .; DANTAS, A. Ignacio Rangel na China e a “Nova Economia do Projetamento”. Economia e Sociedade, Campinas, SP, v. 31, n. 2, p. 287–310, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8666451. Acesso em: 27 set. 2021.

Edição

Seção

Artigos