A ciência na Rio+20

  • José Eduardo Viglio Universidade Estadual de Campinas
  • Gabriela Marques Di Giulio Universidade Estadual de Campinas
  • Ramon Felipe Bicudo da Silva Universidade Estadual de Campinas
  • Francisco Araos Leiva Universidade Estadual de Campinas
Palavras-chave: Rio 20. Ciência e sociedade. Ciência e sustentabilidade

Resumo

O papel e atuação da ciência nas arenas políticas relacionadas aos problemas ambientais constituem um elemento chave para a compreensão da relação entre ciência e sociedade. Inserido nesta discussão, este artigo analisa a atuação dos atores científicos na Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável – Rio+20. Para isso, foram delimitadas empiricamente as ações e decisões dos cientistas no Fórum de ciência, tecnologia e inovação para o desenvolvimento sustentável, organizado pelo Conselho Internacional para a Ciência (ICSU, na sigla em inglês) nos dias que antecederam a conferência. A análise dos documentos produzidos durante esse Fórum e de depoimentos de seus organizadores aponta a tentativa dos cientistas de expandirem suas relações com outros atores sociais na produção e utilização do conhecimento científico em consonância com um discurso institucional que sugere a construção de um novo contrato social entre ciência e sociedade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Eduardo Viglio, Universidade Estadual de Campinas

José Eduardo Viglio é Bacharel em Ecologia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2001), mestre em Engenharia Urbana pela Universidade Federal de São Carlos (2004), doutor em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas (2012) e pós-doutorado no Núcleo de Estudos e Pesquisas Ambientais da Unicamp. É integrante do grupo de pesquisa do CNPq “Mudanças Sociais, Conflitos, Biodiversidade e Mudanças Climáticas”. Em suas pesquisas aborda o tema de conflitos sociais e negociações envolvendo conservação ambiental e crescimento econômico com ênfase em processos decisórios sobre empreendimentos de infraestrutura e de energia.

Gabriela Marques Di Giulio, Universidade Estadual de Campinas

É professora doutora do Departamento de Saúde Ambiental da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP). Tem doutorado em Ambiente e Sociedade pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp-2010), mestrado em Política Científica e Tecnológica pelo Instituto de Geociências da Unicamp (2006), especialização em Jornalismo Científico pela Unicamp (2004) e graduação em Comunicação Social - Jornalismo pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp-2001). Realizou estágio de pós-doutoramento no Núcleo de Estudos e Pesquisas Ambientais (NEPAM - Unicamp) entre 2011 e 2013. Realizou estágio de doutorado sanduíche em 2009 no Institute of Hazard, Risk and Relisience (Durham University, Inglaterra) e estágio de pesquisa no exterior na Stuttgart University, Alemanha, em 2012. Integra o Grupo de Pesquisa Meio Ambiente e Sociedade do Instituto de Estudos Avançados da USP, é pesquisadora permanente do Laboratório Interdisciplinar de Estudos e Pesquisas Sociais em Saúde Pública (LIESP) e associada ao International Sociological Association (ISA), ao Chapter Brazil da International Medical Geology Association (IMGA) e à Rede Ibero-americana de Pesquisa em Ambiente e Sociedade. Áreas de interesse: Ambiente e Sociedade; Ciência e Comunicação; Riscos e Incertezas; Comunicação, Percepção e Governança do Risco; Processos Decisórios; Dimensões Humanas das Mudanças Climáticas.

Ramon Felipe Bicudo da Silva, Universidade Estadual de Campinas

Biólogo (UNESP/Bauru), Doutor pelo programa em Ambiente e Sociedade do Núcleo de Estudos e Pesquisas Ambientais (NEPAM/UNICAMP), mestre pelo curso de Engenharia Agronômica (UNESP/Botucatu) e especialista em Gestão Ambiental (UFSCar). Minha experiência profissional e acadêmica cobre as áreas de educação ambiental, pesquisa social, gestão ambiental de paisagens urbanas e agrícolas, sensoriamento remoto, geoprocessamento e pesquisas sobre as dinâmicas de uso e cobertura da terra.

Francisco Araos Leiva, Universidade Estadual de Campinas

Antropólogo Social da Universidade do Chile (2007). Doutor em Ambiente e Sociedade pela Universidade Estadual de Campinas (2014). Pesquisador de Pós-Doutorado no Programa ATLAS, Universidad de Los Lagos, Chile (Programa de Investigación Interdisciplinaria en Complejidad Territorial y Sustentabilidad) (FONDECYT/CONICYT). Atua na área de antropologia ambiental, com foco na conservação da biodiversidade e na governança da zona costeira. Pesquisador associado ao Centro de Desarrollo Sustentable de Pichilemu, organização da sociedade civil que promove o desenvolvimento sustentável da zona costeira do Chile.

Referências

ACADEMIA BRASILEIRA DE CIÊNCIA (ABC). Conselho internacional para a ciência. Disponível em: http://www.abc.org.br/article.php3?id_article=72. Acesso em: 01 nov. 2012.

BECK, U. Risk Society: Towards a New Modernity. London: SAGE Publications, 1992.

BERKHOUT, F.; LEACH, M.; SCOONES, I. Negotiating environmental changes: new perspectives from social science. Cheltenham: Edward Elgar Publishing Limited, 2003.

BOHOLM, A. “Editorial: New perspectives on risk communication: uncertainty in a complex society”. Journal of Risk Research, London, v. 11, Issue 1-2, p. 1-3, 2008.

CALLON, M. “The role of lay people in the production and dissemination of scientific knowledge”. Science, Technology & Society, [s/l], v. 4, n. 1, p. 82-94, March 1999.

CORBURN, J. “Community Knowledge in environmental health science: co-producing policy expertise”. Environmental Science & Policy, [s/l], v. 10, Issue 2, p. 150-161, April 2007.

DI GIULIO, G.M. Risco, Ambiente e Saúde: Um debate sobre comunicação e governança do risco em áreas contaminadas. São Paulo: Annablume, 2012.

DI GIULIO, G.M.; VIGLIO, J. E.; FERREIRA, L. C. Building dialogue between “those who make science” and “those who use science to make decisions”: a Brazilian case study. In: Planet Under Pressure, Londres, 2012.

DI GIULIO, G.M. et al. “Participative risk communication as an important tool in medical geology studies”. Journal of Geochemical Exploration, [s/l], 2012. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1016/j.gexplo.2012.06.005.

FELT, U.; WYNNE, B. Science and governance: taking European knowledge society. 2007. Disponível em: http://ec.europa.eu/research/science-society/document_library-/pdf_06/european-knowledge-society_en.pdf. Acesso em: 09 jul. 2008.

FERREIRA, L. C. “Conflitos sociais e o uso de recursos naturais: breves comentários sobre modelos técnicos e linhas de pesquisa”. Política & Sociedade, Florianópolis, v. 4, n. 7, p. 105-118, 2005.

FERREIRA, L. C. “Os fantasmas do Vale: conflitos em torno do desastre ambiental em Cubatão”. Política & Trabalho, João Pessoa, ed. 25, p. 165-188, 2006.

FERREIRA, L. C. “A Equação Dinâmica entre Conflitos Sociais, Recursos Naturais e Desastres Ambientais: O Estado da Arte e uma Proposta Teórica”. Anais: VI Encontro Nacional da ANPPAS, 18 a 21 de setembro de 2012, Belém - PA – Brasil.

FUNTOWICZ, S.; RAVETZ, J. “Ciência pós-normal e comunidades ampliadas de pares face aos desafios ambientais”. História Ciência Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 4, n. 2, 1997. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php-?script=sci_arttextepid=S0104-59701997000200002elng=enenrm=iso. Acesso em: 01 out. 2008.

GUIVANT, J. S. “Reflexividade na sociedade de risco: conflitos entre leigos e peritos sobre os agrotóxicos”. In: HERCULANO, S. (org.). Qualidade de vida e riscos ambientais. Niterói: UFF, 2000, p. 281-303.

GUIVANT, J. S. “A governança dos riscos e os desafios para a redefinição da arena pública do Brasil”. In: Ciência, Tecnologia + Sociedade: Novos Modelos de Governança. Brasília, 06 a 11 de dezembro de 2004. Disponível em: http://www.nisra.ufsc.br/pdf/A%20governa%5B1%5D...pdf.

GUIVANT, J. S. “Transgênicos e percepção pública da ciência no Brasil”. Ambiente & Sociedade, São Paulo, v. 9, n. 1, p. 81-103, 2006.

HANNIGAN, J. Environmental Sociology. London/New York: Routledg, 2006.

INTERNATIONAL COUNCIL FOR SCIENCE (ICSU). Science and Technology for Rio+20. Disponível em: http://www.icsu.org/rio20/home/rio-icsu-info-sheet. Acesso em: 01 out. 2012.

INTERNATIONAL COUNCIL FOR SCIENCE. Input for Rio+20 Compilation Document. Disponível em: http://www.icsu.org/rio20/documents/icsu-submission-to-rio-20-outcome-document. Acesso em: 01 out. 2012.

IRWIN, A. Sociology and the Environment. Cambridge: Polity Press, 2001.

JASANOFF, S. “Technologies of humility: citizen participation in governing science”. Minerva, [s/l], v. 41, p. 223-244, 2003.

JASANOFF, S. Designs on nature: Science and Democracy in Europe and the United States. Princeton/Oxford: Princeton University Press, 2005.

JASANOFF, S.; MARTELLO, M. L. (orgs.). Earthy Politics: local and global in Environmental Governance. Cambridge, USA: MIT Press, 2004.

NELKIN, D. Technological decisions and democracy: European Experiments in Public Participation. London: Sage Publications, 1977.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Outcome Document of the Summit Conference Rio+20 WFEO Inputs and Contributions. Disponível em: http://www.uncsd2012.org/content/documents/70WFEOInputsContributions.pdf. Acesso em: 01 out. 2012.

OWENS, S. “Engaging the public: information and deliberation in environmental policy”. Environment and Planning A, [s/l], v. 32, p. 1141-1148, 2000.

PIELKE JR, R. The honest broker: making sense of science in policy and politics. Cambridge, UK: Cambridge University Press, 2007.

RENN, O. “The social arena concept of risk debates”. In: KRIMSKY, S. (ed.). Social theories of risk. Westport: Greenwood Publishing Group, 1992, p. 179-196.

RENN, O. Risk governance: coping with uncertainty in a complex world. London: Earthscan, 2008.

ROTHMAN, J.; THOMAS, E. (eds). Intervention research-design and development for human service. New York: The Haworth Press, 1994.

VIGLIO, J. E. Usos sociais e políticos da ciência na definição de riscos e impactos ambientais no setor de petróleo e gás. 2012. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Campinas.

WALLERSTEIN, N.; DURAN, B. “Community-based participatory research contributions to intervention research: the intersection of science and practice to improve health equity. American Journal of Public Health, [s/l], Supplement 1, v. 100, n. S1, 2010.

WILSDOM, J.; WYNNE, B.; STILGOE, J. The public value of science: or how to ensure that science really matters. London: Demos, Magdalen House, 2005. Disponível em: http://www.demos.co.uk/files/publicvalueofscience.pdf. Acesso em: 07 nov. 2008.

WYNNE, B. "Sheep farming after Chernoby: a case study in communicating scientific information. Environment Magazine, [s/l], v. 31, p. 10-15, 1989a.

WYNNE, B. “May the sheep safely graze? A reflexive view ot the expert-lay knowledge divide”. In: LASH, S.; SZERSZYNSKI, B.; WYNNE, B. (eds.). Risk, environment and modernity. Londom: Sage Publications, 1996.

WYNNE, B. “Risk as globalizing “democratic” discourse? Framing subjects and citizens”. In: LEACH, M.; SCOONES, I.; WYNNE, B. (eds). Science and citizens: globalization and the challenge of engagement. London: Zed Books, 2005, p. 66-82.

YEARLEY, S. “Green ambivalence about science: legal-rational authority and the Scientific legitimation of a social movement”. The British Journal of Sociology, London, v. 43, n. 4, p. 511-532, December 1992.

Publicado
2013-04-04
Como Citar
Viglio, J. E., Giulio, G. M. D., Silva, R. F. B. da, & Leiva, F. A. (2013). A ciência na Rio+20. Ideias, 3(2), 11-30. https://doi.org/10.20396/ideias.v3i2.8649346
Seção
Dossiê: Relações Brasil-China