Os limites da contribuição da indústria ao desenvolvimento nos períodos Lula e Dilma

uma nova versão do industrialismo periférico?

Autores

Palavras-chave:

Cano, Wilson, 1937-2020, Indústria, Desenvolvimento, Transformação estrutural, Periférico

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar os limites da contribuição da indústria brasileira ao desenvolvimento em dois momentos qualitativamente distintos:o ciclo de relativa pujança entre 2003-2010 e a desaceleração e reversão entre 2011 e 2015. A partir deste esforço, pretende-se estabelecer um diálogo com a obra de Wilson Cano – principalmente com suas reflexões na última década – em três dimensões. A primeira delas refere-se à maneira em que estas reflexões compreendem o desenvolvimento como um processo histórico. A segunda diz respeito à heterogeneidade estrutural característica do subdesenvolvimento e a compreensão da industrialização como uma condição necessária para se buscar contornar a dinâmica de reprodução deste processo. Por fim, busca-se compreender os limites da contribuição da indústria ao desenvolvimento ao dialogar com a interpretação presente em toda a obra do autor acerca da centralidade de um projeto de desenvolvimento nacional como vetor de tal estratégia. Na dimensão empírica, para se compreender os limites das contribuições da indústria brasileira entre 2003 e 2015, utiliza-se a metodologia de decomposição estrutural, a fim de se mensurar tal contribuição em três dimensões: (i)produtividade, (ii)salários e remuneração média e (iii)sofisticação das exportações em relação às importações. Como resultados, o artigo traz elementos que sugerem a consolidação de um padrão de organização estrutural da indústria brasileira que limita sua capacidade de contribuição ao desenvolvimento independentemente dos econômicos domésticos. Esses limites seriam materializados na incapacidade de se engendrar um ciclo de desenvolvimento virtuoso que viabilizasse a reconfiguração da estrutura produtiva. Por fim,conclui-se que os limites estariam associados ao fenômeno que este artigo sugere que seja interpretado como uma nova versão do industrialismo periférico (e agora regressivo)

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Antônio Carlos Diegues, Universidade Estadual de Campinas

Professor do Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas (IE-Unicamp), Campinas, SP, Brasil.

Referências

ANDREONI A.; CHANG, H. J. The political economy of industrial policy: structural interdependencies, policy alignment and conflict management. Special issue: frontiers of industrial policy: structures, institutions and policies. Eds.: ANDREONI, A.; CHANG, H.-J.; SCAZZIERI, R. Structural change and economic dynamics, 48, p. 136-150. 2019.

ANDREONI, A.; GREGORY, M. Why and how does manufacturing still matter: old rationales, new realities. Revue d’Economie Industrielle, v. 144, n. 4, p. 21-57, 2013.

ALMEIDA, Julio Sergio Gomes; NOVAIS, Luis Fernando; ROCHA, Marco Antonio. A fragilização financeira das empresas não financeiras no Brasil pós-crise. Campinas: Unicamp. IE, 2016. (Texto para Discussão, n. 281).

BERGER, S. Making in America: from innovation to market. London: The MIT Press, 2013, 264p.

BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. Doença holandesa e sua neutralização: uma abordagem ricardiana. Doença holandesa e a indústria. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 2008.

BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. Brasil vive desindustrialização. Folha de S. Paulo, 2010.

BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. The value of the exchange rate and the dutch disease. Revista de Economia Política, v. 33, n. 3 (132), p. 371-387, jul./set. 2013.

BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos; MARCONI, N. Existe doença holandesa no Brasil? In: BRESSER-PEREIRA, L. C. (Org.). Doença holandesa e indústria (Coletânea). Rio de Janeiro: Editora FGV, 2010.

BRUN, L.; GEREFFI, G.; ZHAN, J. The “lightness” of Industry 4.0 lead firms: implications for global value chains. In: BIANCHI, P.; DURÁN, C. R.; LABORY, S. (Ed.). Transforming industrial policy for the digital age – Production, territories and structural change. Edward Elgar Publishing Limited, 2019.

CANO, W. Uma agenda nacional para o desenvolvimento. Revista Tempo no Mundo, Brasília, Ipea, v. 2, n. 2, dez. 2010.

CANO, W.; GONÇALVES, A. L. Política industrial do governo Lula. In: OS ANOS Lula: contribuições para um balanço crítico 2003-2010. Rio de Janeiro: Garamond Editora, 2010.

CANO, W. A desindustrialização no Brasil. Economia e Sociedade, Campinas, v. 21, Número Especial, p. 831-851, dez. 2012.

CANO, W. (Des)industrialização e (sub)desenvolvimento. Cadernos do Desenvolvimento, Rio de Janeiro, v. 9, n. 15, p. 139-174, jul./dez. 2014.

CARNEIRO, Ricardo. Desenvolvimento em crise: a economia brasileira no último quarto do século XX. São Paulo: Editora Unesp / IE – Unicamp, 2002.

CARNEIRO, R. Navegando a contravento: uma reflexão sobre o experimento desenvolvimentista do governo Dilma Rousseff. In: CARNEIRO, R.; BALTAR, P.; SARTI, F. (Org.). Para além da política econômica. São Paulo: Editora Unesp Digital, 2018.

CARVALHO, L. Valsa brasileira: do boom ao caos econômico. São Paulo: Todavia, 2018.

CEMEC-IBMEC. Análise da composição do exigível financeiro das companhias abertas e fechadas não financeiras. São Paulo: IBMEC, 2014.

CEMEC-IBMEC. Nota CEMEC – Fatores da queda do investimento 2010-2014. São Paulo: IBMEC, 2015.

CHANG, Há-Joon. The political economy of industrial policy in Korea. London: Macmillan Press, 1994.

CHANG, Há-Joon. Chutando a escada: a estratégia de desenvolvimento em perspectiva histórica. São Paulo: Ed. Unesp, 2004.

COUTINHO, L. C. A especialização regressiva: um balanço do desempenho industrial pós-estabilização. In: VELLOSO, J. P. R. (Org.). Brasil: desafios de um país em transformação. Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 1997.

DIEGUES, A. C.; ROSSI, C. G. Além da desindustrialização: transformações no padrão de organização e acumulação da indústria em um cenário de ‘Doença Brasileira’. Campinas: Unicamp. IE, 2017. (Texto para Discussão, n. 291). Aceito para publicação na Revista Economia e Sociedade.

DIEGUES, A. C.; ROSELINO, J. E. Indústria 4.0 e as redes globais em serviços intensivos tecnologia: apontamentos sobre política industrial e considerações para o caso brasileiro. Campinas: Unicamp. IE, 2019. (Texto para Discussão, n. 356).

FURTADO, Celso. Desenvolvimento e subdesenvolvimento (1961). In BIELSCHOWSKY, Ricardo (Org). Cinquenta anos de pensamento na Cepal. Rio de Janeiro: Cofecon-Cepal; Record, 2000. v. I.

GERSCHENKRON, Alexander. El atraso económico en su perspectiva histórica. In: GERSCHENKRON, A. El atraso económico en su perspectiva histórica. Barcelona: Ariel, 1973.

HAMILTON, Alexander (1791). Report on manufactures.

HIRSCHMAN, Albert. The strategy of economic development. New Haven: Yale University Press, 1958. v. 10.

Antônio Carlos Diegues

Economia e Sociedade, Campinas, v. 30, Número Especial, p. 681-711, outubro 2021.

HIRATUKA, Célio; ROCHA, Marco Antonio. Grandes grupos no Brasil: estratégias e desempenho nos anos 2000. Brasília: Ipea, 2015. (Texto de Discussão).

HIRATUKA, Célio; SARTI, Fernando. Transformações na estrutura produtiva global, desindustrialização e desenvolvimento industrial no Brasil: uma contribuição ao debate. Campinas: Unicamp. IE. 2015. (Texto para Discussão, n. 290).

KALDOR, Nicholas. Causes of the slow rate of economic growth of the United Kingdom. Cambridge: Cambridge University Press, 1966.

KALDOR, Nicholas. Problems of industrialization in underdeveloped countries. Ithaca: Cornell University Press, 1967.

LEWIS, W. A. O desenvolvimento econômico com oferta ilimitada da mão-de-obra. In: AGARWAZA, A. N.; SINGH, S. P. (Coord.). A economia do subdesenvolvimento. São Paulo: Forense, 1969.

LIST, Georg F. (1841). Sistema nacional de economia política. São Paulo: Nova Cultural, 1989.

MCMILLAN, M. S.; RODRIK, D. Globalization, structural change and productivity growth. National Bureau of Economic Research, 2011.

MELLO, G.; ROSSI, P. Do industrialismo à austeridade: a política macro dos governos Dilma. In: CARNEIRO, R.; BALTAR, P.; SARTI, F. (Org.). Para além da política econômica. São Paulo: Editora Unesp Digital, 2018.

MORCEIRO, Paulo. Desindustrialização na economia brasileira no período 2000-2011: abordagens e indicadores. Dissertação (Mestrado em Economia)–Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Letras, Campus de Araraquara, Araraquara, 2012.

MORCEIRO, Paulo. A indústria brasileira no limiar do século XXI: uma análise da sua evolução estrutural, comercial e tecnológica. Tese (Doutorado)–Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

ORGANIZATION FOR ECONOMIC COOPERATION AND DEVELOPMENT. Structural adjustment and economic performance. Paris: Organization for Economic Cooperation and Development, 1987. 371p.

ORGANIZATION FOR ECONOMIC COOPERATION AND DEVELOPMENT. OECD science, technology and industry scoreboard 2005. Paris: Organization for Economic Cooperation and Development, 2005. 210p.

OREIRO, José Luís; FEIJÓ, Carmem. Desindustrialização: conceituação, causas, efeitos e o caso brasileiro. Revista de Economia Política, v. 30, n. 2 (118), p. 219-232, 2010.

O’SULLIVAN, E.; ANDREONI, A.; LÓPEZ-GÓMEZ, C.; GREGORY, M. What is new in the new industrial policy? A manufacturing systems perspective. Oxford Review of Economic Policy, v. 29, n. 2, p. 432-462, 2013.

PALMA, José Gabriel. Quatro fontes de desindustrialização e um novo conceito de doença holandesa. In: CONFERÊNCIA de Industrialização, Desindustrialização e Desenvolvimento. Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, 2005.

PAVITT, K. Sectoral patterns of technical change: towards a taxonomy and a theory. Research Policy, n. 13, p. 343-373, 1984.

PINTO, Aníbal (1970). Natureza e implicações da ´heterogeneidade estrutural na América Latina. In: BIELSCHOWSKY, Ricardo (Org). Cinquenta anos de pensamento na Cepal. Rio de Janeiro: Cofecon-Cepal; Record, 2000. v. I.

PREBISCH, Raul (1949). O desenvolvimento econômico da América Latina e alguns de seus principais problemas. In: BIELSCHOWSKY, Ricardo (Org). Cinquenta anos de pensamento na Cepal. Rio de Janeiro: Cofecon-Cepal; Record, 2000. v. I.

ROCHA, Marco Antônio. Transformações produtivas e patrimoniais no Brasil pós-crise. In: DIMENSÕES estratégicas do desenvolvimento brasileiro. Brasília: CGEE, 2015. v. 4.

RODRIK, Dani. One economics, many recipes: globalization, institutions, and economic growth. New Jersey: Princeton University Press, 2007.

ROSENSTEIN-RODAN, Paul N. Problemas de industrialização da Europa do Leste e do Sudeste. In: AGARWALA, A. N.; SINGH, S. P. (Org.) (1958). A economia do subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Contraponto; Centro Internacional Celso Furtado, 2010.

ROSTOW, Walt W. (1956). A decolagem para o crescimento autossustentado. In: AGARWALA, A. N.; SINGH, S. P. (Org.) (1958). A economia do subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Contraponto; Centro Internacional Celso Furtado, 2010.

SARTI, Fernando; HIRATUKA, Célio. Desenvolvimento industrial no Brasil: oportunidades e desafios futuros. Campinas: Unicamp. IE, 2011. (Texto para Discussão, n. 187).

SARTI, Fernando; HIRATUKA, Célio. Desempenho recente da indústria brasileira no contexto de mudanças estruturais domésticas e globais. Campinas: Unicamp. IE. 2017. (Texto para Discussão, n. 290).

SCHUMPETER, J. Capitalismo, socialismo e democracia. São Paulo: Abril Cultural, 1942.

SINGER, A. Cutucando onças com varas curtas. O ensaio desenvolvimentista no primeiro mandato de Dilma Roussef (2011-2014). Novos Estudos, n. 102, p. 43-71, jul. 2015.

THIRLWALL, Anthony Philip. A plain man’s guide to Kaldor’s growth laws. Journal of Post Keynesian Economics, v. 5, n. 3, p. 345-358, 1983.

TIMMER, Marcel P.; de VRIES, G. J. Structural change and growth accelerations in Asia and Latin America: a new sectoral data set. Cliometrica, v. 3, n. 2, p. 165- 190, 2009.

UNITED NATIONS CONFERENCE ON TRADE AND DEVELOPMENT – UNCTAD. Trade and Development Report: structural transformation for inclusive and sustained growth. New York and Geneva: United Nations, 2016.

Downloads

Publicado

2021-11-23

Como Citar

DIEGUES, A. C. Os limites da contribuição da indústria ao desenvolvimento nos períodos Lula e Dilma: uma nova versão do industrialismo periférico?. Economia e Sociedade, Campinas, SP, v. 30, n. esp., p. 681–711, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8667575. Acesso em: 29 jan. 2023.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)