Banner Portal
Real feitoria do linho cânhamo
PDF

Palavras-chave

Brasil
Portugal
Cânhamo
Real feitoria do linho cânhamo
História econômica

Como Citar

ROSA, Lilian. Real feitoria do linho cânhamo: da diversificação econômica aos desafios produtivos (1783-1824). Economia e Sociedade, Campinas, SP, v. 33, n. 2, p. e269846, 2024. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8676906. Acesso em: 23 jul. 2024.

Resumo

A Real Feitoria do Linho Cânhamo (RFLC) foi resultado de uma política do Estado português que visava a produção de uma matéria-prima essencial para os impérios ultramarinos da época. Neste trabalho, a trajetória administrativa deste estabelecimento é compreendida dentro da organização administrativa do Estado português, sem deixar de dialogar com os poderes locais. Para isso, foram consultados documentos da RFLC, do vice-rei Luís de Vasconcelos e Sousa, dos governadores locais, do Conselho Ultramarino e dos Secretários de Estado da Marinha e Ultramar. A análise destes documentos revela que a administração da RFLC esteve subordinada a um conjunto de instituições públicas e privadas. Ao final, conclui-se que essas instituições limitaram o poder dos inspetores, relegando-os mais a um papel de adjuvantes do que de administradores capazes de fomentar o projeto em torno da RFLC.

PDF

Referências

AZEVEDO, Dannylo de. O fazendeiro do Brasil: manuais agrícolas no Brasil colonial em finais do século XVIII. Dissertação (Dissertação em História)-Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

CARDOSO, Fernando H. Capitalismo e escravidão no Brasil Meridional. O negro na sociedade escravocrata do Rio Grande do Sul. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

CHALHOUB, Sidney. Visões da liberdade: uma história das últimas décadas da escravidão na corte. São Paulo, SP: Companhia das Letras, 1990.

CONTRERAS, Ramóm Maria Serrera. Cultivo y manufactura de lino cánãmo en Nueva Espanã. Sevilla: Escuela de Estudios Hispano-Americanos de Sevilla, 1974.

CRESPO SOLANA, A. El comercio holandês y la integrácion de espacios económicos entre Cadiz y el Báltico em tiempo de guerra (1699-1723). Investigaciones de Historia Económica, v. 3 n. 8, p. 45-76, 2007.

DEITCH, Robert. Hemp - American History Revisited: the plant with a divided history. New York: Algora Publishing, 1950.

DÍAZ-ORDÓÑEZ, M. Amarrados al negocio: reformismo borbónico y su ministro de Jarcia para la Armada Real (1675-1751). Madrid: Ministerio de Defesa. Secretária General Tecnica, 2009.

DÍAZ-ORDÓÑEZ, M. Radiografía de un fracaso angloespañol: el cáñamo, un producto que debería de haber llegado de América durante los siglos XVI-XIX. Obradoiro de Historia Moderna, v. 27, p. 263-289, 2018.

DÍAZ-ORDÓÑEZ, M. Cannabis Yarn in the Spanish and English Empires. Different Policies, but the Same Results? War & Society, 2021.

DÍAZ-ORDÓÑEZ, M. La comisión del cáñamo en Granada. Sustituir la dependencia báltica como estrategia defensiva del Imperio español en el siglo XVIII. Vegueta, n. 16, p. 93-123, 2016.

DÍAZ-ORDÓÑEZ, Manuel; Rodríguez-Hernández, Antonio José. Cannabis sativa y Chile (1577 1700): un insumo al servicio del imperio. TEMPUS Revista en Historia General, 6, p. 1 21, 2017.

HASHIM, Nadra O. Hemp and the global economy. The rise of labor innovation and trade. Lanham: Lexington Books, 2017.

HOFFMAN, Philip T. Why did Europe conquer the world? Princeton: Princeton University Press, 2017.

HOPKINS, James F. A history of the Hemp Industry in Kentucky [S.l.]: University Press of Kentucky, 1998.

KOSTER, Henry. Viagens ao Nordeste do Brasil 2. ed. Recife: Secretaria de Educação e Cultura do Estado de Pernambuco, [1817] 1978.

LOBO, Eulália Maria Lahmeyer. História do Rio de Janeiro: do capital comercial ao capital industrial e financeiro. Rio de Janeiro: IBMEC, 1978. v. 1.

MARCANDIER. Tratado sobre o cânhamo Lisboa: Na Of. de Simão Thaddeo Ferreira, 1799.

MENZ, Maximiliano Mac. Os escravos da Feitoria do Linho Cânhamo: trabalho, conflito e negociação. Afro-Asia, Salvador, v. 32, 2005.

MIRANDA, Márcia Eckert. Continente de São Pedro: a administração pública no período colonial. Porto Alegre: Ministério Público do Estado do RS / Corag, 2000.

MOTA, Antonia da Silva. Estrangeiros fazem fortuna no Maranhão Pombalino. Mneme - Revista de Humanidades, v. 9, n. 24, set./out. 2008.

OLIVEIRA, Ernesto Veiga de; GALHANO, Fernando; PEREIRA, Benjamim Enes. Tecnologia tradicional portuguesa: o linho. Lisboa, Portugal: Instituto Nacional de Investigação Científica, Centro de Estudos de Etnologia, 1978. v. 1.

OLIVEIRA, Julio Cesar. Fibra de linho num palmo de terra: a ocupação das terras da feitoria do linho cânhamo. História Unicap, v. 1, n. 2, jul./dez. 2014.

PESAVENTO, Fábio. Um pouco antes da Corte: a economia do Rio de Janeiro na segunda metade dos Setecentos. Tese (Tese em História)-Programa de Pós-Graduação em História da Universidade, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2009.

PETRY, Leopoldo, O Município de São Leopoldo. In: CONGRESSO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE SÃO LEOPOLDO, 1, Livraria do Globo, 1947. Anais...

POMERANZ, Kenneth. The great divergence: China, Europe, and the making of the modern world. Princeton, NJ: Princeton University Press, 2000.

ROSA, Lilian. Considerações sobre a organização produtiva da Real Feitoria do Linho Cânhamo (1783-1824). In: CONGRESSO DE HISTÓRIA ECONÔMICA DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA ECONÔMICA DA USP, 11, 2020, São Paulo. Anais Digitais.. p. 439-454.

SCHWARCZ, Lilia Moritz; GOMES, Flávio dos Santos (Org.). Dicionário da escravidão e liberdade: 50 textos críticos. São Paulo, SP: Companhia das Letras, 2018.

SILVA, Augusto da. Rafael Pinto Bandeira: de bandoleiro a governador - relações entre os poderes públicos e provado em Rio Grande de São Pedro. Dissertação (Mestrado)-UFRGS, Porto Alegre, 1999.

SOUZA, Laura de Mello e. Desclassificados do ouro: a pobreza mineira no século XVIII. 2. ed. Rio de Janeiro, RJ: Graal, 1990.

SOUZA, Laura de Mello e. O sol e a sombra: política e administração na América portuguesa do século XVIII. São Paulo, SP: Companhia das Letras, 2006.

VRIES, Peer. State, economy and the great divergence: Great Britain and China, 1680s-1850s. New York, London: Bloomsbury Academic, 2015.

VRIES Jan de. Playing with Scales: the global and the micro, the macro and the nano. Past & Present, v. 242, Issue Supplement 14, p. 23-36, Nov. 2019.

WALLERSTEIN, Immanuel. O Sistema mundial moderno: o mercantilismo e a consolidação da economia mundo europeia (1600-1750). Porto: Edições Afrontamento, 1996. v. II.

WALLERSTEIN, Immanuel. The modern World-System: capitalist agriculture and the origins of the Euporean World-Economy in the Sixteenth Century. New York & London: Academic Press, 1974.

WEHLING, Arno. Conjuntura portuguesa e ação econômica no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Instituto Histórico do Rio Grande do Sul, 2009.

WEHLING, Arno. Conjuntura portuguesa e ação econômica no Rio Grande de São Pedro. In: SIMPÓSIO COMEMORATIVO DO BICENTENÁRIO DA RESTAURAÇÃO DO RIO GRANDE (1776-1796). Rio de Janeiro: Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, 1976. Anais...

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2024 Economia e Sociedade

Downloads

Não há dados estatísticos.