Complexo econômico e complexidade econômica

originalidade e atualidade em Wilson Cano

Autores

Palavras-chave:

Cano, Wilson, 1937-2020, Complexo econômico, Complexidade, Desenvolvimento industrial

Resumo

Este artigo analisa a contribuição teórica e metodológica de Wilson Cano no que diz respeito ao conceito de complexo econômico para interpretar o desenvolvimento econômico do Brasil e seus resultados ou impactos diferenciados no território. Para ele, o complexo, criado e induzido pela cafeicultura do planalto paulista, e sua capacidade de diversificação e inter-relação setorial, constitui a base para a interpretação do processo de crescimento e concentração industrial naquele estado. Por contraste, resgata as principais experiências históricas, a saber: produção de açúcar no nordeste brasileiro, extração de borracha na região amazônica, agricultura dispersa nos três estados do Sul, cafeicultura escravista do vale do paraíba e do leste mineiro e extração de ouro no século XVIII. Demonstra que nessas regiões não estavam presentes as condições necessárias à indução de um processo virtuoso de industrialização com criação de uma estrutura econômica diversa e complexa. Por último, apresentamos um contraponto entre a formulação teórica proposta por Cano (1977) e a recente metodologia da complexidade econômica proposta por Hausmann e Hidalgo (2011). Procuramos demonstrar a originalidade e riqueza de Cano (1977) que, a despeito da falta de dados e sistemas computacionais, continua sendo atual para pensar os desafios ligados aos processos de desenvolvimento, especialmente em países de grande dimensão e diversidade territorial, por incluir também as condicionantes internacionais, institucionais, sociais e políticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Clélio Campolina Diniz, Universidade Federal de Minas Gerais

Professor Emérito da Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil.

Bernardo Campolina, Universidade Federal de Minas Gerais

Professor Associado do Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional (Cedeplar) e professor do Departamento de Ciências Econômicas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil.

Referências

ANDERSON, P. W.; ARROW, K. J.; PINES, D. The economy as an evolving complex system. Santa Fe Institute Studies in the Science of Complexity, Proceedings, v. V. Reading, MA: Addison-Wesley, 1988.

ARTHUR W. B. Self-reinforcing mechanisms in economics. In: ANDERSON, P. W.; ARROW, K. J.; PINES, D. (Ed.). The economy as an evolving complex system. Santa Fe Institute Studies in the Sciences of Complexity, Proceedings, v. V. Redwood City, CA: Addison-Wesley, 1988.

Complexo econômico e complexidade econômica: originalidade e atualidade em Wilson Cano

Economia e Sociedade, Campinas, v. 30, Número Especial, p. 663-679, outubro 2021. 677

ARTHUR, W. B. Self-Reinforcing Mechanisms in Economics´ in: Anderson, P. W; Arrow, K. J; Pines, D. The Economy as an evolving complex system. Proceedings, v. V. Santa Fe Institute Studies in the Science of Complexity, Reading, MA: Addison-Wesley, 1988.

ARTHUR, W. B.; DURLAUF, S. N.; LANE, D. A. (Ed.). The economy as an evolving complex system II. Santa Fe Institute Studies in the Science of Complexity, Proceedings, v. XXVII. Reading, MA: Addison-Wesley, 1997;

AZZONI, C. R. Indústria e reversão da polarização no Brasil. São Paulo: IPE-USP, 1986.

BADCOCK, Abbie. Can complexity save development theory? In: BOGG, Jan; GEYER, Robert (Ed.). Complexity, science and society. New York: Radcliffe Publishing, 2007.

BLUESTONE, B.; HARRISON, B. The desindustrialization of America: plant closing, community abandonment and dismantling of basic industry. New York: Basic Books, 1982.

BRITTO, G.; ROMERO, J. P.; FREITAS, E.; COELHO, C. The great divide: economic complexity and development paths in Brazil and the Republic of Korea. Cepal Review, v. 127, p. 191-213, 2019.

CANO W. Raízes da concentração industrial em São Paulo. Difel, 1977.

CANO, W. Ensaios sobre a formação econômica regional do Brasil. Campinas: Editora Unicamp, 2002.

CARDOSO DE MELO, J. M. O capitalismo tardio. São Paulo: Brasiliense, 1982.

CARVALHO, A. R.; CARDOSO, F. G. Elementos de complexidade na economia do desenvolvimento de Furtado e Noyola. Economia e Sociedade, Campinas, v. 30, n. 1(71), p. 91-114, jan./abr. 2021.

CASTRO, A. B. Sete ensaios sobre a economia brasileira. Forense, 1969. v. I.

CASTRO, A. B. Sete ensaios sobre a economia brasileira. Forense, 1971. v. II, cap. 4.

CASTRO, A. C. As empresas estrangeiras no Brasil, 1860-1913. Zahar, 1979.

COLANDER, David. Complexity and the history of economic thought: perspectives on the history of economic thought. Selected papers from the History of Economics Society Conference. New York: Routledge, 2000.

DE PAULA, J. A. Minas no século XVIII. In: RABÊLO, J. M. (Coord.). História Geral de Minas. 1. ed. Ouro Preto, MG: Livraria & Editora Graphar, 2018.

DINIZ, C. C. Desenvolvimento poligonal no Brasil: nem desconcentração nem continua polarização. Nova Economia, v. 31, 1993.

DINIZ, C. C. Estado e capital estrangeiro na industrialização mineira. Belo Horizonte: UFMG/PROED, 1982.

DINIZ, C. C.; CAMPOLINA, B. A região metropolitana de São Paulo: reestruturação, re-espacialização e novas funções. Eure, Santiago, v. 33, n. 98, 2007.

Bernardo Campolina, Clélio Campolina Diniz

Economia e Sociedade, Campinas, v. 30, Número Especial, p. 663-679, outubro 2021.

DINIZ, C. C.; CROCCO, M. A. Reestruturação econômica e impacto regional: o novo mapa da indústria brasileira. Nova Economia, v. 6, 1996.

DINIZ, C. C.; MENDES, P. S. Tendências regionais da indústria brasileira no século XXI. Brasília, DF, IPEA, 2021. (Texto para Discussão, n. 2640).

FRANZYLBER, F. La industrialización trunca de América Latina. México: Centro de Economía Transnacional. Editorial Nueva Imagen, 1983.

FREITAS E. E. Indústrias relacionadas, complexidade econômica e diversificação regional: uma aplicação para microrregiões brasileiras. Tese (Doutorado)–Cedeplar/UFMG, 2019.

FREITAS, E. E. et al. Complexidade econômica e especialização inteligente: uma proposta de política de diversificação para o desenvolvimento de Minas Gerais. In: GUIMARÃES, A. Q. (Org.). Política pública e desenvolvimento em Minas Gerais. 1. ed. Curitiba: Appris, 2021.

FURTADO, C. Formação Econômica do Brasil. 1959

FURTADO, C. Mito do desenvolvimento. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1974.

GALA, P. Complexidade econômica. São Paulo: Contraponto, 2017.

GTDN. Uma política de desenvolvimento econômico para o Nordeste. 2. ed. Recife: Sudene, 1967.

GUILHOTO, J. J. M. Análise de insumo-produto, teoria e fundamentos. Munich personal RePEe Arcguvem. 2015. Disponível em: http://mPra.ub.uni.Munchen/de/id/eprint/32566.

HARTMANN, D.; GUEVARA, M. R.; JARA-FIGUEROA, C.; ARISTARÁN, M.; HIDALGO, C. Linking economic complexity, institutions, and income inequality. World Development, v. 93, p. 75-93, 2017.

HAUSMANN, R., HIDALGO, C. et al. the Atlas of Economic Complexity. Hard, 2011.

HAUSMANN, R.; SANTOS, M. A.; OBACH, J. Appraising the economic potential of Panama: policy recommendations for sustainable and inclusive growth. Massachusetts: Center for International Development at Harvard University, 2017. (CID Faculty Working Paper, n. 334).

HIDALGO, C. A. Economic complexity theory and applications. Nat Rev Phys, 3, p. 92-113, 2021. Disponível em: https://doi.org/10.1038/s42254-020-00275-1.

HOLT, Richard P. F.; ROSSER JR., Barkley; COLANDER, David. The complexity era in economics. Review of Political Economy, v. 23, n. 3, p. 357-369, 2011. DOI: 10.1080/09538259.2011.583820.

KIST. The Kist Story – the birthplace of Korea’s industrial development. KIST, 2019.

KIST. Kist 2066, beyond the Miracle. 2019a.

LEOPOLDI, M. A. Política e interesses a industrialização brasileira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000.

LESSA, C. O Rio de todos os Brasis: uma reflexão em busca da autoestima. Rio de Janeiro: Record, 2000.

LIMA, J. H. Café e indústria em Minas Gerais. Vozes, 1981.

MARTINS. R. Crescendo em silêncio. A incrível economia escravista de Minas Gerais no século XIX. ICAM/ABPHE, 2018.

MARX, Karl (1867). O Capital: crítica da economia política. São Paulo: Abril Cultural, 1983. v. I, t. 1. (Coleção os Economistas).

MASSEY, D. MEEGAN, R. The anatomy of job loss, the how, why and where of employment decline. London: Metghen, 1982.

MIRRA, E.; SALERNO, M. S. ABDI: o que veio, a que ficou. In: ABDI. Dez anos de política industrial: balanço e perspectivas. ABDI, 2015.

MOCEIRO, P. C. A indústria brasileira no limiar do século XXI: uma análise de sua evolução estrutural, comercial e tecnológica. Tese (Doutoramento)–USP, 2019.

NOVAIS, Fernando A. O Brasil nos quadros do Antigo Sistema Colonial. In: NOVAIS, F. A. Brasil em Perspectiva. São Paulo: DIFEL, 1969.

PROENÇA, A. D. de A.; SANTOS JUNIOR, W. R. dos. Reestruturação produtiva e consolidação de novos eixos de desenvolvimento territorial: o caso do vetor de desenvolvimento perimetral da macrometrópole paulista. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, v. 21, n. 2, p. 312-328, maio/ago. 2019.

RICARDO, David. (1817). Princípios de economia política e tributação. São Paulo: Abril Cultural, 1982. (Coleção Os Economistas).

SILVA, S. Expansão cafeeira e as origens da indústria no Brasil. São Paulo: Alfa-Omega, 1976.

SIQUEIRA, T. V. As primeiras ferrovias do Nordeste brasileiro: processo de implantação e o caso da Great Western Railway. Revista do BNDES, Rio de Janeiro, v. 9, n. 17, 2002.

SMITH, Adam. (1776). A riqueza das nações: investigação sobre sua natureza e suas causas. São Paulo: Abril Cultural, 1983. (Coleção Os Economistas).

SOUSA, R. A. A teoria da complexidade reencontra o desenvolvimento econômico – Uma análise de insumo-produto. Dissertação (Mestrado)–Universidade de Brasília, Brasília, 2018.

STEPI – Science & Technology Innovation Policy for the People-s Life, 2019.

STORPER, M. Industrialization, economic development, and the regional question in the third world: from import substitution to flexible production. New York: Pion, 1991.

TOWNROE, P. M.; KEEN, D. Polarization reversal in the State of São Paulo, Brazil. Regional Studies, v. 18, n. 1, 1984.

VIEIRA, D. J. Complexo econômico e variedades de desenvolvimento regional: uma interpretação da crise contemporânea de Minas Gerais. In: QUINTELA, A. et al. Wilson Cano e a economia regional. São Paulo: Fundação Perseu Abramo (No prelo).

Downloads

Publicado

2021-11-23

Como Citar

DINIZ, C. C. .; CAMPOLINA, B. . Complexo econômico e complexidade econômica: originalidade e atualidade em Wilson Cano. Economia e Sociedade, Campinas, SP, v. 30, n. esp., p. 663–679, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8667573. Acesso em: 29 jan. 2023.

Edição

Seção

Artigos