Bioética, educación física y deporte: crítica a las epistemes que escinden al hombre y al saber

  • Fabio Zoboli Universidade Federal de Sergipe
  • Eduardo Francisco Freyre Roach Universidade de Moscou
  • Adolfo Ramos Lamar Universidade Regional de Blumenau
Palavras-chave: Bioética. Educación Física. Deportes. Epistemes. Dualismo. Epistemología. Corporalidad.

Resumo

Las Epistemes que escinden al hombre en cuerpo y alma, a los saberes, y los valores, promueven actividades de Educación Física y Deporte, que comprometen las expectativas Beneficiencia, No Maleficiencia, Autonomía y Justicia, que se sugieren en la Bioética. Revertir esta situación, favorecida por el status quo capitalista neoliberal globalizado, implica la asunción de enfoques epistemológicos de la corporalidad humana y su actividad motriz, en sus dimensiones sociales, culturales, etnico-raciales, de género, políticas, y ética. El trabajo aborda de forma crítica la concepción médico-biológica cartesiana de la Educación Física y del Deporte y las tensiones existentes entre bioética, educación física y actividad deportiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabio Zoboli, Universidade Federal de Sergipe
Doutor em Educação pela Universidade Federal da Bahia – UFBA. Professor do Departamento de Educação Física do Departamento de Educação Física da Universidade Federal de Sergipe – UFS.
Eduardo Francisco Freyre Roach, Universidade de Moscou
Professor da Universidade Agrária da Habana/Cuba. Pós-doutor em Educação pela Universidade Estadual de Campinas/SP – UNICAMP e Doutor em Filosofia pela Universidade de Moscou, Rússia.
Adolfo Ramos Lamar, Universidade Regional de Blumenau
Pós-doutor em Educação pela Universidade de São Paulo – USP. Professor do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Regional de Blumenau/SC – FURB.

Referências

ACOSTA S. J. R. Bioética para la sustentabilidad. Publicaciones Acuario, Centro Félix Varela, La Habana, 2002.

ALVES, R. O corpo e as palavras. In: BRUHNS, Heloísa Turini. (org.) Conversando sobre o corpo. p. 17-42. Campinas, SP: Papirus, 1986.

BECK D. C. C, de Almeida Gomes Marcius, y Saldanha Diniz Maria. Bioética em pesquisa na Educação Física. Revista Digital - Buenos Aires – Año 11 – N° 96 – Mayo de 2006. In: http://www.efdeportes.com/efd96/bioetica.htm Acesso em 11 septembro de 2010.

BENGHI R. y ZOBOLI F. Educação Física e promoção humana. Acadêmica, Blumenau-SC, 2004.

BETTI, M. A janela de vidro: esporte, televisão e educação física. Papirus: Campinas, 2005.

BEAUCHAMP, Tom L.; CHILDRESS, James F. Princípios de ética biomédica. São Paulo: Loyola, 2002.

BRANDÃO, Claudio. Bioética na educação física. Maceió: Edições Catavento, 2003.

BRANDÃO, Claudio. Bioética na educação física: discriminação em uma escola pública do Distrito Federal. 2002. 94 f. Dissertação (Mestrado em Educação).

BOTELHO, Rafael Guimarães. Bioética no contexto das pesquisas científicas brasileiras em educação física e ciências do desporto. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto, v. 4, n. 2, p. 127-128, set. 2004. Suplemento.

CACHORRO Gabriel. Ideas para pensar la Educación Física. Revista Educación física y deporte, n. 27–2, 65-75, 2008, Funámbulos Editores.

CHAVES M. A produção do conhecimento em educação física nos estados do nordeste(Alagoas, Bahia, Pernambuco e Sergipe, 1982-2004. Salvador, 2005. Relatorio de Posdoutorado, Universidade Federal da Bahia.

DÍAS J. M. Bioética e Educação Física. Documento CONFEF/ CREF. www.confef.org Acessado em 30 out/2005.

ENGEL, E-M. O desafio das biotécnicas para a ética e a Antropologia. Veritas 2004; 50(2):205-228. http://www.ufrgs.br/bioetica/ bioet27.htm. Acesso em 12 de janeiro de 2010.

FREYRE R. E. F. A abordagem fenomenológico- hermenêutica na produção de teses de doutorado em educação no estado de São Paulo. Relatório de Pós-doutorado, UNICAMP, 2007.

GAMBOA S. S. A. Epistemologia da Educação Física: as interrelações necessárias. 2007 (Inédito).

KUNZRU, H. “Você é um ciborgue”: Um encontro com Donna Haraway. In SILVA, Tomaz Tadeu. Antropologia do ciborgue: as vertigens do pós-humano. pp. 19-37. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

MORIN EDGAR. Los sietes saberes necesarios para la educación del futuro. Organización de las Naciones Unidas para la Educación, la Ciencia y la Cultura. París, 1999.

PALACIOS, S. M. Doping y dopaje: una guía para médicos y entrenadores. Buenos Aires, 1979.

PARTISANS, J. Deporte, cultura y represión. Barcelona, Editorial Gustavo Gil, 1988.

POLANCO B., Yanet. La Epistemología de la complejidad como recurso para la educacion. Revista Ciencias de la Educación Crítica. Año 6,?Vol. 1, ? N. 27, Valencia, Enero-Junio 2006, p. 179-188.

POTTER R. Bioética Puente, Bioética Global y Bioética Profunda. 1998 In: http://165.158.1.110/spanish/hdp/PRB/pot.htm. Acesso em 14 de junho de 2010.

POTTER R. Deep and global Bioética for a livable third millennium. In: The Scientist (12/1/:9, Jan. 2005).

POTTER R. Bioethics, bridge to the future. Prentice Hall: New York, 1971.

SÉRGIO, M. Algumas teses sobre o desporto. 2 ed. Lisboa – Portugal: compendium, 2003.

SILVA A. N. M. y F. Z. Educação e Ética: Historicidade, práxis e processos formativos. Blumenau/SC: Edifurb, 2006.

SILVA de S. R. V. Pesquisa em educação física: determinações históricas e implicações epistemológicas. Tese (doutorado) 2006. UNICAMP.

ZAMORA RAMÍREZ MONICA. Aproximación a una concepción bioética del deporte. In: http://www.cbioetica.org/revista/53/ 531417.pdf. Acesso em 11 septembro de 2010.

ZOBOLI ELCP. Bioética e Atenção Básica: um estudo de ética descritiva com enfermeiros e médicos do Programa Saúde da Família. Tese de Doutorado, Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo. São Paulo 2003.

Publicado
2011-08-03
Como Citar
Zoboli, F., Roach, E. F. F., & Lamar, A. R. (2011). Bioética, educación física y deporte: crítica a las epistemes que escinden al hombre y al saber. Ideias, 2(1), 197-217. https://doi.org/10.20396/ideias.v2i1.8649337

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)