A estética e a discussão sobre indústria cultural no Brasil

Rodrigo Antonio de Paiva Duarte

Resumo


A interpretação filosófica da cultura e da estética constitui o quarto tema abordado no dossiê. Em “A estética e a discussão sobre indústria cultural no Brasil”, Rodrigo Duarte apresenta uma caracterização das transformações sofridas pela filosofia da arte ou estética desde a Crítica da faculdade do juízo, de Immanuel Kant – obra central para a ideia da arte como autônoma –, até a crítica radical realizada por Max Horkheimer e Theodor Adorno, na Dialética do Esclarecimento, à indústria cultural como dominação da produção artística por uma lógica mercantil e massificadora. A partir dessa caracterização da trajetória da estética filosófica no contexto europeu, o autor analisa o movimento correspondente em solo brasileiro, destacando tanto a própria difusão dos meios de comunicação de massa no Brasil quanto o estabelecimento e a diversificação da produção acadêmica crítica sobre o tema, e chega à conclusão de que a compreensão crítica dos fenômenos de cultura de massa se deu no Brasil concomitantemente à consolidação da recepção da teoria crítica da sociedade (tal como concebida por Horkheimer e Adorno) em nosso país.

Palavras-chave


Indústria cultural.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBERTI DA ROSA, R. Música e Mitologia do Cinema – Nas trilhas de Adorno e Eisler. Ijuí: Editora Unijuí, 136 p. 2003.

ALBERTI DA ROSA, R. Catarse e Resistência – Adorno e os limites da obra de arte crítica na Pós-modernidade. Canoas: Editora da ULBRA, 208 p. 2008.

ALBINO, B. S. e VAZ, A. F. “Corpo, vida, diagnóstico do presente: Aproximações exploratórias entre Theodor W. Adorno e Michel Foucault”. Lecturas: Educación Física y Deportes, v. 13, pp. 1-9. 2008.

ALMEIDA, J. M. B. de. Theodor W. Adorno. Indústria cultural e sociedade. 1a ed. São Paulo: Paz e Terra, 127 p. 2002.

ALVES JÚNIOR, D. G. “Adorno e a questão da indústria cultural: O que está em jogo?”. Caderno de Educação, Belo Horizonte, v. 1, n. 1, pp. 56-61. 2001.

ARGUELHES, D. de O. e DOMINGOS, M. J. “Jazz, rock’n’roll, música pop, regressão da audição e fetichismo na música: Alguns apontamentos sobre um velho texto de Theodor W. Adorno”. Universitas. História. UNICEUB, v. 1, pp. 89-115. 2001.

BAHIA, R. J. B. Das luzes à desilusão: O conceito de indústria cultural em Adorno e Horkheimer. Belo Horizonte: Autêntica; FHCFUMEC, 2004.

BASSANI, J. J. e VAZ, A. F. “Técnica, corpo e coisificação: Notas de trabalho sobre o tema da técnica em Theodor W. Adorno”. Educação e Sociedade, v. 29, pp. 99-118. 2008.

BUENO, S. F. Educação, paranoia e semiformação. Educ. rev. [online], v. 26, n. 2, pp. 299-315. 2010.

BURNETT, H. “Adorno (e sempre) o jazz”. Letras: Periódico cultural, Belo Horizonte, p. 7, jul. 2008.

BURNETT, H. “Mário de Andrade visita Adorno”. Trópico: Idéias de norte a sul, 15 out. 2007.

CARONE, I. “Adorno e a educação musical pelo rádio”. Educação e Sociedade, Universidade de Campinas, v. 24, n. 83, pp. 30-43. 2003.

COHN, G. “Difícil reconciliação: Adorno e a dialética da cultura”. Lua Nova. Revista de Cultura e Política, São Paulo, n. 20, pp. 5-18. 1990.

DUARTE, R. A. P. Adorno/Horkheimer & a Dialética do esclarecimento. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, v. 1, 72 p. 2002.

DUARTE, R. A. P.; FIGUEIREDO, Virginia de Araújo e KANGUSSU, Imaculada. Theoria Aesthetica. Em comemoração ao centenário de Theodor W. Adorno. 1a ed. Porto Alegre: Escritos Editora, v. 1. 381 p. 2005.

DUARTE, R. Teoria crítica da indústria cultural. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

DUARTE, R. Indústria cultural: Uma introdução. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2010.

DUARTE, R. et alii (orgs.). Kátharsis. Reflexões sobre um conceito estético. Belo Horizonte: Editora C/Arte, 2002.

DUARTE, R. “Brasilien”. In: KLEIN, Richard et alii. Adorno Handbuch. Leben-Werk-Wirkung. Stuttgart: J. B. Metzler, p. 471 ss. 2011.

DURÃO, F. A. (org.). Culture Industry today. Cambridge Scholars Publishing, 2010.

DURÃO, F. A.; ZUIN, Antônio e VAZ, Alexandre Fernandez (org.). A indústria cultural hoje. São Paulo: Boitempo Editorial, 2008.

FABIANO, L. H. “Adorno, Arte e Educação: Negócio da arte como negação”. Educação e Sociedade, Campinas, v. 24, n. 83, pp. 495-505. 2003.

FREITAS, V. Adorno e a arte contemporânea. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 72 p. 2003.

FREITAS, V. “Theoria Aesthetica de Theodor Adorno”. Revista Portuguesa de Filosofia, Braga, v. 60, n. 1, pp. 253-255, 2004.

GATTI, L. F. Constelações. Crítica e verdade em Benjamin e Adorno. São Paulo: Edições Loyola, 2009.

HORKHEIMER, Max e ADORNO, T. Dialektik der Aufklärung. Frankfurt am Main: Suhrkamp, p. 181 ss. 1981.

HORKHEIMER, Max. Dialética do esclarecimento. Tradução: Guido Almeida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, p. 148. 1985.

KANT, I. Kritik der Urteilskraft. Frankfurt am Main: Suhrkamp, p. 115. 1984.

KANT, I. Crítica da faculdade do juízo. Tradução: Valério Rohden e António Marques. 2a ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária. 1995.

LOUREIRO, R. “Considerações sobre o cinema na teoria crítica – Theodor Adorno e Alexander Kluge: Um diálogo possível”. Impulso, Pircacicaba, n. 39, pp. 1-18. 2005.

LOUREIRO, R. “Considerações sobre a filosofia de Theodor Adorno e o pós-moderno”. Educação e Realidade, v. 34, pp. 175-190, 2009.

MAAR, W. L. “Adorno, Semiformação e Educação”. Educação e Sociedade, Campinas, v. 24, n. 83, pp. 459-475, 2003.

MAAR, W. L. “Política e Sujeição Social pela Forma em Adorno”. Textos-Instituto de Pesquisas Sociais – Escola de Frankfurt. São Paulo, 2006.

MACHADO, G. P. A filosofia no Brasil. 3a ed. acrescida de notas. São Paulo: Cortez e Moraes. 1976.

MARCONDES FILHO, C. J. R. “Theodor Adorno: A crise da crítica da comunicação”. Hypnos. São Paulo, v. 19, pp. 45-67, 2007.

MORAES, E. J. de. Limites do moderno. O pensamento estético de Mario de Andrade. Rio de Janeiro: Relume Dumará. 1999.

NASCIMENTO, B. R. “A mistificação das massas: os operadores da indústria cultural na obra de Adorno e Horkheimer”. Revista Temática. Ano VII, n. 9. pp. 1-16, set. 2011.

NIETZSCHE, F. “Genealogie der Moral”. In: Werke III. Frankfurt am Main/Berlim/Viena: Ulstein, p. 317. 1979.

NOBRE, M. ”Objeções marxistas? Adorno e Benjamin na ‘encruzilhada de magia e positivismo“ dos anos 30. Cadernos de Filosofia Alemã, São Paulo, v. 3, pp. 45-59, 1997.

PAGNI, P. A. “O filosofar na arte de educar entre o corpo e a infância: Considerações a partir de Adorno e Lyotard”. Childhood & Philosophy, Montclair, USA/ Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 3. 2005.

PAGNI, P. A. “O problema do corpo na educação contemporânea: paralelos entre Foucault e Adorno”. Itinerários de Filosofia da Educação, v. 4, pp. 175-192. 2006.

PAGNI, P. A. “Dimensão Estética, linguagem e comunicação na experiência educativa: Divergências entre Dewey e Adorno”. Educação e Filosofia. UFU. Impresso, v. 23, pp. 169-188. 2009.

PUCCI, B. “Filosofia negativa e Educação: Adorno”. Filosofia, Sociedade e Educação, UNESP – Marília, v. 1, n. 1, pp. 163-192. 1997.

PUCCI, B. Anais do Colóquio Nacional “O Ético, o Estético, Adorno”. São Paulo: Gráfica da UNIMEP, 57 p. 1998.

PUTERMAN, P. Indústria cultural: A agonia de um conceito. São Paulo: Perspectiva. 1994.

RAMOS, C. “O ressentimento do guerreiro: Reflexões sobre corpo e educação a partir do pensamento de Theodor Adorno e da Psicanálise”. Interações. Universidade São Marcos, v. XI, pp. 9-28. 2006.

RAMOS, C. “Consumismo e gozo: Uma compreensão de ideologia entre T.W. Adorno e J. Lacan”. Psicologia USP, v. 19, pp. 199- 212. 2008.

RAMOS-DE-OLIVEIRA, N.; ZUIN, A. A. e PUCCI, B. T.W. Adorno: O Poder Formativo do Pensamento Crítico. Petrópolis: Vozes, 140 p. 2001.

RÜDIGER, F. “Revolvendo a dialética negativa: Arte e indústria cultural em Adorno”. Comunicarte, v. 22, pp. 46-58. 1998a.

RÜDIGER, F. “Técnica, arte e indústria cultural segundo Adorno”. Veritas. Porto Alegre, v. 43, pp. 339-411. 1998b.

RÜDIGER, F. Theodor Adorno e a crítica à indústria cultural. Porto Alegre: Edipucrs, 288 p. 2004.

SILVA, P. L. “Sobre educação, cultura e humanidade em Adorno”. Trilhas Filosóficas, v. 1, pp. 9-25. 2009.

SILVA, R. C. “A atualidade da crítica de Adorno à indústria cultural”. Educação e Filosofia, Uberlândia, v. 13, n. 25, pp. 27-42. 1999.

SOARES, J. C. e EWALD, A. P. “Reflexões à sombra de Adorno: Cultura do consumo, vazio existencial e sofrimento psíquico”. Nómadas, Madri, v. 1, n. 1, pp. 1-12. 2004.

TIBURI, M. A. “Notas e esboços da dialética do esclarecimento de Theodor Adorno e Max Horkheimer”. Cadernos IHU Idéias, Unisinos, São Leopoldo, v. 4, n. 1, pp. 31-47. 2003.

VASCONCELLOS, J. L. R. “Adorno, a música e o cinema”. Trama. UERJ, Rio de Janeiro, n. 4, pp. 12-20. 1994.

VAZ, A. F. ”Razão e corporeidade: elementos para a compreensão do corpo na modernidade”. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Florianópolis, v. 17, n. 2, p. 202. 1996.

VAZ, A. F. “Dominar a natureza, educar o corpo: notas a partir do tema da mímesis em Theodor W. Adorno e Max Horkheimer”. Lecturas Educación Física y Deportes, Buenos Aires, Argentina, v. 5, n. 27. 2000a.

VAZ, A. F. “Na constelação da destrutividade: o tema do esporte em Theodor W. Adorno e Max Horkheimer”. Motus Corporis. UGF, Rio de Janeiro, v. 7, n. 1, pp. 65-108. 2000b.

VAZ, A. F. “Esporte e indústria cultural em Theodor W. Adorno: Reflexões sobre a educação do corpo”. Nuances, Presidente Prudente, v. VIII, n. 8, pp. 33-46. 2002.

VAZ, A. F. “Corporalidade e Formação na Obra de Theodor W. Adorno: Questões para a reflexão crítica e para as práticas corporais”. Perspectiva, Florianópolis, v. 22, n. Especial, pp. 21-49. 2004.

VON BAUMGARTEN, Alexander. Estética. A lógica da arte e do poema. Petrópolis: Vozes. 1993.

ZUIN, A. A. S. “Educação e emancipação: Adorno, crítico da semicultura”. Pro-Posições. Unicamp, Campinas, v. 8, n. 2, pp. 71-83. 2000.




DOI: https://doi.org/10.20396/ideias.v3i1.8649364

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.






(c) Idéias, Campinas, SP - ISSN 2179-5525.