MOUFFE, Chantal. En torno a lo político. Buenos Aires: Fondo de cultura económica. 2009

  • Bruno Vicente Lippe Pasquarelli Universidade Federal de São Carlos
Palavras-chave: Política - Resenha.

Resumo

Com o fim da União Soviética e o desmantelamento da esquerda, o neoliberalismo parecia reinar de modo incontestável como a ideologia dominante. Porém, nas últimas décadas, houve iniciativas dos chamados pós-modernos para repensar esse domínio neoliberal. E é a partir desse pressuposto que Chantal Mouffe (2009), em En torno a lo político, considera que a visão da democracia liberal se nega a reconhecer a dimensão antagônica constitutiva do político, criticando os defensores da forma consensual de democracia – em especial, Jürgen Habermas – e examinando as consequências da negação do antagonismo. Para Mouffe, o consenso racional colocou o pensamento democrático no caminho equivocado, pois no lugar de desenhar instituições que reconciliariam os interesses e valores em conflito, os teóricos democráticos deveriam promover a criação de uma esfera pública de luta agonista, onde se podem confrontar diferentes projetos políticos hegemônicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno Vicente Lippe Pasquarelli, Universidade Federal de São Carlos
Doutorando em Ciência Política pela UFSCAR; bolsista FAPESP

Referências

BECK, U. The Reinvention of Politics: Rethinking Modernity in the Global Social Order. Cambridge: Polity Press, 1997.

GIDDENS, A. Más Allá de La izquierda y La derecha. Madrid: Cátedra, 1997.

GIDDENS, A. La tercera vía. Madrid: Taurus, 2002.

HABERMAS, J. 2003. Mudança Estrutural da Esfera Pública. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.

HELD, D. Democracy and the Global Order. Cambridge: Polity Press, 1995.

MOUFFE, C. 2009. En torno a lo político. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica.

SCHMITT, C. 1998. El concepto de lo político. Madrid: Alianza.

Publicado
2011-08-03
Como Citar
Pasquarelli, B. V. L. (2011). MOUFFE, Chantal. En torno a lo político. Buenos Aires: Fondo de cultura económica. 2009. Ideias, 2(1), 277-282. https://doi.org/10.20396/ideias.v2i1.8649341