Caminhos da sustentabilidade urbana: o desafio da construção da gestão dos riscos socioambientais urbanos

  • Corina Alessandra Bezerra Carril Ribeiro Universidade Federal do Paraná
  • Rafaela Antunes Fortunato Universidade Federal do Paraná
  • Claudia Cristina Lopes Machado Universidade Federal do Paraná
Palavras-chave: Sustentabilidade urbana. Riscos socioambientais urbanos. Gestão urbana. Governança

Resumo

Com a emergência dos debates ambientais, no século XX, pelo surgimento de inúmeros problemas socioambientais urbanos e rurais, nos âmbitos local, regional e global, a temática da sustentabilidade urbana tem ocupado o palco de constantes debates e estudos científicos, e estado presente mais fortemente enquanto elemento discursivo e ideológico do que em programas e ações praticadas na gestão urbana. O presente artigo visa apresentar a visão de diversos autores sobre o tema, em seguida discute a relação entre globalização e riscos, apontando a governança como elemento essencial para a gestão dos riscos socioambientais urbanos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Corina Alessandra Bezerra Carril Ribeiro, Universidade Federal do Paraná

Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo (1995), graduação e Licenciatura em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo (1997) e mestrado em Ciência Ambiental pela Universidade de São Paulo (2005). É doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Meio Ambiente e Desenvolvimento (UFPR). Possui experiência na área de Políticas Públicas Ambientais e na área de Educação Superior. Atuando nas seguintes áreas de conhecimento: gestão urbana e socioambiental, sociologia ambiental, representação social de ambiente, ocupação e uso de áreas verdes e degradação sócio-ambiental.

Rafaela Antunes Fortunato, Universidade Federal do Paraná

Rafaela Antunes Fortunato é Arquiteta Urbanista formada pela Universidade Federal do Paraná (2003), com mestrado em Construção Civil pela Universidade Federal do Paraná (2006) e Doutorado em Meio Ambiente e Desenvolvimento também pela Universidade Federal do Paraná (2013). Desde 2005 é professora da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, sendo professora efetiva a partir de 2007. Atualmente ministra as disciplinas de Projetos Arquitetônicos 3, Patrimônio Cultural e Restauro 2 e Regeneração Urbana para o curso de Arquitetura e Urbanismo da UTFPR, além de atuar no Programa de Pós-Graduação em Meio Ambiente e Desenvolvimento (mestrado doutorado) - PPGMADE- UFPR como professora colaboradora, com o desenvolvimento de pesquisas relacionadas à reabilitação urbana, sustentabilidade urbana, mobilidade urbana, habitação de interesse social, patrimônio histórico, entre outros tópicos de arquitetura e urbanismo.

Claudia Cristina Lopes Machado, Universidade Federal do Paraná

Doutora em Meio Ambiente e Desenvolvimento pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Linha de pesquisa: Urbanização, Meio Ambiente e Cidades. Mestre em Organizações e Desenvolvimento pela FAE - Centro Universitário Franciscano ?PR, linha de Pesquisa em Complexidade e Organizações. Especialista em Planejamento Estratégico e Gestão Empresarial, graduada em Comunicação Social - Relações Públicas pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Pesquisadora integrante dos Grupos de Pesquisa: Mudanças Globais Riscos, Vulnerabilidades Socioambientais; Crise da Urbanização e Comunicação, Sociedade e Cultura, todos pela UFPR. Ênfase em Comunicação e Urbanização. É professora da FAE Business School - PR.

Referências

ACSELRAD, H. A duração das cidades: Sustentabilidade e risco nas políticas urbanas. 2a ed. Henri Acselrad (org.). Rio de Janeiro: Editora DP&A/ Lamparina, 2009.

BECK, U. La sociedad del riesgo. Hacia una nueva modernidad. Barcelona: Ediciones Paidós Ibérica, 308 p. 1998.

BUTLER, B. “Corporate Governance in the Public Sector”. Annual Public Sector Symposium – Queensland, Australia, 4. Retrieved June 16, 2004, from http//www.cmc.qld.gov.au/ library. In: MARQUES, M. da C. Aplicação dos Princípios da Governança Corporativa ao Sector Público. RAC, v. 11, n. 2, abr./ jun. 2007, pp. 11-26, 1999.

DOWBOR, L. Parcerias e alianças: O bom senso na gestão social. Uma abordagem conceitual das políticas para crianças e adolescentes. São Paulo, Documento para discussão.2002.

FISCHER, T. “Gestão contemporânea, cidades estratégicas: Aprendendo com fragmentos e reconfigurações do local”. In: FISCHER, T. (org.). Gestão estratégica: Cidades estratégicas e organizações locais. Rio de Janeiro: FGV.1996.

GIDDENS, A. A política da mudança climática. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editores, 2010.

HOGAN, D. J. e MARANDOLA Jr., E. (orgs.). População e Mudança Climática: Dimensões Humanas das Mudanças Ambientais Globais. Campinas: Nepo/UNFPA, 2009.

LAVELL, A. e ORTEGA, G. P. La gestión del riesgo de desastres: Un enfoque basado en procesos. Lima: Secretaría General de la Comunidad Andina. Disponível em: www.comunidadandina.org, acesso em 28/06/2011. 2009.

KOWARICK, Lucio. A espoliação urbana. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

MARICATO, E. Loteamentos clandestinos. In: Módulo 60 set/80. Rio de Janeiro: Avenir, 1980.

MARQUES, M. da C. “Aplicação dos Princípios da Governança Corporativa ao Sector Público”. RAC, v. 11, n. 2, abr./jun. 2007.pp. 11-26.

MARTINS, H. F. Publicização e Organizações Sociais: construindo organizações multicêntricas. In: III Congresso Internacional do Centro Latinoamericano de Administração para o Desenvolvimento, Madrid, 1998. pp. 1-11.

PELLING, M. The Vulnerability of Cities. Natural Disasters and Social Resilience. London: Earthscan Publications Ltd., 2003.

ROLNICK, R. O que é cidade? São Paulo: Brasiliense, 1988.

SANTOS, M. Por uma outra globalização: Do pensamento único a consciência universal. São Paulo: Record, 2000.

SASSEN, S. 2007. A sociology of globalization. New York: W. W. Norton & Company Ltd., 2007.

VEYRET, Y. Os riscos: O homem como agressor e vítima do meio ambiente. Yvette Veyret (org.). São Paulo: Editora Contexto, 2007.

Publicado
2012-12-13
Como Citar
Ribeiro, C. A. B. C., Fortunato, R. A., & Machado, C. C. L. (2012). Caminhos da sustentabilidade urbana: o desafio da construção da gestão dos riscos socioambientais urbanos. Ideias, 3(1), 243-265. https://doi.org/10.20396/ideias.v3i1.8649371