Nível de complexidade da busca de fontes de informação para inovação da indústria brasileira a partir da análise de redes sociais

Autores

Palavras-chave:

Inovação, Fontes de informação, Aprendizado, ARS, Indústria brasileira

Resumo

O objetivo do artigo é verificar a evolução da busca de Fontes de Informação para Inovar (FIIs) pelos setores da indústria de transformação brasileira, utilizando dados da PINTEC de 2008 a 2017. A Análise de Redes Sociais (ARS) foi utilizada para a construção de uma rede de interação entre setores industriais e as FIIs. Buscou-se verificar a existência de concentração em determinados setores industriais e formas de aprendizagem. Os resultados indicam que a rede apresenta atividade relacional crescente, entretanto, os setores industriais não seguem o padrão de aprendizado esperado pela bibliografia e os que seguem estão associados a setores de baixa intensidade tecnológica. Ademais, as FIIs consideradas centrais na rede estão associadas às formas de aprendizado relacionadas com o conhecimento tácito, enquanto as periféricas estão associadas ao conhecimento codificado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno Ferreira de Oliveira, Universidade Cândido Mendes

Mestre em Economia e Gestão Empresarial pela Universidade Cândido Mendes (UCAM), Rio de Janeiro, RJ, Brasil. 

Felipe Ponciano da Cruz, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Mestre em Economia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Enzo Matheus Fernandez Barreira Accioly, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Graduando em Ciências Econômicas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Referências

AMARA, N.; LANDRY, R. Sources of information as determinants of novelty of innovation in manufacturing firms: evidence from the 1999 statistics Canada innovation survey. Technovation, v. 25, n. 3, p. 245-259, 2005.

BELL, M.; PAVITT, K. The development of technological capabilities. Trade, Technology and International Competitiveness, v. 22, n. 4831, p. 69-101, 1995.

BERGEK, A. et al. Analyzing the functional dynamics of technological innovation systems: a scheme of analysis. Research Policy, v. 37, n. 3, p. 407-429, 2008.

BITTENCOURT, P. F. Padrões setoriais de aprendizagem da indústria brasileira: uma análise exploratória. Revista Brasileira de Inovação, v. 11, n. 1, p. 37-68, 2012.

BITTENCOURT, P. F.; BRITTO, J. N. P.; GIGLIO, R. Formas de aprendizagem e graus de inovação de produto no Brasil: uma análise exploratória dos padrões setoriais de aprendizagem. Nova Economia, v. 26, n. 1, 2016.

BLALOCK, G.; GERTLER, P. J. Learning from exporting revisited in a less developed setting. Journal of Development Economics, v. 75, n. 2, p. 397-416, 2004.

BORGATTI, Stephen P. Centrality and network flow. Social Networks, v. 27, n. 1, p. 55-71, 2005.

BORGATTI, Stephen P.; EVERETT, Martin G.; JOHNSON, Jeffrey C. Analyzing social networks Sage, 2018.

CAMPOS, B.; RUIZ, A. U. Padrões setoriais de inovação na indústria brasileira. Revista Brasileira de Inovação, v. 8, n. 1, p. 167-210, 2009.

CASSIOLATO, J. E.; LASTRES, H. M. M. The Brazilian National System of Innovation: its evolution and dynamics at the end of the second decade of the millenium. RedeSist Desenvolvimento, Inovação e Território, 2019. (Texto para Discussão, n. 04).

COHEN, W. M.; LEVINTHAL, D. A. Absorptive capacity: A new perspective on learning and innovation. Administrative Science Quarterly, v. 35, n. 1, p. 128-152, 1990.

D’ESTE, P.; PATEL, P. University-industry linkages in the UK: What are the factors underlying the variety of interactions with industry? Research Policy, v. 36, n. 9, p. 1295-1313, 2007.

DE NEGRI, F. et al. Redução drástica na inovação e no investimento em P&D no Brasil: o que dizem os indicadores da pesquisa de inovação 2017. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada-IPEA, 2020. (Nota Técnica Diset, n. 60).

DEL-VECCHIO, R. R.; BRITTO, J; DE OLIVEIRA, B. F. Patterns of university-industry interactions in Brazil: an exploratory analysis using the instrumental of graph theory. Quality & Quantity, v. 48, n. 4, p. 1867-1892, 2014.

DOS SANTOS, E. F.; BENNEWORTH, P. Interação Universidade-Empresa: características identificadas na literatura e a colaboração regional da Universidade de Twente. Revista de Administração, Sociedade e Inovação, v. 5, n. 2, p. 115-143, 2019.

DOSI, G. et al. Evolutionary regimes and industrial dynamics. In: EVOLUTIONARY and neo-Schumpeterian approaches to economics. Dordrecht: Springer, 1994. p. 203-229.

DOSI, Giovanni et al. Technical change and economic theory Pisa, Italy: Laboratory of Economics and Management (LEM), Sant’Anna School of Advanced Studies, 1988.

EDQUIST, C. et al. The Oxford handbook of innovation Systems of innovation: Perspectives and challenges, 2005. p. 181-208.

EDQUIST, C; LUNDVALL, B. A. Comparing the Danish and Swedish systems of innovation. National innovation systems: A comparative analysis, p. 265-298, 1993.

FAGERBERG, J.; SRHOLEC, M.; KNELL, M. The competitiveness of nations: Why some countries prosper while others fall behind. World development, v. 35, n. 10, p. 1595-1620, 2007.

FIGUEIREDO, P. N. Acumulação tecnológica e inovação industrial: conceitos, mensuração e evidências no Brasil. São Paulo em Perspectiva, v. 19, n. 1, p. 54-69, 2005.

FREEMAN, C. The ‘National System of Innovation’ in historical perspective. Cambridge Journal of economics, v. 19, n. 1, p. 5-24, 1995.

FREEMAN, Linton C. Centrality in social networks conceptual clarification. Social Networks, v. 1, n. 3, p. 215-239, 1978.

GÓMEZ, J.; SALAZAR, I.; VARGAS, P. Sources of information as determinants of product and process innovation. PloS one, v. 11, n. 4, p. e0152743, 2016.

GONÇALVES, E.; SIMÕES, R. Padrões de esforço tecnológico da indústria brasileira: uma análise setorial a partir de técnicas multivariadas. EconomiA, Brasília, DF, v. 6, n. 2, p. 391-433, 2005.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Rio de Janeiro, 2020. Disponível em: http://www.ibge.gov.br Acesso em: 30 jun. 2020.

INSTITUTO DE ESTUDOS PARA O DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL (IEDI). Crise e inovação no Brasil 2020. Disponível em: https://iedi.org.br/cartas/cartaiedin1010.html Acesso em: 27 jun. 2020.

JENSEN, M. B. et al. Forms of knowledge and modes of innovation. Research Policy, v. 36, p. 680-693, 2007.

JOHNSON, B. H.; LUNDVALL, B. A. Promovendo sistemas de inovação como resposta à economia do aprendizado crescentemente globalizada. In: CONHECIMENTO, sistemas de inovação e desenvolvimento. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2005. p. 83-130.

KLEINBERG, J. M. Authoritative sources in a hyperlinked environment. Journal of the ACM (JACM), v. 46, n. 5, p. 604-632, 1999.

LAZONICK, W. The innovative firm. In: FAGERBERG J.; MOWERY D. C.; NELSON R. R. (Ed.). The Oxford handbook of innovation Oxford: Oxford University Press, 2005. p. 29-55.

LEÃO, R.; GIESTEIRA, L. F. O complexo industrial da saúde na Pintec 2017 Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada-IPEA, 2020. (Nota Técnica Diset, n. 62).

LUNDVALL, B.; JOHNSON, B. The learning economy. Journal of Industry Studies, v. 1, n. 2, p. 23-42, 1994.

MALERBA, F. Learning by firms and incremental technical change. The Economic Journal, v. 102, n. 413, p. 845-859, 1992.

MALERBA, F. Sectoral systems of innovation and production. Research Policy, v. 31, n. 2, p. 247-264, 2002.

MALERBA, F. Sectoral systems of innovation: a framework for linking innovation to the knowledge base, structure and dynamics of sectors. Economics of Innovation and New Technology, v. 14, n. 1-2, p. 63-82, 2005.

MALERBA, F.; ORSENIGO, L. Technological regimes and sectoral patterns of innovative activities. Industrial and Corporate Change, v. 6, n. 1, p. 83-118, 1997.

MAMEDE, M. et al. Sistema nacional de inovação: uma análise dos sistemas na Alemanha e no Brasil. Navus-Revista de Gestão e Tecnologia, v. 6, n. 4, p. 6-25, 2016.

MARKARD, J.; HEKKERT, M.; JACOBSSON, S. The technological innovation systems framework: Response to six criticisms. Environmental Innovation and Societal Transitions, v. 16, p. 76-86, 2015.

NELSON, R.; KIM, L. Tecnologia, aprendizado e inovação: as experiências das economias de industrialização recente. Campinas, SP: Editora da Unicamp. 2006.

NELSON, R.; WINTER, S. An evolutionary theory of economic change Cambridge, Mass, 1982.

NIEMINEN, Juhani. On the centrality in a graph. Scandinavian Journal of Psychology, v. 15, n. 1, p. 332-336, 1974.

ORGANISATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT (OECD). Technology intensity definition: classification of manufacturing industries into categories based on R&D Intensities. Paris: OECD. Economic Analysis and Statistics Division, 2011.

PAVITT, K. Sectoral patterns of technical change: towards a taxonomy and a theory. Technology, Management and Systems of Innovation, p. 15-45, 1984.

RAIMUNDO, L. M. B.; BATALHA, M. O.; TORKOMIAN, A. L. V. Dinâmica tecnológica da Indústria Brasileira de Alimentos e Bebidas (2000-2011). Gestão & Produção, v. 24, n. 2, p. 423-436, 2017.

SALOMON, R. M.; SHAVER, J. M. Learning by exporting: new insights from examining firm innovation. Journal of Economics & Management Strategy, v. 14, n. 2, p. 431-460, 2005.

SEGARRA-BLASCO, A.; ARAUZO-CAROD, J. Sources of innovation and industry–university interaction: Evidence from Spanish firms. Research Policy, v. 37, n. 8, p. 1283-1295, 2008.

SILVA, C. F.; SUZIGAN, W. Padrões setoriais de inovação da indústria de transformação brasileira. Estudos Econômicos, São Paulo, v. 44, n. 2, p. 277-321, 2014.

TEECE, D. J. As aptidões das empresas e o desenvolvimento econômico: implicações para as economias de industrialização recente. In: TECNOLOGIA, aprendizado e inovação: as experiências das economias de industrialização recente. Campinas: Editora da Unicamp, 2006.

TEECE, D. J.; PISANO, G.; SHUEN, A. Dynamic capabilities and strategic management. Strategic Management Journal, v. 18, n. 7, p. 509-533, 1997.

UNITED NATIONS INDUSTRIAL DEVELOPMENT ORGANIZATION (UNIDO). Competitive Industrial Performance Report, 2018.

VARGAS, M. A.; GADELHA, C. A. G.; MALDONADO, J.; COSTA, L. S.; QUENTAL, C. Indústrias de base química e biotecnológica voltadas para a saúde no Brasil: panorama atual e perspectivas para 2030. In FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ. A saúde no Brasil em 2030 – prospecção estratégica do sistema de saúde brasileiro: desenvolvimento produtivo e complexo da saúde. Rio de Janeiro: Fiocruz/Ipea/Ministério da Saúde/Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, 2013. v. 5, p. 31-78.

Downloads

Publicado

2022-08-19

Como Citar

OLIVEIRA, B. F. de .; CRUZ, F. P. da .; ACCIOLY, E. M. F. B. . Nível de complexidade da busca de fontes de informação para inovação da indústria brasileira a partir da análise de redes sociais. Economia e Sociedade, Campinas, SP, v. 31, n. 2, p. 385–415, 2022. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8670772. Acesso em: 1 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos